Uma ciência objetiva da moral: o direito como ferramenta metodológica em Émile Durkheim

Sabrina Cesar Freitas

Resumo


Resumo

Este artigo dedica-se a explorar algumas das relações entre a constituição da sociologia e suas reflexões em torno do direito. A partir do livro Da divisão do trabalho social, buscamos refletir sobre os sentidos, justificativas e usos do direito e expressões jurídicas para Émile Durkheim. Constatamos que o uso do direito é articulado ao método de investigação marcado pelo estudo objetivo dos fatos sociais. Fundamentalmente, o direito é tomado como ferramenta metodológica dentro da proposta de cientificidade e objetividade do conhecimento da sociologia durkhemiana. 

Palavras-Chave:Durkheim. Direito. Sociologia do direito. Sociologia durkhemiana. Método. 

 

Abstract

This article is devoted to exploring some of the relations between the constitution of sociology and the way that it reflects about law. From the book The division of Labour in Society, we seek to reflect on the meanings, justifications and uses of law and legal expressions for Emile Durkheim. We find that the use of law is articulated to the method of investigation marked by the objective study of social facts. Fundamentally, law is taken as a methodological instrument within the proposal of scientificity and objectivity of knowledge of Durkhemian sociology.

Keywords:Durkheim. Law. Sociology of law. Durkheimian Sociology. Method.


Palavras-chave


Durkheim. Direito. Sociologia do direito. Sociologia durkhemiana. Método.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, José Lindomar Coelho. O fenômeno jurídico em Émile Durkheim. WEISS, Raquel; OLIVEIRA, Márcio (orgs.). David Émile Durkheim: a atualidade de um clássico. Prefácio de Gabriel Cohn. Curitiba: Ed. da UFPR, 2011.

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 15a ed. Tradução: Maria Isaura de Queiroz. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1995.

FAUCONNET, Paul. Introdução: a obra pedagógica de Durkheim. In: DURKHEIM, Emile. Educação e Sociologia. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2011, 120p.

LAHIRE, Bernard. From the habitus to an individual heritage of dispositions. Poetics. vol: 31 (5-6), 2003. p.329-355.

LEMINEUX, Cyril. Problematizar. In Serge Paugam (Coord.). A pesquisa sociológica. Petrópolis: Vozes, 2015, pp. 33-52.

MICHAELIS: Moderno dicionário da língua portuguesa. Companhia melhoramentos de São Paulo, São Paulo, 1998.

OLIVEIRA, Márcio de. Emile Durkheim e a Sociologia brasileira. In AUGUSTO, Maria Helena et all. Durkheim, 150 anos. Belo Horizonte: Argumentum, 2009, p. 231-257.

ORTIZ, Renato. (1989) Durkheim: arquiteto e herói fundador. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, 4(11), outubro 1989

WEISS, Raquel Andrade. A teoria da moral de Émile Durkheim. XIII Congresso da Sociedade Brasileira de Sociologia, Recife, 2007.

WEISS, Raquel Andrade. Émile Durkheim e a fundamentação social da moralidade. Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. doi:10.11606/T.8.2011.tde-29062011-124920. Acesso em: 2018-08-01..

WEISS, Raquel. Émile Durkheim e a Revolução Copernicana da Moral In: OLIVEIRA, Marcio de e WEISS, Raquel. (org), David Émile Durkheim: a atualidade de um clássico. Curitiba: Ed. UFPR, 2011, p. 131-161.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.