Espaço, Sociedade & segregação: considerações sobre as interações sociais em situações de pobreza

Renato Fontes

Resumo


O artigo busca debater o fenômeno da segregação socioespacial e de seus efeitos, em especial, sua complexa relação entre espaço, Estado, mercado e sociedade. Para tanto, a partir de uma revisão bibliográfica, serão tratados neste texto: (i) uma leitura do espaço urbano como uma arena de ambições e interesses distintos diante de uma disputa de dois paradigmas; (ii) uma discussão da segregação socioespacial a partir de uma análise das posições sociais no espaço, dos bairros pobres como espaço público e os respectivos dilemas na apropriação e nas interações; (iii) por fim, nas considerações, os dilemas e as possibilidades de reversão deste quadro a partir da participação popular.  

Palavras chave: segregação, espaço urbano, neoliberalismo, participação popular

 

Abstract

The article aims to discuss the phenomenon of socio-spatial segregation and its effects, especially its complex relationship between space, state, market and society. To do so, from a bibliographical review, will be treated in this text: (i) a reading of urban space as an arena of ambitions and distinct interests in the face of a dispute of two paradigms; (ii) a discussion of socio-spatial segregation based on an analysis of social positions in space, poor neighborhoods as a public space and the respective dilemmas in appropriation and interactions; (iii) finally, in the considerations, the dilemmas and possibilities of reversion of this picture from the popular participation.


Keywords: segregation, urban space, neoliberalism, popular participation


Palavras-chave


segregação, espaço urbano, neoliberalismo, participação popular

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Luciana T.; JAYME, Juliana G.; ALMEIDA, Rachel C. Espaços públicos: novas sociabilidades, novos controles. In: Cadernos Metrópoles, nº 21, 1/2009, pp. 131-153

ARRETCHE, Marta T.S. (1995). Emergência e Desenvolvimento do Welfare State: teorias explicativas. BIB, nº 39, pp.3-40

BOURDIEU, Pierre. Efeitos do lugar. In: BOURDIEU, P (coord). A miséria do mundo. Vozes, 1997.

BRASIL. Lei 10.257, de 10 de julho de 2005. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em .

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2006.

KATZMAN, Ruben. A dimensão espacial nas políticas de superação da pobreza urbana. In: RIBEIRO, Luiz César de Queiroz (Org.). As Metrópoles e a Questão Social Brasileira. 1 ed. Rio de Janeiro: Ed. Revan, 2007. pp. 301-339.

KOWARICK, Lúcio. Escritos Urbanos. São Paulo: Editora Trinta e Quatro, 2000.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo, Centauro, 1969.

LEITE, Rogerio P. Contra-usos e espaço público: notas sobre a construção social dos lugares de Manguetown. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, nº 49, junho de 2002, pp. 115-172.

MARICATO, Ermínia. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO, E. (org). Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram o Brasil. Boitempo, 2013. pp. 32-46.

ORUETA, Fernanto at al.Ciudad, território y exclusión social. Las politicas de recualificación urbana em la ciudad de Buenos Aires. In: Revista Española de Investigaciones Sociológicas. Nº 104, out/2003, pp. 159-189.

RIBEIRO, Luiz César de Queiroz. Metrópoles, reforma urbana e desenvolvimento nacional. In: RIBEIRO, Luiz César de Queiroz (Org.). As Metrópoles e a Questão Social Brasileira. 1 ed. Rio de Janeiro: Ed. Revan, 2007. p. 21-50, v. 1.

RIBEIRO, L.C.Q. Proximidade Territorial e distancia social: reflexões sobre o efeito lugar a partir de um enclave urbano. A cruzada de São Sebastião no Rio de Janeiro. In: Revista VeraCidade. Ano 3, nº 3, maio de 2008, pp. 1 -21.

SABATINE, Francisco; CARCERES, Gonzalo; CERDA, Jorge. Segregação residencial nas principais cidades chilenas: tendências das três ultimas décadas e possíveis cursos de ação. Espaços e Debates, v. 24, n.45, jan/jul, 2004.

SARAVI, Gonzalo A. Segregacion urbana y espacio público: los jóvenes em enclaves de pobreza estructural”. In: Revista de La Cepal, vol. 83, ago/2004, pp. 33-48.

WACQUANT, Loic. A estigmatização territorial na idade da marginalidade avançada. Sociologia: problemas e práticas, Lisboa, nº16, 2006, pp. 27-39.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.