Revista Café com Sociologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista Revista voltada à Sociologia em interface às demais Ciências Sociais Vinculada ao grupo de pesquisa ConsCiência-Social, a Pós-Graduação em Sociologia (UFAL) pt-BR Revista Café com Sociologia 2317-0352 Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista. Tecnologias da Informação e Comunicação (TICS), valorização do valor e exploração da força de trabalho https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1393 <p style="font-weight: 400;">Tomamos como objetivo, neste artigo, a problematização da relação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) com o processo de valorização do valor, localizadamente na alteração da composição orgânica de capital, além da sua relação com o processo de exploração da força de trabalho. Concluímos que esta relação possibilita ao capital na contemporaneidade intensificar ainda mais o processo de valorização do valor, reduzindo o tempo de trabalho socialmente necessário, sem a garantia do equivalente de valor da força de trabalho. No entanto, esta intensificação tem provocado grandes contradições que provocam, de um lado, a queda da taxa de mais-valia no valor das mercadorias e, do outro, atinge a esfera da circulação de mercadorias, considerando a queda do consumo pelo enfraquecimento do poder de compra dos trabalhadores. Ambas as consequências, articuladas organicamente, conformam a queda tendencial da taxa de lucos que detona a crise contemporânea do capital.</p> Fabrício Rodrigues da Silva JORDEANA DAVI ADRIANA ALVES DA SILVA Copyright (c) 11 Tecnologias da Informação e Comunicação (TICS), valorização do valor e exploração da força de trabalho https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1392 <p style="font-weight: 400;">Tomamos como objetivo, neste artigo, a problematização da relação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) com o processo de valorização do valor, localizadamente na alteração da composição orgânica de capital, além da sua relação com o processo de exploração da força de trabalho. Concluímos que esta relação possibilita ao capital na contemporaneidade intensificar ainda mais o processo de valorização do valor, reduzindo o tempo de trabalho socialmente necessário, sem a garantia do equivalente de valor da força de trabalho. No entanto, esta intensificação tem provocado grandes contradições que provocam, de um lado, a queda da taxa de mais-valia no valor das mercadorias e, do outro, atinge a esfera da circulação de mercadorias, considerando a queda do consumo pelo enfraquecimento do poder de compra dos trabalhadores. Ambas as consequências, articuladas organicamente, conformam a queda tendencial da taxa de lucos que detona a crise contemporânea do capital.</p> Fabrício Rodrigues da Silva Copyright (c) 11 O problema indivíduo versus sociedade e o conceito de habitus em Elias https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1388 <p>Este artigo tem como objetivo abordar o problema indivíduo versus sociedade sob a ótica de dois importantes autores da sociologia, Norbert Elias e Pierre Bourdieu, buscando traçar paralelos entre suas contribuições teóricas a partir da revisão de algumas de suas obras e de considerações relevantes feitas por comentadores. Entendemos que ambos trilharam uma perspectiva de síntese que pudesse dar conta dos problemas sociais contemporâneos, no intuito de transcender esta e outras dicotomias da tradição sociológica. Na construção de uma sociologia relacional, ambos também utilizaram o conceito de habitus para diferenciar as disposições socialmente adquiridas das características compartilhadas com os demais membros de uma dada sociedade.</p> Micheline Dayse Gomes Batista Vilma Barbosa Felix Copyright (c) 11 adaw awda https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1387 <p>dawdad</p> siganteng1337 siganteng1337 Copyright (c) 11 Analise Sociológica: a comcepção de classe social para Marx e Weber https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1385 <p>As classes socias não só dentro da fundamentação teórica na Sociologia, mas em diversas areas de estuda da sociedade, é algo que parte de um pressuposto abrangente. Na sociedade contemporânea esse tema se tornou algo recorrente principalmente por uma de suas primeiras abordagens ter sido desenvolvida pelos pilares da sociologia clássica como Karl Marx que apresentou a problematização de como ela surgiu a partir das explorações do trabalho e como se mistificou com a evolução da sociedade capitalista. Weber por sua vez abordou de forma diferente, a partir da medida que ela foi se estratificando, apresentou o termo situação de classe a partir do desenvolvimento do espirito capitalista dentro da sociedade. Este ensaio tem por objetivo desenvolver esses estudos a luz da teoria Weberiana e Marxista, abordando a forma como ambos apresentam esse conceito, a partir da revisão bibliográfica sobre a temática.</p> Edneide Elisbão Copyright (c) 11 O PRESTÍGIO SOCIAL DA SOCIOLOGIA ESCOLAR ENTRE DOCENTES DE OUTRAS DISCIPLINAS https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1384 <p>Este artigo apresenta e discute dados referentes ao prestígio social da Sociologia escolar entre 54 professores(as) de outras disciplinas do currículo do ensino médio. O método de coleta de dados deu-se, por meio de questionários fechados, aplicados de forma presencial a 54 professores(as) que lecionam em oito escolas de ensino médio da cidade de Maceió – AL. Para aferir o prestígio social dado à Sociologia por professores(as) de outras disciplinas foram exploradas as seguintes dimensões: a) importância para os(as) estudantes; b) importância para o currículo; c) importância para o cotidiano; d) importância para o mercado de trabalho e; e) importância para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Esses dados foram comparados com outra pesquisa – realizada nas mesmas escolas e no mesmo período – que explorou a <em>status</em> da disciplina entre os(as) estudantes. A pesquisa identificou que a Sociologia escolar não está entre as disciplinas que recebem menor prestígio social por docentes de outras áreas, demonstrando que a sensação de desvalorização que os docentes de Sociologia possuem não se demonstrou neste estudo particular.</p> <p>&nbsp;</p> Cristiano das Neves Bodart Caio dos Santos Tavares Fabiana Alves de Oliveira Gomes Copyright (c) 11 asdasd sadasd https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1383 <p>asdasdasd</p> atengg377 asasfaf Copyright (c) 11 A expulsão do outro https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1382 <p>Trata-se da resenha do livro, " A expulsão do outro: sociedade, percepção e comunicação hoje", de Byung- Chul Han e publicado em 2022 pela Editora Vozes.</p> Flávia Ribeiro Amaro Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-10-25 2022-10-25 11 Maria Firmina dos Reis e o cotidiano da escravidão no Brasil https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1381 <p>Agenor Gomes nasceu em 7 de janeiro de 1956, em Guimarães, e graduou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, em 1982. Foi presidente do Diretório Central dos Estudantes da UFMA, no biênio 1979-1980, além de Prefeito do município de Guimarães, entre os anos de 1989 e 1992. Em 1998, foi aprovado em concurso público para a carreira da magistratura no Tribunal de Justiça do Maranhão, onde desempenha até hoje a função de Juiz de Direito. Em 2018, finalmente, Agenor Gomes tomou posse como membro titular na cadeira de nº 6 do Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães. Na entrevista a seguir, percorremos temas relativos à sua trajetória de vida, sua relação com o universo da pesquisa e, principalmente, sobre as novidades contidas em seu livro recém-publicado, <em>Maria Firmina dos Reis e o cotidiano da escravidão no Brasil</em> (Academia Maranhense de Letras, 2022).</p> Rafael Balseiro Zin Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-10-25 2022-10-25 11 o O Ensino de Sociologia Escolar: Diálogos com o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), frente aos fundamentos pedagógicos da BNCC https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1380 <p>Este texto traz contribuições sobre o tema inovação pedagógica, aliado ao ensino de Sociologia, frente ao desafio de dialogar com os fundamentos pedagógicos da Base Nacional Comum Curricular, para o ensino médio, destacando elementos cognitivo, pessoal e social, que deve ser desenvolvido pelos alunos. A inovação pedagógica é vista na literatura como&nbsp; recurso que pode proporcionar meios facilitadores para&nbsp; aprendizagem escolar, desde modo desenvolvemos algumas reflexões das estratégias dos princípios que organiza o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), sua metodologia fornece múltiplas formas para o planejamento do ensino, na condução do conteúdo sociológico, seu referencial teórico baseado nos estudos da neurociência é apoiado em três sistemas básicos: redes afetivas, redes de reconhecimento e redes estratégicas, permite diferentes maneiras de apresentação dos conteúdos curriculares. Compreendemos que a prática de um ensino inovador, não significa ruptura epistemológica, mas pode redimensionar um fazer diferente, tornando o ensino aprendizagem da Sociologia Escolar mais atrativo e motivador.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Ensino de Sociologia Escolar, práticas inovadoras, fundamentos pedagógicos da BNCC</p> Elizabeth Campos Copyright (c) 11 O Ensino de Sociologia Escolar: Diálogos com o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), frente aos fundamentos pedagógicos da BNCC https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1378 <p>Este texto traz contribuições sobre o tema inovação pedagógica, aliado ao ensino de Sociologia, frente ao desafio de dialogar com os fundamentos pedagógicos da Base Nacional Comum Curricular, para o ensino médio, baseado em competências e habilidades, destacando elementos cognitivos, pessoais e sociais, a serem desenvolvidos pelos alunos. A inovação pedagógica é vista na literatura como um recurso que pode proporcionar meios facilitadores para a aprendizagem escolar, desde modo desenvolvemos algumas reflexões a respeito dos princípios que organizam o Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), que fornece referencial de práticas e estratégicas de ensino, na condução dos conteúdos sociológicos, apoiada em três sistemas básicos: as redes afetivas, as redes de reconhecimento e as redes estratégicas, permite diferentes maneiras de apresentação dos conteúdos curriculares. Compreendemos que a prática de um ensino inovador, não significa ruptura epistemológica, mas podem redimensionar um fazer diferente, tornando o ensino aprendizagem da Sociologia escolar mais atrativo e motivador.</p> Elizabeth Campos Copyright (c) 11 10 anos de ENESEB: entre a consolidação e os retrocessos do Ensino de Sociologia nas escolas brasileiras. https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1377 <p><span style="font-weight: 400;">A obra “Conquistas e resistências do ensino de Sociologia: ENESEB 2019”, apresenta em quatro partes o Encontro Nacional de Ensino de Sociologia na Educação Básica, partindo de sua criação conta a história do evento, seus atores, a produção acadêmica propiciada, as conquistas e derrotas em uma década de encontros.</span></p> Raynara Candisse Esmeraldino Ana Sofia Xavier da Rosa Paixão Copyright (c) 11 UM GOLEM “DISRUPTIVO” https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1376 <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Century Schoolbook, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">A partir de uma reflexão bibliográfica das principais teorias das obras Golem, dos autores Harry Collins e Trevor Pinch sob a ótica das controvérsias e incertezas, este artigo propõe uma discussão teórica do avanço tecnológico e social, sobretudo as tecnologias de Inteligência Artificial e Automação, presentes na Quarta Revolução Industrial como instrumento de transformação tecnológica, econômica, política e social. </span></span></p> José Victor Rodrigues Catalano Bruno Rossi Lorenzi Copyright (c) 11 asdasd asdasd https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1375 <p>asdasdasd</p> atengg377 asasfaf Copyright (c) 11 asdasd asdasdsad https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1374 <p>asdasdasd</p> atengg377 asasfaf Copyright (c) 11 asdasd asdasdsa https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1372 <p>asdasasd</p> atengg377 asasfaf Copyright (c) 11 A influência do projeto neoliberal na ausência dos estudos queer no currículo brasileiro https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1371 <p>O artigo propõe uma compreensão do neoliberalismo e o desdobramento do seu projeto político que reverbera na ausência dos estudos queer no currículo escolar brasileiro. Assim, a pesquisa foi abordada de forma qualitativa, de natureza básica e com objetivo de uma pesquisa exploratória. Os procedimentos técnicos utilizados foram de uma pesquisa bibliográfica e documental, caminhando para uma coleta de dados em etapas, como um levantamento exploratório, após um levantamento seletivo e por último um analítico sobre os conteúdos dos textos obtidos. Os resultados surpreenderam, primeiramente pela escassez do conjunto neoliberalismo e estudos queer em uma mesma pesquisa no brasil. Segundo, pelos mecanismos apresentados pelo projeto político neoliberal brasileiro, que busca um desmonte da educação pública e privilegia nesse campo também, o setor privado. Por fim, observou-se uma formação defasada de professores, onde a prioridade é modificar o currículo, mas não acompanha uma formação que possa ser efetiva para implementar esse currículo definido. Portanto, a articulação dessa tríade entre, currículo, neoliberalismo e estudos queer, ainda é pouca e limitada no Brasil. Um prejuízo para a educação brasileira, que necessita ampliar-se e debater cada vez mais o “outro”.