RASTRO DA MALDADE: horror e alteridade no cinema contemporâneo

Autores

  • ÍCARO YURE Freire de Andrade Doutorando em Sociologia pelo PPGS/UFPB. Bacharel em Ciências Sociais pela UFPB. Mestre em sociologia pelo PPGS/UFPB.

Palavras-chave:

Teoria social, Sociologia da Cultura, Cinema, Moral, Alteridade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar a relação entre experiência moral e cinema através da análise sociológica do filme “Rastro da maldade” –  “Bone Tomahawk” - (2015). A narrativa do canibalismo numa sociedade tradicional apresenta dilemas e problemas que são típicos das sociedades capitalistas, como mostrados pelas teorias de Kracauer (1988), e Bauman (1998; 1999) assim como Adorno (2008). Portanto, tor-ase relevante para este estudo, através da imagen do canibal no filme, o problema do reconhecimento da alteridade, bem como a importância do cinema de horror - e gêneros do tipo -  para a pesquisa social.

Referências

ADORNO, Theodor; Horkheimer, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ADORNO, Theodor. Minima moralia: reflexões a partir de uma vida lesada. São Paulo: Ática, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência. Rio de Janeiro : Zahar, 1999.

BAUMAN, Zygmut. Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

CAMARGO, Sílvio. Modernidade e Dominação: Theodor Adorno e a teoria social contemporânea. São Paulo: Annablume, 2006.

JAMESON, Fredric. O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente simbólico. São Paulo: Ática, 1992.

KRACAUER, Siegfried. De Caligari à Hitler: história psicológica do cinema alemão. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

KRACAUER, Siegfried. O ornamento da massa. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

LESTRIGANT, Frank. O canibal: grandeza e decadência. Brasília: UNB,1997.

Downloads

Publicado

2019-02-20

Edição

Seção

Sociologia e Filme