https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/issue/feed Revista Café com Sociologia 2024-04-09T06:17:01+08:00 Cristiano das Neves Bodart cristianobodart@gmail.com Open Journal Systems Revista voltada à Sociologia em interface às demais Ciências Sociais https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1496 O que vem primeiro: método ou objeto? 2024-04-06T06:41:40+08:00 Luiz Henrique Sampaio Junior luiz.sampaio@unesp.br <p>O presente ensaio discute a relação entre os pesquisadores e os objetos. Possui como objetivo elucidar os seguintes conceitos: dialética, dialética negativa e primazia do objeto; para tanto se utiliza de uma revisão de literatura de obras essenciais da Metodologia Científica brasileira e da Teoria Crítica, partindo de uma análise qualitativa. Nossas conclusões apontam para a compreensão de que: a relação entre método e objeto é dialética, destarte afirmações categóricas sobre qual deles viria antes são problemáticas, nesse sentido, a eleição de um método está intrinsecamente relacionada à natureza daquilo que se observa; a adoção de uma metodologia <em>per se</em> implica empobrecimento da pesquisa, portanto diversos livros de metodologia devem ser consultados e essa maior variedade nos faz refletir sobre o papel de pesquisador; a pesquisa social deve ser compreendida como uma construção que se insere na dialética entre os pesquisadores e seus objetos de análise, desse modo a criticidade depende do quanto cada pesquisador se enxerga como participante de sua análise, valendo recordar que tanto o pesquisador quanto o objeto estudado estão inseridos em uma realidade que é, acima de tudo, histórico-social.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1495 O MOVIMENTO ZAPATISTA ENQUANTO REPRESENTATIVIDADE INDÍGENA NO MÉXICO 2024-04-03T22:02:24+08:00 Isabele Enes Ribeiro isabeler2010@gmail.com Kelvin Araújo da Nóbrega Dias kelvinkand@gmail.com <p>O artigo discute o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) enquanto representatividade indígena no México. Além disso, faz-se uma retomada histórica explicando quem foi Zapata, como se deu a Revolução de 1910 e como a EZLN foi se estabelecendo no México, se aproximando dos povos originários e do povo mexicano no todo. Para tal, indaga-se: Como se configura a representação revolucionária e a importância do movimento zapatista para os povos indígenas no México? A análise baseia-se na ideia de que Emiliano Zapata se destaca como um modelo inspirador tanto para o EZLN quanto para outras comunidades indígenas na América Latina.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1494 Etnografia na educação 2024-03-31T05:10:35+08:00 Caio Tavares caiotavares_@hotmail.com <p>O&nbsp;processo de incorporação da etnografia na investigação da Educação ocorreu na década de 1980. Na qual tivemos a apropriação de outros métodos qualitativos neste campo de investigação a partir da consolidação de grupos de pesquisa&nbsp;que mobilizaram essas metodologias com a finalidade de entender “relações intraescolares e seus contextos, as questões institucionais, as situações de sala de aula e as representações dos atores escolares sob diferentes óticas” (GATTI; ANDRÉ, 2011, p. 33). As primeiras pesquisas qualitativas educacionais careciam de rigor epistemológico (CARDOSO, 1986). Apesar de avanços, Tosta, Moreira e Bueniconto (2008) indicam que as fragilidades e indefinições metodológicas persistem no diálogo entre Antropologia e a Educação. Essa conclusão foi alcançada mediante a investigação de 59 dissertações e 26 teses por meio do Portal da Capes.&nbsp;</p> <p>Portanto a obra “Etnografia para Educadores”, busca contribuir tornando-se uma fonte de referência que possa auxiliar na operacionalização do conhecimento antropológico no campo da Educação, visando superar a ausência de aprofundamento de leituras na área da Antropologia que resulta em trabalhos no campo da Educação com pouco rigor científico.&nbsp;</p> <p>O livro foi escrito pelo&nbsp;professor/pesquisador Amurabi Pereira de Oliveira. Início &nbsp; está &nbsp; resenha &nbsp; apresentando uma&nbsp;breve biografia acadêmica do autor:</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1493 Os IMPACTOS DO PRODUTIVISMO ACADÊMICO SOBRE AS DISPUTAS NO CAMPO CIENTÍFICO 2024-03-24T04:12:40+08:00 EVERTON WERNECK DE ALMEIDA evertonwerneck@gmail.com <p>O artigo em questão visa à reflexão teórica sobre os impactos do produtivismo acadêmico sobre as lutas e relações de poder que perpassam o campo de produção científica. Tendo enquanto referenciais teóricos principais o conceito de campo científico (Bourdieu), e a concepção de neoliberalismo (Dardot e Laval, 2016), compreende-se que o produtivismo acadêmico constitui uma manifestação do processo de construção da sociedade neoliberal no interior do campo de produção científica, impactando de maneira considerável as lutas e relações de poder no interior deste espaço.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1492 O Projeto de Vida na Rede Estadual de Ensino Sul-mato-grossense 2024-03-11T02:40:48+08:00 Maysa Lima de Souza maysalima_sza@hotmail.com <p>Este artigo se centra na análise da inserção do componente Projeto de Vida na grade curricular da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul sob a influência exercida pela parceria público-privada entre a REE/MS e o Instituto Ayrton Senna. Nesse sentido, a pesquisa utiliza como metodologia a análise documental do Currículo de Referência de Mato Grosso do Sul: Ensino Médio e Novo Ensino Médio (MATO GROSSO DO SUL, 2021a) especificamente a parte em que aborda o Projeto de Vida; Projeto de Vida: Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Projeto de Vida: Anos Finais do Ensino Fundamental (MATO GROSSO DO SUL, 2021b; 2021c); Itinerários Formativos: Unidades curriculares do núcleo integrador do Ensino Médio (MATO GROSSO DO SUL, 2022b) e os documentos produzidos pelo Instituto Ayrton Senna que versam sobre as cinco macrocompetências: autogestão, engajamento com os outros, amabilidade, resiliência emocional e abertura ao novo (INSTITUTO AYRTON SENNA, 2020; 2020a; 2020b; 2020c; 2020d; 2020e). A estrutura do artigo foi subdividida entre as seções de Fundamentação teórica, metodologia, análise de dados e considerações finais. Os resultados apresentados na pesquisa demonstram que o Projeto de Vida deixa claro o “metamorfoseamento” existente na proposta curricular resultante da Lei n. 13.415/2017 e tenta ocultar as verdadeiras intencionalidades do capital, a partir da ideia de desenvolver o protagonismo, a autonomia e o autoconhecimento dos/as estudantes.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1491 O Ensino da Sociologia em Angola: Uma concepção a partir do olhar e Perspectiva dos Licenciados angolanos em Sociologia da UNILAB 2024-03-07T10:23:28+08:00 MANUEL MFINDA PEDRO MARQUES mfinda2019@gmail.com <p>o presente artigo, visou analisar o ensino da sociologia no contexto angolano, a partir da perspectiva bibliográfico e visão de outros pesquisadores da área da sociologia no país. desse modo , alinhamos aos objetivos propostos é pretendido com o aporte teórico como : Candiengue (2021), Bourdieu( 2012), Bressan(2008) Nogueira(2017), Mmende e Röwer(2019), Manuel (2016), Moraes (2016) , Röwer, mango e Intanque (2017), Inide(2013), Carvalho(2012) e Unilab(2016), que bordam sobre o ensino da sociologia em angola e no brasil. a pesquisa qualitativa, documental e bibliográfico. portanto, o nosso estudo aponta que há pouca visibilidade e expansão da ciência sociológica em Angola , por escassez de literatura e por não ser disciplina obrigatória no ensino secundário e no ensino superior não se vê financiamento para pesquisa. Diante disso, constatou-se que a sociologia é uma ciência não valorizada em Angola por conta de ser uma ciência crítica da sociedade, pois esse modo torna-se preocupante não implementação da sociologia como disciplina obrigatória e para o processo de ensino de aprendizagem da sociologia.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1489 Os processos de Identificação ligados à Sexualidade a partir de Relações de Gênero estabelecidas na Escola 2024-03-06T22:43:51+08:00 Waldinete da Silva Carvalho jar_lyanne@hotmail.com <p>O presente artigo pretende analisar como são produzidas as relações de gênero envolvendo os alunos na escola, bem como as apresentações e análise das categorias e entrevistas feitas com alunos e professores. Aqui também tecemos análises com base nos estudos de pesquisadores e autores como Louro, Scott, Foucault, entre outros que discutem as relações de gênero no espaço escolar. As relações de gênero são pouco discutidas nas escolas e precisamos conhecer, entender e refletir sobre elas, pois, têm se tornado bastante presente no cerne das grandes discussões pedagógicas por se tratar de uma questão social, visto que a escola jamais pode viver desvinculada da sociedade.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1488 Apresentação do dossiê Raça, gênero e Ensino de Ciências Sociais/Sociologia 2024-03-05T09:43:39+08:00 Cristiano das Neves Bodart cristianobodart@gmail.com Maíra Honorato Marques de Santana mairahms@yahoo.com.br Fabio Monteiro de Moraes fabiocienciassociais@gmail.com <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman';">É relevante ressaltar que ao longo das últimas décadas testemunhamos avanços significativos em relação à inclusão dos temas de raça e gênero no contexto escolar, embora ainda distantes do ideal almejado. Entretanto, a implementação da Reforma do Ensino Médio em 2017 tem suscitado preocupações entre docentes e pesquisadores quanto ao seu impacto sobre os progressos alcançados nas duas últimas décadas. O debate dessas questões no âmbito acadêmico não apenas fortalece a formação dos educadores, mas também estimula práticas docentes mais embasadas e contribui para as lutas políticas em busca de novas conquistas nesse campo. É nesse contexto que apresentamos o “</span><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman'; font-weight: bold; font-style: italic;">Dossiê raça, gênero e ensino das Ciências Sociais/Sociologia</span><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman';">”. </span></p> </div> </div> </div> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1487 Raça, gênero e Ensino de Sociologia: 2024-03-05T09:26:40+08:00 Cristiano das Neves Bodart cristianobodart@gmail.com <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman';">Este estudo, baseado em métodos cientométricos, propõe uma avaliação parcial da produção acadêmica relacionada ao Ensino de Sociologia no contexto das temáticas de raça e gênero. O escopo analítico abarca artigos acadêmicos publicados em periódicos brasileiros sobre o assunto. As análises se concentram nos/as autores/as, nos periódicos e nos próprios artigos, sendo conduzidas de maneira qualitativa e quantitativa, com o objetivo de proporcionar uma compreensão abrangente do estado atual da arte desses temas, marcado por uma ampliação recente, mas por autores/as, em sua maioria, pouco engajados/as no jogo do subcampo de Pesquisa. </span></p> <p><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman'; font-weight: bold;">Palavras-Chave: </span><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman';">Ensino de Sociologia. Raça. Gênero. Estado da Arte. </span></p> <p><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman'; font-weight: bold;">Abstract </span></p> <p><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman';">This study, based on scientometric methods, proposes a partial evaluation of academic production related to the Teaching of Sociology within the context of race and gender themes. The analytical scope encompasses academic articles published in Brazilian journals on the subject. The analyses focus on authors, journals, and the articles themselves, conducted both qualitatively and quantitatively, aiming to provide a comprehensive understanding of the current state of the art in these topics, characterized by recent expansion but with authors mostly less engaged in the subfield of Research. </span><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman'; font-weight: bold;">Keywords: </span><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'BasicRoman';">Sociology Education. Race. Gender. State of the Art. </span></p> </div> </div> </div> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1486 Sorocabanas: 2024-02-25T21:57:50+08:00 Fernanda Di Flora ferdiflora@uol.com.br Catarina Piovesan catarina.piovesan@aluno.ifsp.edu.br <p>Esse artigo é resultado do Projeto de Bolsa Ensino desenvolvido na disciplina de Sociologia do Instituto Federal de São Paulo (IFSP-Sorocaba). A pesquisa teve como objetivo verificar como as mulheres estavam representadas na história sorocabana, por meio da observação dos símbolos, monumentos e patrimônio histórico local. Nesse sentido, foi realizado o mapeamento espacial seguido da observação destes monumentos, assim como foi realizada uma busca bibliográfica em livros e documentos fornecidos pela biblioteca municipal e pela prefeitura de Sorocaba. Os resultados confirmaram a hipótese norteadora do trabalho, a de que as mulheres foram invisibilizadas na construção da história da cidade. Essas mulheres, quando aparecem de forma pontual, são representadas como mães, esposas ou santas, desde o período de fundação da cidade até o momento atual. Os achados da pesquisa indicam terreno fértil para futuras análises sobre o protagonismo feminino na história local e regional.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1483 Georg Simmel 2024-01-30T12:02:10+08:00 Wallace Cabral Ribeiro cabralwallaceribeiro@yahoo.com.br <p>Este artigo tem por objetivo analisar a singularidade dasinterpretações sociológicas (teoria e método) de Georg Simmel no que tange especificamente a dimensão do conflito enquanto um aspecto que favorece a manutenção das formas sociais. Para Simmel, o conflito tem uma importância sociológica em si mesmo, pois trata-se de um fenômeno social que atravessa todas as sociedades, uma forma pura de sociação. Embora Simmel entenda que o conflito contribui para a impermanência e descontinuidade das formas sociais, este autor se preocupa mais pelas suas contribuições para a estabilidade. Para alcançar os objetivos delimitados nos debruçaremos principalmente sobre os escritos do autor e também textos de alguns de seus comentadores.&nbsp;</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1482 Apontamentos sobre o Ensino de Sociologia e Feminismo Negro 2024-01-26T00:13:57+08:00 Maíra Honorato mairilindahms@gmail.com <p>Este artigo consiste em refletir sobre os efeitos da interseccionalidade sobre as mulheres negras o que ocasiona falta de inserção no mercado formal, desemprego, altas taxas de mortalidade, e até mesmo as altas taxas de feminicídio. Percebe-se como a mulher negra é atingida pelos fenômenos interseccionais, e como a educação é o lugar de transformações desses fenômenos, pois é um espaço de reaprendizado e construção de novos códigos das relações raciais e de gênero. Neste sentido, este artigo discute sobre a importância desta temática no Ensino Médio e como o Ensino de Sociologia possui profundo arsenal teórico e reflexivo, através de intelectuais como Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro e teóricos do Ensino de Sociologia como Marcelo Cigales e Cristiano Bodart.