COMUNIDADES TERAPÊUTICAS RELIGIOSAS: estudo de caso sobre uma comunidade pentecostal e uma comunidade católica carismática

Janine Targino

Resumo


O presente artigo busca apresentar, analisar e comparar o trabalho realizado pelo Projeto Reconstruir, uma comunidade terapêutica vinculada à Comunidade Carismática Maranathá, e pelo Instituto Vida Renovada (IVR), comunidade terapêutica associada à Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD). Ambas as comunidades terapêuticas estão localizadas no Estado do Rio de Janeiro e concentram suas atividades no atendimento de usuários problemáticos de drogas em geral, tanto de drogas lícitas quanto ilícitas. Destaca-se que o tratamento oferecido pelas instituições em tela fundamenta-se, basicamente, sobre preceitos religiosos. Diante disso, é possível apontar determinadas aproximações e afastamentos nos planos de ação que estas comunidades terapêuticas aplicam ao longo do tratamento oferecido aos usuários de drogas que buscam auxílio nas mesmas. Os dados aqui apresentados foram coletados entre os anos de 2011 e 2015 através de pesquisa de campo por observação e entrevistas realizadas com internos e membros das equipes técnicas das instituições estudadas.

PALAVRAS-CHAVE: Pentecostalismo. Renovação Carismática Católica. Dependência de drogas. Comunidades terapêuticas.

RELIGIOUS THERAPEUTIC COMMUNITIES:

Case study about a pentecostal community and a charismatic catholic community

ABSTRACT

This paper seeks to present, analyze and compare the work carried out by the Projeto Reconstruir, a therapeutic community linked to the Comunidade Carismática Maranathá, and the Instituto Vida Renovada (IVR), a therapeutic community associated with the Assembleia de Deus dos Últimos Dias. Both therapeutic communities are located in the state of Rio de Janeiro and concentrate their activities in dealing with problem drug users in general, both licit and illicit drugs. It should be emphasized that the treatment offered by the institutions on screen is basically based on religious precepts. Given this, it is possible to point out certain approximations and withdrawals in the action plans that these therapeutic communities apply throughout the treatment offered to drug users seeking help in them. The data presented here were collected between the years of 2011 and 2015 through observation field research and interviews with internal and technical staff members of the institutions studied.

KEYWORDS: Pentecostalism. Catholic Charismatic Renovation. Drug addiction. Therapeutic communities.

Palavras-chave


Pentecostalismo; Renovação Carismática Católica; Dependência de drogas; Tratamento da dependência química.

Texto completo:

PDF

Referências


BAQUERO, Rute Vivian Angelo. Empoderamento: instrumento de emancipação social? "“ Uma discussão conceitual. Revista Debates, Porto Alegre, v.6, n.1, p. 173-187, jan-abr. 2012.

BARRADAS, Ana Miriam Pinto. Factores influentes na permanência do toxicodependentes em programas terapêuticos do Desafio Jovem: um estudo de caso. 2008. 213f. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Lisboa, Instituto de Psicologia, Lisboa.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BIRMAN, Patrícia. Males e malefícios no discurso neopentecostal. In: BIRMAN, Patrícia., NOVAES, Regina., CRESPO, Samira. (Orgs). O mal à brasileira. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1997.

BUCHER, Richard; COSTA, Priscila Fernandes. Modelos de atendimento a dependentes químicos. Arquivo Brasileiro de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 37, n. 3, p. 70-83, jul/set. 1985.

CARRANZA, Brenda. Renovação Carismática Católica: origens, mudanças e tendências. Aparecida: Editora Santuário, 2000.

COSTA, Ana Alice. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. Núcleo de Estudos Interdisciplinartes sobre a Mulher, NEIM/UFBA, Salvador, 2000.

CRUZ, Olga Furriel de Souza. Histórias e trajectórias de consumidores "não problemáticos" de drogas ilícitas. 2011. 339f. Tese (Doutorado) "“ Universidade do Minho, Escola de Psicologia, Braga, Portugal.

GUIMARÃES, José Eugênio. Razão e religião: Pentecostais, Visões de Mundo e Conduta. 1992. 182f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Rio de Janeiro.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e Pentecostais: adesão religiosa na esfera familiar. Campinas: Autores Associados, 1996.

MARIZ, Cecília. A teologia da guerra espiritual: uma revisão da literatura sócio-antropológica. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 47, p. 33-48, 1999.

_______________. O Demônio e os pentecostais no Brasil. In: BIRMAN, Patrícia., NOVAES, Regina., CRESPO, Samira. (Orgs). O mal à brasileira. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1997.

________________. Libertação e ética: uma análise do discurso de pentecostais que se recuperaram do alcoolismo. In: ANTONIAZZI, Alberto et al (org). Nem anjos, nem demônios. Petrópolis: Vozes, 1994.

ROLIM, Francisco Cartaxo. O que é Pentecostalismo. São Paulo: Brasiliense, 1987.

SANCHEZ, Zila Van Der Meer. As práticas religiosas atuando na recuperação de dependentes de drogas: a experiência de grupos católicos, evangélicos e espíritas. 2006. 321f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo, Instituto de Psicobiologia, São Paulo.

SMILDE, David. Razão para Crer: agência cultural no movimento evangélico latino-americano. Rio de Janeiro: Eduerj, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.