Movimento dos Atingidos por Barragens: perspectivas teóricas de lutas práticas

Selma Singulano

Resumo


Nosso trabalho busca apresentar uma visão geral do histórico do Movimento dos Atingidos por Barragens contextualizando-o com a realidade brasileira. Visamos aqui analisá-lo segundo a perspectiva teórica dos Novos Movimentos Sociais, a fim de perceber elementos de identificação e oposição entre diferentes grupos e atores.


Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Angela. A teoria dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, v. 76, pp. 49-86, 2009.

CARDOSO, Ruth C. L. A trajetória dos movimentos sociais. In: DAGNINO, E. (Org.) Anos 90: Política e Sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2004.

DURHAM, Eunice. Movimentos sociais: a construção da cidadania. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n.10, 1984.

FOSCHIERA, Atamis Antonio; BATISTA, Lucione Sousa; JUNIOR, Antonio Thomaz. Organização e atuação do Movimento dos Atingidos por Barragens: O caso do MAB/TO. Revista Pegada, vol. 10, n. 1, 2009

LEROY, Jean-Pierre. A dívida ecológica brasileira. Quem deve a quem? Cadernos de Debate, Rio de Janeiro, nº 6, 2000.

MELUCCI, Alberto. Challenging codes: collective action in the information age. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

OLIVEIRA, Raquel. Conflitos Socioambientais no Licenciamento da Usina Hidrelétrica de Murta: a luta pelo sentido e o destino do território no Médio Jequitinhonha - MG. 2005. Monografia (graduação) "“ Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte.

RICARDO, Fany; MACEDO, Valéria. Apresentação. In: RICARDO, Fany (org.). Terras Indígenas e Unidades de Conservação da natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: ISA, 2004.

SACHS, Wolfgang. Meio Ambiente. In: SACHS, W. Dicionário do Desenvolvimento: Guia para o conhecimento como poder. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

SIGAUD, Ligia. Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho. Rio de Janeiro: PPGAS/Museu Nacional, 1986.

TOURAINE, Alain. Os novos conflitos sociais: para evitar mal-entendidos. Lua Nova, São Paulo, v. 17, pp. 5-18, 1989.

VAINER, Carlos. B. Águas para a vida, não para a morte: notas para uma história do movimento de atingidos por barragens no Brasil. In: Henri Acselrad; Selene Herculano; José Augusto Pádua (Org.). Justiça Ambiental e Cidadania. 1 ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

_________________ Implantación de grandes represas hidroelétricas, movimentos forzados y conflitos sociales. Nota sobre la experiência brasileña. In: Canales, J. (ed). Efectos demográficos de grandes proyectos de desarrollo. San Jose, Costa Rica: Centro Latinoamericana de Demografia/Fondo de Población de las Naciones Unidas, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.