Reconfigurações do capitalismo e do trabalho: novas formas de dominação em contexto de trabalho imaterial

Pedro Dionizio de Mello, Rafael Ferrari da Silva

Resumo


O saber e a subjetividade dos trabalhadores têm-se tornado parte significativa da esfera produtiva, fazendo com que competências humanas como comunicação, organização, cooperação e capacidade de resolver problemas sejam incorporadas às atividades laborais. Para acompanhar esse processo, apoiamo-nos em quatro teóricos: Camargo (2011), Gorz (2003) e Negri & Lazzarato (2001). Assim, a demanda do capitalismo por um novo ideal de trabalhador será interpretada sob o ponto de vista de novas formas de dominação, mais complexas e que requerem um olhar para além do espaço e tempo tradicionais de trabalho. Como as competências humanas são requisitos para o desenvolvimento de atividades laborais mais complexas típicas da nova economia, e sabendo que esses aspectos são adquiridos no cotidiano, os espaços e tempos de lazer acabam ganhando bastante interesse. O tempo além do trabalho acaba tornando-se um novo sustentáculo de dominação, expandindo-a para além do expediente por meio de uma subjetividade que estará envolvida no trabalho. Como objetivo geral, buscamos observar como essas metamorfoses impactam na vida dos trabalhadores a partir de novas formas de dominação, contextualizada no caso de empreendedores e trabalhadores na área da economia do conhecimento. Quanto ao método, a pesquisa realizou entrevistas semiestruturadas, levando em conta a subjetividade de cada um para entender o contexto inserido. Nesse sentido, a questão da dominação instiga a pensar como novas formas de dominação associadas ao capital se apropriam da vida em sua totalidade, tendo como uma hipótese inicial uma maior dificuldade de separação de espaços e tempos de trabalho e não trabalho.

 

Workers' knowledge and subjectivity have become a significant part of the productive sphere, making human skills such as communication, organization, cooperation, and problem-solving skills incorporated into work activities. To accompany this process, we rely on four theorists: Camargo (2011), Gorz (2003) and Negri & Lazzarato (2001). Thus, capitalism's demand for a new worker ideal will be interpreted from the standpoint of new, more complex forms of domination that require a look beyond the traditional space and time of labor. As human skills are requirements for the development of more complex labor activities typical of the new economy, and knowing that these aspects are acquired in everyday life, the spaces and times of recreation end up gaining a lot of interest. Time beyond work ends up becoming a new mainstay of domination, expanding it beyond the ordinary through a subjectivity that will be involved in the work. As a general objective, we seek to observe how these metamorphoses impact the life of the workers from new forms of domination, contextualized in the case of entrepreneurs and workers in the area of the  knowledge economy. As for the method, the research carried out semi-structured interviews, taking into account the subjectivity of each one to understand the inserted context. In this sense, the question of domination instigates to think how new forms of domination associated with capital take over life in its totality, having as an initial hypothesis a greater difficulty of separability of spaces and times of work and not work.

Palavras-chave


Trabalho Imaterial. Dominação. Tempos e espaços de não trabalho. Reestruturação produtiva; Subjetividades.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Henrique. As Teorias do Trabalho Imaterial: uma reflexão crítica a partir de Marx. CADERNO CRH, Salvador, v. 27, n. 70, p. 31-45, Jan./Abr. 2014.

ANJOS, Maria Anita dos; MOISÉS, Farah JR. Coleção Gestão Empresarial 1: Economia brasileira. Curitiba: Gazeta do Povo, 2002.

Bell, Daniel. O advento da sociedade pós-industrial: uma tentativa de previsão social. São Paulo: Cultrix, 1977.

BOLOGNA, Sergio. Durée du travail et post-fordisme. Multitudes. Septembre, 1996. Disponível em: http//:multitudes.samizdat.net/. Acessado em: 15/5/2018.

CAMARGO, Sílvio. Trabalho imaterial e produção cultural: a dialética do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Annablume, 2011.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede [A era da informação: economia, sociedade e cultura; v.1]. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999.

GORZ, André. O imaterial: Conhecimento, Valor e Capital. São Paulo: Editora Annablume, 2003.

_____. (2004), “Économie de la connaissance, exploitation des saviors”. Entrevista realizada por Yann Moulier Boutang et Carlo Vercellone. Multitudes, 15. Disponível em http://www.multitudes.samizdat.net

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ed. Ática, 1996. p.27-79.

KRUSE, Tulio. Economia criativa cresce acima da média no Brasil. Estadão, São Paulo. 10/07/2018. Disponível em: . Acesso em 15 fev. 2018

LAZZARATO, Maurizio; NEGRI, Antonio. Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2001.

MASI, Domenico De. A Economia do Ócio. Rio de Janeiro: GMT Editores Ltda, 2001.

RIFKIN, Jeremy. A era do acesso: a transição de mercados convencionais para networks e o nascimento de uma nova economia. São Paulo: Makron Books, 2001.

SPINK, Mary; LIMA, Helena. Rigor e Visibilidade. Rio de Janeiro: Editora Centro Eldestein de Pesquisas Socais, 2013.

YÚDICE, George. Las industrias culturales: más allá de la lógica puramente económica, el aporte social. Pensar Iberoamérica, Madri: OEI, n. 1, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.