</p> Maria Eduarda Duca Copyright (c) 11 Economia Política Cultural https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1370 <p>O presente artigo apresenta a abordagem da Economia Política Cultural (EPC) desenvolvida por Bob Jessop e por Ngai-Ling Sum. A EPC se dedica a analisar os fenômenos da economia política congregando, dialeticamente, seus aspectos semióticos e extra-semióticos, ou seja, incluindo aspectos culturais na análise dos fenômenos econômicos.&nbsp; Serão apresentadas as raízes teóricas da EPC, o debate intelectual que tem suscitado, seus principais conceitos e ferramentas analíticas, um conjunto de diferentes aplicações que tem sido desenvolvidas, os desenvolvimentos e as principais críticas e divergências. Ao final, é realizado um breve balanço, considerando as críticas e as possibilidades de desenvolvimento da abordagem.&nbsp;</p> Diego Fraga Copyright (c) 11 As poéticas da transgressão e a sociologia do medo https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1369 <p>Partindo da reflexão de Affonso Ávila sobre a importância do barroco na cultura brasileira e sobre sua relação com o medo existencial do ser humano, o presente artigo busca refletir sobre a importância dessa emoção na representação neobarroca e neosurrealista da segunda metade do século XX. O medo da mentira e o medo da violência em suas diferentes formas correspondem à elaboração das poéticas que enfatizam as questões do simulacro, da moda e da fotografia. As obras de Severo Sarduy, de Natasha Trethewey, de Anne Sexton, de Herberto Helder e de Toni Morrison empreendem a tarefa de uma inscrição contestadora nas estruturas sociais dominadas pelo medo.</p> Olga Kempinska Copyright (c) 11 Breve panorama da epistemologia kantiana https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1367 <p>O presente trabalho teve como objetivo fornecer um breve panorama acerca da epistemologia kantiana, delineada de modo profundo na <em>magnum opus </em>de Kant, a <em>Crítica da razão pura</em>. Assumiu-se uma metodologia basicamente bibliográfica, tendo como referência central a obra mencionada, analisando-a hermeneuticamente, e utilizando-se, como apoio, de bibliografias secundárias de especialistas em filosofia kantiana, a fim de elucidar cada passagem lida. No que diz respeito à análise da obra, observamos que ela lança a ideia revolucionária de que o conhecimento que temos dos objetos não diz respeito ao modo como eles são em si mesmos, mas é, antes, um conhecimento das aparências, ou a maneira como apreendemos as coisas. No ato de conhecimento, não é nosso intelecto que se adapta ao objeto, porém o objeto que se adapta à nossa forma de conhecer. Por conseguinte, para entendermos o próprio conhecimento e podermos fundá-lo em bases sólidas, entender a nossa forma de apreensão, algo que Kant faz distinguindo três faculdades principais: a sensibilidade, que intui os objetos, e possui as formas do espaço e do tempo; o entendimento, que pensa os objetos intuídos mediante conceitos; e, finalmente, a razão, que busca dar uma unidade completa àquilo que é pensado pelo entendimento..</p> Cicilia Gabriela Correia Tavares Copyright (c) 11 Para onde devemos olhar? Reflexões sobre as relações de poder https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1365 <p>O presente trabalho foca-se em analisar, por meio do filme “Não olhe para cima”, como as relações de poder se configuram atualmente por intermédio das mídias, fazendo um paralelo com as relações do contexto vivido na sociedade atual, seja durante a pandemia como antes dela. Dessa forma, o presente trabalho desenvolve uma reflexão de forma hermenêutica, apropriando-se dos elementos constitutivos do filme supracitado, para não apenas descrever os apontamentos lançados por este, como também para estabelecer um contraponto com a nossa realidade, sobretudo com os posicionamentos políticos e coletivos ascendidos pela mídia. Considerando a premissa de que é necessário entendermos o poder que a mídia possui e como isso se converge para ações políticas em coletivo, torna-se fulcral perceber os mecanismos pelos quais nossa percepção de realidade pode ser construída a partir de um interesse hegemônico de poder, situações tão recorrentes na humanidade ao longo da história.</p> Alan Silva de Aviz Fernanda Carvalho Ferreira Cesar Dalmolin Copyright (c) 11 ÍNDICES DE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA NO RN ENTRE 2016 - 2022: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1362 <p>Este artigo tem como foco realizar um levantamento do índice de filiação partidária de alguns partidos, que são importantes eleitoralmente no estado do RN, e se propõe a analisar como está se dando a relação das clivagens sociais e clivagens partidárias, como está se dinamizando as filiações partidárias em território potiguar, se em declínio, manutenção ou acréscimo. Metodologicamente, se faz necessário um levantamento bibliográfico e de dados, que foram encontrados no site do TSE, e como resultados é verificado que os partidos tradicionalmente de direita perdem espaço dentro do eleitorado, e que os partidos que polarizaram as disputas eleitorais têm maiores ganhos relevantes de filiados, principalmente em anos de eleições municipais, e que o eleitor, apesar de não diferenciar muito esquerda e direita, capta as ideologias dos partidos.</p> Luiz Antonio Ferreira Saulo Naamã Chaves Brito Copyright (c) 11 Podcast, Educação e Antropologia: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1361 <p>Esse artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica da produção sobre o uso de <em>podcasts </em>como ferramenta didática, principalmente na área das Ciências Sociais e da Antropologia. Durante esse período (2019-2022), foram encontradas 16 publicações e notamos o aumento do uso dessa mídia no geral. Na educação, não foi diferente, os <em>podcasts</em> já eram usados anteriormente como ferramenta didática, mas com a pandemia de COVID-19 e o incremento do ensino remoto, eles passaram a ter um protagonismo ainda maior na educação. Esse artigo propõe apresentar e analisar esta produção bibliográfica recente e apontar as vantagens e barreiras encontradas no uso de<em> podcasts</em> dentro de sala de aula discutidas. Por fim, o artigo também deixa sugestões para consolidar a área de pesquisa de <em>podcasts </em>como ferramenta de ensino.</p> Soraya Fleischer Ana Luiza Noronha Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-10-19 2022-10-19 11 Mundo na Sala de Aula: um podcast feito por e para alunos https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1358 <p>A série do <em>podcast</em> Mundaréu, o<em> Mundo na Sala de Aula </em>(doravante, <em>MUNSA</em>), surge com o intuito de ser produzida e destinada aos estudantes das Ciências Sociais. Essa série foi criada como uma nova maneira de aprender Antropologia: de uma forma simples, didática e descontraída. A primeira temporada da série trabalha com diversos temas muito comuns do cotidiano e da formação dos estudantes de Ciências Sociais: experiências no trabalho de campo, com programas e projetos de iniciação científica, docência e extensão, dores e prazeres da escrita e entre muito mais. Por abordar todas essas temáticas, a minissérie e o <em>podcast</em> comprovam ser uma ferramenta para a formação social e acadêmica de seu público, potencialmente sendo utilizada - como o próprio nome da série diz - <em>em sala de aula</em>, beneficiando e cativando o corpo estudantil.</p> Raíssa Almeida de Magalhães Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-11 2022-09-11 11 A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS NA MODERNIDADE: UM ESTUDO SOBRE O EPISÓDIO INDEPENDENTE “NOSEDIVE”, DA SÉRIE BLACK MIRROR https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1355 <p>O estudo em questão tem como finalidade apresentar um breve cenário da Modernidade <br>Líquida promulgada pelo sociólogo polonês Zygmunt Bauman, enquanto averigua os aspectos <br>da mídia digital, principalmente as redes sociais, e sua influência na vida de muitos dos <br>indivíduos em sociedade. Ademais, a globalização, como fator fundamental para a constituição <br>da Modernidade Líquida, é citada. Sobretudo, haverá uma análise de um dos episódios da série <br>Black Mirror, Nosedive, no qual algumas características das redes socias, do status quo e da <br>vida em comunidade – assim como suas relações – serão abordados e relacionadas com a <br>modernidade do mundo real, e com os estudos de Marshall Berman, expondo parte de sua visão, <br>encontrada na introdução da obra: Tudo que é Sólido Desmancha no Ar. Por fim, uma síntese a <br>respeito de todo o assunto é apresentada.</p> Gustavo Oliveira Copyright (c) 11 Nosferatu https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1354 <p>Este trabalho propõe um exercício de comparação entre a epidemia fictícia de <em>Nosferatu: uma sinfonia de Horror</em> e a pandemia do Covid-19 que perdura até o tempo presente. O objetivo está posto em observar as decisões das autoridades e da sociedade civil na realidade fílmica e na ficção do real, para tirar desta analogia um diagnóstico do tempo presente que apreenda as relações possíveis entre os problemas sociais apresentados pelo <em>Expressionismo Alemão</em> e os conflitos internos da sociedade contemporânea.</p> Caio Pedron Copyright (c) 11 A noção de Cultura pelas perspectivas de Denys Cuche e Marshall Sahlins https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1352 <p><strong>Resumo</strong></p> <p> </p> <p>A palavra cultura e sua aplicação no contexto social têm sido discutidas por inúmeras concepções desde o século XVIII. A noção de cultura tem potencial para auxiliar na compreensão da diversidade humana e suas dimensões objetivas e simbólicas, colaborando para os estudos das Ciências Sociais. Diante disso, o objetivo do artigo é discutir as concepções de cultura em Denys Cuche e Marshall Sahlins, refletindo a necessária reconstituição dessa noção para pensar na diversidade humana. Foi utilizado o procedimento metodológico de revisão bibliográfica com abordagem qualitativa, em que se teve, como aporte teórico, os autores Denys Cuche (1975/1999) e Marshall Sahlins (1997a/1997b). Com a pesquisa foi possível compreender que todos os povos possuem cultura, pois é pela cultura que o ser humano se adapta ao meio e o meio se adapta ao ser humano que constrói sua identidade pelos símbolos criados.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Cultura. Antropologia. Denys Cuche. Marshall Sahlins.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p> </p> <p>The word culture and its application in the social context have been discussed by numerous conceptions since the 18th century. The notion of culture has the potential to assist in the understanding of human diversity and its objective and symbolic dimensions, contributing to the studies of Social Sciences. Therefore, the objective of the article is to discuss the conceptions of culture in Denys Cuche and Marshall Sahlins, reflecting the necessary reconstitution of this notion to think about human diversity. The methodological procedure of literature review with a qualitative approach was used, in which the authors Denys Cuche (1975/1999) and Marshall Sahlins (1997a/1997b) were used as theoretical support. With the research it was possible to understand that all peoples have culture, because it is through culture that the human being adapts to the environment and the environment adapts to the human being who builds his identity through the created symbols.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Culture. Anthropology. Denys Cuche. Marshall Sahlins.