FILME ETNOGRÁFICO E O ESTUDO DO COTIDIANO: o uso de recursos audiovisuais na pesquisa sociológica

Albino Jose Eusebio, Sônia Barbosa Magalhães

Resumo


Os recursos audiovisuais vêm assumindo, entre harmonias e tensões, um lugar preponderante na pesquisa sócio antropológica. O filme etnográfico é hoje um instrumento importante de pesquisa e análise do pensamento coletivo e um recurso metodológico relevante para estudo da vida cotidiana. No presente artigo nos propusemos a refletir sobre possíveis inter-relações entre filme etnográfico de exploração, que tem como referência o cineasta antropólogo Jean Rouch e estudos sociológicos sobre a vida cotidiana fundados na tradição hermenêutica.

PALAVRAS-CHAVE: Filme etnográfico. Jean Rouch. Vida cotidiana. Pesquisa sociológica.

ETHNOGRAPHIC FILM AND THE STUDY OF DAILY LIFE:

the use of audio-visual resources in sociological research

ABSTRACTAmong harmonies and tensions the audiovisual resources have been assuming an important place in anthropological and sociological research. The ethnographic film is now an important instrument for research and analysis of collective thought and one relevant methodological resource for the study of daily life. In this article we propose to explore on possible inter-relations between exploration ethnographic film, whose principal reference is anthropologist filmmaker Jean Rouch, and sociological studies of daily life founded on hermeneutic tradition.

KEYWORDS: Ethnographic film. Jean Rouch. Daily life. Sociological research.

Palavras-chave


ANtropologia Visual; Sociologia do Cotidiano

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, Eliska. "Verdade, tempo e autoria: três categorias para pensar o filme etnográfico". Revista Anthropológicas, Recife, v.13, n.20, p.57-79, 2009. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaanthropologicas/index.ph p/revista/article/view/124/113. Acesso no dia 08/08/2015.

BATESON, Gregory e MEAD, Margaret. Balinese Character. A Photographic Analysis. New York: The New York Academy of Sciences, 1942. Disponível online em: https://monoskop.org/images/8/8d/Bateson_Gregory_Mead_Margaret_Balinese_Character_A_Photographic_Analysis.pdf.

BERGER, Peter e LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia de conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2004.

BOUDON, Raymond. "Ação". In: ________.Tratado de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

BUBER, Martin. Eu e Tu. São Paulo: Centauro, 2001.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

COHN, Gabriel. Crítica e resignação: Max Weber e teoria social. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

EUSÉBIO, Albino José e MAGALHÃES, Sonia Barbosa. "Instabilidade político-militar e a vida cotidiana em Moçambique". Trabalho apresentado na 30º Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2016, João Pessoa/PB.

EUSÉBIO, Albino José e MENDONÇA, Kátia. Individualismo, violência criminal e a construção social da vida cotidiana. Sistema Penal & Violência. Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 265-276, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2177-6784.2015.2.21523.

FRANCE, Claudine de. Cinema e antropologia. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998.

FREIRE, Marcius e LOURDOU, Philippe. Descrever o visível: cinema documentário e antropologia fílmica. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

FREIRE, Marcius. Gregory Bateson, Margaret Mead e o caráter balinês. Notas sobre os procedimentos de observação fotográfica em Balinese Character. A Photographic Analysis. Alceu, Rio de Janeiro, v.7, n.13, p.60-72, 2006. Disponível em: http://revistaalceu.com.puc-rio.br/media/alceu_n13_Freire.pdf. Acesso no dia 08/08/2015.

FREIRE, Marcius. Relação, encontro e reciprocidade: algumas reflexões sobre a ética no cinema documentário contemporâneo. Revista Galáxia, São Paulo, n.14, p.13-28, 2007. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/1484/955. Acesso no dia 08/08/2015.

GURAN, Milton. Considerações sobre a constituição e a utilização de um corpus fotográfico na pesquisa antropológica. Discursos fotográficos. Londrina, v.7, n.10, p.77-106, 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/discursosfotograficos/article/viewFile/9215/7841. Acesso no dia 08/08/2015.

HIKIJI, Rose Satiko Gitirana. Rouch compartilhado: premonições e provocações para uma Antropologia contemporânea. Iluminuras, Porto Alegre, v.14, n.32, p.113-122, 2013. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/37743/pdf. Acesso no dia 08/08/2015.

JORDAN, Pierre. Primeiros contatos, primeiros olhares. Cadernos de Antropologia e Imagem, n.1, p.55-64, 1992. Disponível em: http://www.scribd.com/doc/24783451/Primeiros-Contatos-Primeiros-Olhares. Acesso no dia 08/08/2015.

MACAMO, Elísio. A Constituição de uma sociologia das sociedades Africanas. Estudos Moçambicanos, nº 19, p. 5-26, 2002.

MACDOUGALL, David. Filme etnográfico por David MacDougall. Edição e Tradução de Lilian Sagio Cezar. Cadernos de campo, São Paulo, n. 16, p. 179-188, 2007. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/49996/54128. Acesso no dia 08/08/2015.

MAGALHÃES, Sonia Barbosa. Texto e Imagem: recompondo a relação entre antropologia e fotografia. In: FURTADO, Lurdes G. (org.). Iconografia da pesca ribeirinha e marítima na Amazônia. Belém: Museu Goeldi, 2002.

