Violência contra a mulher: relato de experiência nas aulas de Sociologia em uma escola Estadual

Autores

  • Vanderlene de Farias Lima Universidade Estadual Vale do Acaraú

Palavras-chave:

Educação. Gênero. Feminicídio. Violência Doméstica.

Resumo

 A partir do século XX ocorreram diversas lutas para combater a discriminação e o preconceito baseados no gênero e na sexualidade, como por exemplo, o movimento feminista. No Brasil podemos citar como fruto desses movimentos a “Lei Maria da Penha” que tem repercussão nacional e internacional que defende o direito das mulheres e tenta impedir a violência, lei esta que completou 12 anos em 2018.Tendo em vista a relevância do tema na sociedade, o assunto foi discutido nas aulas de Sociologia com os jovens em uma escola Estadual, localizada na cidade de Guaraciaba do Norte, CE. O objetivo da pesquisa é relatar os resultados dessa experiência nas aulas da disciplina supracitada junto aos sujeitos envolvidos, compreendendo como o gênero é fruto de construções sociais. A metodologia proposta é a observação participante, análise exploratória, bibliográfica e documental. Para a análise utilizamos vídeos de depoimentos de mulheres que sofreram algum tipo de violência em sala de aula, e também análise da história de vida da Maria da Penha, imagens e propagandas machistas reproduzidas na década de 50 que são trabalhadas no livro “Sociologia em Movimento” adotado pela escola. A pesquisa nos mostrou através das análises em sala de aula que a violência contra a mulher no Brasil precisa ser mais discutida nas escolas. 

Palavras-chave:Educação. Gênero. Feminicídio. Violência Doméstica.

 

ABSTRACT          
From the twentieth century onwards there were several struggles to combat discrimination and prejudice based on gender and sexuality, such as the feminist movement. In Brazil we can cite as a result of these movements the “Maria da Penha Law”, which has national and international repercussions that defends women's rights and tries to prevent violence, a law that celebrated its 12th anniversary in 2018. Given the relevance of the theme in the In society, the subject was discussed in sociology classes with young people in a state school located in the city of Guaraciaba do Norte, CE. The objective of the research is to report the results of this experience in the classes of the above discipline with the subjects involved, understanding how gender is the result of social constructions. The proposed methodology is participant observation, exploratory, bibliographical and documentary analysis. For the analysis we used videos of testimonials of women who suffered some kind of violence in the classroom, as well as analysis of Maria da Penha's life story, images and sexist advertisements reproduced in the 50's that are worked in the book “Sociology in Motion”. ”Adopted by the school. Research has shown us through classroom analysis that violence against women in Brazil needs to be further discussed in schools.

Keywords:Education. Genre. Femicide. Domestic violence.

Biografia do Autor

Vanderlene de Farias Lima, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (2016) e é acadêmica do Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional (PROFSOCIO)/UVA . Especialista em Educação em Direitos Humanos pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2018) e em Metodologia do ensino de Filosofia e Sociologia pela Faculdade de Educação São Luis - FESL (2018). Atualmente é professora de Sociologia na rede pública do Estado do Ceará.

Referências

AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1980 [1949]. 2 v.

BRASIL, Lei Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em: 28 de out. de 2018.

COUTINHO, Maria Eduarda Cardoso Nunes. Violência doméstica contra a mulher: uma questão de gênero. Psicologia. pt ISSN 1646-6977. 2017. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1180.pdf. Acesso em 26 de out. de 2018.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade v. I: Vontade de saber. Rio de Janeiro. Graal, 1988.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MARTINS, L.M. A brincadeira de papéis sociais e a formação da personalidade. In.: ARCE, Alexandra. DUARTE, Newton (orgs.) Brincadeira de papéis sociais na educação infantil: as contribuições de Vigotski, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã, 2006 (p. 27 a 50).

MEAD, Margareth. Sexo e temperamento. São Paulo: Perspectiva. 1979.

SILVA, A.; LOUREIRO, B.; MIRANDA, C.; et al. Sociologia em Movimento. 2° ed. São Paulo. Moderna. 2016.

MILLS, C. W. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

OLIVEIRA, A. C. G. A.; COSTA, M. J. S & SOUSA, E. S. S. Feminicídio e violência de gênero: aspectos sóciojurídicas. v. 16, n. 24/25, janeiro a dezembro de 2015. Disponível em: http://revistatema.facisa.edu.br/index.php/revistatema/article/viewFile/236/pdf. Acessado em 26 de out. de 2018.

PRADO, Débora & SANEMATSU, Marisa. Feminicídio: invisibilidade mata. Fundação Rosa Luxemburgo. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão, 2017. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossies/feminicidio/. Acessado em 26 de out de 2018.

SAFFIOTI, H. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987. 120 p.

SILVA, Priscila Almeida. A escola e o conceito de gênero e sexualidade. I Seminário de Pesquisa da FESPSP: IV Seminário de Iniciação Científica e I Seminário da Pós-Graduação 26 a 30 de novembro de 2012. Disponível em: https://www.fespsp.org.br/sic2012/anais/mesa5/Aescolaeoconceito.pdf. Acessado em 05 de nov. de 2018.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Disponível em www.mapadaviolencia.org.br. Acesso em 28 de out. de 2018.

Downloads

Publicado

2020-02-13

Edição

Seção

Relato de Experiência Docente