</p> Nikolas Corrent Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-08-23 2022-08-23 11 A razão da conveniência na construção histórica: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1351 <p>As disputas políticas no Brasil pela vaga do executivo nacional, ocorridas nas eleições de 2014-2018, contribuíram para mobilizações políticas em espaços alternativos. O campo cultural, mediado pelo debate em torno de narrativas políticas sobre história do Brasil, foi um desses espaços de militância. A empresa Gaúcha Brasil Paralelo surge nesse contexto, liderada por uma tríade de jovens empreendedores que criaram uma produtora de filmes/documentários que visa recontar trajetórias da história política brasileira. Este texto busca apresentar, de forma breve, a produtora, suas ideias e o seu posicionamento político na associação entre cinema e política através de uma interpretação crítica do seu documentário “1964: O Brasil entre armas e livros”.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: História do Brasil. Cinema. Política Brasileira.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>The political disputes in Brazil for the vacancy of the national executive, which took place in the 2014-2018 elections, contributed to political mobilizations in alternative spaces. The cultural field, mediated by the debate around political narratives about Brazilian history, was one of these spaces of militancy. The company Gaúcha Brasil Paralelo emerges in this context, led by a triad of young entrepreneurs who created a film/documentary production company that aims to recount trajectories of Brazilian political history. This text seeks to briefly present the production company, its ideas and its political position in the association between cinema and politics through a critical interpretation of its documentary “1964: O Brasil entre Armas e Livros”.</p> <p><strong>Keywords:</strong> History of Brazil. Cinema. Brazilian Politics.</p> Tulio Magalhães Rodrigues Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-24 2022-09-24 11 A Telenovela Brasileira versus Campos, Habitus e Capital https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1350 <p>No presente artigo, busca-se analisar a dinâmica da produção da telenovela brasileira com os conceitos criados por Pierre Bordieu (1977) sobre campo, habitus e capital. A indústria cultural foi criada para atingir propósitos mercantis, na qual o entretenimento produzido se volta para influenciar os telespectadores a consumirem mais os produtos produzidos pelos patrocinadores de programas da TV, rádio, cinema etc. Com sete décadas de existência, a telenovela brasileira reúne todos elementos necessários para prender a atenção do público. Ela cria comportamentos, discute valores, princípios sociais, educa e informa padrões de civilidade, cujo objetivo principal é o comportamento de consumo dos telespectadores. Bourdieu em sua definição de campo, <em>habitus</em> e capitais explica que o indivíduo inserido em <em>habitus</em> pré-determinado trabalha num campo para obter mais capital tanto econômico quanto simbólico. Nessa perspectiva as análises serão ancoradas nos postulados de Adorno (1986), Grenfell (2018), Almeida, (2002), Bourdieu (1977) entre outros autores.</p> Wagner José Rodrigues Copyright (c) 11 O “lugar” do Feminismo Negro, Decolonial, nos livros didáticos de Sociologia (pnld 2018) https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1349 <p>O presente trabalho possui a proposta de analisar dois livros didáticos de Sociologia aprovados no Plano Nacional do Livro Didático (PNLD 2018)<a href="#_ftn1" name="_ftnref1">[1]</a>, à luz do feminismo negro decolonial. A perspectiva, nesse sentido, é observar como o tema feminismo negro é apresentado nos livros do PNLD 2018: “Sociologia para Jovens do Século XXI e “Sociologia em Movimento”. As referidas obras foram escolhidas tendo como princípio o fato de disporem de capítulos específicos sobre a questão de gênero e mais especificamente sobre o feminismo. Para isso, um estudo sobre os sentidos do feminismo negro decolonial foi realizado, tendo como parâmetro algumas autoras que estudaram a fundo a temática como a Françoise Vergés, Lélia Gonzalez, Davis, María Lugones e Djamila Ribeiro, além de outras referências. No que se referem aos estudos sobre os manuais didáticos e sua representação social, os autores Maia, Engerroff, Meucci, Melo e Bodart embasaram o estudo. A metodologia utilizada é uma análise&nbsp; crítica. Observou-se que embora a temática sobre o “feminismo negro decolonial” esteja presente nas duas obras estudadas, constatou-se que o livro “Sociologia para jovens do século XXI”, apesar de apresentar dois capítulos sobre as questões de gênero, a temática sobre o feminismo negro é evidenciada, mas não contextualizada&nbsp; com o restante do conteúdo. Já o livro “Sociologia em Movimento” apresenta o feminismo negro numa perspectiva decolonial e de forma mais contextualizada, mostrando, inclusive, a interseccionalidade como um conceito importante para esses estudos.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Caio dos Santos Tavares Anabelle Santos Lages Fabiana Oliveira Gomes Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-08-23 2022-08-23 11 Resistência aos direitos, receptividade aos favores: o auxílio emergencial no Brasil https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1348 <p>O presente artigo pretende se debruçar numa análise acerca do uso político do auxílio emergencial por parte de alguns atores políticos brasileiros, em específico o Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, e seus apoiadores. Além disso, pensamos que se faz necessária uma discussão a respeito da história política brasileira, que é perpassada por inúmeros fatores políticos e sociais (populismo, coronelismo, patrimonialismo, etc) que influenciam no modo como os atores políticos gerem o benefício e também no modo como a população brasileira enxerga tais medidas de proteção social. Concluímos, por meio de falas e declarações de políticos brasileiros e comentários de cidadãos nas redes sociais, e sobretudo, com a revisão da literatura sobre a política brasileira, que o auxílio emergencial foi usado como medida populista e recebida como tal por determinados setores da sociedade.</p> Luiz Antonio Ferreira Saulo Naamã Chaves Brito Copyright (c) 11 O que faz o estudante, Estudante? https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1346 <p>a obra examina antropologicamente o lugar que o carisma ocupa na construção da autoridade dos professores: de que maneira adquirem legitimidade e exercem a autoridade? Privilegiando as relações estabelecidas entre docente e discente, as performances desempenhadas por aqueles durante as aulas são focalizadas, assim como as reações que suscitam nos estudantes. O objetivo é o de compreender que técnicas e recursos produzem a eficácia simbólica na prática pedagógica. A pesquisa se baseou em trabalho de campo e observação direta em duas turmas do ensino médio numa escola pública do Rio de Janeiro. O resultado apresentado permite que nos deliciemos com elementos subjetivos e objetivos recobertos pelo cotidiano e pela rotinização do fazer pedagógico, os quais desvelam muito do que ocorre nas instituições escolares.</p> MARCELO DA SILVA ARAUJO Copyright (c) 11 TRABALHO INFANTIL E A REDE DE PROTEÇÃO: e agora quem poderá me defender? https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1345 <p>Apesar do interesse crescente quando o assunto é trabalho infantil e rede de proteção, é mister esclarecer que há estudo nessa temática. Contudo, este artigo focará em outros vieses. Além disso, este estudo é de ancoragem qualitativa e consiste numa revisão bibliográfica. No ano de 2018 foram registrados 3.869 casos de trabalho infantil. Já em 2019 foram notificados 4.246 casos dessa modalidade de violência. Portanto, não há um órgão específico que protege direitos, mas sim todos são corresponsáveis e devem garantir e zelar pelos direitos de crianças e adolescentes.</p> Renan Vicente Copyright (c) 11 Gerações e Tolerância Política no Brasil https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1340 <p><span style="font-weight: 400;">Esse estudo investiga os condicionantes da tolerância política, partindo da afirmação da existência de clivagem geracional identificada pela literatura internacional no contexto das democracias consolidadas. O objetivo foi analisar a validade dessa hipótese no contexto das chamadas jovens democracias, como a brasileira, investigando se em nosso contexto existem distinções nos índices de tolerância política entre grupos etários. A pesquisa foi quantitativa e o material empírico utilizado advém do </span><span style="font-weight: 400;">Projeto de Opinião Pública da América Latina (LAPOP)</span><span style="font-weight: 400;">, edição de 2017. Os resultados indicaram que a tolerância política entre jovens, tanto em termos de condição juvenil quanto etários, é estatisticamente maior do que nos demais segmentos, definidos aqui como adultos.</span></p> Carla Fernanda Rosa Copyright (c) 11 Racionalidade Organizacional versus Tradição https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1338 <p>O presente artigo tem a pretensão de discutir a ação racional e não-racional, com foco na ação tradicional a partir das relações ocorridas no âmbito das organizações. Tentando estabelecer um diálogo com as teorias organizacionais que até o presente momento tem dado atenção a ação racional, negligenciando em muita medida a ação não-racional, no que concerne as relações postas nas organizações. A discussão aqui apresentada é fruto de um trabalho investigativo fundamentado na observação participativa e na análise de dados secundários, realizado em um hospital localizado em uma cidade de porte médio do Norte de Minas Gerais.</p> Gilson Cássio de Oliveira Santos Copyright (c) 11 COTAS ÉTNICO-RACIAIS NAS UNIVERSIDADES E PARADIGMAS DO DIREITO: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1336 <p>Este artigo foi elaborado como forma de conclusão da disciplina de Direito, Raça e Políticas Afirmativas do PPGD (Programa de Pós Graduação em Direito) da Universidade Federal da Bahia, ministrada pelo Professor Dr. Leandro Cunha. O artigo trata das cotas étnico-raciais, a partir de uma crítica negra da hermenêutica que compreende o racismo estrutural e institucional, assim como as relações de desigualdades de status cultural e social na interlocução com o Poder Judiciário. Nesse processo, utiliza-se a fenomenologia hermenêutica, partindo de revisão bibliográfica, assim como o estudo sobre o conceito de revolução jurídico-democrática. Nesse processo, propõe-se interpretação dos votos na Ação de Descumprimento ao Preceito Fundamental 186 com fins de entendimento dos conflitos sobre a recente implementação da comissão de heteroidentificação racial como procedimento complementar a autodeclaração racial no Ensino Superior.</p> Icaro Jorge Da Silva Santana Leandro Reinaldo da Cunha Rita de Cassia Dias Pereira de Jesus Copyright (c) 11 O processo de concessão da RJ 244 e os impactos territoriais no município de São João da Barra https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1335 <p>O município de São João da Barra, localizado no Estado do Rio de Janeiro, tem recebido um grande volume de investimentos públicos e privados desde 2007, devido a implantação do Porto do Açu. Junto a duplicação da BR101, já em fase de conclusão, a RJ 244, figura como um dos principais gargalos de infraestrutura para o empreendimento. Diante disso, foram analisadas as propostas de traçado para concessão da rodovia e seus impactos na dinâmica territorial sanjoanense. No plano metodológico, o trabalho estrutura-se por meio de pesquisas bibliográficas e documentais acerca do objeto e, levantamento de dados com base em trabalhos de campo. Verificou-se que a proposta de traçado do governo do Estado, dada suas características e localização, atende estritamente as demandas logísticas do empreendimento, tendo potencial para alterar a configuração espacial do município, fragmentando-o, e interferindo nos usos presentes e futuros das terras adjacentes.</p> <p>Palavras-chave: RJ 244. Porto do Açu.</p> Luna Barreto Codeço Eduardo Assad Copyright (c) 11 Os cânones no pensamento social brasileiro na construção dos marcadores raça, gênero, etnia e classe social. https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1334 <p><span style="font-weight: 400;">Nesse artigo é realizada uma revisão teórica sobre o pensamento social brasileiro a partir da presença e utilização das categorias “gênero”, “raça”, “etnia” e “classe social”.