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1481 A DIGNIDADE E POBREZA MENSTRUAL: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO 2024-01-19T20:16:31+08:00 CARLOS JOSE SILVA DOS SANTOS car-jose@hotmail.com <p>O texto destaca a importância de discutir a dignidade menstrual, relacionando-a ao direito fundamental das pessoas que menstruam de viverem sem vergonha, medo ou restrições devido à menstruação. Aborda a realidade da pobreza menstrual no Brasil, evidenciando casos de alunas que faltam às aulas devido à falta de acesso a absorventes, resultando até mesmo em evasão escolar. A primeira menstruação ocorre por volta dos 12 anos, marcando aproximadamente 38 a 40 anos de ciclos mensais. Destaca a relevância de educar sobre o ciclo menstrual para além da saúde, incluindo o acesso a itens de higiene e condições adequadas de saneamento como essenciais para o desenvolvimento individual. Estatísticas indicam que no mundo, quatro em cada dez pessoas que menstruam faltam às aulas mensalmente, enquanto no Brasil esse número é de um em cada dez. Menciona a Lei nº 14.214 de 2021, que institui o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual, ainda pouco conhecida pela maioria. A dignidade menstrual é reconhecida pela ONU como uma questão de saúde pública e direitos humanos, essencial para garantir os direitos sexuais e reprodutivos, autonomia corporal e autodeterminação. Destaca o Dia Internacional da Dignidade Menstrual em 28 de maio. Aborda a pobreza menstrual, evidenciando que milhões de pessoas enfrentam a falta de acesso a itens básicos de higiene menstrual, incluindo meninas nas escolas. Aponta estudos que revelam a falta de conhecimento sobre a pobreza menstrual e a necessidade de abordar o tema nas escolas e nos cursos de formação de professores.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1480 Apontamentos sobre o Ensino de Sociologia e Feminismo Negro: interseccionalidade e interpretação da sociedade brasileira 2024-01-18T04:38:14+08:00 Maíra Honorato mairilindahms@gmail.com <p>Este artigo consiste em refletir sobre os efeitos da interseccionalidade sobre as mulheres negras o que ocasiona falta de inserção no mercado formal, desemprego, altas taxas de mortalidade, e até mesmo as altas taxas de feminicídio. Percebe-se como a mulher negra é atingida pelos fenômenos interseccionais, e como a educação é o lugar de transformações desses fenômenos, pois é um espaço de reaprendizado e construção de novos códigos das relações raciais e de gênero. Neste sentido, este artigo discute sobre a importância desta temática no Ensino Médio e como o Ensino de Sociologia possui profundo arsenal teórico e reflexivo, através de intelectuais como Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro e teóricos do Ensino de Sociologia como Marcelo Cigales e Cristiano Bodart.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1479 Uma Pesquisa científica e suas questões teóricas e metodológicas: 2024-01-08T21:47:26+08:00 Elem Lustosa lustosaelem@gmail.com Michelle Fernandes Lima mflima@unicentro.br <p>Este trabalho é um estudo inicial sobre as questões teóricas e metodológicas da pesquisa científica, tendo como problema de pesquisa a seguinte questão: quais as possibilidades de discussões da pesquisa científica, sem perder a coerência enquanto pesquisadores? Para tanto, foi definido como objetivo: trabalhar a pesquisa científica, a partir das questões epistemológicas da problemática do conhecimento. Utilizamos autores clássicos e teóricos que constituem o campo dos estudos epistemológicos em Política Educacional, sendo eles: Álvaro Vieira Pinto (2020), Silvio Gamboa (2018), Hilton Japiassu (1979), Ivo Tonet (2013) e Jefferson Mainardes e Cesar Tello (2011). Partimos de uma abordagem crítica da educação, destacando o estudo da epistemologia geral e dando ênfase ao enfoque da pesquisa no campo das políticas educacionais. Entendemos que ciência da educação é permeada por áreas que dão sustentação ao pesquisador, como por exemplo a sociologia e a filosofia e estudar essas questões nos permite praticar a dialética, uma vez que ajudam a compreender as questões históricas, políticas, econômicas e sociais.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1474 DELINQUENCIA JUVENIL NO MUNICÍPIO DE CACUACO, LUANDA/ANGOLA: UMA ANALISE SOCIOLOGICA 2024-01-07T05:14:21+08:00 MANUEL MFINDA PEDRO MARQUES mfinda2019@gmail.com <p>O presente artigo debruça-se sobre a delinquência juvenil no município de Cacuaco, cidade e município da província de Luanda em Angola. Tem por objetivo analisar a delinquência juvenil a partir de uma análise sociológica. Entre os objetivos específicos estão compreender os fatores que impulsionam a delinquência juvenil em Cacuaco; discutir política de combate à violência juvenil neste município e, por fim, propor mecanismos de reeducação e redução da violência. Neste sentido, o estudo discutiu as principais causas que levam os jovens a ingressarem ao mundo do crime. A metodologia empregada parte de um estudo exploratório, documental e bibliográfico, unido a uma pesquisa de campo, com uso de formulário (entrevistas semiestruturadas). Os dados foram levantados em dois momentos: o primeiro por questionário impresso e, o segundo, através do Google Formulário. O estudo em questão valeu-se de uma análise sociológica para compreender na sua gênese o fenômeno da delinquência juvenil, em termos sócio estruturais. Buscamos, de forma minuciosa, abordar a delinquência juvenil no município de Cacuaco com o intuito de criar estratégias adequadas para o combate à criminalidade, bem como formular políticas públicas voltadas à segurança pública e à juventude.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1478 “Além do Cânone: Para Ampliar e Diversificar as Ciências Sociais” 2024-01-06T09:31:38+08:00 Avaetê de Lunetta e Rodrigues Guerra avaete.guerra@gmail.com Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1476 Percurso formativo decolonial: 2024-01-24T06:55:55+08:00 Alice Xavier Marques de Oliveira alicexaviermarques@gmail.com Diogo da Hora Moura diogodahora@ufrrj.br Luiz Fernandes de Oliveira axeluiz@gmail.com <p>Este texto reflete sobre algumas realidades e territórios periféricos e do campo com uma população de maioria negra, entendendo que o ensino de sociologia necessita pensar o contexto de aprendizagem desses jovens. Esta reflexão parte da realidade de debates e reflexões do curso de licenciatura em Educação do Campo da UFRRJ, que tem como um dos seus objetivos formar futuros docentes atuantes em escolas do campo e que, por sua vez, mobilizem aprendizagens também no campo das ciências sociais. Como base teórica desta reflexão, partiremos da perspectiva do debate sobre as pedagogias decoloniais e a análise sobre os percursos formativos de (re)existências de jovens estudantes negros da Licenciatura em Educação do Campo da UFRRJ. Num primeiro momento, abordaremos sobre o conceito de pedagogias decoloniais. Num segundo momento, descreveremos o percurso formativo de estudantes envolvidos no debate sobre as possibilidades pedagógicas do ensino de sociologia nas escolas periféricas e do campo. E, por fim, como estes percursos formativos podem contribuir numa perspectiva decolonial na formação de educadores em Ciências Sociais como forma de transgressão, educação antirracista e insurgente.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Antirracismo. Ensino de Ciências sociais. Percursos formativo.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This text, that we will present, tries to reflect about some peripheric realities and territories and in the countryside with a majority black population, understanding that the teaching of sociology needs to consider the learning context of these young people. This reflection is rooted in the reality of debates and reflections on the undergraduate course in Rural Education at UFRRJ, which has as one of its objecttives the development of future teachers who work in rural schools and who, in turn, also mobilize learning in the field of social sciences. As the theoretical basis for this reflection, we will start from the perspective of the debate on decolonial pedagogies and reflect on the formative trajectories of (re)existences used by young black students in UFRRJ's Undergraduate Degree at Rural Education. First of all, we will address the concept of decolonial pedagogies. In a second moment, we will describe the formative journey of students who are involved in the debate about the pedagogical possibilities of teaching sociology in peripheral and rural schools. And finally, how these formative journeys can contribute to a decolonial perspective to the training of social science educators as a form of transgression, anti-racist and insurgent education.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Anti-racism. Social science teaching. Formative paths.</p> <p> </p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1475 DELINQUENCIA JUVENIL NO MUNICÍPIO DE CACUACO, LUANDA/ANGOLA: UMA ANALISE SOCIOLOGICA. 2024-04-09T06:17:01+08:00 MANUEL MFINDA PEDRO MARQUES mfinda2019@gmail.com Janaina campos Lobo janaina.lobo@gmail.com <p>O presente artigo debruça-se sobre a delinquência juvenil no município de Cacuaco, cidade e município da província de Luanda em Angola. Tem por objetivo analisar a delinquência juvenil a partir de uma análise sociológica. Entre os objetivos específicos estão compreender os fatores que impulsionam a delinquência juvenil em Cacuaco; discutir política de combate à violência juvenil neste município e, por fim, propor mecanismos de reeducação e redução da violência. Neste sentido, o estudo discutiu as principais causas que levam os jovens a ingressarem ao mundo do crime. A metodologia empregada parte de um estudo exploratório, documental e bibliográfico, unido a uma pesquisa de campo, com uso de formulário (entrevistas semiestruturadas). Os dados foram levantados em dois momentos: o primeiro por questionário impresso e, o segundo, através do Google Formulário. O estudo em questão valeu-se de uma análise sociológica para compreender na sua gênese o fenômeno da delinquência juvenil, em termos sócio estruturais. Buscamos, de forma minuciosa, abordar a delinquência juvenil no município de Cacuaco com o intuito de criar estratégias adequadas para o combate à criminalidade, bem como formular políticas públicas voltadas à segurança pública e à juventude. </p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1473 O USO DA HQ "CARA PRETA" NO ENSINO DE SOCIOLOGIA 2024-01-24T07:00:39+08:00 Rosana de Medeiros Silva medeirosrosana01@gmail.com Wallace Gomes Ferreira de Souza wallace.souza@ufcg.edu.br <p style="text-align: justify;"><span style="font-family: 'Century Schoolbook',serif;">A pesquisa realizada está vinculada ao trabalho de conclusão de Curso do Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional (PROFSOCIO), ligado à Unidade Acadêmica de Ciências Sociais (UACIS), do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Traçamos como questão da pesquisa: qual a abordagem que o livro didático de Sociologia dá ao recorte gênero/ raça e os seus desdobramentos no ensino de Sociologia? Para tanto, baseamo-nos na abordagem Teórica dos Estudos Pós-coloniais e no Feminismo Negro Latino-Americano. Observou-se uma carência de recursos didáticos que abordem esses temas, o que gerou a necessidade da produção de materiais didáticos alternativos, como a HQ "Cara Preta": você conhece o Feminismo Negro brasileiro? que ilustra como conceitos sociológicos são visíveis nas ações do dia a dia da sociedade, ligando os alunos diretamente à realidade social. A adoção dos quadrinhos pode deslocar o aluno do lugar de apenas espectador e elevá-lo a uma reflexão sobre a realidade social, abordando temas como movimentos sociais, raça, gênero, feminismo negro e interseccionalidade no ensino de Sociologia. O trabalho busca, de acordo com a Proposta Curricular do Estado da Paraíba, promover uma discussão com rigor científico a respeito do movimento de Mulheres Negras no Brasil, contribuindo para a ampliação do exercício efetivo da Lei 10.639/2003, uma vez que a temática étnico-racial é relevante no contexto escolar. </span></p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1472 Laços de afeto 2023-12-30T07:54:47+08:00 Ana Karla Pontes de Souza anakarla.karlaps@gmail.com <p class="tm7"><span class="tm9">Este artigo apresenta o projeto Laços de Afetos, realizado na EEMTI Josefa Braga Barroso, em Miraíma/CE (2022). O objetivo do projeto é promover uma cultura de prevenção e enfrentamento às violências contra as mulheres no ambiente escolar. O texto apresenta um relato sobre o desenvolvimento das ações do projeto, que incluíram a produção de cartazes, estêncil, a aplicação de questionários, a realização de uma pesquisa e a participação em um evento acadêmico. As intervenções identificaram que as violências contra as mulheres são uma realidade vivenciada pelas estudantes, as quais se interessam em discutir o tema para aprender como se comportar, como se proteger e denunciar.</span><span class="tm8"> O projeto teve como resultado o fomento ao protagonismo estudantil e a promoção da cidadania ativa.</span></p> 2024-05-18T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1470 O trabalho doméstico e as babás 2023-11-21T11:03:06+08:00 Heitor Claro da Silva heitorclaro@hotmail.com <p>O trabalho doméstico, em particular o de babá, é pouco<br>estudado e reconhecido no país. Hoje, o neoliberalismo e o<br>retrocesso nas garantias sociais e jurídicas geram forte tensão<br>ao contingente mais presente nessa categoria: mulheres,<br>negras e pobres. No artigo, são apresentados resultados de<br>pesquisa realizada em Brasília-DF que, a partir de entrevistas<br>em profundidade, tematizou o corpo vivido na prática laboral<br>dessas cuidadoras de crianças, como espaço de observação e<br>significação de relações sociais recortadas pelas intersecções<br>de raça, gênero e classe. O corpo emerge nos dados a partir<br>de um apanhado histórico que revela o complexo processo de<br>opressão a que essas mulheres estão submetidas por gerações.<br>Além disso, as narrativas apresentam as experiências de ser<br>babá em sentimentos e sensações corporais que vão do afeto<br>à abjeção. Por fim, lutas históricas das empregadas domésticas<br>são abordadas e o atual cenário político-econômico é<br>problematizado a partir da EC 72/2013.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1469 O USO DA HQ "CARA PRETA" NO ENSINO DE SOCIOLOGIA 2023-11-21T10:16:05+08:00 Rosana de Medeiros Silva medeirosrosana01@gmail.com <p style="text-align: justify;"><span style="font-family: 'Century Schoolbook',serif;">A pesquisa realizada está vinculada ao trabalho de conclusão de Curso do Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional (PROFSOCIO), ligado à Unidade Acadêmica de Ciências Sociais (UACIS), do Centro de Desenvolvimento Sustentável do Semiárido (CDSA) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Traçamos como questão da pesquisa: qual a abordagem que o livro didático de Sociologia dá ao recorte gênero/ raça e os seus desdobramentos no ensino de Sociologia? Para tanto, baseamo-nos na abordagem Teórica dos Estudos Pós-coloniais e no Feminismo Negro Latino-Americano. Observou-se uma carência de recursos didáticos que abordem esses temas, o que gerou a necessidade da produção de materiais didáticos alternativos, como a HQ "Cara Preta": você conhece o Feminismo Negro brasileiro? que ilustra como conceitos sociológicos são visíveis nas ações do dia a dia da sociedade, ligando os alunos diretamente à realidade social. A adoção dos quadrinhos pode deslocar o aluno do lugar de apenas espectador e elevá-lo a uma reflexão sobre a realidade social, abordando temas como movimentos sociais, raça, gênero, feminismo negro e interseccionalidade no ensino de Sociologia. O trabalho busca, de acordo com a Proposta Curricular do Estado da Paraíba, promover uma discussão com rigor científico a respeito do movimento de Mulheres Negras no Brasil, contribuindo para a ampliação do exercício efetivo da Lei 10.639/2003, uma vez que a temática étnico-racial é relevante no contexto escolar. </span></p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1468 Laboratório de Estudos Raciais Alda Façanha (LERAF) 2023-11-21T09:50:44+08:00 Lara Virgínia Saraiva Palmeira larasaraiva85@gmail.com <p>Diante das dificuldades de implementar as leis que garantem o desenvolvimento de uma educação antirracista no Ceará, o artigo objetiva descrever a montagem de um laboratório específico de estudo das temáticas étnico-raciais na Escola Estadual de Educação Profissional Alda Façanha, localizada no município de Aquiraz. O Laboratório de Estudos Raciais Alda Façanha (LERAF) pretende ser um centro permanente de estudos, de modo a envolver todos os agentes da escola, capaz de discutir temas acerca do racismo e seus desdobramentos, promovendo momentos formadores de diversas naturezas e elaborando materiais didático-pedagógicos que extrapolem os muros e atinjam a comunidade. Vemos a necessidade de criar espaços entre os jovens para que estes compartilhem suas experiências e pensem em como podem ser agentes transformadores em prol de uma sociedade mais igualitária de acordo com a realidade em que vivem. Vale ressaltar a ideia do estudante como protagonista principal, em que possa desenvolver competências e habilidades necessárias para que se tornem cidadãos éticos, críticos e</p> <p>reflexivos. Logo, o objetivo é proporcionar um centro onde serão produzidos materiais (apostilas, cartilhas, <em>podcasts</em>, mídias sociais, jogos, peças de teatro, músicas etc) e momentos formativos (palestras, rodas de conversa, grupos de leitura etc), atuando diretamente no combate ao racismo.