Cartas para o Sul: boicotes epistemológicos no capitalismo artista para uma Sociologia do extravio, de Davis para Linn

Ribamar José de Oliveira Junior, Lore Fortes

Resumo


No dia 22 de maio de 2018, a filósofa estadunidense Angela Davis escreveu uma carta para a cantora eatroz brasileira Linn da Quebrada em apoio à decisão desta de cancelar sua participação no Festival Internacional de Cinema em Tel Aviv, Israel. Anteriormente, Linn havia sido convidada a participar da programação do festival e da festa Queer Partycom o filme “Bixa travesty” que estreou em março, no Festival Internacional de Berlim. O cancelamento é visto por Davis como uma forma de protesto contra o Estado Israel e as políticas genocidas da Palestina diante do brutal regime de ocupação, colonização e apartheid. Nesse sentido, diante do que Lipovetsky e Serroy denominam de capitalismo artista, o trabalho procura compreender o boicote artístico de Linn como também um boicote epistemológico por emergir através da tensão entre gênero e feminismo vista como encontro necessário para um novo campo das ciências, como destaca Marlise Matos (2008). A partir das contribuições de Santos (2008) sobre as emergências e diante das reflexões de Latour (2015) sobre vínculos, se esboçam rumos para uma Sociologia do Extravio

PALAVRAS-CHAVESociologia; Gênero e Sexualidades; Epistemologias.

 

Letters to the South: epistemological boycotts in capitalism artist for a Sociology of Loss, from Davis to Linn

 

RESUME

On May 22, 2018, American philosopher Angela Davis wrote a letter to singer and atrocious Brazilian Linn da Quebrada in support of her decision to cancel her participation in the International Film Festival in Tel Aviv, Israel. Previously, Linn had been invited to participate in the Queer Party festival and party program with the film "Bixa travesty" which premiered in March at the Berlin International Festival. The cancellation that appears as a form of protest against Israel and the genocidal policies on Palestine is seen by Davis as going against the brutal Israeli regime of occupation, colonization and apartheid. In this sense, in the face of what Lipovetsky and Serroy call artist capitalism, the work seeks to understand the artistic boycott of Linn as well as an epistemological boycott to emerge through the tension between gender and feminism seen as a necessary meeting for a new field of sciences, as it stands out Marlise Matos (2008). From the contributions of Santos (2008) on emergencies and the reflections of Latour (2015) on bonds, outlines directions for a Sociology of Loss.

KEY-WORDS: Sociology; Gender and Sexuality; Epistemology.  

Palavras-chave


Sociologia; Gênero e Sexualidades; Epistemologias.

Texto completo:

PDF

Referências


BENTO, Berenice. ‘Redwashing': discursos de ‘esquerda’ para limpar os crimes do Estado de Israel. Opera Mundi. 2017. Disponível:

BELMONT, Flávia. A resistência à ocupação também é colorida: o pinkwashing israelense como tentativa de estigmatização da população palestina. 2016, 77f, TCC - Relações Internacionais. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa-PB.

Bixa Travesty. São Paulo, 2018, 75min. Dirigido por Claudia Priscilla e Kiko Goifman.

COLLING, Leandro. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. EDUFBA, 2015.

COLLING, Leandro. A emergência dos artivismos das dissidências sexuais e de gêneros no Brasil da atualidade. Sala Preta, v. 18, n. 1, p. 152-167, 2018.

DAVIS, Angela. [Carta] 22 mai. 2018, Estados Unidos, [para] QUEBRADA, Linn. São Paulo.1f. Solicita cancelamento de participação no TLV Fest.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

HOOKS, bell. Black looks: Race and representation. South East Press, Bosta, MM, 1992.

LATOUR, Bruno et al. Faturas/Fraturas: da noção de rede à noção de vínculo. Ilha Revista de Antropologia, v. 17, n. 2, p. 123-146, 2015.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. Editora Companhia das Letras, 2015.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Estudos Feministas, p. 333-357, 2008.

MAURA, Julia. Face-Cam – Linn da Quebrada: Bixa Travesty. Friction Magazine. Realização: Julia Maura. Disponível em Acesso em 24 de junho de 2018.

MOREIRA, Ribamar. Tirar os paus da mesa e pôr os cus na reta. Jornal Sertão Transviado. Ano 2, edição 5, Página 3. 2017.

MBEMBE, Achille. Necropolítica, una revisión crítica. In: GREGOR, Helena Chávez Mac (Org.). Estética y violencia: Necropolítica, militarización y vidas lloradas. México: UNAMMUAC, 2012, p. 130-139

PUAR, Jasbir. Terrorist Assemblages: Homonationalism in Queer Times. Durham: Duke University Press, 2007.

Oriented. Noruega, 2015, 86min. Dirigido por Jake Witzenfeld.

PARRINE, Raquel. Construção de gênero, laços afetivos e luto em Paris Is Burning. Estudos Feministas, v. 25, n. 3, p. 1419-1436, 2017.

Paris Is Burning. Nova Iorque, 1990, 78min. Dirigido por Jennie Livingston

QUEBRADA, Linn da. Pajubá. São Paulo: Web, 2017. 14 faixas. 1 CD.

RAPOSO, Paulo. “Artivismo”: articulando dissidências, criando insurgências. Cadernos de arte e antropologia, v. 4, n. 2, p. 3-12, 2015.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2011.

SAID, Edward. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Laura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 513 p.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista crítica de ciências sociais, n. 63, p. 237-280, 2002.

________, Boaventura de Sousa. Epistemologias do Sul. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 80, p. 5-10, 2008.

SCHULMAN, Sarah. Israel and ‘Pinkwashing’. New York Times, v. 22, 2011.

SLOTERDIJK, Peter. Regras para o parque humano: uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. Estação Liberdade, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.