ADOLESCÊNCIA E A FAMÍLIA: Desafios para uma educação sexual dos/as filhos/as

Pedro Wanderson Leite de Oliveira, Francisco Francinete Leite Junior, Francisco Arrais Nascimento

Resumo


Objetivou-se discutir o papel dos pais acerca da educação sexual dos/as filhos/as adolescentes, pais, aqui pensados não apenas pelos laços de consanguinidade, mas pela relação afetiva estabelecida no contexto doméstico, sendo esta uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório que tem como lócus uma cidade de médio porte, localizada na Região do Cariri cearense. Nesta perspectiva, foram selecionadas para a entrevista quatro pais de adolescentes (homens e mulheres), sendo eles duas mães e dois pais, com faixa etária entre 39 e 48 anos de idade, os mesmos foram selecionados a partir da técnica snowball. Acerca dos dados os mesmos foram coletados através de uma entrevista semi-estruturada. Após análise, percebeu-se que os pais não abordam com seus/suas filhos/as assuntos ligados à sexualidade, relegando a terceiros (a escola, os círculos sociais do próprio jovem, entre outros) tal função. Fazendo emergir a necessidade do diálogo aberto e construtivo entre pais e filhos no contexto familiar. Ressalta-se que os pais não apresentam abertura para o diálogo acerca de temas relacionados a sexualidade com os filhos/as adolescentes, vislumbrando a quebra de mitos e tabus, para que aconteça uma educação sexual de maneira a favorecer a construção de saberes e espaços grupais e individuais para os/as adolescentes, respeitando as diferenças e subjetividades.

PALAVRAS-CHAVES: Adolescência. Educação Sexual. Família. Sexualidade.

YOUTH AND THE FAMILY:

Challenges for the sexual education of children

ABSTRACT

The purpose of this study was to discuss the role of parents in the sexual education of youth children, parents, here thought not only by inbreeding, but by the affective relationship established in the domestic context, being a qualitative research, exploratory in nature. Has as locus a medium-sized city, located in the Cariri region of Ceará. In this perspective, four parents of adolescents (men and women) were selected for the interview. Two mothers and two fathers, aged between 39 and 48 years, were selected from the snowball technique. About the data, they were collected through a semi-structured interview. After analysis, it was noticed that parents do not approach with their/their children the subjects related to sexuality, relegating to third parties (the school, the social circles of the own youth, among others) such function. Making the need for an open and constructive dialogue between parents and children emerge in the family context. It should be emphasized that the parents do not present openness to the dialogue about themes related to sexuality with the adolescent children, looking for the breaking of myths and taboos, so that a sexual education happens in a way that favors the construction of knowledge and group spaces and individual for adolescents, respecting differences and subjectivities.

KEYWORDS: Adolescence. Sexual Education. Family. Sexuality.


Palavras-chave


Adolescência; Educação Sexual; Família; Sexualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Anete; MORUZZI, Andreia Braga. O plural da infância. São Carlos: EdUFSCar, 2010.

ALENCAR, Rúbia de Aguiar; SILVA, Lucía; SILVA, Fábio Arlindo; DINIZ, Renato Eugênio da Silva. Desenvolvimento de uma proposta de educação sexual para adolescentes. Ciência & Educação. v. 14, n. 1, p. 159-168, 2008. Disponível em: . Acesso em: 1º out. 2016.

ALMEIDA, Ana Carla Campos Hidalgo de; CENTA, Maria de Lourdes. A família e a educação sexual dos filhos: implicações para a enfermagem. Acta Paul Enferm. v. 22, n. 1, p. 71-76, 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 de setembro de 2016.

ANAMI, Letícia Figueiró; FIGUEIRÓ, Mary Neide Damico. Interação Família-Escola Na Educação Sexual: Reflexões A Partir De Um Incidente In: FIGUEIRÓ, Mary Neide Damico (org.). Educação sexual: múltiplos temas, compromisso comum. Londrina: UEL, 2009.

BALDIN, Nelma; MUNHOZ, Elzira M. Bagatin. Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. Fundo de Apoio à Pesquisa "“ FAP - Univille, Curitiba, 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2016. p. 332.

BIASOLI-ALVES, Zelia Maria Mendes. Pesquisando e intervindo com famílias de camadas diversificadas. In: ALTHOFF, C. Rinald.; ELSEN, Ingrid; NITSCHKE, Rosane Goncalves (Orgs.). Pesquisando a família: olhares contemporâneos. Florianópolis: Papa-livro, 2004.

BIÉ, Ana Paula Alexandre; DIÓGENES, Maria Albertina Rocha; MOURA, Escolástica Rejane Ferreira Planejamento familiar: o que os adolescentes sabem sobre este assunto? Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 19 (3), p. 125-130. 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria Lourdes Trassi. Psicologias: Uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Ed. Saraiva: 2002.

BRANDÃO, Eliane Reis. Iniciação sexual e afetiva: exercício da autonomia juvenil. In: HEILBORN, Maria Luiza. Família e sexualidade. Rio de Janeiro, RJ: Editora FGV, 2004.

BRASIL. [Estatuto da criança e do adolescente (1990)]. Estatuto da criança e do adolescente [recurso eletrônico]: Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata. 13. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015.

CANO, Maria Aparecida Tedeschi; FERRIANI, Maria das Graças Carvalho; GOMES, Romeu. Sexualidade na adolescência: um estudo bibliográfico. Rev. latinoam. enfermagem. Ribeirão Preto, v. 8, n. 2, p. 18-24, abril. 2000. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2015.

CHARBONNEAU, Paul-Eugène. Educação sexual: seus fundamentos e seus processos. São Paulo: Epu, 1979.

