NOTAS SOBRE TRABALHADORES QUE VOLTAM A ESTUDAR EM CURSO SUPERIOR PRIVADO

Regina Magalhães de Souza

Resumo


Trata-se de relato pessoal de professora da rede privada sobre a experiência de adultos trabalhadores que voltam a estudar em curso superior noturno de Ciências Sociais, nos anos 2009-2011, na cidade de São Paulo. A autora aponta a importância de voltar a estudar para a subjetividade e ampliação das consciências, e identifica como elementos centrais dessa experiência o esforço para vencer as dificuldades acadêmicas, o exercício do pensamento e da reflexão, o sentimento de desamparo e as manifestações de afeto e alegria.

NOTES ON WORKERS RETURNING TO STUDY IN PRIVATE UPPER COURSE

ABSTRACT

This is a personal report of a teacher of the private network about the experience of working adults returning to study at the night course of Social Sciences in the years 2009-2011 in the city of São Paulo. The author points out the importance of returning to study for the subjectivity and expansion of consciousness, and identifies as central elements of this experience the effort to overcome academic difficulties, the exercise of thought and reflection, the feeling of helplessness and expressions of affection and joy.

KEY WORDS: College education. Student worker. Student-worker. Graduation in Social Sciences. Sociological imagination.


Palavras-chave


Educação superior, Trabalhador-estudante, Estudante-trabalhador, Graduação em Ciências Sociais, Imaginação sociológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor Wiesengrund. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel (Org.). Theodor W. Adorno; Sociologia. 2. ed. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática, 1994, p. 92-99.

ARENDT, Hannah. Prefácio; a quebra entre o passado e o futuro. In: ______. Entre o passado e o futuro. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992, p. 28-42.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora; as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (Org.). Escritos de educação. 2. ed. Petrópolis, RJ: 1999, p. 39-69.

BOURDIEU, Pierre e CHAMPAGNE, Patrick. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (Org.). Escritos de educação. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999, p. 217-27.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. CNE/CP n. 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica, em nível superior. Brasília: Diário Oficial da União, n. 42, 4 mar. 2002, p. 9.

______. Lei Federal n. 11.684, de 2 de junho de 2008; Altera o art. 36 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do ensino médio. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2009.

______. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2010; divulgação dos principais resultados do Censo da Educação Superior 2010. Brasília, DF: out. 2011.

______. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Site na internet. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo-escolar-sinopse-sinopse. Acesso em: 10 jun. 2012.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista; a degradação do trabalho no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

CHAUÍ, Marilena de Souza. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Unesp, 2001.

COMIN, Álvaro A. e BARBOSA, Rogério Jerônimo. Trabalhar para estudar; sobre a pertinência da noção de transição escola-trabalho no Brasil. Novos Estudos. Cebrap, São Paulo, n. 91, p. 75-95, nov. 2011.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 10. ed. Lisboa: Presença, 2007.

KALMUS, Jaqueline. Ilusão, resignação e resistência; marcas da inclusão marginal de estudantes das classes subalternas na rede de ensino superior privada. 2010. Tese (Doutorado em Psicologia) "“ Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo.

MILLS, Charles Wright. A imaginação sociológica. 3.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

MORAES, Amaury César. Licenciatura em ciências sociais e ensino de sociologia; entre o balanço e o relato. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, v. 15, n. 1, p. 5-20, abr. 2003.

SILVA, Camilla Croso; GONZALEZ, Marina e BRUGIER, Yana Scavone. OMC em foco: a comercialização da educação na América Latina. In: HADDAD, Sérgio (Org.). Banco Mundial, OMC e FMI; o impacto nas políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2008, p. 87-143.

SOUZA, Andrea Harada. Da educação mercadoria à certificação vazia. Le Monde Diplomatique, 19 dez. 2011. Disponível em: http://ponto.outraspalavras.net/2011/12/19/da-educacao-mercadoria-a-certificacao-vazia/. Acesso em: 20 dez. 2011.

SOUZA, Regina Magalhães de. O discurso do protagonismo juvenil. São Paulo: Paulus, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.