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1467 Apontamentos sobre o Ensino de Sociologia e o Feminismo Negro: 2023-12-28T10:19:00+08:00 Maíra Honorato Marques de Santana mairahms@yahoo.com.br <p>Este artigo consiste em refletir sobre os efeitos da interseccionalidade sobre as mulheres negras o que ocasiona falta de inserção no mercado formal, desemprego, altas taxas de mortalidade, e até mesmo as altas taxas de feminicídio. Percebe-se como a mulher negra é atingida pelos fenômenos interseccionais, e como a educação é o lugar de transformações desses fenômenos, pois é um espaço de reaprendizado e construção de novos códigos das relações raciais e de gênero. Neste sentido, este artigo discute sobre a importância desta temática no Ensino Médio e como o Ensino de Sociologia possui profundo arsenal teórico e reflexivo, através de intelectuais como Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro e teóricos do Ensino de Sociologia como Marcelo Cigales e Cristiano Bodart.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Neurose Cultural Brasileira. Imagens de Controle. Sociologia no Ensino Médio. Lélia Gonzalez.</p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This article consists of reflecting on the effects of intersectionality on black women, causing a lack of integration into the formal market, unemployment, high mortality rates, and even high rates of feminicide. It is clear how black women are affected by intersectional phenomena, and how education is the place for transformations of these phenomena, as it is a space for relearning and building new codes of racial and gender relations. In this sense, this article discusses the importance of this theme in High School and how the Teaching of Sociology has a deep theoretical and reflective arsenal, through theorists such as Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro, Marcelo Cigales and Cristiano Bodart.</p> <p><strong>Keywords:</strong> <strong>Keywords:</strong> Brazilian Cultural Neurosis. Images of Control. Sociology in High School. Lélia Gonzalez.</p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1466 QUADRINHOS E SOCIOLOGIA 2023-11-20T10:25:50+08:00 Dejamim Pereira dejamim@gmail.com <p>Neste trabalho, apresentamos uma proposta de ensino-aprendizagem sobre o racismo a partir da criação de quadrinhos pelos alunos nas aulas de sociologia. O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência pedagógica que buscou abordar a questão racial de forma crítica e criativa, utilizando os quadrinhos como ferramenta didática. Iniciamos uma discussão fundamentados na Lei 10639/2003, que altera a LDB e institui a obrigatoriedade do ensino da História e da cultura da população afro-brasileira. Em seguida, descrevemos a metodologia adotada para a realização da atividade, que se consistiu de quatro etapas, duas instrumentalizações teóricas e duas atividades práticas de construção de desenhos e quadrinhos. Por fim, apresentamos os resultados obtidos com a experiência, destacando os aspectos positivos e os desafios encontrados, bem como as possibilidades de ampliação e aprofundamento do tema em futuros trabalhos</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1465 Conversas sobre a inclusão de gênero e raça no currículo de Sociologia para a educação básica no estado do Rio de Janeiro 2024-01-15T07:04:41+08:00 Elizabeth Campos bettycampos40@hotmail.com <p>Este artigo tem como foco de investigação analisar a inclusão dos temas de gênero e raça no currículo referencial do Estado do Rio de Janeiro para o ensino de Sociologia, em conformidade com as normativas da Base Nacional Comum Curricular do ensino médio. Busca-se relacionar o currículo escolar de Sociologia, para o segundo semestre, com as reflexões propostas por Lélia Gonzalez, que oferecem uma interpretação crítica da formação social no Brasil em relação aos conceitos de gênero e raça. Através dessa abordagem, pretende-se apresentar elementos representativos que possam enriquecer o olhar crítico sobre as questões contemporâneas relacionadas à raça e gênero, além de propor alternativas para a abordagem desses temas no currículo escolar de Sociologia. Ao longo do texto, é destacada a importância de sugerir caminhos para a promoção de uma educação antirracista em uma sociedade em que os elementos de raça e gênero são utilizados como base para o preconceito.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Currículo. Ensino de Sociologia. Temas de raça e gênero</p> <p> </p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This article proposes to think about the place that the aspects of gender and race occupy in the referential curriculum of the State of Rio de Janeiro, for the teaching of Sociology, in basic general training, in accordance with the regulations of the National Common Curricular Base for teaching medium, articulating the field of curriculum as a discursive, cultural, power and meaning practice and some reflections proposed by Lélia Gonzalez that give the concepts of gender and race a critical interpretation of social formation in Brazil. With this approach, I seek to demonstrate some representative constituent elements, which have the possibility of creating alternatives for themes incorporated in the school Sociology curriculum, consequently enriching the critical look at contemporary issues of a racial and gender nature. In the considerations developed throughout the text, it translates into realizing how relevant it is to suggest ways to promote anti-racist education, in a society where race and gender characteristics end up operating as a reference for prejudice.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Curriculum. Sociology teaching. Race and gender themes.</p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1464 Desafios e as oportunidades para promover uma representação mais equitativa e plural no quadro docente do Ensino Superior no Brasil: 2023-11-20T05:27:18+08:00 Tassia Palma Sampaio Nascimento tassiasampaio@gmail.com <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">O artigo pretende analisar os desafios e as oportunidades de promover uma representação mais equitativa e plural no quadro docente do Ensino Superior no Brasil, analisando a experiência de docentes </span></span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR">n</span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">egras em determinadas instituições de ensino no país. </span></span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR">A</span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR"> metodologia utilizada foi a análise de teses e dissertações que tratam </span></span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR">d</span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">o tema, ou seja, a revisão de literatura foi a estratégia metodológica utilizada. A teoria adotada para an</span></span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span lang="pt-BR">á</span></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times-Roman, serif;"><span style="font-size: medium;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: small;"><span lang="pt-BR">lise do objeto de pesquisa subjaz as categorias de raça, racismo, sexismo e desigualdade de gênero. Os dados revelam a sub-representação de professoras negras nas universidades e isso está relacionada ao racismo estrutural e institucional, além do machismo que atravessa a trajetória das professoras. Quando se trata das trajetórias das professoras negras, é preciso considerar que há o cruzamento dos marcadores sociais mencionados que impede que elas tenham uma verdadeira "dedicação exclusiva" à carreira docente.</span></span></span></span></span></span></p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1463 Raça no Brasil antes e depois da Sociologia 2023-11-18T21:26:50+08:00 Pedro Santos de Souza pedross@id.uff.br Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1462 Antirracismo, ensino médio e livro didático 2024-01-15T07:05:03+08:00 Douglas Oliveira adouki@gmail.com Luiz Fernando Martins de Souza fernando210813@hotmail.com <p><strong>Síntese biográfica</strong></p> <p>O professor Ricardo Cesar Rocha da Costa nasceu em 16 de outubro de 1960, é doutor em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Docente de Sociologia do IFRJ – Campus Arraial do Cabo e docente da Pós-Graduação <em>Lato Sensu </em>em Ensino de Histórias e Culturas Africanas e Afro-Brasileiras do IFRJ – Campus São Gonçalo.</p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1461 A PEDAGOGIA DA FESTA COMO PRÁXIS ANTE O RACISMO E O MACHISMO INCONSCIENTE 2023-11-17T03:43:12+08:00 Marcos Vinicius De souza Mendes marquinhos@ufrrj.br Mauro Fernandes dos Santos mausantos07@hotmail.com Breno Henrique Santana Silva Brenohenrique@ufrrj.br <p>Pensar a educação requer pensar a sociedade e suas relações de classe e poder. É ingenuidade um</p> <p>educador achar que pode ser neutro no seu fazer. Este é o ponto de partida para se jogar um</p> <p>facho de luz em um dos maiores projetos de educação popular realizado no Brasil: o Centro</p> <p>Integrado de Educação Pública (CIEP). O objetivo geral desta pesquisa é retratar “novas”</p> <p>práticas pedagógicas entre professores(as) e Animadores(as) Culturais, a partir de memórias do</p> <p>CIEP Maria Joaquina de Oliveira, do CIEP Brigadeiro Sérgio Carvalho e do C.E. Presidente</p> <p>Dutra. Um dos objetivos específicos, é demonstrar como se desenvolveu o conceito de pedagogia</p> <p>da festa através das atividades pedagógicas conjuntas de professores(as) e Animadores(as)</p> <p>Culturais dessas instituições. O outro objetivo foi compreender como o currículo oculto do</p> <p>Ensino Médio, contribui para a reprodução de identidades diferenciadas entre o gênero</p> <p>masculino e feminino e identidades socialmente desiguais entre negros e brancos. Para chegar aos</p> <p>objetivos, se fez necessário revisitar os fundamentos teóricos dos campos do construtivismo e do</p> <p>humanismo. Como a pesquisa se situa em uma interseção entre a Sociologia, a História, e a</p> <p>Psicologia, ancorou-se em autores que possibilitassem fazer a ligação entre as práticas educativas</p> <p>cotidianas e as estruturas sociais. Em termos metodológicos, esta é uma pesquisa qualitativa no</p> <p>campo da História Oral/autobiográfica cujas fontes foram adquiridas através de entrevistas. Tem</p> <p>como recorte temporal o período de 1987, ano de inauguração de vários CIEP no governo</p> <p>Brizola, a 2002, final do governo Benedita da Silva. A pesquisa contribui para reafirmar o quanto</p> <p>práticas pedagógicas lúdicas, através de atividades artísticas, esportivas e recreativas, criam um</p> <p>espírito de festa e potencializam o ensino-aprendizagem de aluno(a)s adolescentes.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1445 Desmistificando estereótipos: 2024-01-15T07:29:05+08:00 Bruna Mendes bruna.ribeiro@unesp.br <p>O artigo busca, por meio de pesquisa bibliográfica, trazer o conceito de estereótipo apresentado pelo dicionário de ciências sociais e a contribuição de Walter Lippmann em sua obra “Opinião Pública” do que é o estereótipo. Percorremos esse caminho para a construção de uma história infantil que busque desmistificar ideias de como utilizamos nossos sentidos, trazendo novas perspectivas. A partir da história “O dia em que eu descobri outros sentidos”, elaboramos uma atividade que pode ser utilizada com os educandos para que experienciem o raciocínio de quebrar ideais pré-concebidas. Dessa maneira, busca-se mostrar como a sociologia tem um papel fundamental para a desconstrução de estereótipos.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1454 Percurso formativo decolonial: transgredir, insurgir e (re)existir 2023-11-03T22:53:40+08:00 Luiz Fernandes de Oliveira axeluiz@gmail.com Alice Xavier Marques de Oliveira alicexaviermarques@gmail.com Diogo da Hora Moura diogodahora@ufrrj.br <p>Este texto que ora apresentamos, tentará refletir sobre algumas realidades e territórios periféricos e do campo com uma população de maioria negra, entendendo que o ensino de sociologia, necessita pensar o contexto de aprendizagem desses jovens. Esta reflexão, parte da realidade de debates e reflexões do curso de licenciatura em Educação do Campo da UFRRJ, que tem como um dos seus objetivos, formar futuros docentes que atuem em escolas do campo e que, por sua vez, mobilizem aprendizagens também no campo das ciências sociais.</p> <p>Como base teórica desta reflexão, partiremos da perspectiva do debate sobre as pedagogias decoloniais e a reflexão sobre os percursos formativos de (re)existências de jovens estudantes negros da Licenciatura em Educação do Campo da UFRRJ. Num primeiro momento, abordaremos sobre o conceito de pedagogias decoloniais. Num segundo momento, descreveremos o percurso formativo de estudantes, envolvidos no debate sobre as possibilidades pedagógicas do ensino de sociologia nas escolas periféricas e do campo. E, por fim, como estes percursos formativos podem contribuir numa perspectiva decolonial na formação de educadores em Ciências Sociais como forma de transgressão, educação antirracista e insurgente.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1453 ‘Olha o viadinho’ – a metamorfose em “bicho” 2024-01-24T07:14:29+08:00 Antonio José de Souza tonnysouza@gmail.com <p>O presente artigo é sobre a identidade <em>negrogay</em>, desenvolvido através da pesquisa (Auto)Biográfica e a entrevista narrativa, acessando a história de vida do personagem Rubião Bovary (nome fictício), objeto de análise devido à complexidade do relato memorialístico de inúmeras imbricações; sistematizadas pela técnica dos Núcleos de Significação e analisadas à luz da Psicanalise Existencial. O objetivo foi identificar em R. Bovary os eventos marcantes no processo da construção ‘de <em>si</em>’ negro e (principalmente) gay a fim de trazer à tona o que tais eventos fizeram e o que foi feito das repercussões. Os resultados apontam que R. Bovary foi uma criança violentada pelo olhar do ‘outro’, transformando-o em objeto, deixando-o com medo e vergonha de assumir-se negro e, sobretudo, gay; sendo alcançado por uma estrutura discriminatória que o situa na elaboração das significações singularizadas a partir das coisas do mundo.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1451 A produção e reprodução do racismo no Brasil 2023-11-03T09:32:07+08:00 JHENNYFER DE SOUZA jhennyfernatalia69@gmail.com Ricardo Narciso Vieira Romariz ricardo.romariz@ufra.edu.br <p>O presente estudo foca na igualdade racial no Brasil, examinando as mudanças ao longo do tempo na inclusão de pessoas negras. Busca contribuir para o entendimento dos movimentos pela igualdade de direitos e valoriza a diversidade cultural. A análise utiliza uma abordagem histórica e social, referenciando documentos políticos, leis e teorias sobre racismo. O estudo se divide em duas partes: "Racismo no Brasil" analisa a origem do racismo desde a colonização, ressaltando a persistência da desigualdade apesar das leis e políticas. "Brasil: identidade e raça" destaca a importância de garantir igualdade racial, citando a influência positiva da cultura negra, conforme Gilberto Freyre. A conclusão aponta que, embora haja progresso, a igualdade racial ainda é um desafio no Brasil. Políticas públicas desempenham papel crucial, mas a sociedade deve se envolver na luta contra preconceitos e promover o respeito à diversidade. A escola é vista como um espaço fundamental para construir ideias, estimulando reflexões críticas, empatia e afastando discursos intolerantes. O estudo destaca a importância contínua de trabalhar em direção a uma sociedade mais igualitária, baseada na igualdade de direitos, independentemente de raça ou origem étnica.