Oficinas de Sociologia e Política, sob a Didática da Pedagogia Histórico-Crítica, no atendimento de estudantes superdotados/as: um relato de experiência

Laís Regina Kruczeveski, Aline Oliveira Gomes da Silva, Aline Maria da Silva Almeida

Resumo


Este relato tem como objetivo apresentar a experiência de participação nas oficinas de sociologia e política oferecidas dentro das salas de recurso do Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAH/S) em duas escolas estaduais da cidade de Londrina/PR. Estas oficinas foram presenciadas durante estágios e atividades desenvolvidas dentro do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e do Programa de Iniciação Científica (PROIC), durante os anos de 2015 e 2016. Em síntese, o relato objetiva apresentar o que são as salas de recursos para altas habilidades e como as oficinas podem contribuir para a formação dos/as estudantes, apresentando-lhes maneiras de estranhar o mundo social por meio de criticidade metodológica. A coleta dos dados aconteceu por meio da observação participante, no qual as pesquisadoras inseriram-se no contexto das atividades durante 15 meses. Diante do trabalho de campo, foi possível verificar que as oficinas de sociologia e política contribuíram de modo satisfatório no olhar de estranhamento e desnaturalização dos/as educandos/as para o mundo social, tendo em vista que as temáticas trabalhadas foram, em sua maioria, propostas por eles e elas, fazendo com que o estranhamento fosse ainda maior.


Palavras-chave


Educação especial. Altas habilidades/superdotação. NAAH/S. Sociologia. Política.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

BORGES, Maria Célia; PEREIRA, H. O. S.; AQUINO, F. A. Inclusão versus integração: a problemática das políticas e da formação docente. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 59, n. 3, 2012.

BRASIL. Núcleo de atividades de altas habilidades/superdotação: material orientador. Brasília-DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

FANTII, Bruna. O número de superdotados cresce 17 vezes em 14 anos nas escolas do Brasil. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 out. 2015.

FAUST, Georgia Martins. Atlas habilidades e superdotação: questão de gênero? 2015. Disponível em: https://geofaust.wordpress.com/2015/06/30/altas-habilidades-e-superdotacao-questao-de-genero/. Acesso em: 18 jan. 2019.

FLEITH, Denise de Souza (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: volume 1: orientação a professores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Especial, 2007a.

FLEITH, Denise de Souza (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: volume 2: atividades de estimulação de alunos. Brasília/DF: Ministério da Educação, Secretaria de educação especial, 2007b.

FLEITH, Denise de Souza (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com Altas Habilidades/superdotação: volume 3: o aluno e a família. Brasília/DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007c.

FREITAS, Soraia Napoleão; PÉRES, Susana Graciela Pérez. A mulher com altas habilidades/superdotação: à procura de uma identidade. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 4, p. 677-694, out./dez. 2012.

GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatísticas de educação: 2016. 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 2 jan. 2019.

KRUCZEVESKI, Lais Regina. Altas habilidades/superdotação a partir da perspectiva de gênero. 2017. Monografia (Especialização em Ensino de Sociologia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.

KRUCZEVESKI, Lais Regina; SILVA, Aline O. G. Altas habilidades/superdotação na educação básica: apontamentos a partir da perspectiva de gênero. Alabrasto, São Paulo, v. 2, n. 11, p. 37-51, 2018.

MARTINS, Barbara Amaral et al. Altas habilidades/superdotação: estudos no Brasil. Journal of Research in Special Educational Needs, [S. l.], v. 16, n. 1, 2016.

MILLS, C. Wright. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

PALUDO, Karina; DALLO, Luana. Gênero e altas habilidades/superdotação: incidência menor em meninas? A inclusão dos superdotados na escola e na sociedade. In: ENCONTRO NACIONAL CONBRASSD, 5., 2012, [S. l.]. Anais [...]. [S. l.], 2012.

PARANÁ. Paraná é referência no atendimento a superdotados. 2013. Disponível em: http://www.educacao.pr.gov.br/modules/noticias /article.php?storyid=4460. Acesso em: 22 jul. 2018.

REIS, Ana Paula P. Z.; GOMES, Candido A. Práticas pedagógicas reprodutoras de desigualdades: a subrepresentação de meninas entre alunos superdotados. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

VIGOTSKI, Lev S. Obras escogidas. Madrid: Visor, 1991. t. 1.

VIRGOLIM, Angela M. R. (org.). Altas habilidades/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.