Participação popular, cidadania e clientelismo na “favela da ciclovia”, no município de Niterói/RJ: entre práticas e representações

Adilson Vaz Cabral Filho, Patricia de Figueiredo Ferreira Zürcher

Resumo


O presente trabalho se origina no bojo de uma investigação mais ampla acerca dos limites e possibilidades de protagonismo participativo das populações em situação de precariedade habitacional, na condução das ações destinadas a atendê-las. A partir da observação da trajetória de uma família pioneira na ocupação da orla da lagoa de Piratininga, em Niterói, RJ, - ameaçada de remoção pelo projeto “Bosque lagunar” da prefeitura municipal – procura-se compreender as formas singulares de participação popular e cidadania, entrelaçadas com o renitente clientelismo, que se expressam na localidade. Através da análise das práticas e representações dos sujeitos em suas lutas cotidianas, propõe-se o reconhecimento de suas táticas e estratégias enquanto expressões legítimas de participação, no sentido de conquistar o direito à moradia, cujo acesso, mesmo que universalmente proposto na Constituição Federal, ainda assim não está garantido.

Palavras-chave: Moradia.Participação. Cidadania. Representações.

 

Popular participation, citizenship and clientelism in the "favela da ciclovia", in the municipality of Niteroi, RJ - between practices and representations.

Abstract

The present work originates from a broader investigation about the limits and possibilities of participative protagonism of the populations in situation of precarious housing, in the conduct of the actions destined to attend them. From the observation of the path of a pioneer family in the occupation of the edge of the Piratininga lagoon, in Niterói, RJ, - threatened with removal by the project "Lagoon Grove" of the city hall - seeks to understand the singular forms of popular participation and citizenship , intertwined with the relentless clientelism, that express themselves in the locality. Through the analysis of the practices and representations of the subjects in their daily struggles, it is proposed the recognition of their tactics and strategies as legitimate expressions of participation, in the sense of conquering the right to housing, whose access, even if universally proposed in the Federal Constitution, it is still not guaranteed.

Key words: Housing. Participation. Citizenship. Representations.


Palavras-chave


Sociologia urbana;Participação social

Texto completo:

PDF

Referências


BIRMAN, Patrícia. “Favela é comunidade?” In: Machado da Silva, Luís Antônio. (org.) Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FAPERJ/Nova Fronteira, 2008.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papiros, 1996.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2008.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petropólis, RJ: Vozes, 1975.

NEVEU, Catherine. Les enjeux d’une approche anthropologique de la citoyenneté. In: Revue europeénne des migrations internationales. Vol.20 – n°3/2004.

PUTNAM, Robert D. Comunidade e Democracia - A Experiencia Da Itália Moderna. FGV Editora, 2000.

VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro, Zahar, 1994.

VILAS-BOAS, M.H. & TARRAGONI, F. Le concept de clientélisme resiste-t-il à la participation populaire? Une comparaison Brésil-Venezuela. In Critique internationale, França, n. 68, p. 103-124, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.