Entre o chão de fábrica e os céus do Brasil: um estudo da relação trabalho e educação na indústria aeronáutica brasileira

Lívia de Cássia Godoi Moraes

Resumo


Este artigo tem por objetivo explicitar as relações existentes entre trabalho e educação na empresa matriz da aeronáutica brasileira. Para tanto, analisaremos, na perspectiva marxiana, este entrelaçamento de trabalho e educação, posteriormente, contextualizaremos historicamente a educação nacional para então procuraremos demonstrar os esforços da empresa quanto à educação de Ensino Médio e Pós-Graduação, deixando explícito que não se trata de "boa vontade" ou de uma relação de neutralidade, mas que este entrelaçamento é corroborador do modelo organizacional toyotista, da pedagogia das competências e alicerce para a primazia do consenso sobre o conflito no ambiente fabril. Por fim, delinearemos a possibilidade de superação da relação trabalho/educação alienadora, que venha a responder às necessidades humanas e não do capital.

Palavras-chave


Sociologia do Trabalho; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


AGOPYAN, V.; OLIVEIRA, J. F. G. Mestrado Profissional em Engenharia: uma oportunidade para incrementar a inovação colaborativa entre universidades e os setores de produção no Brasil. In: Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 2, n. 4, p. 79-89, jul. 2005.

ALVES FILHO, M. Parceria com a Embraer já começa a dar frutos. In: Jornal da Unicamp, 195, ano XVII, 21 a 27 de outubro de 2002.

ANDRADE, D.; RIZZI; P.; ALMEIDA, S. F. M. Experiência em parceria estratégica: mestrado profissional em Engenharia Aeronáutica, ITA-Embraer. In: Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 2, n. 4, p. 48-60, jul. 2005.

ANTUNES, R. Riqueza e miséria do trabalho. In: LUCENA, C. (Org). Capitalismo, Estado e educação. Campinas: Alínea, 2008.

______. Os Sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2001.

BASSETE, F. Mercado está superaquecido, afirmam professores. 24/10/2006. Disponível em: < http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,AA1321334-5604,00.html>, Acesso em 04 de fevereiro de 2009.

BRAGA, R. Introdução. In: GRAMSCI, A. Americanismo e fordismo. São Paulo: Hedra, 2008.

COLÉGIO JUAREZ WANDERLEY. http://www.colegioembraer.com.br/. Acesso em maio de 2013.

EMBRAER S.A. www.embraer.com.br. Acesso em maio de 2013.

FORD, H. Os princípios da prosperidade. São Paulo: Freitas Bastos, 1967.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 2001.

GOUNET, T. Fordismo e Toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, 2002.

GRAMSCI, A. Americanismo e fordismo. São Paulo: Hedra, 2008.

INSTITUTO EMBRAER: a responsabilidade social da empresa. Disponível em Acesso em 04 de fevereiro de 2009.

KUENZER, A. Z. A nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Orgs). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados, 2005.

LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Orgs). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados, 2005.

LUCENA, C. (Org). Capitalismo, Estado e educação. Campinas: Alínea, 2008.

______. Mundialização, ciência e trabalho. In: LUCENA, C. (Org). Capitalismo, Estado e educação. Campinas: Alínea, 2008.

MACHADO, L.; MACHADO, J. Globalização capitalista e apropriação: implicações educacionais e ambientais. In: LUCENA, C. (Org). Capitalismo, Estado e educação. Campinas: Alínea, 2008.

MACIEL, E. Aposta nos talentos. In: Revista Bandeirante, ano 35, n. 723, jan. 2006.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

______. O capital. Crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

______; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MORAES, L. de C. G. Trabalho, educação e consciência: uma análise do processo de internalização dos parâmetros reprodutivos do capital na atualidade. In: TUMOLO, P. S.; BATISTA, R. L. (Orgs.) Trabalho, economia e educação: perspectivas do capitalismo global. Maringá: Práxis, 2008.

NEVES, L. M. W. (Org). O empresariamento da educação: novos contornos do Ensino Superior no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2002.

NEVES, L. M. W.; FERNANDES, R. R. Política neoliberal e educação superior. In: NEVES, L. M. W. (Org). O empresariamento da educação: novos contornos do Ensino Superior no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2002.

OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção. Além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 2004.

RAMOS, M. N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2002.

TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.