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1450 Os desafios das abordagens sobre a construção do gênero na aula de Sociologia e as suas implicações sociais para estudantes do ensino médio 2023-11-01T05:21:06+08:00 Silvia Mello Souto Maior silvia.maior@ifrj.edu.br <p>Este relato de experiência docente pretende contribuir com a reflexão sobre ferramentas pedagógicas que possibilitam a ampliação do conhecimento sociológico sobre gênero debatido na disciplina de Sociologia no Ensino Médio. Apresentando uma perspectiva decolonial ao conceito de gênero, o relato compartilha o processo de realização de projetos desenvolvidos no IFRJ <em>campus</em> São Gonçalo que engajaram estudantes na produção de <em>podcasts</em> e conteúdo digital em redes sociais e provocaram reflexões sobre papéis sociais fixados, localizando-os em suas origens culturais e históricas e oferecendo-lhes outros significados de corpo, gênero e cosmopercepções de mundo por meio de epistemologias feministas, antirracistas e decoloniais.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Gênero. Feminismo. Decolonial. Ensino de Sociologia. <em>Podcast</em>.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This teaching experience report aims to contribute to reflection on pedagogical tools that enable the expansion of sociological knowledge about gender discussed in the Sociology discipline in high school. Presenting a decolonial perspective on the concept of gender, the report shares the process of projects developed at the IFRJ campus São Gonçalo that engaged students in the production of podcasts and digital content on social networks and provoked reflections on fixed social roles, locating them in their cultural and historical origins and offering them other meanings of body, gender and cosmoperceptions of the world through feminist epistemologies , anti-racist and decolonial.</p> <p><strong>Keywords: </strong>Gender. Feminism. Decolonial. Teaching Sociology. Podcast.</p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1449 O Ensino da Sociologia na Saúde 2024-01-15T07:40:43+08:00 Emily O’hanna de Oliveira Silva emily.silva.080@ufrn.edu.br Layse Naele Melo da Silva laysenaele@gmail.com Mêrces de Fátima dos Santos Silva merces.santos30@gmail.com <p>Este relato de experiência apresenta o diálogo entre dois campos do conhecimento: Sociologia e Saúde na aplicação do ensino-aprendizagem na formação em saúde, no que se refere a temática de raça, racismo e saúde. O objetivo é relatar como inserirmos a temática de Raça e Saúde no tronco teórico metodológico do ensino de Sociologia na saúde numa Unidade de Ensino de Saúde Especializada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, nos componentes de Sociologia nos cursos de graduação de Enfermagem, Fisioterapia e Nutrição. Para tanto, descrevemos, como a partir da sala de aula invertida, o contato com cenários reais e a discussão de conceitos-chaves nas perspectivas das relações étnico-raciais, podemos formar profissionais de saúde voltada para a promoção de equidade em saúde.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Raça e Saúde. Sociologia na Saúde. Equidade.</p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This experience report presents the dialogue between two fields of knowledge: Sociology and Health in the application of teaching-learning in health training, with regard to the themes of race, racism and health. The objective is to report how we insert the theme of Race and Health into the theoretical methodological core of teaching Sociology in health in a Specialized Health Teaching Unit at the Federal University of Rio Grande do Norte, in the Sociology components in undergraduate courses in Nursing, Physiotherapy and Nutrition. To this end, we describe how, from the flipped classroom, contact with real scenarios and the discussion of key concepts from the perspective of ethnic-racial relations, we can train health professionals focused on promoting equity in health.</p> <p><strong>Keywords: </strong>Race and Health. Sociology of Health and Illness. Equity.</p> <p> </p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1447 Para entender o Feminismo Negro: Lélia Gonzalez e a Neurose Cultural Brasileira 2023-10-31T07:40:13+08:00 Maíra Honorato Marques de Santana Honorato Santana mairahms@yahoo.com.br <p>Este estudo consiste em refletir sobre o conceito de Lélia Gonzalez e Neurose Cultural Brasileira e a importância de pensar ele a luz das mudanças culturais ocasionadas no Brasil e as premissas de Patrícia Hill Collins acerca das Imagens de Controle. A metodologia adotada consiste em uma análise comparativa entre esses principais conceitos bem como a necessidade de revisitar conceitos primordiais do Feminismo Negro, compreendendo-os à luz das novas abordagens sociológicas e impactos das disciplinas no Ensino Médio.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1444 As colonialidades em temas e debates promovidos pelos livros didáticos de Sociologia 2024-01-24T07:21:33+08:00 Caio dos Santos Tavares caiotavares_@hotmail.com Fabio Monteiro de Moraes fabiocienciassociais@gmail.com Monick da Silva Pimentel nick@gmail.com <p>Nos últimos dez anos a importância de investigar questões ligadas à decolonialidade nos livros didáticos tem sido reconhecida por uma série de pesquisadores da educação básica no Brasil. O foco desse artigo, no entanto, está circunscrito ao subcampo científico do ensino de Sociologia. Sendo assim, realiza uma análise dos livros didáticos de Ssociologia aprovados no PNLD de 2018. Seu objetivo consiste em identificar as marcas do colonialismo (colonialidades) presentes em determinados temas e debates promovidos por intermédio dos materiais didáticos. A partir da identificação de temáticas recorrentes encontradas nos conteúdos analisados, criou-se categorias/seções que orientaram as análises ao longo do trabalho. Dessa forma, foi possível concluir que os livros didáticos em questão, ao tratarem sobre os temas: Surgimento das Ciências Sociais, Revolução Industrial e Revolução Francesa e Evolucionismo, promovem discussões que, à luz da teoria decolonial, permite-nos classificar seus conteúdos como eurocêntricos, pois reforçam estereótipos coloniais que se constituem em colonialidades do saber, colonialidades do poder e colonialidades do Ser.</p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1443 Exu não é satã 2024-01-29T06:09:02+08:00 Rogério da Palma rpalma@uems.br Fernanda Cecília Alves Gonçalves de Campos fernanda_cecilia.a.g@hotmail.com Natália da Silva Miranda nati.miranda09@gmail.com <p>O presente artigo tem a intenção de apresentar uma pesquisa realizada junto a alunos de Ensino Médio de uma escola do município de Paranaíba, situado no nordeste do estado de Mato Grosso do Sul. Na ocasião do estudo, pretendeu-se, a partir da utilização em sala de aula da obra de dois <em>rappers</em> brasileiros (Rincón Sapiência e Baco Exu do Blues), formular e implementar estratégias didáticas voltadas para o combate ao racismo religioso, em especial nas aulas de Sociologia. No intuito de se concretizar ações para uma educação antirracista, a ideia central foi apresentar aos alunos como a estética presente na obra desses artistas (letras, batidas, imagens, vestuários, coreografias etc.) carrega uma crítica ao racismo religioso presente na sociedade brasileira, demonstrando como certa parcela da nossa população sofre violentamente com essa situação. Argumentaremos que é fundamental pensar estratégias didático-pedagógicas de combate ao racismo religioso exatamente por ele se firmar, historicamente, como um dos pilares centrais das desigualdades raciais no Brasil, sendo o seu combate, especialmente no âmbito da escola, um dos principais desafios enfrentado pelas políticas voltadas para uma educação antirracista.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Racismo religioso. Rap nacional. Ensino de Sociologia.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This article intends to present a research carried out with high school students from a school in the municipality of Paranaíba, located in the northeast of the state of Mato Grosso do Sul. At the time of the study, it was intended, based on use in classroom of the work of two Brazilian rappers (Rincón Sapiência and Baco Exu do Blues), formulate and implement diactic strategies aimed at combating religious racism, especially in Sociology classes. In order to implement actions for anti-racist education, the central idea was to present to students how the aesthetics present in the work of these artists (lyrics, beats, images, clothing, choreography, etc.) carry a criticism of the religious racism present in Brazilian society, demonstrating how a certain portion of our population suffers violently from this situation. We will argue that it is essential to think about didactic-pedagogical strategies to combat religious racism precisely because it has historically established itself as one of the central pillars of racial inequalities in Brazil, with its combat, especially within the school, being one of the main challenges faced by policies aimed at anti-racist education.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Religious Racism. Brazilian rap. Teaching Sociology.</p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1442 Berenice Bento e o olhar social para os Estudos de Gênero no Brasil 2024-02-22T05:19:37+08:00 Geovane Pereira da Silva geovane@ufpi.edu.br <p>Este trabalho surgiu com o objetivo de discutir como a obra da socióloga brasileira, Berenice Bento (2006, 2015), abriu possibilidades para tratar de temáticas sobre masculinidades e transexualidades sobre uma ótica social. Para tanto, metodologicamente, esse trabalho foi construído como um Estudo de caso, para refletir de forma qualitativa sobre as particularidades dessas pesquisas no contexto dos Estudos de Gênero no Brasil. Como resultados, consideramos que os estudos realizados pela autora, inaugurou discussões sobre gênero no contexto brasileiro, tomando as masculinidades e transexualidades como objetos de pesquisa, sobretudo, articulando modos de investigação com um olhar social, como também ampliou o arcabouçou conceitual e crítico das questões de gênero para o campo das Ciências Humanas e Sociais (CHS) no Brasil.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1441 O relatado de uma não-experiência 2024-01-15T07:47:43+08:00 Frederico Romanoff fred.romanoff@hotmail.com <p>Neste relato de não-experiência, apresento a tentativa frustrada de realizar o debate sobre estudos de gênero em uma escola de educação básica de Florianópolis/SC. Descrevo aqui duas “chamadas à direção” por conta de eventos relacionados à questão de gênero. Relaciono esses acontecimentos a literatura sobre gênero na área das Ciências Sociais e Antropologia e realizo uma reflexão sobre o porquê desse impedimento. Conclui-se que o conservadorismo repele àquilo que ele não entende ou despreza enquanto algo “poluído” e ainda que diferentes formas de viver no mundo precisam ser respeitadas desde que não ameacem o princípio democrático de convivência. </p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Gênero. Escola. Conservadorismo.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>In this non-experience report, I present an unsuccessful attempt to hold a debate on gender studies in an elementary school in Florianópolis/SC. I describe two "calls to the administration" about events related to gender issues. I relate these events to the literature on gender in the social sciences and anthropology, and reflect on why this was prevented. I conclude that conservatism rejects what it doesn't understand or despises as something "polluted" and that different ways of living in the world need to be respected as long as they don't threaten the democratic principle of coexistence.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Gender. School. Conservatism.</p> 2024-05-18T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1440 O caleidoscópio e o ensino ensino de Sociologia antirracista 2024-01-24T06:34:03+08:00 Rebeca Hennemann Vergara de Souza sr.keuner@gmail.com <p>O texto discorre sobre as possibilidades de um ensino de Sociologia antirracista, articulando elementos formativos na graduação à prática docente no chão da escola. Nosso objetivo é estabelecer uma relação entre a formação inicial canônica em Ciências Sociais e uma prática educativa antirracista na Sociologia no Ensino Médio. O texto possui caráter ensaístico e parte de uma concepção crítica do cânone e dos vieses das Ciências Sociais como instrumentos para a constituição de práticas educativas antirracistas na escola e na universidade. Considerados como vieses, argumenta-se que androcentrismo, racismo e eurocentrismo precisam ser enfrentados como condição necessária para a adoção de perspectiva afrocentrada e antirracista no ensino de Sociologia. Essa perspectiva envolve a pluralização das leituras dos clássicos e dos intelectuais que integram o corpus de conhecimento sociológico, bem como o reconhecimento da história única como perspectiva internalista da disciplina e das posicionalidades que foram apagadas na formação do cânone.<br>Nas considerações finais, argumentamos que uma educação sociológica antirracista exige discutir a noção de intelectual e os critérios de validade do conhecimento.&nbsp;</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1439 Manos e minas em conflito: 2023-10-12T09:06:17+08:00 ADRIANO ASSIS adrianoassis.cso@gmail.com <p>O Hip Hop é uma expressão cultural que historicamente traz ao centro dos debates temas de relevância para as Ciências Humanas e Sociais, em especial a Sociologia. Algumas categorias e marcadores sociais das diferenças como: raça, classe e gênero são problematizados pelo Hip Hop a partir dos seus elementos. Rap, break, grafite, MC e Dj e o conhecimento. O presente trabalho trata-se de um desses trabalhos de final de disciplina do curso de mestrado sendo repensado e reescrito a fim de contribuir nas reflexões sobre raça e gênero a partir do Hip Hop, pensando suas contradições internas. Este texto traz breves reflexões sobre dominação masculina, heteronormatividade, masculinidade negra, feminismo negro, machismo e sexismo no interior da cultura Hip Hop tendo a contribuição teórica de autores como Pierre Boudieu, Sueli Carneiro, Lélia Gonzales, Ângela Davis entre outros/as. Ao fazer a releitura de Simões, França e Macedo (2010) <em>Jeitos de corpo: cor/raça, gênero, sexualidade e sociabilidade juvenil no centro de São Paulo,</em> surgiu o interesse em refletir acerca dessas categorias analíticas a luz desses autores. O artigo contribui também para pensar possibilidades didáticas no e para o Ensino de Ciências Sociais/Sociologia na Educação Básica.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1437 Educação sexual nas escolas: ainda é um tabu? 2023-09-25T20:49:26+08:00 ALCIONE JANUÁRIA TEIXEIRA DA SILVEIRA cionepsi@hotmail.com Brennda Mencalha Dornelas de Albergaria Souza cionepsi@hotmail.com Ayram Trevenzoli cionepsi@hotmail.com <p>A educação sexual é fundamental na formação do estudante, tanto no aspecto pessoal, como social. E a escola deve contribuir para esta formação. Percebe-se que a dificuldade em trabalhar a educação sexual está relacionada à própria constituição histórica da sexualidade. Esse estudo teve como objetivo analisar o trabalho realizado sobre a educação sexual nas escolas. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo, e para coleta de dados, foi utilizado questionário, com a técnica bola de neve, que foi realizada pela plataforma Survio. Teve como critério de inclusão professores do ensino fundamental que trabalham mais de um ano na rede. Os resultados mostram que 84% das professoras consideram que sua formação inicial não ofereceu subsídios adequados para a tematização da sexualidade na escola. Há compressão de que a escola é um espaço em que as crianças manifestam relações diversas e se deparam com as diferenças, inclusive de gênero. Por isso a relevância de trabalhar a sexualidade no espaço escolar. A principal contribuição da escola e das equipes de formação é criar um espaço de reflexão sobre as diferentes formas de viver a sexualidade a partir do respeito às diferenças ao outro e a si mesmo.