DIVERSIDADE NA ESCOLA: gênero, sexualidades e religião a partir de "A casa dos budas ditosos", de João Ubaldo Ribeiro

Eduardo dos Santos Henrique

Resumo


Resumo

A construção social do gênero possibilita uma ampla discussão a respeito de valores, relações de poder, igualdade e justiça entre homens e mulheres. O ambiente escolar pode se configurar em um poderoso meio para a promoção de Direitos Humanos, com ações afirmativas na conscientização de sujeitos quanto à importância do combate ao machismo, sexismo, heterossexismo e homofobia, além de outras violências e preconceitos que envolvem gênero e sexualidade. Em sala de aula, ao realizar uma análise de uma obra literária, novas perspectivas podem ser dadas a temáticas extensamente reproduzidas na sociedade. A partir de análise documental da obra "A casa dos budas ditosos", de João Ubaldo Ribeiro, levando em consideração aspectos não apenas literários, mas envolvendo as categorias gênero, sexualidades e religião, espera-se contribuir para que a escola possa formar cidadãs/ãos/ães preparadas/os/es para conviver com múltiplos valores e referências e preocupadas/os em compor uma sociedade mais justa e igualitária.

Palavras-chave: Literatura. Gênero. Sexualidades. Religião. Educação.

DIVERSITY IN SCHOOL: gender, sexualities and religion from "House of the fortunate buddhas", by João Ubaldo Ribeiro

Abstract

The social gender construction enables a wide-ranging discussion about values, power relations, equality and justice between men and women. The school environment may be configured as a powerful mean for the promotion of human rights, with affirmative actions in the awareness raising of subjects regarding the importance of fighting machismo, sexism, heterosexism and homophobia, in addition to other violences and preconceptions that surround gender and sexuality. In classroom, by carrying out an analysis of a literature work, new perspectives may be given to themes widely reproduced in society. Based on documental analysis of the work "House of the fortunate buddhas", by João Ubaldo Ribeiro, considering not only literary aspects, but also articulating gender, sexualities and religion, it is intended to contribute in order to make the school capable of forming citizens prepared to coexist with multiple values and references and concerned about composing a more egalitarian and fairer society.

Key-words: Literature. Gender. Sexualities. Religion. Education.

Palavras-chave


Literatura, Gênero, Sexualidades, Religião, Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Lourdes; BATISTA, Analía Soria. Preconceito e discriminação como expressões de violência. In: Estudos Feministas, v. 10, n. 1, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100007/8767. Acesso em: 27 out. 2016.

COSTA, Marcos Roberto Nunes da. SILVA, Leila Rúbia da Costa. Os "Sete Pecados Capitais", segundo Tomás de Aquino. In: Ágora Filosófica, v. 1, n. 1, 2007. Disponível em: http://www.unicap.br/revistas/agora/arquivo/artigo%209.pdf. Acesso em: 07 nov. 2016.

FOUCAULT, Michel. Sobre a história da sexualidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 4. ed. Rio de Janeiro, Graal, 1984. cap. 16, p. 243-276.

GARCIA, Olga Regina Zigelli. GROSSI, Mirian Pillar. Sexualidades femininas e prazer sexual: uma abordagem de gênero. In: LAGO, Mara Coelho de Souza. Et al. Especialização em Gênero e Diversidade na Escola. Livro III, Módulo III. Tubarão: Ed. Copiart, 2015.

GUALBERTO, Ana Claudia F. Hilda Hilst e João Ubaldo Ribeiro: a luxúria transcrita sob um olhar de gênero. In: Revista Ártemis, n. 3, 2005. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/view/2202/1941. Acesso em: 12 set. 2016.

HENRIQUE, Eduardo dos Santos. Pelo buraco da fechadura: gênero, sexualidades e religião em "A casa dos budas ditosos", de João Ubaldo Ribeiro. 2016, 38 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Gênero e Diversidade na Escola) "“ Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. In: Pro-Posições, v. 19, n. 2, p. 17-23, 2008. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643470. Acesso em: 15 nov. 2016.

MARANHÃO Fº, Eduardo Meinberg de Albuquerque. "Uma Igreja dos Direitos Humanos" onde "promíscuo é o indivíduo que faz mais sexo que o invejoso e inveja é pecado": Notas sobre a identidade religiosa da Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM). In: Mandrágora, SBC, v.21. n. 2, p. 5-37, 2015. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/article/view/5979/5060. Acesso em: 08 nov. 2016.

______. (Re/des)conectando gênero e religião: peregrinações e conversões trans* e ex-trans* em narrativas orais e do Facebook. 2014, 794 f. Tese (Doutorado em História Social) "“ Universidade de São Paulo, Programa de Pós Graduação em História Social, São Paulo.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. In: GROSSI, Mirian Pillar. Et al. Especialização em Gênero e Diversidade na Escola. Livro I, Módulo I. Florianópolis: Instituto de Estudos de Gênero/Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFSC, 2015.

RIBEIRO, João Ubaldo. A casa dos budas ditosos: luxúria. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

SARAIVA, Juracy Assman. Por que e como ler textos literários. In: SARAIVA, Juracy Assman. MÃœGGE, Ernani (et al). Literatura na escola: propostas para o ensino fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2006.

WOLFF, Cristina Scheibe. SILVA, Janine Gomes da. Gênero: um conceito importante para compreender o mundo social. In: GROSSI, Mirian Pillar. Et al. Especialização em Gênero e Diversidade na Escola. Livro I, Módulo I. Florianópolis: Instituto de Estudos de Gênero/Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFSC, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.