REPENSANDO AS RELAÇÕS DE PARENTESCO NA CONTEMPORANEIDADE: Alguns Desafios teóricos às Ciências Sociais a partir de "O Clamor de Antígona", de Judith Butler

Marcos de Jesus Oliveira

Resumo


É crescente a projeção de Judith Butler no cenário intelectual internacional, sendo amiúde considerada uma filósofa por seus interlocutores. No Brasil, o conhecimento e o reconhecimento de suas contribuições e aportes teóricos se deram, sobretudo, com a publicação, em 2003, de "Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade", lançado treze anos depois da publicação original em inglês. No âmbito da academia brasileira, a divulgação de seu pensamento tem se restringido ao círculo de estudos denominados feministas, de gênero e queer. Resenhar uma obra sua para uma revista de ciências sociais requer, portanto, destacar, entre as inúmeras contribuições dadas pela pensadora, aquelas que, por sua própria força e densidade, impõem desafios aos modos pelos quais certas questões foram tradicionalmente tratadas por estas ciências. Isso exime o resenhista da responsabilidade, já amplamente reconhecida, de querer esgotar o pensamento de determinado autor nas poucas páginas que lhe cabe, mas traz à tona o desafio de estabelecer um diálogo entre campos cuja aproximação nem sempre é bem vista ou quista.


Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003a.

______. "O parentesco é sempre tido como heterossexual?" Cadernos Pagu, nº21, pp. 219-260, 2003b.

______. Vida precaria: el poder del duelo y la violencia. Buenos Aires: Paidós, 2006.

______. O clamor de Antígona: parentesco entre a vida e a morte. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Imago, 1972.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1997.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LACAN, Jacques. O seminário, livro XI: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

OLIVEIRA, Marcos de Jesus. "Como reivindicar direitos humanos se você não é considerado(a) humano(a): revisitando alguns discursos contemporâneos contrários à homoparentalidade". In: GALINKIN, Ana Lúcia; SANTOS, Claudiene (orgs.). Gênero e psicologia social: interfaces. Brasília: TechnoPolitik, 2010, pp. 275-299.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

RUBIN, Gayle. El tráfico de mujeres: notas sobre la "economía política" del sexo. In: Nueva Antropologia, vol. VIII, no. 30, México, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.