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1435 O componente curricular 'Projeto de Vida' e o Novo Ensino Médio: 2023-11-26T08:34:35+08:00 Mar Antonio mar.antoniocs01@gmail.com <p>Esse artigo tem como objetivo a compreensão do processo de implementação do Novo Ensino Médio no estado do Paraná, com ênfase no componente curricular ‘Projeto de vida’. Devido à emergência deste processo, torna-se relevante o estudo para o entendimento de como tem impactado o ensino médio brasileiro. A pesquisa se constitui por métodos qualitativos, como a análise bibliográfica e documental, além de observação participante em um colégio na cidade de Condado, Paraná. O componente curricular em questão perpassa por toda a construção curricular do Novo Ensino Médio e a implementação está sendo em conformidade aos interesses neoliberais. Nesse sentido, insere-se o despreparo dos docentes às adequações necessárias para a aplicação desse modelo curricular como um ‘projeto intencionado’, além da escassez teórica do ‘Projeto de Vida’ que leva a um discurso mercadológico que culpabiliza os jovens sobre as suas futuras vidas financeiras e, consequentemente, sociais.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1433 Interseccionalidade no Processo de Autoaceitação Fenotípica em Ambientes Educacionais. 2023-08-28T04:02:52+08:00 Robson Barboza Araújo profrobsonba@gmail.com Milton Ferreira Da Silva Junior notlimf@gmail.com <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Century Schoolbook, serif;"><span style="font-size: medium;">Este artigo apresenta aspectos de uma interseccionalidade nos processos de autoaceitação fenotípica em ambientes educacionais, com base em um estudo de revisão sistemática, de referências publicadas entre 2018 e 2022. A temática norteadora definiu os seguintes descritores para a busca: Autoaceitação; Fenótipo; Escola. Foram selecionados 71 trabalhos e destes escolhidos 10 para análise. As análises interseccionais são de suma importância para a verificação das diferentes pressões eurocentradas, as quais a população negra sofre nos diferentes espaços, sobretudo nos espaços educacionais por atuarem na formação dos sujeitos e em muitas vezes estarem apoiadas em práticas pedagógicas silenciadoras. Atuam de formas e intensidades diferentes conforme as intersecções encontradas para os sujeitos participantes e seus relatos, por conta da complexidade do mundo e suas relações. Os trabalhos analisados trazem a importância de uma educação antirracista na formação individual, coletiva e familiar e indicam que os processos interseccionais estão presentes mesmo quando não se encontram em seus objetivos. </span></span></p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1431 As percepções de estudantes de uma escola pública de zona rural com relação ao ingresso no ensino superior 2023-08-14T20:25:19+08:00 Isabely Da Silva Rodrigues isabelyrodri10@gmail.com <p>Esse trabalho discute sobre as percepções de estudantes de uma escola pública de zona rural com relação ao ingresso no ensino superior. A pesquisa teve como foco estudantes que estão cursando o 3º ano do ensino médio, com o intuito de compreender os inúmeros fatores que influenciam suas escolhas de futuro. Buscou-se, ainda, analisar o percurso trilhado por ex-alunos da escola que tiveram como escolha cursar o ensino superior em universidades públicas e também de ex-alunos que não ingressaram no ensino superior após terem concluído o ensino médio. O processo metodológico dessa pesquisa consiste em uma abordagem qualitativa, e a respeito dos procedimentos técnicos utilizados, caracteriza-se como uma pesquisa de campo. Como técnica para coleta de dados foram realizadas entrevistas semiestruturadas com alunos egressos e estudantes que estão cursando o 3° ano do ensino médio na escola João Alves Moreira. Foi possível constatar que as percepções de futuro desses jovens sofrem alterações a depender do lugar social do qual fazem parte, como as questões de renda e local onde vivem, até chegar à escola, com as questões de aprendizagem e infraestruturas. A possibilidade de melhoria de vida e de uma ascensão social através da continuidade dos estudos é o que impulsiona o desejo desses jovens de ingressarem no ensino superior.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1430 INFÂNCIA, EDUCAÇÃO E ESCOLA: ESTUDOS E PESQUISAS 2023-08-13T05:58:44+08:00 MARIO MARCOS LOPES lopesmmarcos@gmail.com <p>A Infância sempre foi foco de estudos e discussão nos mais diversos campos e seu conceito foi por muito tempo. Resgatar a infância desse segundo plano ou “sem lugar” foi um dos grandes esforços da sociologia da infância. Essa perspectiva é trazidas à tona por meio da obra intitulada “Pesquisas em educação: estudos sobre a infância” onde os organizadores Emerson Benedito Ferreira, Mario Marcos Lopes, Paulo Rogério da Silva e Marcos Antônio Gonçalves dos Santos que reunem textos que vão do enredo teórico às práticas e metodologias, dos fundamentos e conceitos às pesquisas com estudos de casos empíricos, das denúncias aos direitos das crianças, das críticas à psicologia aos testes dessa mesma natureza.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1429 Raça e gênero: a equiparação de identidades no discurso contemporâneo 2023-09-07T18:49:52+08:00 Claudio Noel de Toni Junior juniortoni100@gmail.com <p>Este trabalho visa mostrar que a diferença construída ao longo da História contra pessoas vulneráveis em torno de raça e gênero possui suas similaridades em negligência de direitos, até que, na Ação Direta de Constitucionalidade por Omissão (ADO26), equiparou-se o crime de homotransfobia ao de racismo. Falar sobre a vontade da verdade na Análise do Discurso revelou-se, no transcorrer dos tempos, por autores militantes negros e da comunidade LGBTQIA+, uma luta com um futuro ainda duvidoso. Podemos dizer que os primeiros movimentos feministas e da comunidade LGBT não tinham pautas semelhantes e não abarcavam, pelo contrário, em muitos momentos, separavam os discursos da comunidade transgênera e negra. Os discursos possuem similaridades porque nem sempre foram bem recebidos em seus próprios movimentos, e por isso se complementam, pela agressividade dos atos que sofreram (sofrem) do ainda pseudocolonialismo racial e de gênero, especialmente em países vulneráveis em direitos como o Brasil. As questões de gênero motivaram a discursividade do ódio, da repressão, da prisão e da tendência à medicalização para os não falocêntricos. Quando abordamos o termo racismo, nos referimos a preconceitos de cor e gênero, em especial contra mulheres trans negras, como aquelas que buscam as cirurgias de transexualização.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1428 A construção de um projeto de intervenção na escola: “educação não (tem) cor, outros olhares e perspectivas para a educação afro-brasileira na escola” 2023-08-02T06:19:38+08:00 José Evandro Silva Oliveira evandro.jose@discente.ufm.br <p>O trabalho faz uma reflexão/relatório sobre a construção de um projeto de intervenção realizado em 2017 e que foi proposto como produto final do Curso de Especialização em Política de Promoção da Igualdade Racial na Escola – UNIAFRO no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará (UFPA). Implementado na Escola Estadual de Ensino Médio Walkise da Silveira Vianna, localizada em Marabá no Pará, que buscou possibilitar outros olhares e perspectivas para a educação afro-brasileira na escola” e ainda repensar o papel da escola e da formação da comunidade escolar na desconstrução do racismo, preconceito e discriminação nesta Escola, já que atualmente um dos grandes desafios da educação/escola, perpassa pela aquisição de práticas educacionais que possibilitem um conhecimento com fundamentações teóricas e práticas capazes de proporcionar aos seus entes uma percepção do meio e dos sistemas sociais, políticos e econômicos. Conclui-se que o preconceito racial é um problema que fomenta a exclusão social, ocasionando divergências no âmbito educacional, o que torna importante que os profissionais da educação e estudantes discutam e apliquem novas práticas que possibilitem a implementação da Lei 10.639/ 2003 na escola.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1427 INSTITUIÇÃO TOTAL: ORIGEM, HISTÓRIA E DEVIR 2023-08-02T04:12:41+08:00 Emanuelle Nascimento emanuellealvesnascimento@gmail.com <p>Este artigo busca fazer uma discussão sobre o conceito de Instituição Total, criado por Erving Goffman. Iremos abordar como este termo cunhado na década de 1960 é aceitado hoje, e se o seu sentido continua contemplando as pesquisas sociológicas sobre Instituições Totais como as psiquiátricas. O estudo ainda discutirá com a noção de indivíduo a partir desse debate minucioso da noção deste perfil de Instituição.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1426 RAÇA E GÊNERO: A EQUIPARAÇÃO DE IDENTIDADES NO DISCURSO CONTEMPORÂNEO 2023-07-29T21:02:41+08:00 Claudio Noel de Toni Junior juniortoni100@gmail.com <p>Este trabalho tem a função de mostrar que a diferença construída ao longo da História contra pessoas vulneráveis em torno da raça e do gênero possui suas similaridades em negligência de direitos, até que, na Ação Direta de Constitucionalidade por Omissão (ADO26) e do Mandado de Injunção (4733), equiparou-se pelo Supremo Tribunal Federal (STF) o crime de homotransfobia ao de racismo. Falar sobre a vontade da verdade na Análise do Discurso revelou-se, no transcorrer dos tempos, por autores militantes negros e da comunidade LGBTQIA+, pelo seu repertório performático, uma luta de militância que se une, no atual aspecto, a um futuro ainda sob perspectiva duvidosa. Isto posto, podemos dizer que os primeiros movimentos feministas e da comunidade LGBT não tinham pautas semelhantes e não abarcavam, pelo contrário, em muitos momentos, separavam os discursos da comunidade transgênera e negra. Mas o que seria esta verdade em sentido estrito? Os discursos possuem similaridades porque nem sempre foram bem recebidos em seus próprios movimentos sociais, e por isso se complementam, pela agressividade dos atos que sofreram (sofrem) do ainda pseudocolonialismo racial e de gênero, especialmente em países mais vulneráveis em direitos como o Brasil, mas também sendo um fenômeno mundial e americanizado. Isso porque as questões de gênero motivaram a discursividade do ódio, da repressão, da prisão, do confinamento, da perturbação, da tendência à medicalização para os não falocêntricos e “normais”. Quando abordamos o termo <em>racismo,</em> estamos nos referindo a preconceitos de cor e de gênero, em especial contra as mulheres trans negras, como aquelas que buscam as cirurgias de transexualização.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1425 Identidade negra em perspectiva: 2023-07-15T01:18:37+08:00 Luiz Gustavo Borges do Rosario gustavoborges321@hotmail.com <p>A identidade racial brasileira, especialmente a negra, e as diferentes formas de racismo presentes na sociedade, têm sido tema central de discussão política e cultural, presentes em discursos midiáticos, produtos culturais de massa, pronunciamentos oficiais, universidades e outros espaços sociais, contudo, em uma sociedade marcada pelo racismo, torna-se um desafio construir uma identidade racial positiva. Nessa pesquisa objetivamos tecer reflexões sociológicas sobre a questão da identidade negra, adotando como metodologia uma revisão bibliográfica de estudiosos ligados a temática. A identidade é considerada uma construção pessoal e subjetiva, que pode englobar diversas experiências, traços culturais, políticos e físicos, logo, compreender a identidade racial em sua totalidade requer uma abordagem ampla e complexa.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1421 Nós 2023-07-11T22:06:50+08:00 Micheline Dayse Gomes Batista micheline.batista@gmail.com <p>Quando o russo Ievguêni Ivánovitch escreveu <em>Nós</em>, no início da década de 1920, Lenin ainda era vivo e governava a recém-criada União Soviética. Apesar de ter apoiado a Revolução Russa, o autor nunca aceitou a censura imposta pelos bolcheviques. Foi preso e exilado várias vezes. Seus trabalhos foram banidos – inclusive <em>Nós, </em>publicado pela primeira vez nos Estados Unidos. Seu último exílio, contudo, foi voluntário. Em 1931, escreveu carta a Stálin, secretário geral do Partido Comunista, solicitando permissão para abandonar seu país alegando perseguição política. Instalou-se em Paris, onde veio a falecer em 1937, vítima de infarto.</p> 2023-08-02T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1420 20 anos da lei 10.639: Sociologia, Educação e ensino étnico-racial 2023-09-12T07:25:18+08:00 Ana Clara Sousa Damásio dos Santos anaclarasousadamasio@gmail.com <p><strong>Síntese biográfica</strong></p> <p>Marcelo Pinheiro Cigales é professor do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade de Brasília (UnB). É licenciado em Ciências Sociais (2012) e mestre em Educação (2014) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), doutor (2019) e pós-doutor em Sociologia Política (2021) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).</p> <p> </p> 2024-03-05T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1419 Sociologia Aberta: Construindo Pontes para um Futuro Transformador 2023-06-01T06:44:25+08:00 Lucas Freitas Gonçalves lucasfgon@gmail.com <p>O tema escolhido para este artigo discursa sobre o estabelecimento do ensino de sociologia no ensino médio do Brasil, elencando uma lista de autores que abrem suas propostas acerca dos conceitos e definições da disciplina, de acordo com o que se encontrou na literatura. O objetivo demarcar as estruturas da sociologia a partir de uma visão construtiva dos seus mais sérios processos de introdução ao saber. Trata-se de uma revisão bibliográfica que fora construída a partir de consultas nas plataformas Scielo e Google Acadêmico, assim como livros, revistas e sites especializados sobre o assunto. À conclusão se propõe um modo equilibrado de se manter o ensino de sociologia nas escolas a partir da necessidade de se cultuar no homem a capacidade natural que dele emana de sociabilização.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1418 Educação nas prisões 2023-12-24T08:50:59+08:00 Taíza da Silva Gama taiza_gama@hotmail.com <p class="tm6"><span class="tm7">A presente pesquisa buscou analisar a educação nas prisões do Estado do Rio de Janeiro a partir de concepções sociológicas. Pretendeu-se ainda, propor reflexões a respeito do papel da educação em prisões, considerando as especificidades de seus sujeitos e o contexto em que estão inseridos. Este artigo constitui-se como um recorte da pesquisa de doutoramento desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo. A forma de organização da educação nas prisões cariocas foi analisada com base nos estudos de Paulo Freire (1987), dialogando com as teorias de Gramsci (1975) e de Goffman (1961). Trata-se de uma pesquisa teórica de natureza bibliográfica e qualitativa. Como resultado foram identificados </span><span class="tm7">alguns</span><span class="tm7"> elementos históricos do passado que possibilitaram a compreensão das relações entre as prisões do Estado do Rio de Janeiro e a sociedade atual, concluindo que existe um longo caminho a ser percorrido no sentido de viabilizar uma educação que atinja a todos os que se encontram nas prisões cariocas.</span></p> <p class="tm6"><strong><span class="tm8">Palavras-chave</span></strong><span class="tm9">:</span> <span class="tm7">Educação nas prisões. Rio de Janeiro. Paulo Freire. Antonio Gramsci. Erving Goffman.