&nbsp; Em um primeiro momento, são mapeadas pesquisas centrais sobre o pensamento social brasileiro. Em seguida, busca-se, a partir de vertentes feministas da epistemologia, e da construção das categorias através da sociologia do conhecimento, demonstrar que utilização de clássicos e cânones, principalmente em ambientes de ensino das ciências sociais, vem produzindo o seguinte cenário: a concentração do ensino e do desenvolvimento acadêmico de categorias no país, de modo que as categorias “gênero”, “raça”, “etnia” e “classe social” são retratadas de forma superficial, favorecendo a concentração de formas interpretativas da realidade social que reforçam desigualdades sociais. </span></p> Elismênnia Aparecida Oliveira Copyright (c) 11 Sessenta anos de “Os Condenados da Terra” https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1333 <p>Fanon (1925 - 1961), intelectual negro e um dos precursores do argumento descolonial. O objetivo é tecer considerações sobre o tema da violência, na perspectiva descolonial. Parte de uma pesquisa monográfica elaborada em 2015, apresentada em 2016, no 40º Encontro Anual da ANPOCS. O desafio consistiu em delimitar a ideia de raça para o referido autor martiniquense e a maneira como ela se associa com as formas de legitimação das relações de poder na Modernidade. O aspecto inovador do pensamento de Fanon (2009) pode ser compreendido a partir de sua atitude contra o racismo, de denúncia e desnaturalização. Esse artigo também busca apresentar alguns apontamentos sobre a análise de Deivson Faustino (2021), que questiona: o argumento fanoniano rompe, reafirma ou transfigura a dialética hegeliana? Trata-se de estímular a importância de ler Frantz Fanon no século XXI.</p> Juliéverson Messias De Carvalho Copyright (c) 11 Identidades culturais e Educação no mundo globalizado https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1331 <p>O presente trabalho busca entender de que maneira a globalização opera e quais os seus impactos nas identidades culturais e modelos de educação. Trata-se de identificar o caráter flexível das identidades culturais menos divulgadas, na medida em que estas agregam os traços das culturas mais divulgadas pela globalização. Procuro analisar essas questões através de uma pesquisa bibliográfica, com apoio dos textos que se debruçam sobre essa temática, como também por meio de uma pesquisa exploratórias através de entrevistas com pessoas que estudam sobre o tema.&nbsp; Com a chegada do mundo moderno, transformações ocorreram em diferentes sociedades, como por exemplo, na Guiné-Bissau, gerando-se um enfrentamento entre culturas e sistemas de educação e das questões linguísticas entre o português, crioulo e as línguas étnicas que existem no país.</p> Pascoal Jorge Sampa Copyright (c) 11 Educação, conformismo e tecnologia https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1330 <p>Os princípios educativos que deveriam nortear a educação científica e técnica dos estudantes brasileiros encontra subsídios nas teses de Antonio Gramsci, mormente no que tange às suas concepções sobre conformismo e tecnologia. Apresentamos um contraponto de suas ideias com a Base Nacional Comum Curricular, documento que traça diretrizes sobre a Educação Básica. A partir de uma revisão de literatura crítica, mapeamos um cenário que nos permite vislumbrar uma realidade complexa, repleta de lacunas, questionamentos e incertezas. Deduzimos que as discussões sobre o futuro educacional das novas gerações requerem um ambiente democrático, o qual abarcaria a participação de agentes escolares, comunidade local e setores diversificados da sociedade.</p> Luiz Henrique Sampaio Junior Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-06-12 2022-06-12 11 O O CANGAÇO E O PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA A PARTIR DOS TIPOS IDEAIS, RACIONALIZAÇÃO E TIPOS DE DOMINAÇÃO WEBERIANOS.S. https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1328 <p>Este trabalho visa analisar sob a ótica de Max Weber dos tipos de dominação legitima e utilizando seu conceito de racionalização da sociedade ocidental, que deu origem ao capitalismo moderno, contido em seu livro A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, dois movimentos ou grupos que representam o crime organizado no Brasil em épocas bem distintas: o cangaço e o Primeiro Comando da Capital (PCC).</p> IGOR MASCARENHAS DOS SANTOS COSTA Copyright (c) 11 “Borgen”: a série que é uma aula de política https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1327 <p>O presente texto trata de uma série de TV produzida na Dinamarca que recentemente voltou a ter destaque: “Borgen”. A série conta a história de Birgitte Nyborg, de sua ascensão como líder do partido mais votado nas eleições parlamentares da Dinamarca ao cargo de primeira ministra do país; acompanha sua rotina, trata do jogo político partidário no decorrer de seu mandato, do papel da imprensa na democracia, das suas dificuldades na vida pessoal ao ocupar essa posição de tamanho poder e responsabilidade, entre outros assuntos. Borgen levanta questões acerca da política nos tempos modernos, das virtudes e limitações da democracia representativa. Propõe-se aqui um trajeto teórico útil no sentido de sustentar o trabalho de construção de uma visão acerca de aspectos mais complexos da vida social e política contemporânea. A ideia do presente artigo é apontar em que sentido podemos usar a compreensão da trama da série como pretexto para ampliar discussões sociológicas e políticas clássicas voltadas aos tempos atuais, a partir das semelhanças e dos contrastes em relação ao Brasil que a série suscita. Nesse intento, nós nos utilizamos de autores como Max Weber e Norbert Elias, levantando aspectos da relação entre Estado, democracia e civilização.</p> Eduardo Fernandes Nazareth Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-11-17 2021-11-17 11 Aplicação da Lei de Assistência Técnica Gratuita (11888/2008) em moradias precárias no município de Itaperuna/RJ. https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1326 <p><span style="font-weight: 400;">Resumo: O presente artigo propõe um modelo de implantação da Assistência Técnica Pública e Gratuita (11888/2008) direcionada a população de baixa renda de Itaperuna/RJ. A moradia é essencial para a subsistência e segurança do ser humano, no entanto não é realidade de milhões de brasileiros. Assim como em outras cidades, em Itaperuna, também se faz necessária a implementação de políticas públicas que atendam satisfatoriamente a demanda habitacional. Nesse contexto, foi apresentada a Assistência Técnica Pública e Gratuita como alternativa viável às políticas tradicionais de produção de habitação em massa. A proposta elaborada é de fácil aplicação e entendimento, sobretudo pela família beneficiária. Envolve 4 agentes, e é composta por 6 (seis) etapas em 17 (dezessete) passos, que exploram os limites e potenciais da Lei 11888/2008. Pretende-se que os munícipes que vivem em condições de habitabilidade precárias e que tenham renda mensal média de até 3 (três) salários mínimos, possam pleitear e usufruir do seu direito à assistência técnica pública por meio de um programa municipal que lhe proporcione atendimento por um profissional qualificado para a reforma e/ou ampliação de sua casa de forma personalizada, gratuita, democrática, transparente e humana.</span></p> <p>&nbsp;</p> <p><span style="font-weight: 400;">Palavras-chave: Assistência Técnica Gratuita. Direito à Moradia. Habitação de Interesse Social. Moradias Precárias. </span></p> Nathália Teixeira De Luca Lívia Soares Nunes Zulo Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-11-29 2022-11-29 11 Psicopolítica, mídias digitais e sociedade contemporânea em Byung Chul Han https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1324 <p>A contemporaneidade lida com novas problemáticas impostas pelo seu tempo, com isso, o advento da internet trouxe novas questões. Nesse sentido, este trabalho objetiva esmiuçar, a partir do pensamento de Byung-Chul Han, questões como a relação dos sujeitos com as mídias digitais e a ação política em torno disso no conceito de Psicopolítica. Desse modo, entender-se-á como as reflexões postas por Han auxiliam na interpretação dos fenômenos socioeconômicos e culturais no tempo presente.</p> Kelvin Oliveira do Prado Copyright (c) 11 A construção do imaginário de nação em Samuel Fuller https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1322 <p>O gênero <em>western</em> utiliza-se de eventos históricos em narrativas que simbolizam a construção dos Estados Unidos da América enquanto nação sob uma única bandeira. Uma vez que perpassa valores como identidade e nacionalismo, é possível identificar, através de uma abordagem sociológica, em que medida tal narrativa contribuiu para a formação de um imaginário nacional. Por meio de análise fílmica, tendo como método a decupagem, investiga-se duas obras do diretor Samuel Fuller – Dragões da Violência (1957) e Renegando Meu Sangue (1957) – e formula-se uma discussão crítica acerca do cinema <em>western</em>. Analisando as representações de Fuller sobre determinados fenômenos sociais e fatos históricos, identifica-se valores e ideais que sustentam a identidade estadunidense, bem como o papel do diretor nessa construção.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: <em>Western</em>. Cinema. Nacionalismo.</p> Ana Luíza Sá Schat Copyright (c) 11 A história como farsa https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1321 <p>O presente trabalho discute, a partir dos elementos da obra “<em>O Colapso do Populismo no Brasil</em>”, de Octávio Ianni, o golpe de 2016 no Brasil, particularizando a participação da classe média no processo. O trabalho foi construído a partir de pesquisa bibliográfica na obra do autor e nas produções recentes de intelectuais que problematizam os elementos econômicos e políticos que explicam o golpe no Brasil. Na trilha do que formulou Ianni, abordamos os golpes de estado na história brasileira e a forma como a classe média serviu de “porta-voz” de projetos de restauração conservadora, contrapondo-se aos interesses da classe trabalhadora no país.</p> Crismanda Maria Ferreira Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-11-17 2021-11-17 11 THE LANGUAGE OF THE ART OF MUSIC: AN OVERVIEW OF ITS HISTORY IN BRAZIL https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1319 <p>This study sought to re-visit the two conceptions of Art – pedagogical and reflective - forged throughout history and its relationship with the Brazilian aesthetic thought of resistance. From the 60's, such thinking has given a pedagogical purpose to art, charged with the task of social criticism and political engagement human emancipatory: in this scenario mainly determined by the Theater of the Oppressed, the new movies &nbsp;and the protest song by Milton Nascimento, , Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, &nbsp;among many others.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> <p><strong>Keywords</strong>: Art; Culture of Resistance; History.</p> Alberto de Souza Copyright (c) 11 COMO A SOCIEDADE VÊ A HISTORIA CULTURAL NOS SÉCULOS XVIII A XX https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1318 <p>Este estudo tem um rizoma que se espalha ao longo da história.contemporaneidade a história oral inclue uma enorme variedade de temas e métodos, pois não permanece um consenso entre os historiadores, seus espaços de tempo e suas fronteiras.</p> <p>PALVRA CHAVES:.</p> <p>História Cultural; ciências Sociais; Pensamento Estético.</p> Alberto de Souza Copyright (c) 11 A CULTURA INDÍGENA:MUSICALIDADES SÉCULOS XIX E XX https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1317 <p><strong>&nbsp;</strong></p> <p>Ao longo dos tempos a música brasileira pode ser contextualizada em três grandes períodos, a saber: Período Colonial, Período Romântico ou Imperial e Período Moderno. Entretanto, neste estudo, ao buscarmos resgatar aspectos desta genealogia musical indígena, estaremos destacando apenas elementos importantes do final do Período Romântico e centrando a nossa ênfase ao Período Moderno.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Palavra chaves</p> <p>&nbsp;</p> <p>Cultura indígena; Música popular Brasileira; Sociologia.</p> <p>&nbsp;</p> Alberto de Souza Copyright (c) 11 O MENINO DESCENTRADO https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1316 <p>&nbsp;Que não queria nada só ato de sangue, matou seus pais e o deixo descentrado e indefesso.</p> <p>Palavras chaves</p> <p>Identidade, ciências sociais,sociologia.</p> Alberto de Souza Copyright (c) 11 ÉTICA E DIREITOS HUMANOS: UM RECORTE SOB A ÓTICA DA EXPERIMENTAÇÂO EM SOCIOLOGIA https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1314 <p style="text-align: justify; line-height: 150%;"><span style="font-family: 'Arial',sans-serif;">Ética enquanto pressuposto dos Direitos Humanos estão intimamente ligados, explique de que forma isto ocorre? Discorra sobre todos os aspectos que possam estar englobados nesta alegação.