A representação das contradições sociais no cinema engajado de Glauber Rocha

Cláudio Almeida Silva Filho

Resumo


Resumo

O artigo almeja discutir sobre os elementos presentes na estética glauberiana dialogando com as suas representações da sociedade. Nesse sentido, se faz necessário demonstrar alguns aspectos do cinema de Glauber Rocha, a exemplo do caráter anti-industrial e das influências referentes ao seu pensamento cinematográfico. Será empregada a análise em torno da expressão artística, política e cultural do cineasta, assim como da sua forma de realização fílmica e dos seus desdobramentos. Dessa maneira, o texto busca elaborar um panorama a respeito da cinematografia do país demonstrando a ruptura exercida pela estética do diretor e por sua leitura do mundo objetivo. Para isso, é colocado em evidência o cenário da produção cultural brasileira e a sua situação mercadológica. Portanto, o estudo emprega um diálogo com as manifestações apresentadas esteticamente entre a obra do artista e a sua representação das condições materiais. 

Palavras-chave: Estética. Anti-industrial. Representações. Glauber Rocha. Cinematografia.

 

Abstract

The article aims to discuss the elements present in the Glauberian aesthetics in dialogue with their representations of society. In this sense, it is necessary to demonstrate some aspects of the cinema of Glauber Rocha, for example, the anti-industrial character and the influences related to his cinematographic thought. It will be used the analysis around the artistic, political and cultural expression of the filmmaker, as well as of its filmic form and its unfolding. In this way, the text seeks to elaborate a panorama about the cinematography of the country demonstrating the rupture exerted by the aesthetics of the director and by its reading of the objective world. For this, the scenario of Brazilian cultural production and its market situation is highlighted. Therefore, the study employs a dialogue with the aesthetically presented manifestations between the work of the artist and his representation of material conditions. Keywords: Aesthetics. Anti-industrial. Representations. Glauber Rocha. Cinematography.

Palavras-chave


Arte, sociologia, imagem, cinema, estética

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. Pp. 169 a 214. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002. 364p.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. In: VELHO, Gilberto (org.). Sociologia da Arte, IV. Rio de Janeiro: Zahar, 1969. cap 1, p. 15-47.

BENTES, Ivana. Terra de fome e sonho: o paraíso material de Glauber Rocha. In: FUNDACIÓN SANTILLANA. Ressonâncias do Brasil. Santillana del mar: Espanha, p. 90-109, 2002.

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em Tempo de Cinema. 3°.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

_______________________. O que é cinema. São Paulo: Brasiliense, 2006.

CAMARA, Antônio da Silva; JESUS, Altair Reis de. Marxismo e a arte cinematográfica. 5° Colóquio Internacional Marx e Engels. São Paulo, p.1 -9. Nov. 2007.

LUKÁCS, Georg. Introdução a uma estética marxista. 2° ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

RAMOS, Fernão Pessoa. A mise-en-scène realista: Renoir, Rivette e Michel Mourlet. In: XIII Estudos de Cinema e Audiovisual SOCINE, São Paulo, v.1, setembro, 2012, p. 53-67.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

JUNIOR, Humberto Alves Silva. A estética sociológica de Glauber Rocha. 2015. 256p. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.