Oficinas de Sociologia e Política, sob a Didática da Pedagogia Histórico-Crítica, no atendimento de estudantes superdotados/as: um relato de experiência

Autores

Palavras-chave:

Educação especial. Altas habilidades/superdotação. NAAH/S. Sociologia. Política.

Resumo

Este relato tem como objetivo apresentar a experiência de participação nas oficinas de sociologia e política oferecidas dentro das salas de recurso do Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAH/S) em duas escolas estaduais da cidade de Londrina/PR. Estas oficinas foram presenciadas durante estágios e atividades desenvolvidas dentro do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e do Programa de Iniciação Científica (PROIC), durante os anos de 2015 e 2016. Em síntese, o relato objetiva apresentar o que são as salas de recursos para altas habilidades e como as oficinas podem contribuir para a formação dos/as estudantes, apresentando-lhes maneiras de estranhar o mundo social por meio de criticidade metodológica. A coleta dos dados aconteceu por meio da observação participante, no qual as pesquisadoras inseriram-se no contexto das atividades durante 15 meses. Diante do trabalho de campo, foi possível verificar que as oficinas de sociologia e política contribuíram de modo satisfatório no olhar de estranhamento e desnaturalização dos/as educandos/as para o mundo social, tendo em vista que as temáticas trabalhadas foram, em sua maioria, propostas por eles e elas, fazendo com que o estranhamento fosse ainda maior.

Biografia do Autor

Laís Regina Kruczeveski, Universidade Estadual de Londrina

Mestra em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina

Aline Oliveira Gomes da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Mestra em Educação pela UEL (2019)

Mestra em Ciências Sociais pela UEL (2018)

Aline Maria da Silva Almeida, Universidade Estadual de Londrina

Mestranda em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná

Referências

Referências

BORGES, Maria Célia; PEREIRA, H. O. S.; AQUINO, F. A. Inclusão versus integração: a problemática das políticas e da formação docente. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 59, n. 3, 2012.

BRASIL. Núcleo de atividades de altas habilidades/superdotação: material orientador. Brasília-DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

FANTII, Bruna. O número de superdotados cresce 17 vezes em 14 anos nas escolas do Brasil. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 out. 2015.

FAUST, Georgia Martins. Atlas habilidades e superdotação: questão de gênero? 2015. Disponível em: https://geofaust.wordpress.com/2015/06/30/altas-habilidades-e-superdotacao-questao-de-genero/. Acesso em: 18 jan. 2019.

FLEITH, Denise de Souza (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: volume 1: orientação a professores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Especial, 2007a.

FLEITH, Denise de Souza (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: volume 2: atividades de estimulação de alunos. Brasília/DF: Ministério da Educação, Secretaria de educação especial, 2007b.

FLEITH, Denise de Souza (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com Altas Habilidades/superdotação: volume 3: o aluno e a família. Brasília/DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007c.

FREITAS, Soraia Napoleão; PÉRES, Susana Graciela Pérez. A mulher com altas habilidades/superdotação: à procura de uma identidade. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18, n. 4, p. 677-694, out./dez. 2012.

GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatísticas de educação: 2016. 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 2 jan. 2019.

KRUCZEVESKI, Lais Regina. Altas habilidades/superdotação a partir da perspectiva de gênero. 2017. Monografia (Especialização em Ensino de Sociologia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.

KRUCZEVESKI, Lais Regina; SILVA, Aline O. G. Altas habilidades/superdotação na educação básica: apontamentos a partir da perspectiva de gênero. Alabrasto, São Paulo, v. 2, n. 11, p. 37-51, 2018.

MARTINS, Barbara Amaral et al. Altas habilidades/superdotação: estudos no Brasil. Journal of Research in Special Educational Needs, [S. l.], v. 16, n. 1, 2016.

MILLS, C. Wright. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

PALUDO, Karina; DALLO, Luana. Gênero e altas habilidades/superdotação: incidência menor em meninas? A inclusão dos superdotados na escola e na sociedade. In: ENCONTRO NACIONAL CONBRASSD, 5., 2012, [S. l.]. Anais [...]. [S. l.], 2012.

PARANÁ. Paraná é referência no atendimento a superdotados. 2013. Disponível em: http://www.educacao.pr.gov.br/modules/noticias /article.php?storyid=4460. Acesso em: 22 jul. 2018.

REIS, Ana Paula P. Z.; GOMES, Candido A. Práticas pedagógicas reprodutoras de desigualdades: a subrepresentação de meninas entre alunos superdotados. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

VIGOTSKI, Lev S. Obras escogidas. Madrid: Visor, 1991. t. 1.

VIRGOLIM, Angela M. R. (org.). Altas habilidades/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

Downloads

Publicado

2019-02-20

Edição

Seção

Relato de Experiência Docente