</span></p> <p style="text-align: justify; line-height: 150%;"><span style="font-family: 'Arial',sans-serif;">Palavra chaves</span></p> <p style="text-align: justify; line-height: 150%;"><span style="font-family: 'Arial',sans-serif;">Direitos Humanos; Ética; Sociologia.</span></p> Alberto de Souza Copyright (c) 11 “PARENTELAS” NA FORMAÇÃO COLONIAL DO BRASIL: PERSPECTIVAS POLÍTICAS https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1313 <p>O presente estudo centraliza um olhar sociológico durante os três primeiros séculos de formação política colonial do Brasil. Nesse sentido, inicialmente, proponho uma compreensão do modelo de sistema político que surge, simultaneamente, durante o processo de colonização brasileira. Para tanto, apresento a materialização dessa formação política na estrutura social da colônia, evocando os personagens responsáveis pela constituição de seu estatuto político, na tentativa de desvendar os mecanismos de solidariedade que, com base na lógica da busca por poder, darão sentido aquele processo de formação social e da vida pública. &nbsp;Com base na conservação dessa força política, recorro à constituição dos sistemas de aliança de base familiar, no que diz respeito a noção de “parentela”, enquanto espécie de princípio que contribui para a continuidade da força política da base familiar, bem como no fortalecimento de alianças que visam a conservação do <em>status</em> social e político na colônia, entre seus “senhores”. Contudo, destaco à importância do exercício retórico ao modelo político, propondo a reflexividade enquanto terreno fecundo da sociologia política brasileira.</p> Marcelo Pereira Souza Copyright (c) 11 ESTAMOS NO MESMO MAR, MAS NÃO ESTAMOS NO MESMO BARCO: A VULNERABILIDADE DOS QUILOMBOLAS NA PANDEMIA DA COVID-19 https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1312 <p>O presente artigo tem como objetivo analisar brevemente os efeitos da pandemia causada pelo COVID – 19 nos territórios das comunidades quilombolas.&nbsp; Sobre a ótica de que “Qualquer quarentena é sempre discriminatória, mais difícil para uns grupos sociais do que para outros”. Para isso, utilizou-se o método de investigação crítica por meio de revisões bibliográficas, investigações e levantamento de casos da covid-19 nas comunidades.&nbsp;&nbsp; De modo, a entender a vulnerabilidade dos quilombolas e o agravamento de problemas já existentes nas comunidades.&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Gildemar da Paixão Trindade Trindade Copyright (c) 11 Trajetória, experiências e pesquisa: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1311 <p>Entrevista realizada com a professora Irlys Alencar Firmo Barreira, professora titular de Sociologia do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará. Pesquisadora 1B do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Tem doutorado na Universidade de São Paulo e pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris) e no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.</p> Gleison Maia Lopes Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-03-13 2021-03-13 11 O sonho como objeto sociológico https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1309 <p> </p> <p>Este <em>paper</em> traz algumas reflexões em torno do sonho enquanto objeto sociológico, apresentando-o como resultado de incorporações das estruturas do mundo social, aos quais o sonhador experimenta enquanto está acordado. Trata-se de uma reunião de reflexões compartilhadas em duas entrevistas ligadas ao livro “La Part Rêvée: l’interprétation sociologique des rêves, volume 2” (2021). São apresentadas reflexões em torno do lugar dos sonhos na Ciências Humanas, as possibilidades de análise sociológica e alguns breves exemplos de exames dos sonhos.</p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Sociologia. Teoria disposicionalista. Sonho.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This paper brings some reflections around the dream as a sociological object, presenting it as a result of incorporations of the structures of the social world, to which the dreamer experiences while awake. This is a meeting of shared reflections in two interviews linked to the book "La Part Rêvée: l’interprétation sociologique des rêves, volume 2 " (2021). Reflections are presented about the place of dreams in the Human Sciences, the possibilities of sociological analysis and some brief examples of dream examinations.</p> <p> </p> <p><strong>Keywords:</strong> Sociology. Dispositionist theory. Dream.</p> <p> </p> Bernard Lahire Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-02-11 2021-02-11 11 O sonho como objeto sociológico https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1307 <p>Este <em>paper</em> traz algumas reflexões em torno do sonho enquanto objeto sociológico, apresentando-o como resultado de incorporações das estruturas do mundo social, aos quais o sonhador experimenta enquanto está acordado. Trata-se de uma reunião de reflexões compartilhadas em duas entrevistas ligadas ao livro “La Part Rêvée: l’interprétation sociologique des rêves, volume 2” (2021). São apresentadas reflexões em torno do lugar dos sonhos na Ciências Humanas, as possibilidades de análise sociológica e alguns breves exemplos de exames dos sonhos.</p> <p> </p> <p><strong>Palavras-chaves</strong>: Sociologia. Teoria disposicionalista. Sonho.</p> <p><strong> </strong></p> <p><strong> </strong></p> <p><strong> </strong></p> <p><strong>Abstract</strong></p> <p>This paper brings some reflections around the dream as a sociological object, presenting it as a result of incorporations of the structures of the social world, to which the dreamer experiences while awake. This is a meeting of shared reflections in two interviews linked to the book "La Part Rêvée: l’interprétation sociologique des rêves, volume 2 " (2021). Reflections are presented about the place of dreams in the Human Sciences, the possibilities of sociological analysis and some brief examples of dream examinations.</p> <p> </p> <p><strong>Keywords:</strong> Sociology. Dispositionist theory. Dream.</p> <p><br /><br /></p> Bernard Lahire Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-02-11 2021-02-11 11 A Construção de Paulo Freire como inimigo nacional https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1306 <p>O artigo percorre os caminhos discursivos que tentaram deslegitimar o educador Paulo Freire no Brasil nos últimos anos. Evidenciam-se como determinados argumentos foram importados e disseminados pelo escritor Olavo de Carvalho em suas obras, e instrumentalizados na Câmara dos Deputados, especialmente no ano de 2019. Foi realizada analise textual e legislativa, pensadas ao lado das perspectivas teóricos de James Hunter para enquadramento do fenômeno nas guerras culturais. Encontra-se distorção e fraude nos caminhos argumentativos, bem como posicionamentos políticos específicos apresentados como posições neutras. Conclui-se que os agentes analisados se empreendem na área pública pela aversão a política e ao conhecimento científico.</p> Rodolfo Luiz Costa de Godoi Copyright (c) 11 O conceito de educação para Carlos Rodrigues Brandão https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1305 Denilson Feitosa Sancho Copyright (c) 11 REDISCUTINDO OS IMPACTOS DA IDEIA DE MESTIÇAGEM NA JUDICIALIZAÇÃO DAS AÇÕES AFIRMATIVAS https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1304 <p><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">A construção da identidade no Brasil é um&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">dos&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">ponto</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">s</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;de partida para observação analítica sobre raça e racismo. Historicamente, as</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;disputas do conceito de raça foram colocadas numa seara de construções&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">biológicas, culturais, sociais e econômicas.</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">De forma interdisciplinar, o conceito do que é racismo</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">,</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;e mais profundamente, do que é negro no Brasil foi estudado pelos mais diversos olhares</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">. A ideia de democracia racial</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">, construída a partir da leitura do&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">clássico Casa Grande e Senzala, oportunizou muitas críticas e contrapontos a conformação da sociedade brasileira. Indo&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">conforme</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;a essa construção de uma te</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">oria racial ou teoria social da raça, o estudo da identidade</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;nacional e da identidade negra</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;foi&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">o&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">caminho&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">construído</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">no livro do&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SpellingErrorV2 SCXW181282827 BCX0">Kabengele</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">&nbsp;</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SpellingErrorV2 SCXW181282827 BCX0">Munanga</span></span><span class="TextRun SCXW181282827 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW181282827 BCX0">.</span></span><span class="EOP SCXW181282827 BCX0" data-ccp-props="{&quot;201341983&quot;:0,&quot;335551550&quot;:6,&quot;335551620&quot;:6,&quot;335559731&quot;:708,&quot;335559739&quot;:160,&quot;335559740&quot;:360}">&nbsp;</span></p> Icaro Jorge Da Silva Santana Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-08-26 2021-08-26 11 A POLÍTICA DO RECONHECIMENTO: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1303 <p>O objetivo deste artigo é analisar e comparar os modelos de reconhecimento dos filósofos Charles Taylor (1931), Axel Honneth (1949) e da cientista política Nancy Fraser&nbsp;(1947), a fim de avaliar os limites e as possibilidades de cada uma dessas visões sobre esse modelo de justiça. As lutas por reconhecimento, diferentemente das lutas por “redistribuição”, não têm como orientação normativa, em primeiro plano, a eliminação das desigualdades econômicas, mas o combate ao preconceito e a discriminação de determinados grupos e indivíduos, tendo em vista que a negação do reconhecimento se constitui numa forma eficaz de opressão. O debate será realizado com a resposta desses autores sobre duas questões que são entrelaçadas: A primeira questão é procurar saber se a justiça reivindica o reconhecimento daquilo que difere os indivíduos e grupos ou o reconhecimento da nossa humanidade comum é suficiente. A segunda é saber como separar as demandas por reconhecimento que são justificadas daquelas que não são.</p> Baptista dos Santos Copyright (c) 11 Sociologia, coletividades e desenvolvimento de base territorial https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1302 <p>Entrevista com o Professor Pierre Teisserenc - Professor Emérito da Universidade Paris 13 desde setembro de 2011 e Professor Visitante da Universidade Federal do Pará em 2008, de 2010 a 2014 e de 2016 a 2018. As principais pesquisas têm focado as recomposições territoriais no contexto de países industrialisados marcados por um estado de crise permanente no sistema produtivo industrial e pelas mudanças nos modos de administração e de gestão dos territórios, notadamente em razão das políticas de descentralização.