EDUCAÇÃO E DEMOCRACIA: um percurso contemporâneo

José Antônio Feitosa Apolinário, Breno Leal Menezes Feitosa

Resumo


Este artigo propõe uma tentativa de compreensão das possíveis intersecções entre educação e democracia no pensamento contemporâneo. Para tanto, adentramos em algumas questões hodiernas para identificar como se dá esta relação, afunilando as perspectivas de investigação com autores decisivos em nossa época. Destarte, nos debruçamos sobre as leituras de Robert Dahl, Noam Chomsky, Alain Touraine, Boaventura de Sousa Santos e Amy Gutmann, todos importantes nomes da discussão acadêmica em torno da democracia, com vistas à percepção das referidas intersecções, atinando igualmente para os contrastes resultantes do processo de consolidação da democracia. A análise de obras dos referidos autores mostrou que as relações entre democracia e educação continuam sendo uma nítida preocupação na reflexão contemporânea, vicejando como fundamental no trato de tópicos tais como, o modelo neoliberal de Estado, as ações afirmativas, a inclusão social, e as relações entre o público e o privado.

Palavras-chave: Educação. Democracia. Contemporaneidade. Estado. Escola.

EDUCATION AND DEMOCRACY:

a contemporary itinerary

Abstract

This article proposes an understanding of the possible intersections between education and democracy in contemporary thinking. To do so we approached to some modern subjects to identify how this relation is, specifying perspectives of research with nowadays decisive authors. Thus, we looked over the works of Robert Dahl, Noam Chomsky, Alain Touraine, Boaventura de Sousa Santos and Amy Gutmann, all important names of the academic discussion on democracy, in order to these intersections, infering likewise the resulting contrasts of consolidation process of democracy. The analysis of these authors showed that the relation between democracy and education remains a clear concern in contemporary thinking, being fundamental in topics such as the neoliberal model of state, the affirmative policies, social inclusion, and public-private relations.

Keywords: Education. Democracy. Contemporaneity. State. School.


Palavras-chave


Educação. Democracia. Contemporaneidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985.

BRASIL, Felipe. Teoria elitista clássica, democracia elitista e o papel das eleições: uma questão de definição dos termos. Primeiros Estudos. São Paulo: UFSCAR, n. 5, p. 100-121, 2013.

CHOMSKY, Noam. Estados fracassados: o abuso do poder e o ataque à democracia. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

CHOMSKY, Noam; MACEDO, Donaldo. Para além de uma educação domesticadora: um diálogo com Noam Chomsky. Currículo sem Fronteiras. Associação Brasileira de Currículo. v. 4, n. 1, p. 05-21, Jan./Jun., 2004.

COSTA, Homero de Oliveira. Democracia e participação na teoria pluralista. Cronos. Natal: UFRN, v. 8, n. 1, p. 215-228, jan./jun, 2007.

DAHL, Robert. A democracia e seus críticos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. 38. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GOMES, J. B. B. & SILVA, F. D. L. L. As ações afirmativas e os processos de promoção da igualdade efetiva. Seminário Internacional - As Minorias e o Direito. Brasília-DF, 2001.

GREPPI, Andrea. Concepciones de la democracia en el pensamiento político contemporáneo. Madrid: Editora Trotta, 2006.

GUTMANN, Amy. Democratic education. Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1987.

KAUCHAKJE, Samira. Cidadania e participação social: inclusão social no campo dos direitos à igualdade e à diferença. In: SOUZA, Maria Antônia de; COSTA, Lucia Cortes da. (Orgs). Sociedade e cidadania: desafios para o século XXI. Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2005.

LOPES, D. M. F. A ideia de autonomia do indivíduo em Amy Gutmann e a ideia do sujeito em Alain Touraine. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná. Santa Catarina/SC: UFPR, v. 30, n. 1, p. 19-25, 2000.

NASCIMENTO, I. M. R; SANTANA, J. S; SANTANA, R. S. Ações afirmativas voltadas para a educação uma questão meritocrática ou democrática?. IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas "História, Sociedade e Educação no Brasil". João Pessoa-PB, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

_______. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Cortez, 2011.

_______. Reinventar a democracia. Lisboa: Gradiva, 1998.

SCHUMPETER, Joseph. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SLOTERDIJK, Peter. Regras para o parque humano: uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

TOURAINE, Alain. O que é a democracia?. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.