CONSTANTINO, Clarice Klann. Homoafetividade Também Frequenta a Escola, Mas Por Favor Não Assuma a Sua Homossexualidade. Anais... Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul - Reunião Científica Regional da ANPED SUL. Florianópolis, out., 2014.

COSTA, Moacir. Sexualidade na adolescência: dilemas e crescimento. 3. ed. Porto Alegre: L&Pm, 1986.

DAVIM, Rejane Marie Barbosa; GERMANO, Raimunda Medeiros; MENEZES, Rejane Millions Viana; CARLOS, Djailson José Delgado. Adolescente/ adolescência: revisão teórica sobre uma fase crítica da vida. Rev. Rene. Fortaleza. v. 10, n. 2, p. 131-140, abr./jun.2009. Disponível em: . Acesso em: 18 de nov. 2015.

DIAS, Ana Cristina Garcia; GOMES, William Barbosa. Conversas sobre sexualidade na família e gravidez na adolescência: a percepção dos pais. Estudos de Psicologia. 4(1), p. 79-106. 1999. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2016.

DRUMMOND, Marina Canal Caetano; DRUMMOND FILHO, Helio Caetano. Drogas: a busca de respostas. São Paulo: Loyola. 1998.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa. n. 114, p. 197-223, nov. 2001. Disponível em: . Acesso em: 1º set. 2016.

FLEURY, D. Gravidez na adolescência: difícil enfrentar essa barra. Revista Crescer. 18, p. 18-22. 1995.

FONSECA, Adriana Dora da; GOMES, Vera Lúcia de Oliveira; TEIXEIRA, Karina Correa. Percepção de adolescentes sobre uma ação educativa em orientação sexual realizada por acadêmicos (as) de enfermagem. Esc. Anna Nery [online]. v.14. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2015. p. 334.

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

FREUD, Sigmund. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, 1905. In: ______. Um caso de histeria e Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 163-195. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, 7).

GIL, Antônio Carlos (1946). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

GONÇALVES, Randys Caldeira; FALEIRO, José Henrique; MALAFAIA, Guilherme. Educação sexual no contexto familiar e escolar: impasses e desafios. Holos, ano 29, vol. 5, 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2016. p. 252-257.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: Características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. 270 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 256 p.

JESUS, Maria Cristina Pinto de. O significado da educação sexual na relação pais/adolescentes. Revista Bras. Enferm. Brasília, v. 52, n. 3, p. 455-468, jul./set. 1999. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2016.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1997.

LUZ, Anna Maria Hecker; BERNI, Neiva Iolanda de Oliveira. Feminino e Masculino: repercussões na saúde dos adolescentes In: RAMOS, Flávia Regina Souza; MONTICELLI, Marisa; NITSCHKE, Rosane Gonçalves (org.). Projeto Acolher: um encontro da enfermagem com o adolescente brasileiro. Brasília: Aben/ Governo Federal, 2000. p. 37-45.

MAROLA, Caroline Andreia Garrido; SANCHES, Carolina Silva Munhoz; CARDOSO, Lucila Moraes. Formação de conceitos em sexualidade na adolescência e suas influências. Psic. da Ed. São Paulo, 33, p. 95-118, 2º sem. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOIZÉS, Julieta Seixas; BUENO, Sonia Maria Villela. Compreensão sobre sexualidade e sexo nas escolas segundo professores do ensino fundamental. Revista Escola em Enfermagem. v. 44, n. 1, p. 205-212, 2010.

NUNES, César. A Educação Sexual da criança: subsídios teóricos e propostas práticas para uma abordagem da sexualidade par além da transversalidade. São Paulo: Autores Associados, 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDAL DE SAÚDE. Prevención de la transmisión sexual del Virus dela Immnodeficiencia Humana. Serie OMS sobre el SIDA, v. 6, n. 1, 1990.

OSÓRIO, Luiz Carlos. Adolescente hoje. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

OSÓRIO, Luiz Carlos. Família hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

PINTO, Heloysa Dantas de Souza. A individualidade impedida: adolescência e sexualidade no espaço escolar In: AQUINO, Julio Roberto Groppa. Sexualidade na escola: alternativas teóricas e práticas. 3. ed. São Paulo: Summus, 1997.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Relatos orais: do "indizível" ao "dizível" In: VON SIMSON, O. M. (org. e intr.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, Enciclopédia Aberta de Ciências Sociais, v.5, 1988.

RIBEIRO, Marcos. Conversando com seu filho sobre sexo. São Paulo: Editora Academia de Inteligência, 2009.

RODRIGUES JR, Oswaldo Martins. Os conflitos sexuais na adolescência. In RIBEIRO, M.

Educação sexual: novas ideias, novas conquistas. Rio de Janeiro:

Editora Rosa dos Tempos, 1993.

SANTOS, Claudiene; BRUNS, Maria Alves de Toledo. A educação sexual pede espaço: novos horizontes para a práxis pedagógica. São Paulo: Editora Omega, 2000.

SCHOEN-FERREIRA, Teresa Helena; FARIAS, Maria Aznar; SILVARES, Edwiges Ferreira de Mattos. Adolescência através dos séculos. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Abr./Jun. 2010. v. 26 n. 2, p. 227-234. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n2/a04v26n2.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2015.

TAKIUTI, Albertina Duarte. A saúde da mulher adolescente. In: MADEIRA, Felicia Reicher (Org.). Quem mandou nascer mulher? Estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro: Record, Rosa dos Tempos, 1997.

TRINDADE, Erika; BRUNS, Maria Alves de Toledo. Adolescentes e paternidade: um estudo fenomenológico. Ribeirão Preto: Holos, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.