</p> Rafael Dantas Dias Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-02-05 2021-02-05 11 Professores de sociologia do ensino médio do Nordeste: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1301 <p>O objetivo deste artigo é avaliar a adequação para a docência de professores e professoras de Sociologia do Ensino Médio, no Nordeste, com base nos microdados dos Censos Escolares (2013 e 2019) produzidos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Em primeiro lugar, apresenta-se a estrutura etária desses profissionais por sexo. Em seguida, a distribuição das escolas com turmas de Sociologia, segundo o tipo de dependência administrativa. Na sequência, a distribuição do tipo de contrato profissional segundo o sexo do docente. Posteriormente, desenha-se o panorama de adequação de formação de professores por unidade federativa da região. A seguir, correlaciona-se essa forma de adequação em função do tipo de contrato de trabalho. Por último, criou-se um cartograma e uma tabela sobre a região Nordeste, a partir dos quais visualizamos as diferenças intrarregionais no que diz respeito à adequação desses profissionais para o ensino de Sociologia. Tomando-se como parâmetros a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e o Plano Nacional da Educação 2014-2024, conclui-se que a maioria dos professores de Sociologia do Nordeste não tem formação superior compatível com a área de conhecimento, numa distribuição regional discrepante</p> Wilson Fusco Alexandre Zarias Darcilene Cláudio Gomes Copyright (c) 11 ESCOLA PÚBLICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: UMA ABORDAGEM SOBRE OS AVANÇOS, POSSIBILIDADES E DESAFIOS. https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/111 <p>Partindo da Escola estadual Cordiolino Souza Santos, no distrito de Catuni, em Francisco Sá-MG, como campo de pesquisa, este trabalho objetivou analisar a influência das TIC´s no processo de ensino/aprendizagem, quais os recursos tecnológicos utilizados nas escolas da rede pública de ensino. Utilizou-se da pesquisa quantitativa, quando foram aplicados questionários aos alunos e professores. Os resultados encontrados indicam que há um enorme vácuo entre o que dispõe a LDB, o PROINFO e a realidade encontrada. Utilizou-se na pesquisa os seguintes autores: CASTELLS, MARK, BIANCHI, PAIVA e ALMEIDA, entre outros.</p> Sander Rocha Aguiar Copyright (c) 11 PT ETNICIDADE: UMA LUTA EM BUSCA DA AFIRMAÇÃO https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1300 <p>Este artigo busca analisar a produção dos pesquisadores sobre o tema <em>etnicidade</em>, especificamente no Brasil e em língua portuguesa, no período de 2001 a 2016. A metodologia adotada foi consulta ao portal de periódicos da Capes/MEC. A escolha do tema foi uma decisão de interesse pessoal. Optei por etnicidade. Quando inserir a palavra, o portal recuperou e disponibilizou 166 artigos relacionados ao tema, escrito em inglês e espanhol, dos quais 101 revisados por pares. Optei apenas pelos artigos escritos em língua portuguesa. Como critério de seleção, selecionei os artigos de maior relevância, ou seja, os mais acessados, nessa temática.</p> ANTONIO CARDOSO SILVA Copyright (c) 11 PT TEIXEIRA, Marco Antonio Domingos e LIMA, Uílian Nogueira (org.) TEIXEIRA e LIMA. Afros e Amazônicos https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1299 <p>Afros e Amazônicos, a obra está estruturada em treze capítulos.&nbsp; Os autores são: Marco Antônio Domingos Teixeira, Wilma Inês Araújo, Nábila Raiana M. Pimentel, Everaldo Lins de Santana, Emmanuel de Almeida Farias Júnior, Lourival Inácio Filho, Uilian Nogueira Lima, Maria Enísia Soares de Souza, Iza Reis Gomes Ortiz, José Famir Apontes da Silva, Eliane Auxiliadora Pereira, Lourismar da Silva Barros, Fábio Teixeira Lima e Helder Alicerces Bahu. O prefácio é do Professor angolano Helder Alicerces Bahu. A apresentação é da professora brasileira Maria Enísia Soares de Souza.</p> ANTONIO CARDOSO SILVA Copyright (c) 11 RSS Teste de arquivo para envio de anexo https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1298 <p style="text-align: justify; background: white; margin: 0cm 0cm 11.25pt 0cm;"><span style="font-size: 10.5pt; font-family: 'Arial',sans-serif; color: black;">Vestibulum tincidunt nunc nunc, sed tempor velit elementum vel. Mauris porta malesuada mi nec porta. Duis mattis luctus consectetur. Donec commodo ullamcorper aliquam. Vivamus non enim placerat, efficitur nulla id, elementum nibh. Donec mattis nec augue a tristique. Maecenas ut blandit purus, at commodo quam. Aenean ut ex consequat, varius nisi ut, molestie lacus. Pellentesque semper volutpat nibh, at pulvinar quam imperdiet vitae. Etiam eget enim in ex interdum ornare.</span></p> Roniel Sampaio Silva Copyright (c) 11 O conceito de democracia em Émile Durkheim e a crítica à tipologia aristotélica do poder https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1297 <p>O presente artigo tem por objetivo discutir o conceito de democracia em Émile Durkheim, bem como a crítica por ele empreendida à tipologia aristotélica do poder que, desde o mundo antigo, ganhou proeminência e se consolidou na análise política sobre as formas de governo, tendo enorme ressonância sobre as teorias políticas modernas e contemporâneas. Mas para além deste objetivo, intenta-se ainda refletir sobre o republicanismo durkheimiano e sua relação com a democracia, expondo possíveis fragilidades na forma como o sociólogo francês pensa ambos os conceitos.</p> Sidnei Ferreira de Vares Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-10-06 2021-10-06 11 A Sociologia no Ensino Médio: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1296 <p>O presente artigo tem por objetivo realizar uma análise de três obras referentes à disciplina de Sociologia do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) de 2018. Identificando de que forma estas abordam a categoria trabalho, bem como sob qual perspectiva o fazem e quais elementos centrais interpelam. Ainda, elaboramos uma síntese acerca da trajetória histórica da Sociologia enquanto disciplina da Educação Básica brasileira. O artigo foi constituído de uma análise do Materialismo histórico-dialético, a partir de uma pesquisa bibliográfica e qualitativa. No tocante as três obras, em duas destas as reflexões teórico-conceituais voltadas ao questionamento da natureza do trabalho na sociedade capitalista é mais evidente, enquanto na terceira este tensionamento ocorre de forma menos perceptível.</p> Matheus Felisberto Costa Rafael Rodrigo Mueller Copyright (c) 11 A CONCEPÇÃO DE DEMOCRACIA EM ÉMILE DURKHEIM E A CRÍTICA À TIPOLOGIA CLÁSSICA DO PODER https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1293 <p>O presente artigo tem por objetivo discutir o conceito de democracia em Émile Durkheim, a partir de alguns de seus trabalhos mais relevantes sobre este tema, bem como a crítica por ele empreendida à tipologia clássica do poder, que desde o mundo antigo ganhou proeminência e se consolidou na análise política sobre as formas de governo. Mas para além deste objetivo, intenta-se ainda refletir sobre o republicanismo durkheimiano e sua relação com a democracia, expondo possíveis fragilidades na forma como o sociólogo francês pensa ambos os conceitos.</p> Sidnei Ferreira de Vares Copyright (c) 11 AFINAL, O QUE MOTIVA OS CONFLITOS SOCIAIS NAS PERIFERIAS BRASILEIRA https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1291 <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Adobe Garamond Pro', serif;"><span><span lang="en-US">O objetivo deste artigo é examinar o conceito de reconhecimento no pensamento do filósofo contemporâneo Axel Honneth.</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Adobe Garamond Pro', serif;"><span><span lang="en-US"> Para tanto, este estudo utiliza como obra principal o livro “</span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Adobe Garamond Pro', serif;"><span><span lang="en-US"><em>Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais”</em></span></span></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Adobe Garamond Pro', serif;"><span><span lang="en-US">. A princípio, Honneth identifica a distinção de três formas positivas de reconhecimento: Amor, Direito e Solidariedade. Porém, esses conceitos identificados não constituem o impulso necessário para as lutas por reconhecimentos motivadas moralmente. O impulso para os conflitos tem sua origem mediante as experiências de desrespeito, sendo elas: os Maus-tratos e a violação, a Privação de direitos e Exclusão e, por último, a Ofensa e Degradação. Além disso, buscamos compreender o conflito dentro da realidade periférica.</span></span></span></span></p> José Claudio Sousa Silva Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 AFINAL, O QUE MOTIVA OS CONFLITOS SOCIAIS NAS PERIFERIAS BRASILEIRA https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1288 <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">O objetivo deste artigo é examinar o conceito de reconhecimento no pensamento do filósofo contemporâneo Axel Honneth.</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"> Para tanto, este estudo utiliza como obra principal o livro “</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><em>Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais”</em></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">. A princípio, Honneth identifica </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">a distinção de três formas positivas de reconhecimento: Amor, Direito e Solidariedade. Porém, esses conceitos identificados não constituem o impulso necessário para as lutas por reconhecimentos motivadas moralmente. O impulso para os conflitos tem sua origem mediante as experiências de desrespeito, sendo elas: os Maus-tratos e a violação, a Privação de direitos e Exclusão e, por último, a Ofensa e Degradação. Além disso, buscamos compreender o conflito dentro da realidade periférica.</span></span></p> José Claudio Sousa Silva Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 AFINAL, O QUE MOTIVA OS CONFLITOS SOCIAIS NAS PERIFERIAS BRASILEIRA https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1287 <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">objetivo deste artigo é examinar o conceito de reconhecimento no pensamento do filósofo contemporâneo Axel Honneth.</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"> Para tanto, este estudo utiliza como obra principal o livro “</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><em>Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais”</em></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">. A princípio, Honneth identifica </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">a distinção de três formas positivas de reconhecimento: Amor, Direito e Solidariedade. Porém, esses conceitos identificados não constituem o impulso necessário para as lutas por reconhecimentos motivadas moralmente. O impulso para os conflitos tem sua origem mediante as experiências de desrespeito, sendo elas: os Maus-tratos e a violação, a Privação de direitos e Exclusão e, por último, a Ofensa e Degradação. Além disso, buscamos compreender o conflito dentro da realidade periférica.</span></span></p> José Claudio Sousa Silva Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 AFINAL, O QUE MOTIVA OS CONFLITOS SOCIAIS NAS PERIFERIAS BRASILEIRA https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1286 <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">O objetivo deste artigo é examinar o conceito de reconhecimento no pensamento do filósofo contemporâneo Axel Honneth.</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"> Para tanto, este estudo utiliza como obra principal o livro “</span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><em>Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais”</em></span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">. A princípio, Honneth identifica </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;">a distinção de três formas positivas de reconhecimento: Amor, Direito e Solidariedade. Porém, esses conceitos identificados não constituem o impulso necessário para as lutas por reconhecimentos motivadas moralmente. O impulso para os conflitos tem sua origem mediante as experiências de desrespeito, sendo elas: os Maus-tratos e a violação, a Privação de direitos e Exclusão e, por último, a Ofensa e Degradação. Além disso, buscamos compreender o conflito dentro da realidade periférica.</span></span></p> José Claudio Sousa Silva Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Editorial https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1284 Baixe o arquivo em PDF para ter acesso ao editorial Cristiano das Neves Bodart Copyright (c) 2020 Revista Café com Sociologia 2020-11-25 2020-11-25 11 “ARCOS DA VIDA E QUADRA 27”: RELAÇÕES DE ESQUECIMENTOS E LEMBRANÇAS NO CEMITÉRIO MUNICIPAL DE TOLEDO-PR https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1283 <p><strong>RESUMO: </strong>O presente artigo busca apresentar algumas análises sobre o espaço cemiterial Cristo Rei, localizado no município de Toledo, no Estado do Paraná, este espaço é o mais antigo da cidade. O espaço passou por algumas reformas desde sua construção no ano de 1950 até os dias de hoje e com elas foram inseridos diversos monumentos. Os Arcos da Vida e a Quadra 27 foram evidenciados e são os elementos principais desta análise. Estes elementos foram fotografados, serão apresentados e descritos ao longo do texto, para que seja possível compreender qual sua função no espaço cemiterial e o que representam em relação a ideia de pioneirismo.