O impacto da incomunicabilidade de experiências nas narrativas modernas

Felipe da Silva Mendonça, Luciana Brito

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o narrador de Contravida, romance do escritor paraguaio Augusto Roa Bastos. Para tanto, nos baseamos em teóricos como Benjamin (1987), Santiago (2002), Lukács (2000), Bakhtin (1988), Rosenfeld (1973), dentre outros que nos auxiliaram a construir uma visão sobre as transformações pelas quais passa o narrador ao longo da história na narrativa, decorrentes principalmente da ascensão do romance e da sociedade moderna. Em Contravidaacompanhamos as memórias da infância de um fugitivo angustiado e sem perspectiva de futuro, cujo processo de rememoração distancia-se do narrador clássico proposto por Benjamin e se aproxima do narrador presente na narrativa contemporânea, uma vez que a incomunicabilidade de experiências é um fator predominante na narrativa. 

Palavras-chave: Narrador.Contravida. Augusto Roa Bastos. Identidade. Romance.

 

 

Abstract

This article aims to analyze the narrator in Contravida, a novel by the Paraguayan writer Augusto Roa Bastos. For this, we have based on theorists such as Benjamin (1987), Santiago (2002), Lukács (2000), Bakhtin (1988), Rosenfeld (1973), and others who helped us to construct an insight into the transformations of the narrator throughout the history in the narrative, stemming mainly from the rise of the novel and modern society. In Contravidawe follow the childhood's memories of a distressed fugitive with no perspective of future, whose the rememoration process distances itself from the classic narrator proposed by Benjamin and approaches the present narrator in the contemporary narrative, since the incommunicability of experiences is a predominant factor in the narrative.

Keywords: Narrator.Contravida. Augusto Roa Bastos. Identity. Novel.


 

                   


Palavras-chave


Narrador; Contravida; Augusto Roa Bastos; Identidade; Romance

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Santo. Livro XI. In: _____. Confissões. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2017.

BAKHTIN, Mikhail. Epos e romance. In: _____. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 4. Ed. São Paulo: Editora UNESP, 1988.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: _____. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3. Ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

_____. A crise do romance: sobre Alexandersplatz, de Döblin. In: _____. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3. Ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. 11. Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LUKÁCS, Georg. Culturas fechadas. In: _____. A teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades; 34, 2000.

PACHECO, Glória Elizabeth Saldivar de. Augusto Roa Bastos: o fazer literário como interpelação da história paraguaia. 2006. 72 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Literatura Comparada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

ROA BASTOS, Augusto. Contravida. Tradução de Josely Vianna Baptista. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: _____. Texto/Contexto. São Paulo: Perspectiva, 1973.

SANTIAGO, Silviano. O narrador pós-moderno. In: _____. Nas malhas da letra: ensaios. 2. Ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.