A POLÍCIA COMUNITÁRIA NO ESTADO DE GUERRERO NO MÉXICO: um movimento social na área da segurança pública

Eduardo Emiliano Zapata Gonzalez, Alcir Serudo Marinho Júnior

Resumo


O presente artigo é um estudo bibliográfico-documental que trata do surgimento da Polícia Comunitária, como movimento social na área de segurança pública, nas comunidades indígenas do Estado de Guerrero no México e como evoluiu até se tornar o Sistema Comunitário de Segurança, Justiça e Reeducação. De igual forma, se expõem alguns dos princípios deste Sistema Comunitário e como a legislação do México, em particular a do Estado de Guerrero, foi modificada até reconhecer plenamente esse meio alternativo de prover segurança e justiça.

 

 

This article  is a documentary bibliographical study that talks about the genesis of the Community Police as a social movement in the area of public safety in the indigenous communities of the State of Guerrero in Mexico and how it evolved to form the Community System of Security, Justice and Reeducation. Besides, it is revealed some of the principles of this Community System and how the law of Mexico, in particular at the State of Guerrero, was modified until fully recognizing this alternative way to provide security and justice.


Palavras-chave


polícia comunitária; povos indígenas; sistema comunitário de segurança

Texto completo:

PDF

Referências


BARIÉ, C. G. Derecho indígena y medios alternativos de resolución de conflictos. URVIO - Revista Latinoamericana De Estudios De Seguridad, v. 3, p. 110-118, 2014. ISSN 1390-3691. Disponível em: «https://goo.gl/PLuQAW». Acesso em: 24 jan. 2018.

CNDH. Informe especial sobre los grupos de autodefensa y la seguridad pública en el Estado de Guerrero. México, D.F.: Comisión Nacional de los Derechos Humanos (CNDH), 2013. Disponível em: «http://goo.gl/SFvpne». Acesso em: 05 jun. 2016.

_______________. Recomendación No. 9/2016. México, D.F.: Comisión Nacional de los Derechos Humanos (CNDH), 2016. Disponível em: «http://goo.gl/LIwUsx». Acesso em: 05 jun. 2016.

GASPARELLO, G. Policía Comunitaria de Guerrero, investigación y autonomía. Política y Cultura, núm. 32, pp. 61-78, 2009. ISSN 0188-7742. Disponível em: «http://goo.gl/D4wH0p». Acesso em: 08 jun. 2016.

GUERRERO. Ley número 281 de seguridad pública del Estado de Guerrero. Chilpancingo: Periódico Oficial del Gobierno del Estado de Guerrero, 2007. Disponível em: «https://goo.gl/dHpS5p». Acesso em: 13 oct. 2017.

________________. Ley número 701 de reconocimiento, derechos y cultura de los pueblos y comunidades indígenas del Estado de Guerrero. Chilpancingo: Periódico Oficial del Gobierno del Estado de Guerrero, 2011. Disponível em: «https://goo.gl/aTwYGo». Acesso em: 13 oct. 2017.

________________. Constitución Política del Estado Libre y Soberano de Guerrero. Chilpancingo: H. Congreso del Estado de Guerrero, 2016. Disponível em: «https://goo.gl/6u48Mp». Acesso em: 08 oct. 2017.

LECUONA, G. Z. Crimen sin castigo: Procuración de justicia penal y ministerio público en México. México: Fondo de Cultura Económica, 2014. ISBN 978-607-2899-2.

MARCINEIRO, N. Polícia Comunitário: construindo segurança nas comunidades. Florianópolis: Insular, 2009.

MÉXICO. Constitución Política de los Estado Unidos Mexicanos (Última Reforma DOF 15-09-2017). Cámara de Diputados del H. Congreso de la Unión, México, 2017. Disponível em: «https://goo.gl/LgvHjo». Acesso em: 08 out. 2017.

MONTEMAYOR, C. La guerrilla recurrente (2007). In: SEMO, E. (Ed.). Antología del pensamiento crítico mexicano contemporáneo. Buenos Aires: CLACSO, 2015. p.243-267 ISBN 9789877221121. Disponível em: «https://goo.gl/2nSBx1». Acesso em: 10 oct. 2017.

OIT. Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT. Brasília: Organização Internacional do Trabalho (OIT), 2011. Disponível em: «http://goo.gl/Jtrztz». Acesso em: 06 jun. 2016.

PNUD. Índice de Desarrollo Humano Municipal en México: nueva metodología. México, D.F.: Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo (PNUD), 2014. Disponível em: «https://goo.gl/BDpDzv». Acesso em: 10 oct. 2017.

RANGEL, J. A. T. Sistema Comunitario de Justicia de la Montaña de Guerrero. Una historia actual de derecho antiguo. Anuario Mexicano de Historia del Derecho, v. XVIII, p. 575-597, 2006. ISSN 0188-0837. Disponível em: «http://goo.gl/33mMh5». Acesso em: 07 jun. 2016.

SÁNCHEZ, Y. F. El Sistema de Seguridad, Justicia y Reeducación Comunitaria del Estado de Guerrero como sistema de Justicia paralelo al Estado. 2008. Dissertação (Maestría en Democracia y Derechos Humanos). Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales, México, D.F. Disponível em: «http://goo.gl/K5ijZf». Acesso em: 07 jun. 2016.

SIERRA, M. T. Construyendo seguridad y justicia en los márgenes del Estado: La experiencia de la policía comunitaria de Guerrero, México. In: ALONSO, M. M. (Ed.). La rebelión ciudadana y la justicia comunitaria en Guerrero. México, D.F.: Centro de Estudios Sociales y de Opinión Pública de la Cámara de Diputados del Congreso de la Unión, 2014. p.191-210. ISBN 978-607-7919-94-0. Disponível em: «http://goo.gl/3mOL7S». Acesso em: 08 jun. 2016.

SIFUENTES, E. M. La Policía Comunitaria. Un Sistema de Seguridad Pública Comunitaria Indígena en el Estado de Guerrero, México, Instituto Nacional Indigenista, 2001.

SIPAZ. Celebrando 10 años al servicio del pueblo – La Policía Comunitaria en Guerrero. Informe SIPAZ. San Cristóbal de Las Casas: Servicio Internacional para la Paz. Vol. XI Nº 1 2006. Disponível em: «http://goo.gl/yLM7oy». Acesso em: 07 jun. 2016.

WEBER, M. Economia e Sociedade. Fundamentos da Sociologia Compreensiva. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

WVS. World Values Survey - Wave 6 (2010-2014). Madrid: World Values Survey Association, 2015. Disponível em: «https://goo.gl/cXxeRJ». Acesso em: 23 jan. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.