</p> Jéssica Dal Piva Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Título do artigo fica aqui https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1281 Aqui fica o resumo xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Cristiano das Neves Bodart Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Teste https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1280 Teste Cristiano das Neves Bodart Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 ASPECTOS SOCIOLÓGICOS DA PRÁTICA DO ATO INFRACIONAL ANÁLOGO AO CRIME DE ROUBO https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1279 <p>Trata-se de um relato sobre um tópico de um projeto de pesquisa acerca de uma sociologia da adolescência em conflito com a lei e a trajetória do adolescente envolto na prática do ato infracional análogo ao crime de roubo. Busca-se tratar especificamente das nuances sociológicas da prática do ato infracional análogo ao crime de roubo, trazendo o conceito de tal crime e sua diferenciação entre figuras típicas socialmente confundidas com tal crime, procurando explorar e diagnosticar, sob o ponto de vista sociológico, as motivações individuais e os fatores estruturais que levam um adolescente a praticar um ato infracional análogo ao crime de roubo, bem como observar e analisar as estratégias de operacionalização da aplicação da medida socioeducativa de internação daí decorrente na Comarca de Petrolina-PE, além de, dentro das possibilidades e necessidades da pesquisa, analisar a trajetória do egresso do sistema socioeducativo. O campo empírico da pesquisa será a unidade socioeducativa da FUNASE-CASE/Petrolina-PE e a Vara Regional da Infância e Juventude de Petrolina-PE. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, cujos dados documentais coletados nos arquivos destas instituições serão complementados através da técnica de entrevista.</p> IRISVALDO PEDRO DOS SANTOS DRA. LUZANIA BARRETO RODRIGUES Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Escola promotora de saúde: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1278 <p>A questão das drogas está entre as tantas problemáticas que permeiam o espaço escolar e na recente história das relações em torno destas substâncias seus usuários são vistos principalmente de forma depreciativa. Nesse artigo apresentamos o relato de experiência da oficina de formação de professores realizada em uma escola pública do município de Petrolina-PE. A proposta da oficina surgiu a partir da demanda da escola em questão sobre as práticas de abordagem da temática drogas e a forma de acolhimento ao estudante usuário. Foi realizada no ciclo de formação de professores, já definido no calendário escolar da instituição, organizado pelas educadoras de apoio pedagógico. Para a oficina foram mobilizados teóricos das ciências sociais, o processo foi registrado em diário de campo, assim como foram feitas entrevistas episódicas. Destacam-se os resultados: os estudantes detêm conhecimento prévio e o interesse pelo tema; expressões proibicionistas e patologizantes nas considerações dos professores; e falas que indicam rompimento com essas lógicas. O encontro foi considerado importante para os professores na perspectiva da desnaturalização e ampliação do olhar sobre o tema.</p> Martha Malaquias da Silva Simone Mara da Silva Copyright (c) 2022 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-06-12 2022-06-12 11 Considerações acerca de juventudes e questões de gênero através de estudos no Profsocio https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1277 <p>O Programa de Mestrado Profissional em Sociologia em Rede Nacional-Profsocio, no ano de 2019, ofereceu rico conteúdo a respeito de juventudes para estudo e aproveitamento nas pesquisas de cada estudante do curso. Apresento as contribuições relacionadas à pesquisa que desenvolverei em escola pública em Petrolina-PE visando conhecer a participação da Sociologia perante a questão da relação entre gênero e profissão, por meio de entrevistas aos professores e verificação de livros didáticos. Os dados serão analisados pelo método de análise do discurso, tendo como referencial teórico a pedagogia feminista, noções de <em>habitus</em> e de ação social. Os estudos nessa disciplina facilitaram a compreensão do contexto das juventudes no ensino médio, sujeitos da pesquisa.</p><p> </p> Josenice Barbosa Gonçalves Paula da Luz Galrão Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 O que, como e por que ensinar conteúdos de Antropologia na Educação Básica com base em Diretrizes Curriculares Nacionais e do estado do Ceará https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1276 A Antropologia na educação básica, especificamente, no Ensino Médio, corresponde ao ensino de Sociologia. Tendo em vista sua relevância enquanto ciência social e humana, o objetivo deste artigo é refletir sobre a forma como este ramo das Ciências Sociais está sendo trabalhado na disciplina de Sociologia em sala de aula. Desta forma, apresenta-se primeiro como o repertório teórico-metodológico da Antropologia é tratado em diretrizes curriculares nacionais e do estado do Ceará. Em seguida, é discutido por que, o que e como são trabalhados conteúdos de Antropologia no ensino médio. Concluímos que a Antropologia atua na construção de conhecimentos e metodologias em sala de aula, bem como potencializa a sua área de atuação e os saberes do componente curricular no qual está inserida. Francisco Anarclebson do Rêgo Fonseca Yuki Meneses Chikushi Francisco Willams Ribeiro Lopes Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Juventudes e Ensino de Sociologia: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1275 <p>O objetivo deste texto é oferecer uma contribuição às discussões sobre o Ensino de Sociologia a partir das narrativas de seis jovens estudantes sobre suas experiências com a disciplina Sociologia. Trazemos aqui uma discussão sobre as experiências narradas de seis jovens estudantes de Ensino Médio com a disciplina Sociologia. O percurso metodológico fundamentou-se nos pressupostos da pesquisa qualitativa (MINAYO, 2001) e da investigação narrativa (CONNELLY e CLANDININ, 1995), tendo como principal instrumento a entrevista narrativa (JOVCHELOVITCH e BAUER, 2002), cujo conteúdo foi analisado a partir da Análise Compreensiva (BERTAUX, 2010). Como principais resultados temos que as experiências desses jovens com a disciplina Sociologia, apesar de nem sempre se mostrarem significativas, aparecem em forma de reconhecimento da importância da disciplina para a compreensão da vida em sociedade e da própria Juventude enquanto representação sociocultural e enquanto situação social, que diz das situações vividas em comum pelos indivíduos como a “classe social, estrato, etnia, religião, mundo urbano ou rural, gênero, etc.” (GROPPO, 2000, p. 15). Desse modo, encontramos uma necessidade de aproximação e diálogo entre as Juventudes e o Ensino de Sociologia para que esta disciplina possibilite experiências com sentido para a vida dos jovens estudantes.</p> Raphaella Gonçalves Teixeira Adelson Dias de Oliveira Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-03-25 2021-03-25 11 Considerações acerca de juventudes e questões de gênero através de estudos no Profsocio https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1274 <p>O Programa de Mestrado Profissional em Sociologia em Rede Nacional-Profsocio, no ano de 2019, ofereceu rico conteúdo a respeito de juventudes para estudo e aproveitamento nas pesquisas de cada estudante do curso. Apresento as contribuições relacionadas à pesquisa que desenvolverei em escola pública em Petrolina-PE visando conhecer a participação da Sociologia perante a questão da relação entre gênero e profissão, por meio de entrevistas aos professores e verificação de livros didáticos. Os dados serão analisados pelo método de análise do discurso, tendo como referencial teórico a pedagogia feminista, noções de <em>habitus</em> e de ação social. Os estudos nessa disciplina facilitaram a compreensão do contexto das juventudes no ensino médio, sujeitos da pesquisa.</p><p> </p> Josenice Barbosa Gonçalves Paula da Luz Galrão Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 O papel do ensino de sociologia na formação de sujeitos autônomos https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1273 <p>Este artigo é um debate teórico sobre o papel do ensino de Sociologia na formação de sujeitos autônomos, tendo em vista o avanço do pensamento conservador e de extrema-direita no Brasil, em especial entre os jovens. Para a realização dessa discussão teórica, foi feito um levantamento bibliográfico, acompanhado de uma análise em profundidade, de livros, teses e artigos que versam sobre o tema proposto neste texto. Na primeira parte do artigo, é apresentado um entendimento sobre os conceitos de extrema-direita e conservadorismo para, em seguida, mostrar que atualmente no Brasil o pensamento conservador e da direita extremada se entrecruzam numa mesma agenda e em um mesmo governo, ameaçando as conquistas democráticas dos últimos anos. A noção de emancipação, nos termos da Teoria Crítica, e a tese de Axel Honneth sobre a luta por reconhecimento intersubjetivo é o tema da segunda parte do artigo. O objetivo é mostrar que a contradição da sociedade capitalista em criar demandas de reconhecimento social através, por exemplo, da educação, e sua incapacidade de ofertar as condições adequadas para acolhê-las pode potencializar a luta por reconhecimento intersubjetivo. Nesse sentido, o ensino de Sociologia contribui com a formação de sujeitos autônomos na medida em que qualifica nos estudantes as atitudes de desnaturalização e estranhamento dos fenômenos sociais. O artigo conclui defendendo que o objetivo do ensino de Sociologia é fazer os estudantes compreenderam a realidade sociologicamente, entendendo-a como resultado da interação social, cuja base é o conflito, que tem como gramática a luta por reconhecimento.</p> Marcos Paulo Viana Campos da Cruz Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Africanidades na cozinha brasileira: cultura alimentar de estudantes universitários https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1272 <p>O artigo objetiva apreender as africanidades na cozinha brasileira a partir da verificação de suas influências nos hábitos alimentares de estudantes universitários. Trata-se de um estudo qualitativo, transversal e analítico que foi realizado através da aplicação de questionário formulado em duas seções: uma socioeconômica, que possibilitou conhecer a origem e realidade social da/o participante e outra que buscou avaliar conhecimentos e frequência de consumo das preparações afro-brasileiras: acarajé, mugunzá, caruru, vatapá, cuscuz e angu. Além de constatar que a maioria das pessoas não conhece a origem e a história dos alimentos que consome. A pesquisa também revelou que a democracia racial continua a se apresentar enquanto um mito, uma vez que existe um distanciamento entre as pessoas e as culturas africanas e afro-brasileiras. Este distanciamento é produzido e reproduzido a partir de uma estrutura social racista construída desde o processo colonial. É esta estrutura que é responsável por introjetar nas pessoas negras uma espécie de complexo de inferioridade que as levam a negar e rejeitar suas identidades culturais, atingindo, assim, todos os aspectos dos indivíduos: sua estética, vestimentas, círculos sociais, preferências musicais e também seus gostos alimentares, levando-as a classificar pratos afro-brasileiros como “feios” ou subjugá-los como secundários, enquanto guarnições.</p> Lays Matias Mazoti Corrêa Cátia Maria Eustáquio Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-10-06 2021-10-06 11 Versão Completa https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1271 Cristiano das Neves Bodart Copyright (c) 2020 Revista Café com Sociologia 2020-08-22 2020-08-22 11 01 196 Editorial https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1270 <p>Editorial</p><p>Nominata de avaliadores</p> Cristiano das Neves Bodart Copyright (c) 2020 Revista Café com Sociologia 2020-08-22 2020-08-22 11 01 04 Individualidade e Individualismo na Pandemia: uma Análise Durkheimiana e Auxílios Filosóficos https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1269 O presente artigo traz uma reflexão acerca das atitudes individualistas observadas no contexto atual da pandemia do novo coronavírus, através de análise com base nos escritos de Émile Durkheim e trechos importantes de filósofos, como Nietzsche e Schopenhauer, para concluir esta revisão. Beatriz Pereira Zamarco Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Da política no humor ao horror na política: uma entrevista com Toni D'Agostinho https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1268 <div class="WordSection1"><p>Antonio D'Agostino Filho, conhecido artisticamente como <em>Toni D'Agostinho</em>, é cartunista, chargista, ilustrador, ator, roteirista, diretor de teatro e sociólogo brasileiro. Na entrevista a seguir, percorremos temas relativos à sua trajetória artística e intelectual; sua relação com as ciências sociais; e como o artista compreende as questões mais latentes existentes na relação entre a arte e a política.