O ensino de Sociologia: entre o prescrito e o feito

Marcelo Sales Galdino, Priscilla Silvestre de Lira Oliveira

Resumo


Este texto pretende apresentar os resultados de uma pesquisa acerca do ensino de sociologia, que teve como objetivo geral: comparar os currículos oficiais da disciplina, apresentados pelo Ministério da Educação e pela Secretaria de Educação de Pernambuco, com currículos reais, ensinados por professores desta rede estadual, identificando convergências e divergências. Partiu-se da premissa de Sacristán (2000):  a prática docente, por mais que seja prescrita em documentos, sempre é recontextualizada, portanto, o currículo é modificado entre a elaboração oficial e a execução. Contreras (2002) forneceu base teórica quanto à autonomia dos professores diante do currículo e as suas possibilidades de recontextualização. Foram usadas como fontes da pesquisa e objeto de análise documental os seguintes documentos oficiais: Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, Parâmetros Curriculares Nacionais, Parâmetros Curriculares Nacionais +, OCN Orientações Curriculares Nacionais e PCPE Parâmetros Curriculares de Pernambuco. Quanto aos currículos reais foram investigados três professores, com formações acadêmicas distintas, o que permitiu identificar práticas curriculares contrastantes. Para coleta de dados foram utilizados os seguintes métodos: entrevistas semiestruturadas, observação não participante de aulas e análise dos planos de curso. Os dados coletados, em interação com os instrumentos teóricos, possibilitaram formular, como contribuição analítica, seis diferentes proposições tipológicas, variáveis de acordo com os aspectos analisados, sobre os professores e o currículo real. A pesquisa sugeriu ainda que é possível um manejo institucional dos contrastantes tipos de currículo real, de modo a aperfeiçoar ganhos para o ensino.

Palavras-chaveEnsino de Sociologia. Currículo. Ensino Médio.


Abstract

This text intends to present the results of a research on the teaching of sociology, which was the general objective: to compare the official curriculum of the discipline, presented by the Department of Education and the Secretariat of Education of Pernambuco, with real curriculum, taught by teachers of this state network, identifying convergences and divergences. It was departed from the premise of Sacristán (2000): The teaching practice, however prescribed in documents, is always recontextualized, so the curriculum is modified between the official elaboration and the execution. Contreras (2002) provided a theoretical basis for the autonomy of teachers before the curriculum and their possibilities for recontextualization. The following official documents were used as research sources and object of documentary Analysis: National Curricular Guidelines for High School, National Curriculum Parameters, National Curriculum parameters +, National Curricular Guidelines and [Curriculum Parameters of Pernambuco. As for the actual curricula, three teachers were investigated, with various academic formations, which allowed them to identify contrasting curricular practices. For dice collection. The following methods were used: semistructured interviews, non-participant observation of classes and analysis of courses plans. The data collected, in interaction with the theoretical instruments, made possible to formulate, as an analytical contribution, six different propositions typological, variables according to the aspects analyzed, on the teachers and the actual curriculum. The research also suggested that it is possible an institutional management of the contrasting types of real curriculum, in order to improve gains for the teaching.

 

Key words:Teaching sociology. Curriculum. High School.


Palavras-chave


Ensino de Sociologia. Currículo. Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÙJO, Sílvia Maria de; BRIDI, Maria Aparecida; MONTIM, Benilde Lenzi. Sociologia: Ensino Médio. São Paulo: Scipione, 2013.

BODART, Cristiano das Neves; SILVA, Roniel Sampaio. “Um Raio X” do Professor de Sociologia Brasileiro: condições e percepções. Revista de Sociologia. Recife, 2016. Vol. 02, n. 22, p. 197-233. Disponível em: < https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/235745>. Acesso em setembro de 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/ CEB 05/2001. Brasília, 2011. Disponível em http://pactoensinomedio.mec.goc.br/images/pdf/pceb005_11.pdf. Acesso em: agosto 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o Ensino Médio, na área de Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília, 2006. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_03_internet.pdf>. Acesso em: agosto 2015

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais para o Ensino Médio. Brasília, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/cienciah.pdf. Acesso em: agosto 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. PCN+, orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais (Ciências Humanas e suas tecnologias). Brasília, 2002. Disponível em: . Acesso em: agosto. 2015.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. et al. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.

MEUCCI, Simone. Sociologia e educação básica: hipóteses sobre a dinâmica de produção de currículo. Revista de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014. Vol. 45, n. 01, 2014, p. 87-101.

Disponível em: . Acesso em: agosto 2015.

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação do Estado. Orientações teórico-metodológicas, ensino médio: Sociologia. Recife, 2012. Disponível em: . Acesso em: agosto 2015.

PERNAMBUCO. Parâmetros para educação básica do estado de Pernambuco (Sociologia e Filosofia). Recife, 2013. Disponível em: . Acesso em: agosto 2015.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo, uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SANTOS, Pérsio. Introdução à Sociologia. São Paulo: Ática, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.