Crítica da tragédia, crítica da farsa: comentário sobre a encenação da peça Roda Viva, pelo teatro Oficina.

Autores

  • Bruna Della Torre de Carvalho Lima Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Roda-Viva, Teatro Oficina, Chico Buarque, Indústria Cultural, Roberto Schwarz

Resumo

Esse comentário tem como objetivo discutir a peça Roda-Viva de Chico Buarque encenada pelo Teatro Oficina em 2019. Trata-se de resumir brevemente a peça para, em seguida, discutir a sua relação com o contexto político atual. A ideia é que a crítica ao show business presente na peça de Chico é reinterpretada e expandida como uma crítica mais geral à indústria cultural e forma o núcleo da atualidade dessa releitura.

Biografia do Autor

Bruna Della Torre de Carvalho Lima, Universidade de São Paulo

Editora Executiva da Revista Crítica Marxista, Pós-Doutoranda no Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da USP, Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (bolsista Capes) e Mestra em Ciência Social (área de concentração Antropologia Social) pela mesma Universidade (2012 - bolsista Fapesp). Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (2009). Durante o doutorado, realizou estágio de pesquisa na Goethe Universität em Frankfurt am Main e no Arquivo da Akademie der Künste, em Berlim (2014-2015 - bolsista DAAD). Em 2016 realizou doutorado sanduíche na Duke University (EUA), com bolsa da Capes. Foi, entre 2017 e 2018, professora substituta no Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília. Tem experiência em pesquisa e docência no Ensino Superior nas áreas de Sociologia, Pedagogia e Filosofia, com ênfase em teoria sociológica, atuando principalmente nos temas: teoria crítica, marxismo, teoria social.

Referências

ADORNO, Theodor W. e Max Horkheimer, Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985

BENJAMIN, Walter, “O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. Em: Magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense, 1994

COCCO, Giuseppe, “Mundobraz: a brasilianização do mundo. Entrevista com Giuseppe Cocco”. Revista Instituto Humanas Unisinos, Janeiro de 2010.

CORRÊA, José Celso Martinez, Zé Celso Martinez Corrêa Primeiro Ato: Cadernos,

Depoimentos, Entrevistas (1958-1974). São Paulo: Editora 34, 1998.

COSTA, Iná Camargo, A hora do teatro épico no Brasil. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

MARX, Karl, O dezoito Brumário de Luis Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

ROCHA, João Cezar de Castro e Jorge Ruffinelli, Antropofagia hoje? Oswald de Andrade em cena. São Paulo: É Realizações, 2011.

ROSENFELD, Anatol, Texto/Contexto I. São Paulo: Perspectiva, 2009 (Debates; 7).

SCHWARZ, Roberto, “Cultura e Política (1964-1969)”. In: O Pai de Família e Outros Estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SINGER, André, Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

VELOSO, Caetano, Verdade Tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Downloads

Publicado

2019-08-02

Edição

Seção

Sociologia e teatro