</p></div> Rafael Balseiro Zin Copyright (c) 2020 Revista Café com Sociologia 2020-08-22 2020-08-22 11 188 196 Uma análise sociológica do filme “Parasita” https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1267 <p>Análise sociológica do filme “Parasita”, uma produção que ganhou 4 Oscars, que cumpre um papel importante de mostrar uma realidade comum a muitas sociedades: a da desigualdade social. Através do acompanhamento das passagens do filme, é possível fazer análises baseadas na teoria sociológica que conectam uma obra fictícia com as vivências e os ambientes sociais de duas famílias de classes diferentes e que representam as relações que se estabelecem na sociedade, dentro das famílias e do mundo do trabalho.</p> <p> </p> <p>Sociological analysis of the film “Parasita”, a production that won 4 Oscars, which plays an important role in showing a reality common to many societies: social inequality. Through the monitoring of the passages of the film, it is possible to make analyzes based on the sociological theory that connect a fictional work with the experiences and social environments of two families of different classes and that represent the relationships that are established in society, within families and the world of work.</p> Ana Cláudia Bessa Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-02-17 2021-02-17 11 O impacto do slogan I Can’t Breathe no movimento Black Lives Matter: o caso de Eric Garner https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1266 <p>A pesquisa trata da morte de Eric Garner e perscruta acerca das circunstâncias e do meio em que ele estava inserido. A partir desta investigação inicial que compõe a primeira seção do artigo, trabalhamos na segunda com o movimento Black Lives Matter, sua origem, organização, objetivos e o impacto do uso de vídeo como mecanismo de mobilização social. Analisamos os diversos contornos que o caso de Eric tomou ao longo dos anos e a sua contribuição para com o movimento Black Lives Matter. O método é o fenomenológico. As referências bibliográficas são em sua maioria derivadas da mídia Norte-Americana, de modo a melhor compreender a interpretação sobre o caso. Concluímos de modo a atribuir ao vídeo a forma concreta de tornar visível a arbitrariedade que alimentaria o movimento por anos, até que em 25 de maio de 2020 um novo homem negro, George Floyd, morreria proferindo as mesmas palavras de Garner, reforçando ou substituindo-o como símbolo contra a brutalidade policial.</p> Mauricio Fontana Filho Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Olhares sobre a crença https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1265 Este estudo objetiva contrapor os olhares de Weber, Durkheim, Peirce e Dewey a respeito da crença. Tais autores apresentam diferentes pontos de vista sobre a crença porque a estudam partindo de premissas e sob óticas diversas: o viés econômico, a sociologia e a filosofia científica. De todo modo, é possível identificar pontos de aproximação nas ideias dos autores. viviane lemes da rosa Copyright (c) 2021 Revista Café com Sociologia http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2021-08-26 2021-08-26 11 Aplicativo Uber e precarização do trabalho no Brasil: Uma revisão sistemática https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1264 O objetivo deste artigo foi analisar os impactos da precarização do trabalho presente na lógica neoliberal e nas propostas da reestruturação produtiva para a classe trabalhadora através do estudo dos motoristas do aplicativo Uber. Por meio de uma revisão sistemática da literatura científica em cinco bases de dados on-line, quais sejam, SciELO, Caderno CRH, Revista de Saúde Pública, Revista Serviço Social &amp; Sociedade e, por fim, Revista Textos &amp; Contextos com os seguintes descritores “uberização” AND “uber”, encontramos 02 artigos. Como resultado, temos que existe a transferência de responsabilidades para os trabalhadores, bem como a ausência de vínculos trabalhistas, pouca estabilidade e carência de direitos. O que agrava, por sua vez, os níveis de saúde dos mesmos e altera a percepção de coletivo, tornando os trabalhadores mais competitivos e adaptáveis às condições de trabalho. Portanto, a partir da teoria de Karl Marx, concluímos que os postos de trabalhos que os aplicativos e plataformas oferecem correspondem à formas mais precárias e informais da exploração da força de trabalho, a qual tem se expandido para outros setores como, por exemplo, o da educação o que escancara a necessidade do capital de extrair mais lucro através da exploração da força do trabalho. Izadora Lemes Oliveira Stella Maris Souza Marques Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Aplicativo Uber e precarização do trabalho no Brasil: Uma Revisão Sistemática https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1263 O objetivo deste artigo foi analisar os impactos da precarização do trabalho presente na lógica neoliberal e nas propostas da reestruturação produtiva para a classe trabalhadora através do estudo dos motoristas do aplicativo Uber. Por meio de uma revisão sistemática da literatura científica em cinco bases de dados on-line, quais sejam, SciELO, Caderno CRH, Revista de Saúde Pública, Revista Serviço Social &amp; Sociedade e, por fim, Revista Textos &amp; Contextos com os seguintes descritores “uberização” AND “uber”, encontramos 02 artigos. Como resultado, temos que existe a transferência de responsabilidades para os trabalhadores, bem como a ausência de vínculos trabalhistas, pouca estabilidade e carência de direitos. O que agrava, por sua vez, os níveis de saúde dos mesmos e altera a percepção de coletivo, tornando os trabalhadores mais competitivos e adaptáveis às condições de trabalho. Portanto, a partir da teoria de Karl Marx, concluímos que os postos de trabalhos que os aplicativos e plataformas oferecem correspondem à formas mais precárias e informais da exploração da força de trabalho, a qual tem se expandido para outros setores como, por exemplo, o da educação o que escancara a necessidade do capital de extrair mais lucro através da exploração da força do trabalho. Izadora Lemes Oliveira Stella Maris Souza Marques Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 O DISPOSITIVO EM MICHEL FOUCAULT: Uma revisão de literatura a partir dos estudos de gênero e sexualidade https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1262 <p>Os dispositivos se apresentam com o caráter de domínio dos corpos, da conduta e da vida humana. Neles estão presentes: discursos, práticas e saberes. O gênero e a sexualidade são construídos e empreendidos por vários símbolos sociais e culturais. Este artigo pretende apresentar e relacionar o conceito de dispositivo em Michel Foucault às categorias de gênero e sexualidade, por meio de uma revisão de literatura integrativa e narrativa dos artigos encontrados. Refletir-se-á sobre como a psicologia no Brasil responde as questões de gênero e sexualidade como viés do dispositivo que não deve assegurar quaisquer práticas do sujeito. <strong></strong></p> Maycon Douglas Silva Ribeiro Gilson Gomes Coelho Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Ensino de Sociologia em tempos de pós-verdade: desafios e possibilidades para prática docente https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1261 <p>O presente artigo propõe uma reflexão<br />acerca dos desafios e possibilidades<br />vivenciados na prática docente no<br />ensino de Sociologia na educação<br />básica. Considerando que os tempos<br />atuais, que identificamos a partir da<br />relação com o fenômeno da pós-</p><p>verdade, trazem desafios específicos e<br />novas problemáticas para a sala de<br />aula. As análises partem de reflexões<br />sobre a prática e, de modo especial, da<br />experiência da realização de duas<br />edições de um minicurso sobre o tema<br />central deste artigo, e pesquisa<br />bibliográfica. Consideramos que o<br />ensino de Sociologia associado a<br />metodologia de solução de situações<br />problema, aponta caminhos e<br />possibilidades de reflexão e ação sobre<br />o contexto social que vivenciamos<br />atualmente.</p> Suélen Pinheiro Freire Acosta Leonardo Guilherme Van Leeuven Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Friedrich Engels e o Direito: breves apontamentos acerca do “Socialismo Jurídico” https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1260 <p>O presente artigo tratará do pensamento de Friedrich Engels acerca do Direito. Parte-se do pressuposto que as relações jurídicas existentes no capitalismo são intrínsecas à forma social existente. Para tanto, analisa-se seu referencial teórico, especialmente o “Socialismo Jurídico”. Percebe-se também como suas contribuições aos debates posteriores no que se refere ao marxismo e a teoria do Direito se mostram relevantes para a práxis de esquerda. Ainda que breve, o recurso trata-se de enfoque que elencamos das fundamentais contribuições engelsianas no campo jurídico capitalista sejam notáveis. Portanto, com devido rigor textual analítico, um resultado que capte as premissas essenciais na crítica socialista do Direito, para alcance conclusivo quanto à atualidade dessa crítica.</p> Wesley Rodrigues Sousa Henrique Leão Coelho Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 Friedrich Engels e o Direito: breves apontamentos acerca do “Socialismo Jurídico” https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1259 <p>O presente artigo tratará do pensamento de Friedrich Engels acerca do Direito. Parte-se do pressuposto que as relações jurídicas existentes no capitalismo são intrínsecas à forma social existente. Para tanto, analisa-se seu referencial teórico, especialmente o “Socialismo Jurídico”. Percebe-se também como suas contribuições aos debates posteriores no que se refere ao marxismo e a teoria do Direito se mostram relevantes para a práxis de esquerda. Ainda que breve, o recurso trata-se de enfoque que elencamos das fundamentais contribuições engelsianas no campo jurídico capitalista sejam notáveis. Portanto, com devido rigor textual analítico, um resultado que capte as premissas essenciais na crítica socialista do Direito, para alcance conclusivo quanto à atualidade dessa crítica.</p> Wesley Rodrigues Sousa Henrique Leão Coelho Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11 O INATO E O APRENDIDO: A EFICÁCIA DA NOÇÃO DE HABITUS NO CAMPO ESCOLAR https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1256 <p><strong>RESUMO</strong></p><p>Embora se tenha pesquisado muito sobre escola, há aspectos pouco explorados acerca das ações explícitas ou implícitas que norteiam as às ações dos sujeitos. Nesse sentido, esse artigo tem por pretensão apresentar uma reflexão sobre a prática escolar, buscamos em Pierre Bourdieu (1930-2002) um testemunho sociológico elencando dois conceitos fundamentais para a compreensão das ações no interior da escola e suas disposições – o conceito de campo social e o de habitus. Para construir um esboço desses conceitos, implicou-se questionar: como o <em>habitus </em>se torna força da reprodutora de modos de interiorização do campo escolar? Essa força funciona como um capital, ou seja, como instrumento socialmente reconhecido em uma apropriação do conceitual ligada aos bens “simbólicos” relacionados aos rituais escolares descolados da relação com a realidade? Em vista disso, como os alunos se posicionam diante desta interiorização?</p><p> </p><p><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Campo social. Escola. <em>Habitus</em>. Simbólico. </p><p align="center"><strong>THE INNATE AND LEARNED: THE EFFECTIVENESS OF THE NOTION OF HABITUS IN THE SCHOOL FIELD</strong><strong></strong></p><p><strong>ABSTRACT</strong></p><p>Although much has been researched about school, there are aspects little explored about the explicit or implicit actions that guide the actions of the subjects. In this sense, this article intends to present a reflection on the school practice; we sought in Pierre Bourdieu (1930-2002) a sociological testimony listing two fundamental concepts for the understanding of actions within the school and its dispositions – the concept of social field and habitus. To construct an outline of these concepts, it was implied to question: how the habitus becomes the force of the reproducer of modes of interiorization of the school field? Does this force function as a capital, that is, as a socially recognized instrument in an appropriation of the conceptual linked to the symbolic goods “” related to school rituals detached from the relationship with reality? In view of this, how do the students position themselves in the face of this internalization?</p><p> </p><p><strong>KEYWORDS: </strong>Social field. School. Habitus. Symbolic</p> geraldo andrade fagundes Copyright (c) Revista Café com Sociologia 11