MALINOWISKI. Bronislaw. A vida sexual dos selvagens do noroeste da Melanésia: descrição etnográfica do namoro, do casamento e da vida da família entre os nativos da ilha Trobriand. Rio de Janeiro: F. Alves. 1982.

MALINOWISKI. Bronislaw. Argonautas do pacifico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné, Melanésia. São Paulo: Abril Cultural,1978.

MALINOWISKI. Bronislaw. Coral gardens and their magic: a study of the methods of tilling the soil and of agricultural rites in the Trobriand Islands. London: George Allen & Unwin, 1935.

MARTINS, José de Sousa. "O sensu comum e a vida cotidiana". Tempo Social. São Paulo, v. 10, nº1, p. 1-8, 1998.

MATSUMOTO, Roberta, K. Espaço e tempo na capoeira: estudo de uma técnica de corpo em antropologia fílmica. In: FREIRE, Marcius e LOURDOU, Philippe (org.). Descrever o visível: cinema documentário e antropologia fílmica. São Paulo: Estação Liberdade, 2009, p. 223-243.

NOVAES, Silvia Caiuby. Entre a harmonia e a tensão: as relações entre Antropologia e Imagem. Revista Anthropológicas, Recife, ano 13, v.20, p.9-26, 2009. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaanthropologicas/index.php/revista/article/view/120/111. Acesso no dia 08/08/2015.

OLIVEIRA, Ana Paula Silva. Jean Rouch: signo, verdade e pensamento. Discursos fotográficos, Londrina, v.10, n.17, p.163-176, 2014. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/discursosfotograficos/article/download/17431/15724. Acesso no dia 08/08/2015.

PALMER, Richard E. Hermenêutica. Lisboa: Edições 70, 1969.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, São Paulo, ano 20, n.42, p. 377-391, 2014.

RAMOS, Natalia; SERAFIM, José, F. Antropologia fílmica e diversidade cultural: contributos para a pesquisa e método. Trabalho apresentado na 26º. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 1 e 4 de junho de 2008, Porto Seguro, Bahia, Brasil.

RIAL, Carmen Silva de Moraes. Roubar a alma: ou as dificuldades da restituição. Tessituras, Pelotas, v.2, n.2, p.201-212, 2014. Disponível em: http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/tessituras/article/viewFile/4879/3768. Acesso no dia 08/08/2015.

RIBEIRO, José da Silva. Notas para um debate em antropologia visual. Revista Mackenzie Educação, Arte e História da Cultura, São Paulo, ano 3/4, n. 3/4, p. 45-67, 2003/2004. Disponível em: http://www.mackenzie.br/fileadmin/Editora/Revista_Arte_Historia_Cultura/Revista_20Mack._20Arte_20jose_20da_20silva_20ribeiro_2006.pdf. Acesso no dia 14/09/2015.

RIBEIRO, José da Silva. Jean Rouch e o Filme Etnográfico. Doc On-line, n. 03, p. 6-54, 2007. Disponível em: http://www.doc.ubi.pt/03/doc03.pdf. Acesso no dia 08/08/2015.

RICOEUR, Paul. Interpretação e ideologias. Rio de Janeiro: F. Alves, 1988.

ROCHA, Ana L. C. e ECKERT, Cornélia. A imagem recolocada: pensar a imagem como instrumento e análise de pensamento coletivo. Iluminuras, Porto Alegre, v.2, n.3, p.2-13, 2001. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/9119/5232. Acesso no dia 08/08/2015.

ROCHA, Ana L. C. e ECKERT, Cornélia. Etnografia com imagens: práticas de restituição. Tessituras, Pelotas, v.2, n.2, p.11-43, 2014. Disponível em: http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/tessituras/article/viewFile/4851/3649. Acesso no dia 08/08/2015.

SAMAIN, Etienne. Ver e Dizer na tradição etnográfica- Bronislaw Malinowsky e a fotografia. Horizontes Antropológicos, São Paulo, ano 1, n.2, p.23-60, 1995. Disponível em: http://www.ufrgs.br/ppgas/ha/pdf/n2/HA-v1n2a04.pdf. Acesso no dia 08/08/2015.

SCOCUGLIA, Jovanka B. C. Hermenêutica de Wilheim Dilthey e a reflexão epistemológica nas ciências humanas contemporâneas. Sociedade e Estado, V. 17, n. 2, p. 249-281, 2002.

SOUZA, Mauricio R. Uma questão de método: origens, limites e possibilidades da etnografia para a psicologia social. Psicologia USP, São Paulo, v.25 n. 3, p.307-316, 2014.

SPENCER, Baldwin e GILLEN, Francis J. The Native Tribes of North Central Australia. London: Macmillan, 1899. Disponível online em: http://setis.library.usyd.edu.au/ozlit/pdf/spenati.pdf.

FILMOGRAFIA

Chronique d"™un été (Crônica de um verão). Direção: Jean Rouch e Edgar Morin, 1961, 85"™. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=bESrAdqNSiw.

Nanook of the North. Robert Flaherty, 1922. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=iTgBujgwv-I.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.