Análise de questões de Sociologia do ENEM: reflexões didático-pedagógicas.

Ozaias Antônio Batista, Maria Genilda Marques Cardoso

Resumo


O presente artigo objetiva analisar três questões de Sociologia do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) realizado no ano de 2015, objetivando refletir sobre as habilidades, competências, conteúdos disciplinares e as prováveis dificuldades de aprendizagem tidas pelas/os candidatas/os na resolução das questões do ENEM (2015). A amostragem dos dados ficou restrita às/os candidatas/os vindas/os de instituições de ensino públicas e privadas que fizeram o ENEM (2015) e ingressaram na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 2016. Para escolha das questões foi levada em consideração a proximidade entre os percentuais de desempenho das/os candidatas/os. Vemos a interpretação dessas questões como uma possibilidade para alunos e professores problematizarem o ensinar-aprender Sociologia no Ensino Médio.

Palavras-chaves: Questões de Sociologia do ENEM (2015). Ensino de Sociologia. ENEM.

 

Abstract

This article aims to analyze three Sociology questions of the National High School Examination (ENEM) held in 2015, aiming at reflecting on the skills, competences, disciplinary contents and likely difficulties faced by the candidates taking ENEM (2015). Data sampling was restricted to candidates from public and private institutions that took ENEM (2015) and were accepted to the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN) in 2016. The proximity between percentages of candidates' performance was taken into consideration when choosing the questions. We see the interpretation of these questions as a possibility for students and teachers to problematize the teaching and learning of Sociology in High School.

Keywords: Sociology questions in ENEM (2015). The Teaching of Sociology. ENEM.

Palavras-chave


Questões de Sociologia do ENEM (2015); Ensino de Sociologia; ENEM.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIOLA, Wagner Bandeira. “Doze motivos favoráveis à adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) pelas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES).” Ensaio: avaliação de políticas públicas educacionais, Rio de Janeiro, v. 19, n. 70, p. 107-126, jan./mar. 2011.

BROOKE, Nigel. “O futuro das políticas de responsabilização educacional no Brasil”. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 36, n. 128, p. mai./ago. 2006.

CASTRO, Maria Helena Guimarães de. TIEZZI, Sergio. “A reforma do ensino médio e a implantação do Enem no Brasil.” Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

CAMPOS, Casemiro de Medeiros. “A Escola de Ensino Médio e o Novo ENEM.” [s.d.] Disponível em: http://www.casemiroonline.com.br/pdf/aescoladeensinomedioeonovoenem.pdf. Acessado no dia 04.05.16 às 07:47

DINIZ, Carmen Regina Bauer. “Movimento feministas da década de sessenta e suas manifestações na arte contemporânea”. 18º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas Transversalidades nas Artes Visuais – 21 a 26/09/2009 – Salvador/Bahia. Disponível em: www.anpap.org.br/anais.

FERREIRA, Eliza Bartolozzi. “A contrarreforma do Ensino Médio no contexto da nova ordem e progresso”. Educação & Sociedade: Revista de Ciências da Educação. Campinas, v. 38, n. 139, p. 239-308, abr./jun. 2017.

LEAL, Sayonara; YUNG, Tauvana. “Por uma sociologia do ensino de sociologia nas escolas: da finalidade atribuída à disciplina à experiência social do alunato. Estudos de caso no Distrito Federal”. Revista Sociedade e Estado, vol.30, n. 3, set/dez – 2015. Disponível em: www.scielo.br/pdf/se/v30n3/0102-6992-se--30-03-00773.pdf. Acesso em: 07/08/2017.

MALUSÁ, Silvana; et al. “Enem: pontos positivos para a educação brasileira.” Em: Revista Educação e Políticas em Debate. Uberlândia, v. 3, n. 2, p. 358-382, ago./dez. 2014.

MOTTA, Vânia Cardoso da; FRIGOTTO, Gaudêncio. “Por que a urgência da Reforma do Ensino Médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017)”. Educação & Sociedade: Revista de Ciências da Educação. Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-372, abr./jun. 2017.

NUÑEZ, Isauro Beltrán. RAMALHO, Betania Leite. Aprendendo com o ENEM: reflexões para melhor se pensar o ensino e a aprendizagem das ciências naturais e da matemática. Brasília: Liber Livro Editora, 2011.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O desencantamento do mundo: todos os passos do conceito em Max Weber. 3. ed. São Paulo: USP, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da FFLCH – USP / Editora 34, 2013.

REIS, Neilton dos; REIS, Isabela dos. “Questões de gênero no ensino médio: interfaces em sociologia, biologia e interdisciplinaridade”. Revista Movimentação, v.03, n.04, p.89-106, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/.../TCL%2014_Luisa_Final_com%20correções.pdf. Acesso em: 10/08/2017.

RIBEIRO, Tamires Almeida. “Simone de Beauvoir e o movimento feminista: contribuições à Educação”. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas. Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014. Disponível em: www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/GT6_Tamires%20Almeida%20Ribeiro.pdf. Acesso em: 10/08/2017.

SANTOS, Magda Guadalupe dos. Simone de Beauvoir. “Não se nasce mulher, torna-se mulher”. Sapere Aude, v.1, n.2, 2º semestre 2010, p.108-122. Disponível em: periódicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article. Acesso em: 10/08/2017.

SELL, Carlos Eduardo. “Racionalidade e racionalização em Max Weber”. Revista Brasileira em Ciências Sociais, vol. 27, n.79, junho/2012. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v27n79/a10.pdf. Acesso em: 09/08/2017.

SOUZA, Darli Alves de. “O desencantamento do mundo”. Disponível em: www.revistas.pucsp.br/index.php/ultimoandar/article/download/13187/9712. Acesso em: 09/08/2017.

TRAVITZKI, Rodrigo. Enem: limites e possiblidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar. (Doutorado em Educação) – Universidade de Campinas, 2013.

VIGGIANO, Esdras. MATTOS, Cristiano. “O desempenho de estudantes no Enem 2010 em diferentes regiões brasileiras.” Em: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (on line). Brasília, v. 94, n. 237, p. 417-438, mai./ago. 2013.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Recebido em: 10 de mar. 2019.

Aprovado em: 15 de mai. 2020

Forma de citar este texto (ABNT):

BATISTA, Ozaias Antonio, CARDOSO, Maria Genilda Marques. Análise de questões de Sociologia do ENEM: reflexões didático-pedagógicas. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.9, n. 1, p. 103-121, jan./jul. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Café com Sociologia

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.