RELATO SOBRE GÊNERO E VIOLÊNCIA NA ZONA DA MATA PERNAMBUCANA: uma análise do filme Baixio das Bestas de Cláudio Assis (Brasil, 2007)

Gabriela Scotto, Gabriel Bon Rabello, Fernanda Peres Nicolini

Resumo


Para Howard Becker, romances, estatísticas, histórias, etnografias, fotografias, filmes, e qualquer outra forma pela qual pessoas tentam contar a outras pessoas o que sabem sobre sua sociedade ou alguma outra sociedade são também "relatos sobre a sociedade". No caso específico do filme (documentários ou de ficção), estamos perante uma forma audiovisual de representação da sociedade através da qual, de forma mais ou menos declarada segundo o caso, o cineasta "fala da sociedade" e propõe uma teoria sobre a sociedade ou sobre um aspecto desta. Estimulados pela proposta de Becker nos interessa neste artigo decifrar a "teoria" e alguns dos supostos sobre as relações de gênero que o filme Baixio das Bestas (Brasil, 2007), do diretor pernambucano Cláudio Assis, carrega.

PALAVRAS-CHAVE: Violência de Gênero. Cultura do Açúcar. Cinema Pernambucano.

ACCOUNTS ABOUT GENDER AND VIOLENCE IN THE PERNAMBUCO"™S ZONA DA MATA: an analysis of the film Baixio das Bestas de Cláudio Assis (Brazil, 2007)

ABSTRACT

For Howard Becker, novels, statistics, histories, ethnographies, photographs, films, and any other way in which people try to tell other people what they know about their society or some other society can be understood as "explanations about society." In the case of films (documentaries or fiction), we face an audiovisual form of representation of society through which the filmmaker seeks to "speaks of society" and proposes a "theory" about it or about one aspect of it. Encouraged by Becker's proposal we are interested in this article in deciphering the theory as well as some of the assumptions about gender relations that the film Baixio das Bestas (Brasil, 2007), directed by Claudio Assis, introduce.

KEY-WORDS: Gender Violence. Sugar-Cane Culture. Pernambuco"™s Cinema.


Palavras-chave


violência de gênero; cultura do açúcar; cinema pernambucano.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Silvana. Baixio é sobre impunidade, diz diretor. Folha de São Paulo. São Paulo, 11 de maio de 2007. Disponível em: . Acesso em 22/02/17.

BECKER, Howard. Falando da Sociedade. Ensaios sobre diferentes maneiras de representar o social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010.

BENTES, Ivana. Sertões e favelas no cinema brasileiro contemporâneo: estética e cosmética da fome. ALCEU. Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v8, No.15, pp. 242-255, jul/dez 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

DIB, André. Baixio das Bestas, um filme amargo como cachaça. Blog Overmundo. Disponível em: . Acesso em 05/02/17.

GOETHE-INSTITUT. Imagens do Açúcar. Projeto A Rapadura e o Fusca "“ Cana, Cultura, Sociedade. Disponível em: . Acesso em: 20/02/2017.

GOMES, Paula. O novo cinema de Pernambuco. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 68, pp. 58-60, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24/02/2017.

GOUVEIA, Maria Alice L. de. A construção do protagonismo feminino no cinema pernambucano na contemporaneidade. Uma análise sobre o Édipo, a perversão e a prostituição na construção do imaginário sobre a mulher pernambucana. 2009, 123 folhas. Dissertação de mestrado. Programa de Pós Graduação em Comunicação, UFPE. Recife.

MILANI, Robledo. Baixio das bestas "“ Crítica. Blog Papo de cinema. 14/05/2012 . Disponível em: . Acesso em 05/02/17.

ORICCHIO, Luiz Fernando Z. O polêmico Baixio das Bestas vence em Brasília. O Estado de São Paulo. São Paulo, 29 de Novembro de 2006. Disponível em: . Acesso 05/02/17.

PAIVA, Samuel. Do curta ao longa: relações estéticas no cinema contemporâneo de Pernambuco. In: HAMBURGER, et al (orgs.). Estudos de Cinema. São Paulo: Annablume; Fapesp; Socine, 2008.

REVISTA PIAUI (sem autor). Misoginia e sadismo na Zona da Mata. REVISTA PIAUI, Maio de 2007. Disponível em:< http://piaui.folha.uol.com.br/materia/misoginia-e-sadismo-na-zona-da-mata/> . Acesso em 05.02.17.

SAFFIOTI, H Heleieth I.B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu. Campinas, No. 16, pp.115-136, 2001.

SILVEIRA, Renato. Baixio das Bestas. Cinematório. 28 de junho de 2007. Disponível em: . Acesso em 05/02/17.

VIEIRA, Marcelo e LIMA, Érico. Baixio das bestas e Árido movie: entre a "podridão do mundo" e as perspectivas de mudanças. Significação. Revista de cultura audiovisual. Programa de Pós Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da USP. São Paulo, nº38, Ano 39, pp. 54-85, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.