O Movimento Negro (1940-50) e a emergência do debate político sobre legislação antirrac

Cinhia Casisia Catoia

Resumo


Este artigo analisa as demandas e estratégias mobilizadas pelo movimento negro nas décadas de 1940 e 1950 e aponta como essa luta teve centralidade para a emergência de um debate político sobre a importância de uma legislação antirracismo no Brasil, tema ainda pouco explorado pela literatura. O artigo propõe, ainda, uma reflexão sobre como o movimento negro, ao problematizar as relações étnico-raciais brasileiras e denunciar o racismo apontou, já naquele momento, os limites do projeto político brasileiro, sintetizado na figura do ‘mestiço’, que afirmava a nação brasileira como uma democracia racial. Para as reflexões propostas, privilegiamos a revisão da literatura sobre o movimento negro brasileiro, a análise de periódicos da imprensa negra, das décadas de 1940-50, e a análise dos debates da Convenção Nacional do Negro(1945), da Conferência Nacional do Negro(1949) e I Congresso brasileiro do Negro (1950). Cabe apontar que, por meio de um amplo debate, o movimento negro trouxe para o espaço público demandas e propostas que, no diálogo com o Estado, explicitaram uma luta por conquista de direitos, assentada na criação de leis e políticas de caráter promocional, educativo-pedagógico e coercitivo, como estratégia para neutralizar os efeitos da desigualdade racial e desconstruir preconceitos, estereótipos e discursos que cotidianamente (re)produzem e legitimam o racismo. Uma luta política que possibilitou, ao mesmo tempo, tensionar o lugar subalterno da população negra e disputar os sentidos da nação e da identidade dos sujeitos negros.
Palavras-chave: Movimento Negro. Racismo. Democracia Racial. Legislação Antirracismo;

Abstract
This article analyses a subject that has not been given much of attention so far: the demands and the strategies mobilized by 40’s and 50’s Black Movement, pointing out the way the central place this political fight took part for the emergency of political 

debate on the importance of Brazilian anti-racism laws. In addition, this article proposes a critical consideration about how the Black Movement pointed out the limits of the Brazilian political project, which was centered in the figure of the "mestizo" (mestizo), preached the so-called racial democracy by questioning the Brazilian ethnic-racial relationships and reporting racism. In order to promote these considerations, we gave priority to the reviewing literature about the Brazilian Black Movement, the analysis of 40’s and 50’s black press and the analysis of debates occurred in three events: National Convention of Black People (1945), National Conference of Black People (1949) and the First Brazilian Congress of Black People (1950). We highlight that, designed under a wide debate, the Black Movement brought some proposals and demands to the public arena. Considering the dialogue with the State, those requests were able to set out a battle seeking for rights based on the creation of laws and policies with promotional, educative and coercive characteristics. Their strategies were focused on neutralizing the effects of racial inequality and breaking down prejudices, stereotypes, and speeches that (re)produced and legitimated racism daily. This political struggle allowed to stress the subalternplace occupied by the black people as well as to put in dispute the senses of nation and the black people identity. Keywords: Black Movement. Racism. Racial Democracy. Anti- racism legislation


Palavras-chave


Movimento Negro. Racismo. Democracia Racial. Legislação Antirracismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREWS, G. R. O protesto político negro em São Paulo (1888-1988). Estudos Afro- Asiáticos, n. 21, Rio de Janeiro, 1991.

BENTO, M. A. Branqueamento e branquitude no Brasil In: Psicologia social do racismo- estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil / Iray Carone, Maria Aparecida Silva Bento (Organizadoras) Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CAMPOS, W. O Direito, ideologia e política: o processo de elaboração da Lei Afonso Arinos (1951), VI Congresso Internacional de História, setembro, 2013.

COSTA, S. A mestiçagem e seus contrários - etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo. Tempo Social Revista de Sociologia da USP, S. Paulo, 13(1): 143-158,de 2001.

DOMINGUES, P. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Niterói: Revista Tempo. vol.12. nº. 23, 2007.

