Adorno e a crise da formação cultural no mundo contemporâneo

Michel Aires de Souza Dias

Resumo


Resumo

 

O objetivo do presente artigo é refletir sobre a crise da formação cultural (Bildung) no mundo contemporâneo. O que procuramos compreender é como a formação cultural burguesa deu origem a uma cultura elaborada em moldes industriais, tornando-se uma mercadoria, cujo objetivo é produzir uma formação dada a priori,que fixa e fortalece as formas de consciência, produzindo a dominação no plano da subjetividade. Para esse intento, trataremos de discutir alguns aspectos do conceito de Kulturda tradição alemãA partir disso, procuramos mostrar como a cultura se converteu integralmente em ideologia, tornando a semicultura o espírito objetivo de nossa época. 

 

Palavras-chaveBildung. Kultur. formação cultural. indústria cultural. semiformação.

 

The objective of this article is to reflect on the crisis of cultural formation (Bildung) in the contemporary world. What we seek to understand is how bourgeois cultural formation gave rise to a culture elaborated in industrial molds, becoming a commodity, whose objective is to produce a formation given a priori, which fixes and strengthens the forms of consciousness, producing domination in the plane of subjectivity. For this attempt, we will try to discuss some aspects of Kultur's concept of German tradition. From this, we seek to show how culture has become integrally in ideology, becoming semicultura the objective spirit of our time.

 

KeywordsBildung.Kultur. cultural formation. cultural industry. semiformation


Palavras-chave


Bildung, Kultur, formação cultural, indústria cultural, semiformação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Sociedade. In: ADORNO, Theodor. Temas básicos de sociologia. São Paulo: Cultrix, 1978.

ADORNO, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ADORNO, Theodor. Crítica cultural e sociedade. In: ADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

ADORNO, Theodor. Teoria da Semicultura. Revista Primeira Versão. Ano IV, nº 191, Porto Velho, maio/agosto, 2005. Disponível em < http://www.primeiraversao.unir.br/atigos_pdf/191_.pdf> Acesso em 10 Março de 2018.

COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1997.

DUARTE, Rodrigo. Da “Cultura Afirmativa” à subjetividade criativa. Revista Cult, nº. 127, p. 56-59, agosto de 2008.

DUARTE, Rodrigo. Teoria crítica da indústria cultural. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Vol 1. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2011.

IOP, Elisandra. Formação cultural, semicultura e indústria cultural: contribuições de Adorno sobre a emancipação. Revista Espaço Pedagógico, v. 16, n. 2, Passo Fundo, p. 20-33, jul./dez. 2009. Disponível em < http://seer.upf.br/index.php/rep/article/view/2212/1427> Acesso em 5 Abril de 2018.

JAY, Martin. A imaginação dialética: história da Escola de Frankfurt e do Instituto de Pesquisas Sociais, 1923-1950. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

JAY, Martin. As ideias de Adorno. São Paulo: Cultrix: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

KANT, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Petrópolis: Vozes, 1988.

MARCUSE, Herbert. Sobre o caráter afirmativo da cultura. In: MARCUSE, Herbert. Cultura e sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

SONTAG, Susan. Ensaios sobre a Fotografia. Rio de Janeiro: Arbor, 1981.

ZUIN, Antônio; PUCCI, Bruno; OLIVEIRA, Newton. Adorno: o poder educativo do pensamento crítico. Petrópolis: Vozes, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.