</span></p> <p class="tm11"><strong><span class="tm8">Abstract</span></strong></p> <p class="tm11"><span class="tm9">This research aimed to analyze education in prisons in the State of Rio de Janeiro from sociological perspectives. It also intended to propose reflections on the role of education in prisons, considering the specificities of its subjects and the context in which they are embedded. This article is a section of the doctoral thesis developed within the Postgraduate Program in Education at the University of São Paulo. The organization of education in Rio de Janeiro's prisons was analyzed based on the studies of Paulo Freire (1987), in dialogue with the theories of Gramsci (1975) and Goffman (1961). It is a theoretical research of bibliographic and qualitative nature. As a result, some historical elements from the past were identified, enabling the understanding of the relationships between the prisons in the State of Rio de Janeiro and the current society, concluding that there is still </span><span class="tm9">a long way to go in order to enable an education that reaches all those who are in Rio de Janeiro's prisons.</span></p> <p class="tm11"><span class="tm9"> </span><strong><span class="tm8">Keywords:</span></strong><span class="tm9"> Education in Prisons. Rio de Janeiro. Paulo Freire. Antonio Gramsci. Erving Goffman.</span></p> 2024-05-19T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1417 MAPEANDO AS INTERSECÇÕES DA IDENTIDADE ÉTNICO-RACIAL E DA CONSCIÊNCIA CRÍTICA DOS ADOLESCENTES 2023-05-30T19:46:15+08:00 Otávio Barduzzi Rodrigues da Costa joebarduzzi@yahoo.com.br <p>A identidade racial étnica e a consciência crítica moldam como os jovens de cor se entendem em seus mundos racializados. Embora ambos possam ser salientes na vida dos jovens de cor, poucos trabalhos investigam como a identidade racial étnica e o desenvolvimento da consciência crítica se sobrepõem para promover resultados positivos durante a adolescência. Este artigo teórico contribui para esse esforço, fornecendo uma visão geral da pesquisa sobre ambos os fenômenos e mapeando suas possíveis áreas de congruência. Este artigo conclui com sugestões de como os dois processos podem influenciar um ao outro para promover resultados de desenvolvimento positivos entre os jovens de cor. Este trabalho insta os pesquisadores a examinar as interseções da identidade racial étnica e os processos de consciência crítica entre os jovens de cor que podem levar a uma compreensão mais holística de como os jovens de cor recorrem a esses processos para resistir e desafiar a marginalização racial, bem como navegar por diversos contextos sociopolíticos.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1415 O “Novo” Ensino Médio e as pesquisas apresentadas nas reuniões nacionais da ANPEd 2023-10-11T16:48:02+08:00 Maysa Lima de Souza maysalima_sza@hotmail.com <p>O “Novo” Ensino Médio (NEM) começou a se materializar na rede pública de todos os estados brasileiros neste ano de 2022, embora estivesse previsto para ser implementado gradativamente a partir de 2019, a pandemia atrasou essa transição. A idealização do NEM se deu a partir da Medida Provisória 746/2016 e fora finalizada e materializada na Lei n. 13.415/2017 durante o governo provisório de Michel Temer (PMDB). A fim de verificar o rumo que as produções em torno deste objeto tomaram ao longo dos anos, propomos como metodologia a pesquisa bibliográfica e o balanço de produção nos Anais de três reuniões nacionais da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) entre os anos de 2017, 2019 e 2021 a fim de: 1) analisar e compreender as produções apresentadas aos grupos de trabalho “Estado e Política Educacional” e “Trabalho e Educação” enfatizando as produções que contemplam a política pública de “reformulação/reconfiguração” do “Novo” Ensino Médio e 2) Explicitar os apontamentos, diferenças, consensos e resultados produzidos nas pesquisas selecionadas entre 2019 e 2021.</p> 2023-12-31T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1414 Naturalização do atraso rural: 2023-12-03T02:50:44+08:00 Carla Julião da Silva carlajuliaosilva@gmail.com <p class="tm6"><span class="tm8">O presente trabalho apresenta indagações sobre tentativas de implementação de modelos civilizatórios com intuito de chegar a um arquétipo de uma nação desenvolvida. A questão racial, heranças sociais, econômicas e o incentivo à imigração europeia tornaram-se ferramentas para alcançar a modernidade, e modelos civilizatórios foram postos em prática a fim de acelerar as mudanças. A literatura e a economia também contribuíram para posicionar indivíduos dentro da sociedade, rejeitando os que não se adequavam modernidade, reservando a eles o rótulo de “incivilizados”. A naturalização do atraso nacional teve como palco o universo rural paulista.</span></p> <p class="tm6"><strong><span class="tm7">Palavras-chaves</span></strong><span class="tm8">:</span> <span class="tm8">projetos civilizatórios; modernização social; identidade rural.</span></p> <p class="tm6"><span class="tm8"> </span></p> <p class="tm6"><strong><span class="tm7">Abstract</span></strong></p> <p class="tm6"><span class="tm8">The present work presents questions about attempts to implement civilizational models with the aim of arriving at an archetype of a developed nation. The racial issue, social and economic legacies and the encouragement of European immigration became tools to achieve modernity, and civilizational models were put into practice in order to accelerate changes. Literature and economics also contributed to positioning individuals within society, rejecting those who did not adapt to modernity, reserving for them the label of “uncivilized”. The naturalization of national backwardness took place in the rural universe of São Paulo.</span></p> <p class="Normal"><strong><span class="tm7">Keywords:</span></strong><span class="tm8"> civilizing projects; social modernization; rural identity.</span></p> 2024-05-19T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2024 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1413 O lugar das Licenciaturas em Ciências Sociais na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica 2023-08-28T08:34:04+08:00 Fabio Moraes fabiocienciassociais@gmail.com Leandro Viana de Almeida leandrovianaa@gmail.com Caio dos Santos Tavares caiotavares_@hotmail.com <p>Esse trabalho busca conhecer as diferentes propostas e justificativas de criação dos Cursos de Licenciatura em Ciências Sociais, no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, bem como responder qual é o lugar da formação de professores de Sociologia nessas instituições. Para tanto, foi feito um recorte temporal entre 2008 e 2020, tendo como pano de fundo a Lei 11.684/2008, que incluiu a Sociologia como disciplina obrigatória no ensino médio e a Lei 11.892/2008, que criou os Institutos Federais. Observa-se que o quantitativo de ofertas de cursos de formação de professores de Sociologia no âmbito da rede federal, mesmo depois da Lei 11.684/2008, continua muito aquém da necessidade, tendo em vista o <em>déficit</em> de professores com formação específica, lecionando a disciplina de Sociologia no ensino médio. Na tentativa de preencher essa lacuna, e, ao mesmo tempo, para atender às demandas e necessidades de desenvolvimento social, cultural e econômico de cada região, conforme estabelece a lei de criação dos Institutos Federais, alguns Institutos passaram a ofertar a Licenciatura em Ciências Sociais sob justificativas e demandas semelhantes, em alguns aspectos e em outros, não. Percebe-se, portanto, que as licenciaturas em Ciências Sociais ocupam um</p> <p>lugar periférico no âmbito da Rede Federal de Educação.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Institutos Federais, Formação de Professores, Ensino de Ciências Sociais</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This paper aims to understand the different proposals and justifications for the creation of Bachelor's Degree Programs in Social Sciences within the scope of the Federal Network of Professional, Scientific, and Technological Education, as well as to answer the question of the place of Sociology teacher education in these institutions. To do so, a temporal analysis was conducted between 2008 and 2020, with the backdrop of Law 11,684/2008, which made Sociology a mandatory subject in high school, and Law 11,892/2008, which established the Federal Institutes. It is observed that the quantity of teacher education courses in Sociology within the federal network, even after Law 11,684/2008, remains far below the need, considering the shortage of teachers with specific training teaching the subject of Sociology in high school. In an attempt to fill this gap and simultaneously address the demands and needs for social, cultural, and economic development in each region, as established by the law creating the Federal Institutes, some Institutes started offering Bachelor's Degree Programs in Social Sciences for similar reasons in some aspects and different reasons in others. Therefore, it is evident that Bachelor's Degree Programs in Social Sciences occupy a peripheral position within the Federal Network of Education.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Federal Institutes, Teacher Education, Teaching of Social Science.</p> 2023-10-11T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1412 Identidade negra em perspectiva: 2023-04-20T10:30:50+08:00 Luiz Gustavo Borges do Rosario gustavoborges321@hotmail.com <p>A identidade racial brasileira, especialmente a negra, e as diferentes formas de racismo presentes na sociedade, têm sido tema central de discussão política e cultural, presentes em discursos midiáticos, produtos culturais de massa, pronunciamentos oficiais, universidades e outros espaços sociais, contudo, em uma sociedade marcada pelo racismo, torna-se um desafio construir uma identidade racial positiva. Nessa pesquisa objetivamos tecer reflexões sociológicas sobre a questão da identidade negra, adotando como metodologia uma revisão bibliográfica de estudiosos ligados a temática. A identidade é considerada uma construção pessoal e subjetiva, que pode englobar diversas experiências, traços culturais, políticos e físicos, logo, compreender a identidade racial em sua totalidade requer uma abordagem ampla e complexa.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1411 Vivendo um sonho em Vanilla Sky 2023-04-11T07:12:49+08:00 Carlos Eduardo Pereira Viveiros carl.viveirosd2@gmail.com <p>Este artigo analisa como o cinema, através de suas produções fílmicas, se constitui como recurso de poder capaz de desenvolver formas de dominação baseadas na construção e reconstituição de ideologias, valores e diversas “realidades” sociais. Para isto, destacamos para este estudo o filme <em>Vanilla Sky</em>, com ênfase na relação desenvolvida entre os personagens principais, David (representando a classe dominante) e Sofia (a classe dominada), e o modo como essa relação explicita as desigualdades sociais e relações de poder, bem como as nuances dos ideais burgueses implícitos. O que, diga-se de passagem, também pode ser visto como uma forma de controle social a partir da qual o cinema opera através de “realidades” e representações do mundo social que ele mesmo constrói, envolve, deturpa e valoriza. Soma-se a isso, em seguida, o aspecto funcional e não menos importante que o cinema atribui ao caráter construtivo dos sentimentos, como o “amor” e a felicidade, por exemplo, e do seu interesse em proporcionar aos expectadores a possibilidade de viver nos filmes aquilo que eles sabem que é inalcançável na vida social. Isto é, produtos que o cinema oferece enquanto modelos idealizados e disponíveis em suas salas.</p> 2023-04-29T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1407 O anti-intelectualismo contemporâneo 2023-03-25T06:26:51+08:00 Patricia Costa Pereira da Silva patthyp@gmail.com <p>Ensaio sociológico sobre o anti-intelectualismo contemporâneo</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1406 Os marxistas estão certos 2023-03-25T06:08:58+08:00 Patricia Costa Pereira da Silva patthyp@gmail.com <p>Ensaio sociológico sobre a crise do ativismo identitário</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1404 INTRODUÇÃO A DUAS ABORDAGENS DA SOCIOLOGIA DISPOSICIONALISTA 2023-03-13T03:20:31+08:00 Bernardo Fortes dinoviscky@gmail.com <p>No presente artigo, realiza-se um panorama conceitual e teórico de dois autores seminais da sociologia das disposições sociais: Pierre Bourdieu e Bernard Lahire. Será abordado como as duas perspectivas abordam o social incorporado e sua influência sobre a ação dos indivíduos, mostrando-se as diferenças existentes entre as duas perspectivas. Para tal empreendimento, explanaremos, sobretudo, a respeito da noção de <em>habitus</em> de Bourdieu e como esta se relaciona com a posição de classe dos indivíduos, fundamental para entender suas ações e gosto, enfim, o que o autor entende por estilo de vida. Por outro lado, veremos também as críticas levantadas por Lahire sobre a teoria bourdieusiana, uma vez que, para esse autor, a teoria do<em> habitus</em> enquanto princípio de todas as ações, práticas e gosto dos indivíduos ignora a multiplicidade de princípios de ação, por não enxergar a complexidade das esferas de socialização de diferentes contextos as quais o sujeito está submetido.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1403 INTRODUÇÃO A DUAS ABORDAGENS DA SOCIOLOGIA DISPOSICIONALISTA 2023-03-25T01:57:35+08:00 Bernardo Fortes dinoviscky@gmail.com <p>No presente artigo, realiza-se um panorama conceitual e teórico de dois autores seminais da sociologia das disposições sociais: Pierre Bourdieu e Bernard Lahire. Será abordado como as duas perspectivas abordam o social incorporado e sua influência sobre a ação dos indivíduos, mostrando-se as diferenças existentes entre as duas perspectivas. Para tal empreendimento, explanaremos, sobretudo, a respeito da noção de <em>habitus</em> de Bourdieu e como esta se relaciona com a posição de classe dos indivíduos, fundamental para entender suas ações e gosto, enfim, o que o autor entende por estilo de vida. Por outro lado, veremos também as críticas levantadas por Lahire sobre a teoria bourdieusiana, uma vez que, para esse autor, a teoria do<em> habitus</em> enquanto princípio de todas as ações, práticas e gosto dos indivíduos ignora a multiplicidade de princípios de ação, por não enxergar a complexidade das esferas de socialização de diferentes contextos as quais o sujeito está submetido.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1402 A Transversalidade e a Interdisciplinaridade no Currículo de Ciências Humanas do “Novo” Ensino Médio 2023-02-19T17:12:46+08:00 Maysa Lima de Souza maysalima_sza@hotmail.com <p>As mudanças na etapa do “novo” Ensino Médio – etapa que mais sofreu alterações – foram baseadas em problemáticas como as dificuldades que as escolas de Ensino Médio têm em garantir as aprendizagens e o engajamento dos estudantes que ora não veem sentido em continuar estudando, ora não se identificam com o curso e acabam evadindo-se. Este trabalho objetiva compreender a nova Base Nacional Comum Curricular (2018), sua transversalidade e a sua aplicabilidade no “novo” ensino médio, por meio dos seguintes passos. Para tal, seguiremos o percurso de: 1) Analisar os documentos referentes a Educação Básica, como a BNCC, a Lei n. 13.415/2017 e o Guia de Implementação do Novo Ensino Médio; 2) Interpretar a “reorganização” do “novo ensino médio” e elucidar o que há de novo; e 3) Diferenciar os conceitos de transversalidade e interdisciplinaridade.As mudanças na etapa do “novo” Ensino Médio – etapa que mais sofreu alterações – foram baseadas em problemáticas como as dificuldades que as escolas de Ensino Médio têm em garantir as aprendizagens e o engajamento dos estudantes que ora não veem sentido em continuar estudando, ora não se identificam com o curso e acabam evadindo-se. Este trabalho objetiva compreender a nova Base Nacional Comum Curricular (2018), sua transversalidade e a sua aplicabilidade no “novo” ensino médio, por meio dos seguintes passos. Para tal, seguiremos o percurso de: 1) Analisar os documentos referentes a Educação Básica, como a BNCC, a Lei n. 13.415/2017 e o Guia de Implementação do Novo Ensino Médio; 2) Interpretar a “reorganização” do “novo ensino médio” e elucidar o que há de novo; e 3) Diferenciar os conceitos de transversalidade e interdisciplinaridade.