A ETNOGRAFIA E A POSSIBILIDADE DE ENCONTRAR-SE (OU PERDER-SE?) COMO PESSOA

João Simões Cardoso Filho

Resumo


Quando refletimos sobre o método etnográfico, pensamos logo no outro, naquela pessoa que pertence a outro contexto coletivo e cultural; ou àquela outra etnia tão diferente da nossa. O desejo de entender o humano, e uma possível humanidade, levou muitos cientistas sociais, a saírem de seu próprio contexto ou padrão cultural para conhecer e se adaptar a outros valores. Muitos críticos deste método focaram inclusive nas influências que este contato acadêmico poderia provocar nas populações estudadas. No entanto, o presente texto quer enfocar as consequências da etnografia enquanto método na vida pessoal do estudioso; e como isto vai abrir um novo olhar sobre sua própria cultura e sua compreensão da vida.

 

When we reflect on the ethnographic method, we immediately think of the other person, who belongs to another collective and cultural context; Or to that other ethnicity so different from our own. The desire to understand the human, and a possible humanity, has led many social scientists, to leave their own context or cultural pattern to know and adapt to other values. Many critics of this method have even focused on the influences that this academic contact could have on the populations studied. However, the present text focuses on the consequences of ethnography as a method in the scholar's personal life; and how it will open up a fresh look at your own culture and the understanding of life.


Palavras-chave


Ensino-aprendizagem; Padrão Cultural; História de Vida

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A., 1983.

____________. Distinction. A social critique of the judgement of taste. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1984.

BUBER, Martin. Eu e Tu. Tradução de Newton Aquiles Von Zuben. São Paulo: Centauro, 2003.

CARDOSO FILHO, João Simões. Uma rosa à Iemanjá: uma análise antropológica da Associação dos Amigos de Iemanjá - Belém/Pará. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 1999.

CASTANEDA, Carlos. O presente da águia. Rio de Janeiro: Record, 1997.

DURKHEIM, Émile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1952.

FRY, Peter. Gallus Africanus Est, ou como Roger Bastide se tornou africano no Brasil. In: SIMSON, Olga R. de Moraes von (Org.). Revisitando a terra de contrastes: a atualidade da obra de Roger Bastide. São Paulo: FFLCH, CERU, 1986. p. 31-45.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

JUNG, C.G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 1976.

LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 1993.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento Selvagem. Campinas: Editora Papirus, 1977.

MALINOWSKI, Bronislaw K. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção “Os Pensadores”).

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-filosóficos. São Paulo: Boi tempo, 2004.

MORIN, Edgar. O método: 5. A humanidade da humanidade. A identidade humana. Porto Alegre: Meridional, 2002.

NIMUENDAJÚ, Curt. Etnografia e indigenismo: sobre os Kaingang, os Ofaié-Xavante e os índios do Pará. Campinas: Unicamp, 1993.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O índio e o mundo dos brancos: uma interpretação sociológica da situação dos Tukúna. São Paulo: Pioneira, 1972.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1997.

SOUZA, Maurício Rodrigues de. Por uma educação antropológica: comparando as ideias de Bronislaw Malinowski e Paulo Freire. Revista Brasileira de Educação. v. 11, n. 33, p. 487-564, set./dez. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.