ESCALADA DA CONSAGRAÇÃO E DISPUTA PELA MEMÓRIA: Itinerário político e homenagens a Maria Aragão a partir da redemocratização

Marcelo Fontenelle e Silva

Resumo


Este artigo analisa como um determinado agente (Maria Aragão) chegou a se constituir em um dos eixos de disputa pela reconstrução do passado recente no Maranhão, em especial a partir do início da abertura e transição democrática. Para isto, destaca-se primeiramente a relação de Maria Aragão com as disputas políticas ocorridas no período, com ênfase para a maior ocupação dos espaços institucionais por parte de agentes que se reivindicavam como herdeiros da luta contra a ditadura. Em seguida, analisa-se homenagens dirigidas a Maria, entre sua saída da prisão (em 1978) e sua morte (em 1991), com ênfase para a forma como a própria encarava tais homenagens, como ela caracterizava a si própria e era caracterizada por terceiros.

 

This article analyze how an agent (Maria Aragão) cames to constitute itself as one of the areas of dispute of reconstruction of recent past in Maranhão, especially after the beginning of democratic openness and transition. At first, we demonstrate the relation between Maria Aragão and the political disputes that occurred in that period, emphasizing the larger occupation of institutional spaces by agents identified as heirs of the fight against dictatorship. Then, its analyzed the homages to Maria, between the day she got out of prison (in 1978) and her death (in 1991), emphasizing the way how she faced such honors, how she characterized herself and was characterized by others.

 


Palavras-chave


redemocratização; consagração; memória; autobiografia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. H. M. Estado e Oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis: Vozes, 1984.

ARAGÃO, M. Depoimento autobiográfico. In.: ANTONIO FRANCISCO. A razão de uma vida (Depoimentos de Maria Aragão colhidos por Antonio Francisco). SIOM. São Luís, 1992.

___________. Depoimento autobiográfico. In.: MOREIRA NETO, E. Maria por Maria ou a Saga da Besta-Fera nos Porões do Cárcere e da Ditadura. São Luís, Engenho, 2015. Disponível em: http://www.secti.ma.gov.br/files/2015/12/Maria-por-Maria-Com-Capa.pdf Acesso em: 18/08?2015.

___________. Depoimento autobiográfico. In.: SALGADO, A. Maria Aragão. 78 anos de vida, 43 de luta (publicação em homenagem ao seu aniversário de 78 anos). São Luís, Maranhão, 10 de fevereiro de 1988.

ARANTES, P. 1964, o ano que não terminou. In.: Edson Teles e Vladimir Safatle (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

ARAÚJO, E. Não deixe o samba morrer: um estudo histórico e etnográfico sobre o carnaval de São Luís e a escola Favela do Samba. São Luís: Edições UFMA/PREXAE/DAC, 2001.

ARAÚJO, M. A. P. Maria Aragão: uma mulher e suas paixões em busca de uma sociedade igualitária. São Luís, EDUFMA, 2014.

___________. Maria Aragão: uma mulher e suas paixões em busca de uma sociedade igualitária. São Luís, EDUFMA, 2014. Resenha de SILVA, M, F. e BORGES, A. S. Maria Aragão e suas muitas faces. Revista Interdisciplinar de Cultura e Sociedade (RICS), vol. 2, 2016.

AZEVEDO, E. Uma subversiva no fio da história. Vias de Fato. São Luís, 2016.

BORGES, A. S. PT Maranhão1980-19992: origens, organização e governos municipais. São Luís: EDUFMA, 2008.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M.; AMADO, J. Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro. FGV, 2006.

BOURDIEU, P. A representação política. Elementos para uma teoria do campo político. In: BOURDIEU, P. O Poder Simbólico, 15º Ed., Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2011c.

CORADINI, O. L. Panteões, iconoclastas e as Ciências Sociais. In: ELMIR, C. P.; JÚNIOR, S. & SILVA JR., A. L. (orgs.). Mitos & heróis: construção de imaginários. Porto Alegre: UFRGS, 1998.

COSTA, I. C. G. Uma rede prestista: diversos fios dos “filhos” da Carta aos Comunistas no PDT. Nº9, ano 7, Perseu Abramo, 2013.

DULONG, D. Mourir en politique: le discours des éloges funèbres. Revue Française de Science Politique, Paris, v. 44, n. 4, p. 629-646, 1994. Disponível em: http://www.persee.fr/doc/rfsp_0035-2950_1994_num_44_4_396232 Acesso em: 20.set.2015.

EDNÍLSO, C. ALAN, C. Verbete: Haroldo Sabóia. In.: ABREU, A. BELOCH, I. LATTMAN-WELTAN, F. & LAMARÃO, S. Dicionário histórico-biográfico brasileiro pós-30. 2º ed. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

GRILL, I. G. “Ismos”, “ícones” e intérpretes: as lógicas das “etiquetagens” na política de dois estados brasileiros (MA e RS). Rev. Sociologia e Política, Curitiba, v. 20, n 43, p. 193-220, 2012b.

GROPPO, B. Amnésia, repressões, mitos: como se conta o passado após uma ditadura. In: ZHACHARIADHES, G. C. (Org.). 1964: 50 anos depois – a ditadura em debate. Aracaju: EDISE, 2015a.

GROPPO, B. O mito da sociedade como vítima: as sociedades pós-ditatoriais em face de seu passado na Europa e na América Latina. In.: QUADRAT, S. V. e ROLLEMBERG, D. (Orgs.). História e memória das ditaduras de século XX. Volume I. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015b.

LAHIRE, B. Sociología y autobiografía. Revista de Antropología Social, 13, págs. 37-47, 2004.

MOREIRA NETO, E. Maria e eu (depoimento pessoal). In.: MOREIRA NETO, E. Maria por Maria ou a Saga da Besta-Fera nos Porões do Cárcere e da Ditadura. São Luís, Engenho, 2015.

NAPOLITANO, M. 1964: História do regime militar brasileiro. 1. Ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2015.

PANDOLFI, D. C. Camaradas e companheiros: memória e história do PCB. Rio de Janeiro: Relumé-Dumará: Fundação Roberto Marinho, 1995.

POLLAK, M. Memória e Identidade. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, Vol 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

PRESTES, Luiz Carlos. Carta aos comunistas. São Paulo: Alfa-Omega, 1980. Disponível em: . Acesso em: 18/06/2016

REIS FILHO, D. A. Ditadura no Brasil: uma incômoda e contraditória memória. In.: Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014a.

REIS FILHO, D. A. Luís Carlos Prestes: um revolucionário entre dois mundos. 1ª Edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2014b.

SILVA, M. F. A besta-fera vai ao paraíso: uma análise da construção da memória e identidade pública da médica e comunista maranhense Maria Aragão. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais/CCH, Universidade Federal do Maranhão, 2017.

TELES, E. SAFATLE, V (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.