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1401 A questão das drogas e Sociologia Escolar 2023-03-25T01:08:16+08:00 Gustavo Gabaldo Grama de Barros Silva gustavograma97@gmail.com <p>Os livros didáticos de Sociologia escolar são recursos favoráveis tanto para a consolidação das Ciências Sociais na Educação Básica quanto para a circulação e democratização de seus conhecimentos científicos. O presente artigo destaca como as obras pedagógicas da área aprovadas pelo PNLD 2018 abordam um fenômeno estruturante da vida social, precisamente, a questão das drogas. De uma perspectiva metodológica, optou-se pela análise interna, quantitativa e descritiva dos livros em questão. Os resultados apontam para uma abordagem do fenômeno das drogas difusa e indireta. Em igual medida, fundamentos teóricos ancorados em autores das Ciências Sociais estão ausentes em porção considerável dos manuais ao tratarem da questão das drogas. Por fim, uma abordagem mais sistematizada, pautada por paradigmas teóricos estáveis e investigações contemporâneas oriundas do crescente campo da Sociologia das drogas impõe-se enquanto objetivo a ser cumprido para o fortalecimento dos materiais didáticos da Sociologia escolar e do próprio subcampo do ensino de Ciências Sociais.</p> 2023-03-25T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1400 Sociedade Paliativa 2023-02-14T14:07:01+08:00 Marcos Aurélio Soares da Silva marcosaurelio01@gmail.com Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1399 Uma timeline do Exame Nacional do Ensino Médio 2023-09-27T00:37:52+08:00 Genival Junior g.juniorsb@gmail.com Bráulio Ferreira Souza Bento braulioferreiradesouza@gmail.com Uriana Fernandes Curcino Ribeiro urianaw@gmail.com <p>Este artigo reconstrói o desenvolvimento do ENEM ao longo de seus 24 anos, analisando seu impacto na educação pública. Esta é uma pesquisa exploratória de caráter qualitativo e pode ser classificada como uma pesquisa bibliográfica. Suas conclusões problematizam as mudanças e o funcionamento do exame, considerando as desigualdades sociais presentes no Brasil.</p> 2023-11-26T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1398 Uma timeline do Exame Nacional do Ensino Médio 2023-01-07T13:25:10+08:00 Genival Junior g.juniorsb@gmail.com <p>Este artigo reconstrói o desenvolvimento do ENEM ao longo de seus 24 anos, analisando seu impacto na educação pública. Esta é uma pesquisa exploratória de caráter qualitativo e pode ser classificada como uma pesquisa bibliográfica. Suas conclusões problematizam as mudanças e o funcionamento do exame, considerando as desigualdades sociais presentes no Brasil.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1396 Já acabou, Jéssica: um estudo de caso sobre a estigmatização e espetacularização do cyberbullying 2022-12-15T14:41:20+08:00 fernanda Halegua halegua fernandahalegua@gmail.com <p>Por meio da pesquisa qualitativa e a análise do discurso sobre o caso “Já acabou, Jéssica?”, o<br>artigo apresenta como a conduta dos internautas mudou com o passar dos anos: da<br>estigmatização à humanização. <br>Foram analisadas imagens paradas e em movimento,<br>comentários sobre o caso midiatizado, jogos e vídeos de humor encontrados nas plataformas do Youtube, Twitter, Pinterest, entre outros sites. Além do mais, a entrevista que a Lara cedeu a BBC News foi de muitíssima importância para entender as consequências do bullying e do cyberbullying. Essa pesquisa é essencial no ensino de sociologia pois demonstra como que uma situação que teve início dentro da escola, trouxeram consequências desastrosas para fora da escola e posteriormente voltou a escola. Assim sendo, um conflito que teve início na escola gerou evasão escolar, por causa da depressão das vítimas de adolescentes que foram expostas indevidamente e viraram memes nacionais. <br>Trata-se aqui de um estudo que demonstra a<br>espetacularização da vida, a nacionalização de um cotidiano que se tornou um meme hostil, um<br>caso de cyberbullying que trouxe danos psicológicos para a vida de duas adolescentes: Lara e<br>Jéssica. <br>Tal situação real ainda se encontra em corrente processo devido à exposição das<br>adolescentes pelo Google, SBT, Facebook, Record, Band e PontoBarra Game, de acordo com<br>os Diários Oficiais. Como diz a defesa de Lara "O ECA é muito claro sobre a inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral do adolescente, abrangendo a preservação da identidade, autonomia, valores e crenças desses jovens", justifica a advogada Tatiane Hott, responsável pela defesa da jovem.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1394 O estado da Sociologia no ensino básico e secundário em Portugal 2022-12-12T18:55:58+08:00 Vítor Costa vsousaecosta@gmail.com <p>Os/as sociólogos/as estão impedidos de lecionar Sociologia no ensino básico e secundário há cerca de quarenta anos de democracia em Portugal. Têm sido várias as formas encontradas para concretizar tal situação, desde a “evolução” legislativa que culminou no total impedimento de acesso à profissão de docente do ensino básico e secundário por parte dos/as sociólogos/as, passando pelo reduzido número de alunos/as do ensino secundário que frequenta a disciplina de Sociologia, à fraca mobilização dos atores da Sociologia em travar este impedimento. Comparando com outros países europeus, mostra que a situação nesses países não é muito diferente do que em Portugal. Por fim, são dados um conjunto de sugestões no sentido de ultrapassar esta situação, que entre outras, passa pela criação de um Mestrado e Pós-graduação em Educação em Sociologia.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1393 Tecnologias da Informação e Comunicação (TICS), valorização do valor e exploração da força de trabalho 2023-06-30T23:38:43+08:00 Fabrício Rodrigues da Silva fabricioico@hotmail.com JORDEANA DAVI jordeana.pb.010@uol.com.br ADRIANA ALVES DA SILVA adriana_as_ce@hotmail.com <p style="font-weight: 400;">Tomamos como objetivo, neste artigo, a problematização da relação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) com o processo de valorização do valor, localizadamente na alteração da composição orgânica de capital, além da sua relação com o processo de exploração da força de trabalho. Concluímos que esta relação possibilita ao capital na contemporaneidade intensificar ainda mais o processo de valorização do valor, reduzindo o tempo de trabalho socialmente necessário, sem a garantia do equivalente de valor da força de trabalho. No entanto, esta intensificação tem provocado grandes contradições que provocam, de um lado, a queda da taxa de mais-valia no valor das mercadorias e, do outro, atinge a esfera da circulação de mercadorias, considerando a queda do consumo pelo enfraquecimento do poder de compra dos trabalhadores. Ambas as consequências, articuladas organicamente, conformam a queda tendencial da taxa de lucos que detona a crise contemporânea do capital.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1392 Tecnologias da Informação e Comunicação (TICS), valorização do valor e exploração da força de trabalho 2022-11-28T23:13:04+08:00 Fabrício Rodrigues da Silva fabricioico@hotmail.com <p style="font-weight: 400;">Tomamos como objetivo, neste artigo, a problematização da relação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) com o processo de valorização do valor, localizadamente na alteração da composição orgânica de capital, além da sua relação com o processo de exploração da força de trabalho. Concluímos que esta relação possibilita ao capital na contemporaneidade intensificar ainda mais o processo de valorização do valor, reduzindo o tempo de trabalho socialmente necessário, sem a garantia do equivalente de valor da força de trabalho. No entanto, esta intensificação tem provocado grandes contradições que provocam, de um lado, a queda da taxa de mais-valia no valor das mercadorias e, do outro, atinge a esfera da circulação de mercadorias, considerando a queda do consumo pelo enfraquecimento do poder de compra dos trabalhadores. Ambas as consequências, articuladas organicamente, conformam a queda tendencial da taxa de lucos que detona a crise contemporânea do capital.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1388 O problema indivíduo versus sociedade e o conceito de habitus em Elias 2023-08-14T20:17:58+08:00 Micheline Dayse Gomes Batista micheline.batista@gmail.com Vilma Barbosa Felix vilmafelix@hotmail.com <p>Este artigo tem como objetivo abordar o problema indivíduo <em>versus</em> sociedade sob a ótica de dois importantes autores da sociologia, Norbert Elias e Pierre Bourdieu, buscando traçar paralelos a partir da revisão de algumas de suas obras e de outras contribuições. Entendemos que ambos trilharam uma perspectiva de síntese que pudesse dar conta dos problemas sociais contemporâneos, no intuito de transcender esta e outras dicotomias da tradição sociológica. Na construção de uma sociologia relacional, ambos também utilizaram o conceito de <em>habitus</em> para diferenciar as disposições socialmente adquiridas das características compartilhadas com os demais membros de uma dada sociedade.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Habitus. Figuração. Teoria da Ação.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This article aims to discuss the individual versus society problem from the perspective of two important authors of sociology, Norbert Elias and Pierre Bourdieu, seeking to draw parallels by reviewing some of their works and other contributions. We understand that both have a synthesis perspective that could account for contemporary social problems, in order to transcend this and other dichotomies of the sociological tradition. In the construction of a relational sociology, both also used the concept of habitus to differentiate the socially acquired dispositions of the characteristics shared with the other members of a given society.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Habitus. Figuration. Action Theory.</p> 2023-10-01T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1387 adaw awda 2022-11-16T06:40:16+08:00 siganteng1337 siganteng1337 muhammadridwan1337r@gmail.com <p>dawdad</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1385 Analise Sociológica: a comcepção de classe social para Marx e Weber 2022-11-05T08:43:34+08:00 Edneide Elisbão edneide04elisbao@gmail.com <p>As classes socias não só dentro da fundamentação teórica na Sociologia, mas em diversas areas de estuda da sociedade, é algo que parte de um pressuposto abrangente. Na sociedade contemporânea esse tema se tornou algo recorrente principalmente por uma de suas primeiras abordagens ter sido desenvolvida pelos pilares da sociologia clássica como Karl Marx que apresentou a problematização de como ela surgiu a partir das explorações do trabalho e como se mistificou com a evolução da sociedade capitalista. Weber por sua vez abordou de forma diferente, a partir da medida que ela foi se estratificando, apresentou o termo situação de classe a partir do desenvolvimento do espirito capitalista dentro da sociedade. Este ensaio tem por objetivo desenvolver esses estudos a luz da teoria Weberiana e Marxista, abordando a forma como ambos apresentam esse conceito, a partir da revisão bibliográfica sobre a temática.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1384 O prestígio social da Sociologia escolar entre docentes de outras disciplinas 2022-11-29T09:02:23+08:00 Cristiano das Neves Bodart cristianobodart@gmail.com Caio dos Santos Tavares caiotavares_@hotmail.com Fabiana Alves de Oliveira Gomes fabinhaalvesgomes@hotmail.com <p>Este artigo apresenta e discute dados referentes ao prestígio social da Sociologia Escolar entre 54 professores(as) de outras disciplinas do currículo do ensino médio. O método de coleta de dados deu-se por meio de questionários fechados, aplicados de forma presencial a 54 professores(as) que lecionam em oito escolas de ensino médio da cidade de Maceió/AL. Para aferir o prestígio social dado à Sociologia por professores(as) de outras disciplinas foram exploradas as seguintes dimensões: a) importância para os(as) estudantes; b) importância para o currículo; c) importância para o cotidiano; d) importância para o mercado de trabalho e; e) importância para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Esses dados foram comparados com outra pesquisa – realizada nas mesmas escolas e no mesmo período – que explorou o <em>status</em> da disciplina entre os(as) estudantes. A pesquisa identificou que a Sociologia Escolar não está entre as disciplinas que recebem menor prestígio social por docentes de outras áreas, demonstrando que a sensação de desvalorização que os docentes de Sociologia possuem não se confirmou neste estudo particular.</p> <p> </p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Professores. Ensino Médio. Ensino de Sociologia. Prestígio Social.</p> 2022-12-27T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1382 A expulsão do outro 2022-10-20T12:45:08+08:00 Flávia Ribeiro Amaro flavia.ramaro@gmail.com <p>Trata-se da resenha do livro, " A expulsão do outro: sociedade, percepção e comunicação hoje", de Byung- Chul Han e publicado em 2022 pela Editora Vozes.</p> 2022-10-25T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1381 Maria Firmina dos Reis e o cotidiano da escravidão no Brasil 2022-10-18T21:32:11+08:00 Rafael Balseiro Zin rafaelbzin@hotmail.com <p>Agenor Gomes nasceu em 7 de janeiro de 1956, em Guimarães, e graduou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, em 1982. Foi presidente do Diretório Central dos Estudantes da UFMA, no biênio 1979-1980, além de Prefeito do município de Guimarães, entre os anos de 1989 e 1992. Em 1998, foi aprovado em concurso público para a carreira da magistratura no Tribunal de Justiça do Maranhão, onde desempenha até hoje a função de Juiz de Direito. Em 2018, finalmente, Agenor Gomes tomou posse como membro titular na cadeira de nº 6 do Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães. Na entrevista a seguir, percorremos temas relativos à sua trajetória de vida, sua relação com o universo da pesquisa e, principalmente, sobre as novidades contidas em seu livro recém-publicado, <em>Maria Firmina dos Reis e o cotidiano da escravidão no Brasil</em> (Academia Maranhense de Letras, 2022).</p> 2022-10-25T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1380 o O Ensino de Sociologia Escolar: Diálogos com o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), frente aos fundamentos pedagógicos da BNCC 2023-07-01T00:26:19+08:00 Elizabeth Campos bettycampos40@hotmail.com <p>Este texto traz contribuições sobre o tema inovação pedagógica, aliado ao ensino de Sociologia, frente ao desafio de dialogar com os fundamentos pedagógicos da Base Nacional Comum Curricular, para o ensino médio, destacando elementos cognitivo, pessoal e social, que deve ser desenvolvido pelos alunos. A inovação pedagógica é vista na literatura como&nbsp; recurso que pode proporcionar meios facilitadores para&nbsp; aprendizagem escolar, desde modo desenvolvemos algumas reflexões das estratégias dos princípios que organiza o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), sua metodologia fornece múltiplas formas para o planejamento do ensino, na condução do conteúdo sociológico, seu referencial teórico baseado nos estudos da neurociência é apoiado em três sistemas básicos: redes afetivas, redes de reconhecimento e redes estratégicas, permite diferentes maneiras de apresentação dos conteúdos curriculares. Compreendemos que a prática de um ensino inovador, não significa ruptura epistemológica, mas pode redimensionar um fazer diferente, tornando o ensino aprendizagem da Sociologia Escolar mais atrativo e motivador.