Barroco: uma nova opção para a interpretação do Brasil

Wallace Faustino da Rocha Rodrigues

Resumo


O objetivo do texto é o de tentar proporcionar ao Pensamento Social e Político Brasileiro caminhos alternativos para a interpretação do Brasil. O argumento funda-se na relevância da tradição no processo de produção do conhecimento, a enfatizar a incongruência em qualquer consideração sumamente racional quanto à constituição brasileira. Desse modo, ampara-se nos sermões de Antonio Vieira, por atribuir-lhe a capacidade de ecoar as vozes de seu tempo, o pensamento de todo o século XVII a ressonar a inquietude ibérica diante das contestações à sua forma de vida, fundada na cosmologia proveniente da escolástica. Presume-se que nos textos do jesuíta ressoam um barroco ansioso para uma reconstrução do mundo, de seu mundo. A ideia é a de confrontar esta perspectiva tendo em vista a sua atuação no Brasil. Ou seja, questiona-se como os dilemas enfrentados pelos ibéricos refletem em uma tentativa de (re)construção de uma tradição no Brasil.


Palavras-chave


Barroco; Iberismo; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ARGAN, G. C. Imagem e persuasão "“ ensaios sobre o Barroco. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

AZEVEDO, J. L. História de Antonio Vieira (2 vols.). Lisboa:Livraria Clássica, 1931.

BARBOZA FILHO, R. Tradição e artifício "“ iberismo e Barroco na formação americana. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2000.

____________.As linguagens da democracia. RBCS, vol. 23, n. 67, pp. 15-37,junho 2008.

____________.A modernização brasileira e o nosso pensamento político.Perspectivas, vol. 37, pp. 15-64, jan./jun. 2010.

BOSI, A. Antônio Vieira, profeta e missionário "“ um estudo sobre a pseudomorfose e a contradição (1). Estudos Avançados, 22 (64), 241-254, dez. 2008.

____.Antônio Vieira, profeta e missionário "“ um estudo sobre a pseudomorfose e a contradição (2). Estudos Avançados, 23 (65), 247-270, 2009.

CÂNDIDO, A. Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2002.

EISENBERG, J. As missões jesuíticas e o pensamento político moderno "“ encontros culturais, aventuras teóricas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

GADAMER, H. G. Verdade e método I "“ traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.

HATZFELD, H. Estudos sobre o Barroco. São Paulo: Perspectiva, 2002.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

MACINTYRE, A. Justiça de quem? Qual racionalidade? São Paulo: Edições Loyola, 2008.

MARAVALL, J. A. A cultura do Barroco "“ análise de uma estrutura histórica. São Paulo: EDUSP, 2009.

MORSE, R. O espelho de Próspero "“ cultura eidéias nas Américas. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SKINNER, Q. Fundações do Pensamento Político Moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

VAINFAS, R.Antonio Vieira. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

VÉLIZ, C. The new world oftheGothic Fox "“ cultureandeconomy in Englishand Spanish America. Los Angeles: UniversityCalifornia Press, 1994.

VIEIRA, A. Sermões. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957.

_____. Sermões (8 volumes). São Paulo: Edições Loyola, 2010.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.