A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO TEMPO E SUA DIFERENCIAÇÃO ENTRE O NORTE E SUL: Uma análise crítica da sua trajetória a partir de Norbert Elias

Pedro Uetela

Resumo


As tentativas de sistematização do tempo culminaram com a formulação de várias teses ao longo do processo histórico da sua conceptualização. Na idade média, por exemplo, Santo Agostinho só compreendia o tempo quando não era questionado. Na modernidade, Heidegger pensou o tempo em relação ao ser (sein und zeit) e por fim na contemporaneidade, Elias incrementou a complexidade sobre a temática ao afirmar que "o tempo em si não existe". Este artigo busca reformular algumas das preocupações sobre a temporalidade tendo em conta os 3 períodos e de forma específica o ceticismo de Norbert Elias. O mesmo questiona a autoctonia dos avanços que se notabilizaram no ocidente sobre a questão ao concluir que foi no sul e não no norte do planeta onde as primeiras métricas sobre o tempo foram inventadas através da islamização muitos séculos antes da expropriação da inteligência inventada no Egito.

PALAVRAS-CHAVE: Tempo. Norte. Sul

ABSTRACT

The attempts to systematize the definition of time have lead to a construction of various theses over the historical process of its conceptualization. In the middle ages, Saint Augustine only comprehended the definition of time always was not inquired. In the modern period, Heidegger thought about time in terms of being (sein und zeit) and in the contemporaneity Elias increased the complexity of the subject by arguing that time in itself, does not exist. This article seeks to reformulate some of the inquiries concerning the theme taking into account the three periods and with special emphasis for Elias"™ scepticism. It also question the autochthony of the evolution occurred in the north about the question as it concludes that it was in the south and not north of the planet where the primary instruments that measure time were invented under the Islamic process long time before the expropriation of the Egyptian intelligence.

KEY WORDS: Time. North. South.


Texto completo:

PDF

Referências


DURKHEIM, Emilie. As regras do Método Sociológico. Tradução de Paulo Neves e Revisão de Eduardo Brandão, 2a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999;

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Ed. Michael Schroter e tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

FRIJHOFF, William: Patterns in higher education de Ridder-Symoens (ed): A History of the University in Europe, vol. 2, 1996. Cambridge University Press. pp. 43-80.

GAGNEBIN, Jean. Sete aulas sobre linguagem, memória e história. Rio de janeiro: Sindicato nacional dos editores de livros, 1997.

GIDDENS, Michel. Sociologia. 8a ed. Lisboa: Polity press. Tradução de Alexandre Figueiredo, Ana Patrícia Duarte Baltazar, Catarina Lorga da Silva, Patrícia Matos e Vasco Gil-coordenação e revisão científica de José Manuel Sobral, 2001.

................................ Em defesa da Sociologia. Ensaios, Interpretações e Tréplicas. S. Paulo Fundacao Editora da Unesp. Traducao de Roneide Venacio Majer e Klauss Brandini Gerhardt, 2000.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. 15a Ed. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. São Paulo: Editora vozes, 2005.

MARX, Karl. Crítica da Filosofia de Direito de Hegel. Rio de Janeiro: Sindicato Boitempo, 2005. Tradução de Rubens Enderle & Leonardo de Deus.

MBITI, John. African Religions and Philosophy. 2nd Edition. USA: The division of Reed publications, 1999.

ORUKA, Odera. African Philosophy and introduction: Trends in contemporary African philosophy. Nairobi: Shirikon Publishers, 1990.

RUEGG, Walter: Themes in higher educativo. De Ridder-Symoens (ed): A History of the University in Europe. vol. 1, 1992. Cambridge University Press. pp. 3-34.

SAID, Eduard. Orientalismo: O Oriente como invencão do Ocidente. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

STUMPF, Samuel Enoch. Socrates to Sartre: A history of Philosophy. Revised 5th edition, New York: vanderbilt university press, 1988.

TEOREMA DE PITÁGORAS. https://pt.wikipedia.org/wiki/Teorema_de_Pit%C3%A1goras


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.