Paixões, Medo e Teoria Política em Hobbes e Montesquieu

Wallace da Silva Mello

Resumo


O artigo analisa o medo como elemento fundamental do pensamento político de Hobbes e Montesquieu. Se o medo é usado como uma ferramenta para obter poder político, se é alçado como o grande afeto agregado em torno dos políticos e dos "novos" movimentos sociais, é fundamental compreender a relação entre teoria política e medo. Os objetivos do texto são: apresentar as concepções políticas de Hobbes e Montesquieu e qual o papel do medo em suas respectivas construções teórico-políticas, à luz da literatura especializada. Para isso, foram adotadas a metodologia qualitativa e a ferramenta de análise de conteúdo de dois trabalhos dos autores já mencionados. Conclui-se que há uma distinção sobre como o medo é incorporado e usado pelos autores e, mais importante, é fundamental entender que, do ponto de vista teórico, ele pode construir política e não apenas destruí-la.

Palavras-chaves: Medo. Hobbes. Montesquieu. Paixões. Teoria Política.

 


Abstract

The article analyzes fear as a fundamental element of Hobbes and Montesquieu's political thought. If fear is used as a tool for obtaining political power, if it is raised as the great aggregating affection around politicians and “new” social movements, understanding the relationship between Political Theory and Fear is fundamental. The objectives of the text are: to present the political conceptions of Hobbes and Montesquieu and what is the role of fear in their respective theoretical political constructions, in the light of specialized literature. For this, the qualitative methodology and the content analysis tool of two works by the authors already mentioned were adopted. We conclude that there is a distinction about how fear is incorporated and used by the authors and, more importantly, it is fundamental to understand that from a theoretical point of view it can build politics, and not only destroy it.

Keywords: Fear. Hobbes. Montesquieu. Passions. Political Theory




Palavras-chave


Teoria Política; Medo; Hobbes; Montesquieu;

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Montesquieu, a política e a História. Lisboa: Editorial Presença, 1972.

BRANT, Ana Clara. “Avenida Brasil bate recorde de audiência no ‘Vale à pena ver de novo” [15/04/2020] Disponível em https://www.otempo.com.br/diversao/avenida-brasil-bate-recorde-de-audiencia-no-vale-a-pena-ver-de-novo-1.2325078 Acessado em 13/06/2020

HOBBES, Thomas. Leviatã ou Matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (coleção Os pensadores)

JASMIN, Marcelo. O despotismo democrático, sem medo e sem Oriente. In: NOVAES, Adauto(org.). Ensaios sobre o Medo. São Paulo: Edições Sesc SP, 2007.

MONTESQUIEU. O Espírito das Leis. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (coleção Os Pensadores)

PRISCO, Luiz. Cinco Lições importantes do livro “Como morrem das Democracias”. [10/03/2018] Disponível em https://www.metropoles.com/entretenimento/literatura/cinco-licoes-importantes-do-livro-como-morrem-as-democracias. Acessado em 13/06/2020

YAROCHEWSKY, Leonardo Isaac. O Ódio como Política. Disponível em https://www.justificando.com/2018/10/03/o-odio-como-politica/ Acessado em 13/06/2020

Recebido em: 08 de set. 2019.

Aprovado em: 19 de jun. 2020

Forma de citar este texto (ABNT):

MELLO, Wallace da Silva. Paixões, Medo e Teoria Política em Hobbes e Montesquieu. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.9, n. 1, p. 174-187, jan./jul. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Café com Sociologia

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.