Discutindo desigualdades de gênero no mercado de trabalho em uma turma de EJA

Katiuci Pavei, Pedro Dionizio de Mello

Resumo


O artigo refere-se ao relato do projeto pedagógico “Discutindo desigualdades de gênero no mercado de trabalho na EJA”, realizado no Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 2018. O objetivo geral foi compreender de que forma as diferenças de gênero existentes no mercado de trabalho são classificadas e inscritas nas práticas sociais do grupo de estudantes. As aulas foram balizadas em três eixos principais: a) questões históricas referentes à inserção laboral da mulher, b) estereótipos que vinculam trabalho a determinado gênero e c) desigualdades entre homens e mulheres no mercado de trabalho. Nos encontros foram utilizados procedimentos didáticos diversificados (imagens, dados, vídeos, textos, questionário, produção textual). Percebemos um avanço argumentativo relevante em parte da turma, expresso por meio de diagnóstico crítico das desigualdades de gênero presentes na esfera produtiva e de análise dos dispositivos que não cessam de produzir esse problema social. Contudo, notamos também a forte persistência de naturalização de um discurso categorizante produzido socialmente. A partir desse desafio, novos procedimentos pedagógicos estão sendo planejados.

The article refers to the report on the pedagogical project "Discussing gender inequalities in the labor market in EJA", held at the College of Application of the Federal University of Rio Grande do Sul, in 2018. The general objective was to understand how differences in in the labor market are classified and registered in the social practices of the student group. The classes were marked in three main axes: a) historical questions related to the labor insertion of women, b) stereotypes that link work to a specific gender and c) inequalities between men and women in the labor market. In the meetings were used diverse didactic procedures (images, data, videos, texts, questionnaire, textual production). We perceive a relevant argumentative advance in part of the class, expressed through a critical diagnosis of the gender inequalities present in the productive sphere and of analysis of the devices that do not stop producing this social problem. However, we also note the strong persistence of naturalization of a socially produced categorizing discourse. From this challenge, new pedagogical procedures are being planned.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; Desigualdade de Gênero; Trabalho; Sociologia

Texto completo:

PDF

Referências


ATAL, Juan Pablo; ÑOPO, Hugo; WINDER, Natalia. Novo século, velhas desigualdades: diferenças salariais de gênero e etnia na América Latina. BID 2009. Disponível em: . Acesso em 09 mar. 2018.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. 1ª ed. São Paulo: Boimtempo, 2018.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em 01 mar. 2018.

CATELLI Jr, Roberto; HADDAD, Sérgio; RIBEIRO, Vera Masagão (orgs.). Educação de Jovens e Adultos: insumos, processos e resultados. São Paulo: Ação Educativa, 2014.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. 3ª ed. São Paulo: nVersos, 2015.

FAVILLI, Elena; CAVALLO, Francesca. Histórias de ninar para garotas rebeldes: Cem fábulas sobre mulheres extraordinárias. São Paulo: Vergara & Riba Editoras, 2017.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003.

GOMES, Maria Antônia. A construção de igualdade de gênero no currículo da educação de adolescentes, jovens e adultos na rede municipal de ensino de Goiânia. 2016. 196f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação, Goiânia, 2016.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. 2018. Disponível: . Acesso em 09 mar. 2018.

IBGE. Pesquisa Mensal de Emprego. Notas Metodológicas. Disponível em https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme/pmemet3.shtm. Acesso em 09 mar. 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade: o “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003.

LEI MARIA DA PENHA COMPLETA 12 ANOS EM MEIO A CASOS DE FEMINICÍDIO. O Globo, Rio de Janeiro. 07/08/2018. Disponível em:. Acesso em 08 ago. 2018.

ONU. Um sonho impossível? ONU BRASIL. Publicado em 15 maio 2012. Disponível em:. Acesso em 01 mar. 2018.

ONU MULHERES BRASIL.[2018] Empoderamento Econômico. Disponível em:Acesso em 01 mar. 2018.

SALGADO, Sebastião. Trabalhadores: uma arqueologia da era industrial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

VELASCO, Clara; CAESAR, Gabriela; REIS, Thiago. Cresce o nº de mulheres vítimas de homicídio no Brasil; dados de feminicídio são subnotificados. G1. Globo. São Paulo, 07/03/2018. Disponível em: . Acesso em 08 maio 2018.

WACQUANT, Loïc. Esclarecer o habitus. EDUCAÇÃO & LINGUAGEM. São Paulo. Ano 10. Nº 16. 63-71, Jul.-Dez. 2007.

WEF_World Economic Forum. 2017. The Global Gender Gap Report. Disponível em: . Acesso em 08 ago. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.