A PRÁTICA DO ENSINO DE SOCIOLOGIA EM FRANCISCO BELTRÃO/PR: o que é ensinado?

Denise Aparecida Lenzi

Resumo


O artigo apresenta parte do resultado da pesquisa realizada na ocasião do Mestrado em Educação, sobre o ensino de Sociologia no nível médio. A intenção de nosso estudo foi no sentido de avançar as discussões acerca das categorias “o que ensinar”, “como ensinar” e “para que ensinar” a Sociologia, compreendidas, muitas vezes, como algo abstrato. Todavia, para este artigo, abordamos sobre o “que ensinar”, sobre a questão dos conteúdos trabalhados em sala de aula pelos professores que ministram a disciplina nos Colégios da rede pública de ensino de Francisco Beltrão. Remetemo-nos a Saviani (2012b) para reforçar a importância de uma prática docente que toma a prioridade do conteúdo como fundamental e não como uma farsa. Nossa análise objetiva cotejar as práticas dos docentes da disciplina de Sociologia com as Diretrizes Curriculares Estaduais - DCE - estabelecidas. Analisamos os dados a partir dos pressupostos do materialismo histórico dialético, opção teórico-metodológica que possibilitou a reflexão crítica sobre o objeto de pesquisa. Os resultados apontam para o consenso existente entre os docentes sobre o que ensinar - mostrando a importância das DCE e também da Pedagogia Histórico Crítica no Estado - e exprimem as lutas que se travam no campo pedagógico pela disputa hegemônica entre as teorias.

 

 

This paper presents part of the result of a research carried out in order to earn the Master’s in Education degree focusing on the teaching of Sociology at the secondary level. The purpose of this study is to foster the discussions about the categories "what to teach", "how to teach" and "why to teach" Sociology, often understood as something abstract. However, as for this article, we address the "what to teach" category, about the contents being worked on in the classroom by teachers who teach in the public schools of Francisco Beltrão. We refer to Saviani (2012b) to reinforce the importance of a teaching practice that takes content priority as fundamental and not as a scam. Our analysis aims at comparing the practices of the teachers of Sociology with the established State Curricular Guidelines (DCE). We have analyzed the data from the assumptions of dialectical historical materialism, a theoretical and methodological option that enabled the critical reflection on the object of research. The results point to the existing consensus among teachers about what to teach - showing the importance of DCE and also of Critical Historical Pedagogy in the State - and express the struggles that are held in the pedagogical field by the hegemonic dispute between theories.

 

Palavras-chave


Ensino. Prática docente. Sociologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Francisca Rosânia Ferreira de. Tornar-se professor de Sociologia no Ensino Médio: identidade em construção. Fortaleza: UFCE, 2013, 113f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE. 2013.

BACZINSKI, Alexandra Vanessa de Moura. A Pedagogia Histórico-crítica e o Currículo Básico para a Escola Pública do Paraná – 1990. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 216-226, dez. 2013. Entrevista concedida a Paulino José Orso, Elza Margarida de Mendonça Peixoto e Maria de Fátima Rodrigues Pereira.

BODART, Cristiano das Neves; CIGALES, Marcelo Pinheiro. Ensino de Sociologia no Brasil (1993-2015): um estado da arte na pós-graduação. Revista de Ciências Sociais, Ceará, v. 48, n. 2, 2017.

BRASIL, MEC. Guia de livros didáticos PNLD 2015 Sociologia: ensino médio. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2014. Disponível em www.fnde.gov.br/arquivos/category/125-guias?download=9011...2015-sociologia > Acesso em 28 ago. 2015.

BRASIL, MEC. Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. 2006. Disponível em Acesso em 28 ago. 2015.

CARIDÁ, Ana Carolina Bordini Brabo. Sociologia no Ensino Médio: diretrizes curriculares e trabalho docente. Florianópolis: UFSC, 2014, 145f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC. 2014.

DUARTE, Newton. Os conteúdos escolares e a ressureição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

FERNANDES, Florestan. O Desafio Educacional. São Paulo: Cortez Editora/Autores Associados, 1989.

FLORÊNCIO, Maria Amélia. O ensino da sociologia no nível médio e as contradições institucionais de sua obrigatoriedade. Maceió: UFAL, 2011, 107f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL. 2011.

HANDFAS, Anita; MAÇAIRA, Julia Polessa; FRAGA, Alexandre Barbosa (Org.). Conhecimento escolar e ensino de Sociologia: instituições, práticas e percepções. 1. ed. - Rio de janeiro: 7 Letras, 2015.

MASCARENHAS, Alexandra. As representações dos professores e estudantes sobre a sociologia no ensino médio: Investigando as comunidades virtuais do Orkut. Pelotas: UFPel, 2012, 131f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS. 2012.

MEUCCI, Simone. A institucionalização da sociologia no Brasil: os primeiros manuais e cursos. Campinas; UNICAMP, 2000, 158f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, SP. 2000.

MEKSENAS, Paulo. O ensino de Sociologia na Escola Secundária. In: Grupo de Pesquisa em Sociologia da Educação. Leituras & Imagens. Florianópolis: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, 1995. p. 67-79

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005. 312 p.

NOSELLA, Paolo. A escola de Gramsci. – 4ª ed. – São Paulo: Cortez, 2010.

PARANÁ, SEED. Diretrizes Curriculares da Educação Básica - Sociologia. 2008. Disponível em Acesso 05 fev. 2015.

PARANÁ, SEED. Sociologia/ vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2007. 2ª edição. – 266 p. Disponível em Acesso em 28 ago. 2015.

PASQUALOTTO, Lucielle Cristina. Capitalismo e Educação. In: Faz Ciência: Revista de Ciências Humanas e Ciências Sociais Aplicadas/ Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Campus de Francisco Beltrão. Vol 08, nº 01, Francisco Beltrão:UNIOESTE, 2006. p. 325-342.

RAMOS, Marise Nogueira. Fundamentos e metodologias do ensino de sociologia na educação básica. In: HANDIFAS, A.; OLIVEIRA, L. F. (Org.). A Sociologia vai à Escola: História, Ensino e Docência. Rio de Janeiro: Quartet; FAPERJ, 2009, 63-91.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. 42. ed. - Campinas, SP: Autores Associados, 2012b.

_____________. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11.ed.rev – Campinas, SP: Autores Associados, 2013b.

SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli. A sociologia no ensino médio: os desafios institucionais e epistemológicos para a consolidação da disciplina. Cronos (Natal-RN), v.8, n.2, p. 403-427, jul/dez, 2007.

_______________. Das fronteiras entre ciência e educação escolar: As configurações do ensino das ciências sociais/ sociologia no estado do Paraná (1970-2002). São Paulo: USP, 2006, 311f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. 2006.

TONET, Ivo. A educação numa encruzilhada. In: TONET, Ivo. Educação contra o capital. Maceió: EDUFAL, 2007. 93p.

______________. Atividades educativas emancipadoras. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p. 9-23, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2016.

ZANARDI, Gabriel. A reintrodução da sociologia nas escolas públicas: Caminhos e ciladas para o trabalho docente. Araraquara: UNESP, 2009, 137f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.