O relatado de uma não-experiência

como o debate sobre gênero não ocorre em uma escola de Florianópolis/SC

Autores

  • Frederico Romanoff UFSC

Palavras-chave:

gênero, escola, conservadorismo

Resumo

Neste relato de não-experiência, apresento a tentativa frustrada de realizar o debate sobre estudos de gênero em uma escola de educação básica de Florianópolis/SC. Descrevo aqui duas “chamadas à direção” por conta de eventos relacionados à questão de gênero. Relaciono esses acontecimentos a literatura sobre gênero na área das Ciências Sociais e Antropologia e realizo uma reflexão sobre o porquê desse impedimento. Conclui-se que o conservadorismo repele àquilo que ele não entende ou despreza enquanto algo “poluído” e ainda que diferentes formas de viver no mundo precisam ser respeitadas desde que não ameacem o princípio democrático de convivência.  

Palavras-chaves: Gênero. Escola. Conservadorismo.

 

Abstract

In this non-experience report, I present an unsuccessful attempt to hold a debate on gender studies in an elementary school in Florianópolis/SC. I describe two "calls to the administration" about events related to gender issues. I relate these events to the literature on gender in the social sciences and anthropology, and reflect on why this was prevented. I conclude that conservatism rejects what it doesn't understand or despises as something "polluted" and that different ways of living in the world need to be respected as long as they don't threaten the democratic principle of coexistence.

Keywords: Gender. School. Conservatism.

Referências

Belo Horizonte aprova lei que proíbe uso de pronome neutro em escolas. CNN Brasil, 19 de Agosto de 2023.

BOURDIEU, Pierre. Os Usos Sociais da Ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo, UNESP, 2004.

CARLES, Pierre. A Sociologia é um esporte de combate: documentário sobre Pierre Bourdieu. 2h26. 2001.

COSTA, Adriano Henrique Caetano. Homens que fazem Sexo com Homens (HSH): Uma categoria, muitos significados. Anais do 25º Simpósio Nacional de História, p. 12-17, 2009.

DE SOUZA, Gabrielly Merlo. Políticas de Composto. Caderno Eletrônico de Ciências Sociais, v. 8, n. 2, p. 130-152, 2020.

DESCARTES, R. Discurso do método. 10. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

GROSSI, Miriam Pillar. Identidade de gênero e sexualidade. Revista antropologia em primeira mão, 1998.

GOLDENBERG, Mirian. De perto ninguém é normal. Rio de Janeiro, Best Seller, 2011.

INGOLD, T. Caminhando com dragões: em direção ao lado selvagem. In: Steil CA, Carvalho ICM, organizadores. Cultura, percepção e ambiente: diálogos com Tim Ingold. São Paulo, Terceiro Nome; 2012. p. 15-29.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da “ideologia de gênero”: um projeto reacionário de poder. Brasília, Letras Livres, 2022.

MEAD, Margaret. Sexo e temperamento em três sociedades primitivas [1935]. São Paulo, Perspectiva, 2009.

PRECIADO, Paul B. Eu sou o monstro que vos fala: Relatório para uma academia de psicanalistas. São Paulo, Schwarcz-Companhia das Letras, 2022.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Mana, v. 8, p. 113-148, 2002.

Downloads

Publicado

2024-05-18

Como Citar

Romanoff, F. (2024). O relatado de uma não-experiência: como o debate sobre gênero não ocorre em uma escola de Florianópolis/SC. Revista Café Com Sociologia, 13(1), 1–8. Recuperado de http://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1441