Quem quer ser professor de Sociologia? Acesso, perfil e um breve balanço dos estudantes na licenciatura de Ciências Sociais do IFCS/UFRJ

Sara Esther Zarucki Dias Zarucki Tabac

Resumo


Neste artigo pretendemos apresentar uma pesquisa realizada com estudantes de licenciatura em ciências sociais no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Dentre as questões abordadas no artigo a problemática central é: Qual é o perfil desses estudantes? Aspectos relacionados à idade, forma de ingresso e escola na qual foi realizado o Ensino Médio são questões discutidas e debatidas neste artigo e abrem caminhos para futuras discussões sobre perfil dos estudantes no ensino superior nos cursos de licenciatura. O artigo utilizou-se de uma pesquisa qualitativa mesclando entrevista e questionário a fim de realizar um levantamento acerca desses alunos. Os resultados apontam que mesmo sendo um curso de baixo prestígio social, a licenciatura é por isso, desvalorizada, mas se torna uma opção no mercado de trabalho para seus egressos. 

Palavras-chaves: Formação de professores. Sociologia da educação. Ensino superior. Licenciatura.

 

Abstract

In this article, we intend to present research carried out with undergraduate students in social sciences at the Institute of Philosophy and Social Sciences at UFRJ. Among the issues addressed in the article, the central issue is: What is the profile of these students? Aspects related to age, the way of admission and school in which high school was held are issues discussed and debated in this article and open the way for future discussions on the profile of students in higher education in undergraduate courses. The research is based on qualitative research combining an interview and a questionnaire in order to conduct a survey about these students. The results show that even though it is a low social prestige course, the degree is therefore devalued, but it becomes an option in the job market for its graduates.

Keywords: Teacher Training. Sociology of Education. Higher Education. Undergraduate.

Palavras-chave


Formação de professores Quem quer ser professor de sociologia? Perfil de ingressantes na licenciatura de Ciências Sociais - IFCS/UFRJ ; sociologia da educação ; ensino superior.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Wilson. Mesquita . Estudantes com desvantagens econômicas e educacionais e fruição da universidade. Cad. CRH, v. 20, n. 49, jan.abr. 2007.

ALMEIDA, Wilson. Mesquita. USP para todos? Estudantes com desvantagens socioeconômicas e educacionais e fruição da universidade pública. São Paulo: Musa editora, 2009, p. 7-43.

BODART, Cristiano das Neves; SAMPAIO-SILVA, Roniel. Um “raio-x” do professor de sociologia brasileiro: condições e percepções. Estudos de Sociologia. v.2, n. 22, 2016. Disponível em : < https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/235745>. Acesso em: maio. 2020.

BONELLI, Maria da Gloria. Identidade profissional e mercado de trabalho dos cientistas sociais: as Ciências Sociais no sistema das profissões. 1993. 298f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2018.

BOURDIEU, Pierre. Futuro de classe e causalidade do provável. In: NOGUEIRA, Maria Alice, CATANI, Afrânio Mendes (Org.). Escritos de educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1998. p.81-126.

BOURDIEU, Pierre; CHAMPAGNE, Patrick. Os excluídos do interior. Escritos de educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1998. p.217-227.

COULON, Alan. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia (Edufba), 2008. 276 pp.

GOODSON, Ivor. A construção social do currículo. Lisboa: EDUCA, 1997.

HERINGER, Rosana; DE SOUZA HONORATO, Gabriela. Elementos para uma análise dos estudantes cotistas e bolsistas no curso de pedagogia da UFRJ. Cad. CRH [online]. 2015, vol.28, n.74, pp.341-348.

KLITZKE, Melina. Há tendência de democratização no acesso a cursos de prestígio da UFRJ? Análise com base no perfil dos estudantes - 2013 a 2016. 2018. 207 f. Dissertação de mestrado em Educação - Faculdade de Educação/UFRJ, Rio de Janeiro, 2018.

MAGALHÃES, da Silva, Eliane, Uma nova licenciatura: representações sociais de “ser professor por alunos estudantes e concluintes” – Dissertação de Mestrado em Educação Universidade Estácio de Sá-Rio de Janeiro, 2014.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos/ UFRGS. IFCH, PPGAS, Porto Alegre: PPGAS, Ano 20, n. 42, p.377-391, 2014.

TORINI, Danilo Martins. Formação e identidade profissional: a trajetória de egressos de Ciências Sociais. 2012. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Recebido em: 21 de nov. 2019.

Aprovado em: 19 de jun. 2020

Forma de citar este texto (ABNT):

TABAC, Sara Esther Dias Zarucki. Quem quer ser professor de Sociologia? Acesso, perfil e um breve balanço dos estudantes na licenciatura de Ciências Sociais do IFCS/UFRJ. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.9, n. 1, p. 57-63, jan./jul. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Café com Sociologia

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.