Álvaro Borges Vieira Pinto na Esquerda Brasileira (1961-1964)

Michelle Fernandes Lima

Resumo


Buscamos nessa análise explicitar a atuação de Álvaro Borges Vieira Pinto (1909-1987) como diretor do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB) no período de 1961 a 1964. Foi também, nesse período que o pensador participou das discussões acerca da Reforma Universitária e das demais reformas de base, pautas de destaque naquele contexto, aproximando sua reflexão do pensamento da esquerda. Publicou importantes obras, dentre elas "A Questão da Universidade" e "Porque os ricos não fazem greve", da coleção Cadernos do Povo Brasileiro. Tratamos nesse artigo da composição da esquerda no Brasil no período 1961 a 1964, com intuito de localizar a produção de Vieira Pinto nesse processo. Podemos observar que as ações de Álvaro Borges Vieira Pinto de maneira direta e indireta estavam em consonância com as bandeiras de lutas dos grupos considerados de esquerda.

Palavras-chave: Álvaro Borges Vieira Pinto; Esquerda brasileira; Estudos Brasileiros; Instituto Superior de Estudos Brasileiro (ISEB)

Álvaro Borges Vieira Pinto in Brazilian Left (1961-1964)

Abstract

We sought in this analysis to explicit the performance of Álvaro Borges Vieira Pinto (1909-1987) as director of the Superior Institute of Brazilian Studies (ISEB) in the period of 1961 to 1964. It was in this period that the thinker participated of the discussions about the University Reform and of the other base reforms, important agendas in that context, approximating his reflection of the leftist thinking. Published important works, among them "The Question of the University" and "Why do the rich people don"™t do strikes" from the collection "Notebooks of the Brazilian people".We treat in this article of the left"™s composition in Brazil in the period of 1961 to 1964, with the intention of localizing the production of Vieira Pinto in this process. We can observe that the actions of Álvaro Borges Vieira Pinto, directly and indirectly, were in consonance with the purposes of the groups considered leftist.

Keywords: Álvaro Borges Vieira Pinto; Brazilian left; Brazilian Studies; Superior Institute of Brazilian Studies (ISEB).ilian Borges Vieira Pinto; Brat. processed of the discussions on the Universitary


Palavras-chave


Palavras-chave: Álvaro Borges Vieira Pinto; Esquerda brasileira; Estudos Brasileiros; Instituto Superior de Estudos Brasileiro (ISEB)

Texto completo:

PDF

Referências


FILHO, Evaristo de Moraes. A Proto-história do marxismo no Brasil. IN: FILHO, Daniel Aarão Reis et al. História do Marxismo no Brasil o impacto das revoluções. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1991.

KONDER, Leandro. História das Ideias Socialistas no Brasil. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2003.

LIMA, Michelle Fernandes. Atualidade do pensamento de Álvaro Borges Vieira Pinto para o debate sobre a reforma da universidade brasileira. Tese defendida no Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR, 2013.

MORAES, Denis. A esquerda e o golpe de 64. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2011.

SADER, Emir. Cuba no Brasil: influências da revolução cubana na esquerda brasileira. IN: FILHO, Daniel Aarão Reis et al. História do Marxismo no Brasil o impacto das revoluções. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1991.

SILVA, Antonio Ozaí. Esboço para a história da esquerda no Brasil. Publicado originalmente em Espaço Plural, revista do Núcleo de Pesquisa e Documentação sobre o Oeste do Paraná "“ CEPEDAL, órgão de apoio do Centro de Ciências Humanas, Educação e Letras, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná "“ UNIOESTE, Campus de Marechal Cândido Rondon (PR), p.155-164, 2009.

SILVA, Antonio Ozaí. Os intelectuais diante mundo: engajamento e responsabilidade. Revista Espaço Acadêmico, n.29, outubro de 2003. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/029/29pol.htm. Data de acesso: agosto de 2013.

TOLEDO, Caio Navarro. Intelectuais do ISEB, Esquerda e Marxismo. In: MORAES, João Quartim (Org). História do Marxismo no Brasil: Teorias e interpretações. Campinas: Editora Unicamp. 2007.

VIEIRA PINTO, Álvaro Borges. A questão da Universidade. Editora Universitária, 1962.

__________________. Consciência e realidade nacional: a consciência ingênua. Rio de Janeiro: ISEB, 1960 (Volume 1).

__________________. Consciência e realidade nacional: a consciência crítica. Rio de Janeiro: ISEB, 1960 (Volume 2).

__________________. __________________. Indicações metodológicas para a definição do subdesenvolvimento. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Belo Horizonte, v.3, n.2, jul. 1963.

__________________. Por que os ricos não fazem greve? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.