FLAUZINA, A. L. O corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro, 145p. Dissertação (mestrado) – Pós-graduação em Direito da Universidade de Brasília, 2006.

FREYRE, G. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2006.

GONZALEZ, L.O movimento negro na última década. In: Lugar de negro, Lélia Gonzalez e Carlos Hasenbalg (orgs.), Rio de Janeiro, Editora Marcozero, 1982.

GRIN, M; MAIO, C. M. O antirracismo da ordem no pensamento de Afonso Arinos de Melo Franco. Topoi (Rio J.) vol.14 no.26 Rio de Janeiro Jan./Junho 2013. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-101X2013000100033. Acessado em 10/09/2015.

GUIMARÃES, A.S. A República de 1889: utopia de branco, medo de preto (a liberdade é negra; a igualdade branca e a fraternidade, mestiça). Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, Departamento e Programa de Pós-Graduação em Sociologia, 2011, n. 2, p. 17-36.

HALL, S. As culturas nacionais como comunidades imaginadas. In: A identidade cultural na pós-modernidade. SP: DP&A Editora, 2003.

HASENBALG, Carlos A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979. 1ª ed. Brasília, 2008.

LEWIS, L. Raça e uma nova forma de analisar o imaginário da nossa comunidade nação: Da miscigenação freyreana ao dualismo fanoniano. Dossiê Diálogos do Sul. In: Civitas, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p. e1-e10, jan.-abr. 2014. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/viewFile/16939/10963. Acesso 10/10/2015.

MACHADO, I.J.R. Mestiçagem arqueológica. Estudos Afro-Asiáticos, v. 24, n. 2, 2002.

MEDEIROS, P. M. O descentramento e a desracialização do nacional: Estado, relações étnico-raciais e ações afirmativas no Brasil. 233p. Tese (Doutorado) – Departamento de Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

MOREIRA, N. R. O Feminismo Negro Brasileiro: Um Estudo do Movimento de Mulheres Negras no Rio de Janeiro e São Paulo, 2007. (Dissertação) Programa de Pós-graduação do Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

MOURA, C. F. S. O Teatro Experimental do Negro – Estudo da personagem negra em duas peças encenadas (1947-1951), 2008, p.183 (Dissertação) Programa de Pós-Graduação em Artes. Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (UNESP)

MOYA, T. S. Ação Afirmativa e Raça no Brasil: Uma análise de Enquadramento Midiático do Debate Político Contemporâneo sobre a redefinição Simbólica da Nação, 199p. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009.

NASCIMENTO, A. O Genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. (prefácio de Florestan Fernandes; prefácio à edição nigeriana de Wole Soyinka). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

________________ Teatro Experimental do Negro: trajetórias e reflexões; Estudos avançados. vol.18 n.º50 São Paulo Jan./Apr. 2004. In: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010340142004000100019&script=sci_arttext. Acesso 09/11/2015.

RUFINO, J. S. Movimento negro e crise brasileira, Atrás do muro da noite; dinâmica das culturas afro-brasileiras, Joel Rufino dos Santos e Wilson do Nascimento Barbosa, Brasília, Ministério da Cultura/Fundação Cultural Palmares, 1994.

SANTOS, H. Uma Avaliação do combate às desigualdades Raciais no Brasil. In: GUIMARÃES A. S. HUNTLEY. (Org) Tirando as máscaras: Ensaios sobre o Racismo no Brasil: São Paulo Paz e Terra, 2000.

SEYFERTH, G. Colonização, imigração e questão racial no Brasil. REVISTA USP, São Paulo, n.53, p. 117-149, março/, 2002.

SCHWARCZ, L. Questão racial e etnicidade. O que ler na ciência social brasileira (1970-1995), vol. 1 antropologia. Editora Sumaré, 1999.

SILVA, J. Vozes Soantes no Rio de Janeiro, São Paulo e Florianópolis: mulheres negras no pós 1945. Revista da ABPN v. 1, n. 1 - mar-jun de 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.