A história em movimento: discutindo a obra Oliver Twist

Camila Trindade, Liandra Savanhago, Tielly Rosado Maders

Resumo


Resumo

O materialismo-histórico-dialético, enquanto método que permite compreender a realidade, entende a história humana a partir da luta de classes. Sendo fundamental para tal compreensão, o desvelamento de diversas categorias, dentre essas, a categoria movimento. À luz desses conceitos, o presente trabalho tem como objetivo analisar a produção cinematográfica intitulada Oliver Twist. Para isso, inicialmente foi realizada uma caracterização da trama do filme. Na sequência, foram discutidos alguns elementos do mesmo, a partir do método em questão, e suas relações com a história da humanidade. A partir da análise, foi possível identificar as contradições que envolvem o capitalismo nascente e suas implicações para a vida dos sujeitos da classe trabalhadora, sobretudo para as crianças.  

 

Palavras-chave: Oliver Twist. Materialismo-histórico-dialético. Cinema. 

 

Abstract

The dialectical and historical materialism, as a method that allows to understand reality, perceives the human history from the class struggle. Is essential for comprehension to unveil the movement caterogy. In light of these concepts, the present article aims to analyze the Oliver Twist cinematographic production. Firstly, a characterization of the film plot was performed. Then,based on the method in question, some elements of the movie was discussed and its relations with the history of humanity. In the analysis it was possible to identify the contradictions that envolve the nascent capitalism and its implications for the lives of working class subjects, especially for children.

Keywords: Oliver Twist, dialectical and historical materialism, cinema.


Palavras-chave


Oliver Twist. Materialismo histórico-dialético. Cinema.

Texto completo:

PDF

Referências


Ficha: Oliver Twist (Oliver Twist). Inglaterra, 1968, 75min. Dirigido por Roman Polanski.

Referências

ENGELS, Friedrich. Do socialismo utópico ao socialismo científico. Tradução de Rubens Eduardo Frias. (2a ed.). São Paulo: Centauro, 2005.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Tradução de B. A. Schumann. (10a ed.). São Paulo: Boitempo, 2010.

HOBSBAWM, Ernest. John. A era das Revoluções (1789-1848). (15a ed.). São Paulo: Paz e Terra, 2008.

MARX, Karl. & ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. (4a ed.). São Paulo: Boitempo, 2005.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

SOUZA, Éder Cristiano de. O que o cinema pode ensinar sobre a história? Ideias de jovens alunos sobre a relação entre filmes e Aprendizagem histórica. História & Ensino, Londrina, v. 16, n. 1, p. 25-39, 2010. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/11597. Acesso no dia 01/02/2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.