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Ensino de Sociologia Escolar, práticas inovadoras, fundamentos pedagógicos da BNCC</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1378 O Ensino de Sociologia Escolar: Diálogos com o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), frente aos fundamentos pedagógicos da BNCC 2022-10-06T08:43:52+08:00 Elizabeth Campos bettycampos40@hotmail.com <p>Este texto traz contribuições sobre o tema inovação pedagógica, aliado ao ensino de Sociologia, frente ao desafio de dialogar com os fundamentos pedagógicos da Base Nacional Comum Curricular, para o ensino médio, baseado em competências e habilidades, destacando elementos cognitivos, pessoais e sociais, a serem desenvolvidos pelos alunos. A inovação pedagógica é vista na literatura como um recurso que pode proporcionar meios facilitadores para a aprendizagem escolar, desde modo desenvolvemos algumas reflexões a respeito dos princípios que organizam o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), que fornece referencial de práticas e estratégicas de ensino, na condução dos conteúdos sociológicos, apoiada em três sistemas básicos: as redes afetivas, as redes de reconhecimento e as redes estratégicas, permite diferentes maneiras de apresentação dos conteúdos curriculares. Compreendemos que a prática de um ensino inovador, não significa ruptura epistemológica, mas podem redimensionar um fazer diferente, tornando o ensino aprendizagem da Sociologia escolar mais atrativo e motivador.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1377 10 anos de ENESEB: entre a consolidação e os retrocessos do Ensino de Sociologia nas escolas brasileiras. 2022-09-27T10:36:34+08:00 Raynara Candisse Esmeraldino raynaradino@gmail.com Ana Sofia Xavier da Rosa Paixão xavierssofia@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">A obra “Conquistas e resistências do ensino de Sociologia: ENESEB 2019”, apresenta em quatro partes o Encontro Nacional de Ensino de Sociologia na Educação Básica, partindo de sua criação conta a história do evento, seus atores, a produção acadêmica propiciada, as conquistas e derrotas em uma década de encontros.</span></p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1376 UM GOLEM “DISRUPTIVO” 2022-09-25T17:20:10+08:00 José Victor Rodrigues Catalano jvrcatalano@gmail.com Bruno Rossi Lorenzi brunolorenzi@gmail.com <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Century Schoolbook, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">A partir de uma reflexão bibliográfica das principais teorias das obras Golem, dos autores Harry Collins e Trevor Pinch sob a ótica das controvérsias e incertezas, este artigo propõe uma discussão teórica do avanço tecnológico e social, sobretudo as tecnologias de Inteligência Artificial e Automação, presentes na Quarta Revolução Industrial como instrumento de transformação tecnológica, econômica, política e social. </span></span></p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1374 asdasd asdasdsad 2022-09-19T17:56:05+08:00 atengg377 asasfaf ateng.nouvo20@gmail.com <p>asdasdasd</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1372 asdasd asdasdsa 2022-09-03T14:55:05+08:00 atengg377 asasfaf ateng.nouvo20@gmail.com <p>asdasasd</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1371 A influência do projeto neoliberal na ausência dos estudos queer no currículo brasileiro 2022-09-02T00:58:30+08:00 Maria Eduarda Duca mariaeduardaduca@gmail.com <p>O artigo propõe uma compreensão do neoliberalismo e o desdobramento do seu projeto político que reverbera na ausência dos estudos queer no currículo escolar brasileiro. Assim, a pesquisa foi abordada de forma qualitativa, de natureza básica e com objetivo de uma pesquisa exploratória. Os procedimentos técnicos utilizados foram de uma pesquisa bibliográfica e documental, caminhando para uma coleta de dados em etapas, como um levantamento exploratório, após um levantamento seletivo e por último um analítico sobre os conteúdos dos textos obtidos. Os resultados surpreenderam, primeiramente pela escassez do conjunto neoliberalismo e estudos queer em uma mesma pesquisa no brasil. Segundo, pelos mecanismos apresentados pelo projeto político neoliberal brasileiro, que busca um desmonte da educação pública e privilegia nesse campo também, o setor privado. Por fim, observou-se uma formação defasada de professores, onde a prioridade é modificar o currículo, mas não acompanha uma formação que possa ser efetiva para implementar esse currículo definido. Portanto, a articulação dessa tríade entre, currículo, neoliberalismo e estudos queer, ainda é pouca e limitada no Brasil. Um prejuízo para a educação brasileira, que necessita ampliar-se e debater cada vez mais o “outro”.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1370 Economia Política Cultural 2022-09-01T07:38:14+08:00 Diego Fraga diegg_85@yahoo.com.br <p>O presente artigo apresenta a abordagem da Economia Política Cultural (EPC) desenvolvida por Bob Jessop e por Ngai-Ling Sum. A EPC se dedica a analisar os fenômenos da economia política congregando, dialeticamente, seus aspectos semióticos e extra-semióticos, ou seja, incluindo aspectos culturais na análise dos fenômenos econômicos.&nbsp; Serão apresentadas as raízes teóricas da EPC, o debate intelectual que tem suscitado, seus principais conceitos e ferramentas analíticas, um conjunto de diferentes aplicações que tem sido desenvolvidas, os desenvolvimentos e as principais críticas e divergências. Ao final, é realizado um breve balanço, considerando as críticas e as possibilidades de desenvolvimento da abordagem.&nbsp;</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1369 As poéticas da transgressão e a sociologia do medo 2022-08-13T07:02:03+08:00 Olga Kempinska olgagkem@gmail.com <p>Partindo da reflexão de Affonso Ávila sobre a importância do barroco na cultura brasileira e sobre sua relação com o medo existencial do ser humano, o presente artigo busca refletir sobre a importância dessa emoção na representação neobarroca e neosurrealista da segunda metade do século XX. O medo da mentira e o medo da violência em suas diferentes formas correspondem à elaboração das poéticas que enfatizam as questões do simulacro, da moda e da fotografia. As obras de Severo Sarduy, de Natasha Trethewey, de Anne Sexton, de Herberto Helder e de Toni Morrison empreendem a tarefa de uma inscrição contestadora nas estruturas sociais dominadas pelo medo.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1367 Breve panorama da epistemologia kantiana 2022-07-28T02:56:48+08:00 Cicilia Gabriela Correia Tavares cicilia_gabriela@hotmail.com <p>O presente trabalho teve como objetivo fornecer um breve panorama acerca da epistemologia kantiana, delineada de modo profundo na <em>magnum opus </em>de Kant, a <em>Crítica da razão pura</em>. Assumiu-se uma metodologia basicamente bibliográfica, tendo como referência central a obra mencionada, analisando-a hermeneuticamente, e utilizando-se, como apoio, de bibliografias secundárias de especialistas em filosofia kantiana, a fim de elucidar cada passagem lida. No que diz respeito à análise da obra, observamos que ela lança a ideia revolucionária de que o conhecimento que temos dos objetos não diz respeito ao modo como eles são em si mesmos, mas é, antes, um conhecimento das aparências, ou a maneira como apreendemos as coisas. No ato de conhecimento, não é nosso intelecto que se adapta ao objeto, porém o objeto que se adapta à nossa forma de conhecer. Por conseguinte, para entendermos o próprio conhecimento e podermos fundá-lo em bases sólidas, entender a nossa forma de apreensão, algo que Kant faz distinguindo três faculdades principais: a sensibilidade, que intui os objetos, e possui as formas do espaço e do tempo; o entendimento, que pensa os objetos intuídos mediante conceitos; e, finalmente, a razão, que busca dar uma unidade completa àquilo que é pensado pelo entendimento..</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1365 Para onde devemos olhar? Reflexões sobre as relações de poder 2023-02-13T19:21:28+08:00 Alan Silva de Aviz as-aviz@hotmail.com Fernanda Carvalho Ferreira pronandacarvalho@gmail.com Cesar Dalmolin cesar.saxon@gmail.com <p>O presente trabalho foca-se em analisar, por meio do filme “Não olhe para cima”, como as relações de poder se configuram atualmente por intermédio das mídias, fazendo um paralelo com as relações do contexto vivido na sociedade atual, seja durante a pandemia como antes dela. Dessa forma, o presente trabalho desenvolve uma reflexão de forma hermenêutica, apropriando-se dos elementos constitutivos do filme supracitado, para não apenas descrever os apontamentos lançados por este, como também para estabelecer um contraponto com a nossa realidade, sobretudo com os posicionamentos políticos e coletivos ascendidos pela mídia. Considerando a premissa de que é necessário entendermos o poder que a mídia possui e como isso se converge para ações políticas em coletivo, torna-se fulcral perceber os mecanismos pelos quais nossa percepção de realidade pode ser construída a partir de um interesse hegemônico de poder, situações tão recorrentes na humanidade ao longo da história.</p> 2023-04-28T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1362 ÍNDICES DE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA NO RN ENTRE 2016 - 2022: 2022-07-14T00:40:13+08:00 Luiz Antonio Ferreira antonioluiz094@gmail.com Saulo Naamã Chaves Brito saulonaamachaves10@gmail.com <p>Este artigo tem como foco realizar um levantamento do índice de filiação partidária de alguns partidos, que são importantes eleitoralmente no estado do RN, e se propõe a analisar como está se dando a relação das clivagens sociais e clivagens partidárias, como está se dinamizando as filiações partidárias em território potiguar, se em declínio, manutenção ou acréscimo. Metodologicamente, se faz necessário um levantamento bibliográfico e de dados, que foram encontrados no site do TSE, e como resultados é verificado que os partidos tradicionalmente de direita perdem espaço dentro do eleitorado, e que os partidos que polarizaram as disputas eleitorais têm maiores ganhos relevantes de filiados, principalmente em anos de eleições municipais, e que o eleitor, apesar de não diferenciar muito esquerda e direita, capta as ideologias dos partidos.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1361 Podcast, Educação e Antropologia: 2022-09-27T17:36:50+08:00 Soraya Fleischer fleischer.soraya@gmail.com Ana Luiza Noronha ananc25@gmail.com <p>Esse artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica da produção sobre o uso de <em>podcasts </em>como ferramenta didática, principalmente na área das Ciências Sociais e da Antropologia. Durante esse período (2019-2022), foram encontradas 16 publicações e notamos o aumento do uso dessa mídia no geral. Na educação, não foi diferente, os <em>podcasts</em> já eram usados anteriormente como ferramenta didática, mas com a pandemia de COVID-19 e o incremento do ensino remoto, eles passaram a ter um protagonismo ainda maior na educação. Esse artigo propõe apresentar e analisar esta produção bibliográfica recente e apontar as vantagens e barreiras encontradas no uso de<em> podcasts</em> dentro de sala de aula discutidas. Por fim, o artigo também deixa sugestões para consolidar a área de pesquisa de <em>podcasts </em>como ferramenta de ensino.</p> 2022-10-19T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1358 Mundo na Sala de Aula: um podcast feito por e para alunos 2022-07-15T09:20:24+08:00 Raíssa Almeida de Magalhães raissaam2001@gmail.com <p>A série do <em>podcast</em> Mundaréu, o<em> Mundo na Sala de Aula </em>(doravante, <em>MUNSA</em>), surge com o intuito de ser produzida e destinada aos estudantes das Ciências Sociais. Essa série foi criada como uma nova maneira de aprender Antropologia: de uma forma simples, didática e descontraída. A primeira temporada da série trabalha com diversos temas muito comuns do cotidiano e da formação dos estudantes de Ciências Sociais: experiências no trabalho de campo, com programas e projetos de iniciação científica, docência e extensão, dores e prazeres da escrita e entre muito mais. Por abordar todas essas temáticas, a minissérie e o <em>podcast</em> comprovam ser uma ferramenta para a formação social e acadêmica de seu público, potencialmente sendo utilizada - como o próprio nome da série diz - <em>em sala de aula</em>, beneficiando e cativando o corpo estudantil.</p> 2022-09-11T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1355 A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS NA MODERNIDADE: UM ESTUDO SOBRE O EPISÓDIO INDEPENDENTE “NOSEDIVE”, DA SÉRIE BLACK MIRROR 2022-06-08T09:38:08+08:00 Gustavo Oliveira gustavo.goliveira37@gmail.com <p>O estudo em questão tem como finalidade apresentar um breve cenário da Modernidade <br>Líquida promulgada pelo sociólogo polonês Zygmunt Bauman, enquanto averigua os aspectos <br>da mídia digital, principalmente as redes sociais, e sua influência na vida de muitos dos <br>indivíduos em sociedade. Ademais, a globalização, como fator fundamental para a constituição <br>da Modernidade Líquida, é citada. Sobretudo, haverá uma análise de um dos episódios da série <br>Black Mirror, Nosedive, no qual algumas características das redes socias, do status quo e da <br>vida em comunidade – assim como suas relações – serão abordados e relacionadas com a <br>modernidade do mundo real, e com os estudos de Marshall Berman, expondo parte de sua visão, <br>encontrada na introdução da obra: Tudo que é Sólido Desmancha no Ar. Por fim, uma síntese a <br>respeito de todo o assunto é apresentada.</p> Copyright (c) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1354 Nosferatu 2023-10-11T16:44:55+08:00 Caio Pedron caiopedron99@gmail.com <p>Este trabalho propõe um exercício de comparação entre a epidemia fictícia de <em>Nosferatu: uma sinfonia de Horror</em> e a pandemia do Covid-19 que perdura até o tempo presente. O objetivo está posto em observar as decisões das autoridades e da sociedade civil na realidade fílmica e na ficção do real, para tirar desta analogia um diagnóstico do tempo presente que apreenda as relações possíveis entre os problemas sociais apresentados pelo <em>Expressionismo Alemão</em> e os conflitos internos da sociedade contemporânea.</p> 2023-07-20T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2023 Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1352 A noção de Cultura pelas perspectivas de Denys Cuche e Marshall Sahlins 2022-07-15T04:45:28+08:00 Nikolas Corrent nik_corrent@hotmail.com <p><strong>Resumo</strong></p> <p> </p> <p>A palavra cultura e sua aplicação no contexto social têm sido discutidas por inúmeras concepções desde o século XVIII. A noção de cultura tem potencial para auxiliar na compreensão da diversidade humana e suas dimensões objetivas e simbólicas, colaborando para os estudos das Ciências Sociais. Diante disso, o objetivo do artigo é discutir as concepções de cultura em Denys Cuche e Marshall Sahlins, refletindo a necessária reconstituição dessa noção para pensar na diversidade humana. Foi utilizado o procedimento metodológico de revisão bibliográfica com abordagem qualitativa, em que se teve, como aporte teórico, os autores Denys Cuche (1975/1999) e Marshall Sahlins (1997a/1997b). Com a pesquisa foi possível compreender que todos os povos possuem cultura, pois é pela cultura que o ser humano se adapta ao meio e o meio se adapta ao ser humano que constrói sua identidade pelos símbolos criados.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Cultura. Antropologia. Denys Cuche. Marshall Sahlins.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p> </p> <p>The word culture and its application in the social context have been discussed by numerous conceptions since the 18th century. The notion of culture has the potential to assist in the understanding of human diversity and its objective and symbolic dimensions, contributing to the studies of Social Sciences. Therefore, the objective of the article is to discuss the conceptions of culture in Denys Cuche and Marshall Sahlins, reflecting the necessary reconstitution of this notion to think about human diversity. The methodological procedure of literature review with a qualitative approach was used, in which the authors Denys Cuche (1975/1999) and Marshall Sahlins (1997a/1997b) were used as theoretical support. With the research it was possible to understand that all peoples have culture, because it is through culture that the human being adapts to the environment and the environment adapts to the human being who builds his identity through the created symbols.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Culture. Anthropology. Denys Cuche. Marshall Sahlins.</p> 2022-08-23T00:00:00+08:00 Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia