DIÁLOGOS SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADES COM ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Thaysa Zubek Valente, Arthur Leonardo Costa Novo

Resumo


Esse trabalho analisa as concepções de gênero e sexualidade expressadas por estudantes em atividades de um projeto de extensão. O projeto objetivou promover o diálogo sobre esses temas com estudantes de Ensino Médio e Fundamental. Para esta reflexão, escolhemos analisar um grupo de estudantes que participou de cinco encontros organizados a partir das seguintes temáticas: “Gênero e Cotidiano”; “Lugares sociais (im)possíveis a homens, mulheres e sujeitos que não correspondem aos padrões heteronormativos – a questão da identidade/expressão de gênero”; “Violências de gênero – as lutas pelo respeito e garantia da manifestação da diversidade sexual”; “Sexualidade, prevenção a ISTs e gravidez precoce”. Analisando os discursos que emergiram nesses encontros, observamos que muitos estudantes possuem concepções sobre gênero e diversidade que são heteronormativas, mas há também o movimento de questioná-las. O diálogo se mostrou estratégia fundamental para a efetivação de trocas e reflexões a respeito de vivências dos estudantes e das problemáticas que envolvem desigualdade de gênero e práticas de violência.

 

This article analyze conceptions about gender and sexuality expressed by students on the activities of an educational extension project. The project was based on dialogues over this themes with High School and Elementary School. For the present reflection, one group of students was chosen; they participated in five meetings, which posed the following themes: "Gender and Daily Life"; "(Im)possible social positions for men, women and individuals that do not correspond to heteronormative patterns – the question of gender identity / expression"; "Gender-based violence – the struggle for respect and the assurance of sexual diversity in its manifestations"; "Sexuality, prevention of STIs and early pregnancy". Analyzing the discourses that emerged on this meetings, we noted that many students have heteronormatives conceptions about gender and sexuality, but there is also a movement to question them. The dialogue was a fundamental strategy to effectuation of exchanges and reflections about their personal experiences and about problems that envolved gender inequality and violent practices.


Palavras-chave


Gênero; Sexualidades; Diversidade; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. V. Gênero, masculinidade e poder: Revendo um caso do Sul de Portugal. Anuário Antropológico 95, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.1996. Disponível em: . Acesso em 24 de fevereiro de 2017.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n. 19, v. 2, p. 549-559, maio/ago 2011a. Disponível em: . Acesso em 29 de junho de 2015.

__________. Politizar o abjeto: dos femininos aos feminismos. In: MEDRADO, B.; GALINDO, W. (Orgs.). Psicologia Social e seus movimentos: 30 anos de ABRAPSO. 1ª ed. Recife: ABRAPSO, Ed. Universitária da UFPE, 2011b. p. 357-371.

BUTLER, J. Problemas de gênero – Feminismo e subversão da identidade. Ed. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2003.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. O trabalho do antropólogo. Brasília/São Paulo: Paralelo Quinze/Editora da Unesp, 1998.

CARRARA, S. (Org., et al.). Curso de Especialização em Gênero e Sexualidade. v.3. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília, DF. Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2010.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GRAUPE, M.; BRAGAGNOLLO, R. As Diferenças de Gênero no Espaço Escolar. Florianópolis: Instituto de Estudos de Gênero / Departamento de Antropologia / Centro de Filosofia e Ciências Humanas / UFSC, 2015. Livro didático.

GROSSI, M. P. Identidade de Gênero e Sexualidade. Antropologia em Primeira Mão. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFSC. Florianópolis, 1998. Disponível em: . Acesso em 9 de agosto de 2016.

GROSSI, M. P.; UZIEL, A. P.; MELLO, L. (Orgs.) Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

JUNQUEIRA, R. D. Pedagogia do armário e currículo em ação: heteronormatividade, heterossexismo e homofobia no cotidiano escolar. In: MISKOLCI, Richard. (Org.). Discursos fora de ordem: deslocamentos, reinvenções e direitos. São Paulo: Annablume, 2012.

LIONÇO, T.; DINIZ, D. Homofobia, silêncio e naturalização: por uma narrativa da diversidade sexual. Rev. psicol. polít. [online]. 2008, v.8, n.16, p. 307-324. Disponível em: . Acesso em: 23 de junho de 2017.

LOURO, G. L. A construção escolar das diferenças. In: _____________. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes, 1997. Capítulo 3. p. 57-87. Disponível em: . Acesso em 07 de junho de 2016.

______. Corpo, escola e identidade. Educação & Realidade, n. 2, v. 25, p. 59-75, 2000. Disponível em: . Acesso em 29 de junho de 2015.

______. “Estranhar” o currículo. In: ______. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 55-73.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

NICHOLSON, L. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis-SC, v. 8, n. 2, p. 9-41, 2000. Disponível em: . Acesso em 29 de novembro de 2016.

PERROT, M. Os silêncios do corpo da mulher. In: SOIHET, R.; MATOS, M. I. (Orgs.). O corpo feminino em debate. São Paulo: Editora UNESP 2003. p. 13-27. Disponível em: . Acesso em 24 de fevereiro de 2017.

RAGO, M. Foucault e as artes de viver do anarco-feminismo. s/d. Disponível em: . Acesso em 24 de fevereiro de 2017.

RIBEIRO, J. S. B. Brincadeiras de meninas e de meninos: socialização, sexualidade e gênero entre crianças e a construção social das diferenças. Cadernos Pagu, n. 26, janeiro-junho 2006, p.145-168. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/cpa/n26/30389.pdf>. Acesso em 24 de fevereiro de 2017.

RUBIN, G. O tráfico de mulheres. Notas sobre a ‘Economia Política’ do sexo. Recife: SOS Corpo, 1993. Disponível em: . Acesso em 9 de agosto de 2016.

SCHAUN, A.; SCHWARTZ, R. O corpo feminino na publicidade: aspectos históricos e atuais. s/d. Disponível em: . Acesso em 24 de fevereiro de 2017.

SILVA, H. A situação etnográfica: andar e ver. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 15, n. 32, p. 171-188, dez. 2009.

TONELI, M. J. F.; AMARAL, M. S. Gênero, sexo e corpo travesti: abjeções e devires. In: MEDRADO, B.; GALINDO, W. (Orgs.). Psicologia Social e seus movimentos: 30 anos de ABRAPSO. 1ª ed. Recife: ABRAPSO: Ed. Universitária da UFPE, 2011. p. 339-355.

VENCATO, A. P. Diferenças na escola. In: MISKOLCI, R; LEITE JÚNIOR, J. (Orgs.). Diferenças na Educação: outros aprendizados. São Carlos: EdUFSCar, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.