50 anos de “o direito à cidade”: contribuições da teoria do discurso e do pós-estruturalismo ao debate

Emilayne da silva Souto

Resumo


Às comemorações dos 50 anos de publicação da obra “O Direito à Cidade”, do escritor francês Henri Lefebvre, segue-se também a constatação de que já se passaram cinco anos das manifestações que explodiram por todo o país e ficaram conhecidas como as Jornadas de Junho. Tendo se iniciado com a mobilização do Movimento pelo Passe Livre contra o aumento das tarifas de transporte público na cidade de São Paulo, frente à desproporcional repressão policial, os protestos acabaram mobilizando a opinião pública e ganharam capilaridade por todo o território nacional. Do mote inicial de que “não são os centavos, são os nossos direitos”, os manifestantes que ocuparam as ruas naquelas duas semanas passaram a novos repertórios de protesto: surgiram reivindicações por mais segurança, saúde, educação, moradia, “Fora PT”, “Fora Dilma”, “Fora todos”, pelo fim da corrupção, “legalize já”, intervenção militar, etc. Em algumas cidades, houve a revogação do aumento das passagens dos ônibus e a conquista do passe livre para os estudantes. Em outras, ocorreu justamente o aumento dessas tarifas.


Palavras-chave


direito à cidade; junho de 2013; ernesto laclau; teoria do discurso

Texto completo:

PDF

Referências


BENACH, N. Da Desigualdade Social à Justiça Espacial. In: CARLOS, A.F.C.; ALVES, G.; PADUA, R.F.(orgs.); Justiça Espacial e o Direito à Cidade. São Paulo: Contexto, 2017.

CARLOS, A.F.A. A privação do urbano e o “direito à cidade” em Henri Lefebvre. In: CARLOS, A.F.C.; ALVES, G.; PADUA, R.F.(orgs.); Justiça Espacial e o Direito à Cidade. São Paulo: Contexto, 2017.

CASTELLS, M. Redes de Indignação e Esperança: movimentos sociais na Era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

HARVEY, D. Cidades Rebeldes: Do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015.

LACLAU, E. A Razão Populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

MENDONÇA, D; PEIXOTO, L. (orgs.); Pós-Estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

TAVOLARI, B. Direito à cidade: uma trajetória conceitual. Novos Estudos CEBRAP, v.104, p.93-109, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.