Que Bom Te Ver Viva: uma discussão fílmica sobre o acerto de contas possível com a ditadura militar

César Alessandro Sagrillo Figueiredo

Resumo


Resumo

A ditadura civil-militar que perdurou de 1964 até 1985 trouxe inúmeras sequelas deletérias para o Brasil, entre os fatos adversos destacamos as atrocidades cometidas contra os oponentes do Estado e presos políticos. Este artigo possui como objetivo principal elaborar um balanço político da transição para a democracia brasileira a partir do filme Que Bom Te Ver Viva, esta produção de 1989 visou trazer o testemunho das mulheres que foram presas políticas, relatando todo o infortúnio sofrido por essas personagens no cárcere brasileiro. Do ponto de vista dos procedimentos metodológicos, tratar-se-á de um trabalho qualitativo, pois visa um diálogo da reconstituição histórica a partir de uma leitura cinematográfica da política, procurando examinar a produção fílmica buscando compreender a sua qualidade técnica, méritos e, especialmente, a atualidade histórica desse filme realizado há 30 anos. Como resultado de pesquisa compreendemos a partir da análise fílmica, que o processo de redemocratização brasileira se configurou de acordo com o modelo denominado de Transição pela Transação, extremamente elitista e sem o devido ajuste de contas com passado.

Palavras-chaves:ditadura civil-militar. Produção cinematográfica. Vozes do testemunho. Justiça de transição. 

 

Abstract

The civil-military dictatorship that lasted from 1964 until 1985 brought numerous deleterious sequels to Brazil, among the adverse facts we highlight the atrocities committed against state opponents and political prisoners. This article has as its main objective to elaborate a political balance of the transition to the Brazilian democracy from the movie Que Bom Te Ver Viva. Brazilian prison. From the point of view of methodological procedures, this will be a qualitative work, since it aims at a dialogue of historical reconstruction from a cinematic reading of politics, seeking to examine filmic production seeking to understand its technical quality, merits and especially , the historical timeliness of this film made 30 years ago. As a result of research we understand from the film analysis that the process of Brazilian redemocratization was configured according to the model called Transition by Transaction, extremely elitist and without proper adjustment of past accounts..

Keywords:civil-military dictatorship. cinematographic production. voices of witness. transitional justice.


Palavras-chave


ditadura militar; produção cinematográfica; vozes do testemunho; justiça de transição.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRÃO, Paulo & TORELLY, Marcelo. Justiça de Transição no Brasil: a dimensão da reparação. Revista Anistia: política e justiça de transição. N. 3 (jan. / jun. 2010). – Brasília: Ministério da Justiça, 2010.

AGAMBEN, G. (1998). Quel che resta di Auschwitz. L’archivio e il testimone. Torino: Bollati Boringhieri editore, 1998.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARNS, Paulo Evaristo. Brasil: nunca mais – um relato para a história. Petrópolis, RJ: Vozes, 1990.

BAUER, Caroline Silveira. O debate legislativo sobre a criação da Comissão Nacional da Verdade

e as múltiplas articulações e dimensões de temporalidade da ditadura civil-militar brasileira. Anos 90, Porto Alegre, v. 22, n. 42, p. 115-152, dez. 2015.

BETTO, Frei. Batismo de sangue: os dominicanos e a morte de Carlos Marighella. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1987.

BRASIL. Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979. Concede anistia e dá outras providências. Disponível em: . Acessado em 30 de maio de 2013.

¬¬¬¬¬______. Lei nº 9.140, de 4 de dezembro, 1995. Reconhece como mortas desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação, em atividades políticas no período de 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979 e dá outras providências. Disponível em: . Acessado em 30 de maio de 2013.

_______. Decreto nº 4.388, de 25 de setembro de 2002. Promulga o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional.2002. Disponível em:

. Acessado em 12/12/2019.

______. Lei nº 12.528, de 18 de novembro de 2011. Cria a Comissão Nacional da Verdade no âmbito da Casa Civil da Presidência da República. Disponível em:

. Acessado em 19 de

junho de 2018.

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften, v. 1. Frankfurt: Suhrkamp, 1974.

CARDOSO, Ruth. Sociedade em Movimento: novos atores dialogam com o Estado. In.: Revista Crítica de Ciências Sociais. N. 32, pp. 129-134, Junho 1991.

DAHL, Robert. Poliarquia: participação e oposição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

FERRO, Marc. Cinema e história. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FIGUEIREDO, César Alessandro Sagrillo. A memória do testemunho e o cinema: representações cinematográficas da ditadura militar. Revista Porto das Letras, Porto Nacional, Vol. 04, Nº 03 – Edição Especial, 2018. Disponível em . Acesso em 12/12/2019.

GABEIRA, Fernando. O que é isso, companheiro? São Paulo: Companhia de Bolso, 1980.

GALLO, C. A. Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça: Um estudo sobre o trabalho da Comissão de Familiares e Mortos e desaparecidos políticos no Brasil. 2012. 117f. Dissertação (Mestrado) em Ciência Política, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade federal dório Grande do Sul, Porto Alegre.

KINZO, Maria D’alva Gil. A democratização brasileira: um balanço do processo político desde a transição. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, Vol.14 (4), pp.3-12, 2001. Disponível em . Acesso em 12/12/2019.

LEVI, Primo. É isto um homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

LINZ, Juan & STEPAN, Alfred. A transição e consolidação da democracia: A experiência

do Sul da Europa e da América do Sul. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1999.

MAINWARING, Scott. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto/Rio de Janeiro: FGV, 2001.

MEZAROBBA, Glenda. Um acerto de contas com o futuro: a anistia e as suas consequências – um estudo de caso brasileiro. 2003. 213f. Dissertação (Mestrado), Universidade de São Paulo, Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo.

_____________, Glenda. O preço do esquecimento: as reparações pagas às vítimas do regime militar (uma comparação entre Brasil, Argentina e Chile). 2007. 472f. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, Ciência Política – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo,

MURAT, Lúcia. Depoimento. Comissão Estadual da Verdade da Verdade. ALERJ. 2013. acessado em 12/12/2019.

MORAES, Ana Luisa Zago de. O “caso Araguaia” na Corte Interamericana de Direitos Humanos. Revista Liberdades - nº8, pp.88-110, setembro - dezembro de 2011. Disponível em . Acesso em 12/12/2019

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

O´DONNEL & SHMITTER. Transições do regime autoritário: primeiras conclusões. São

Paulo: Vértice, 1988.

OLIVEIRA, Roberta Cunha. Entre as geografias violadas e a resistência pelo testemunho, a necessária ruptura para a transição brasileira. In: SOUZA JÚNIOR, José Geraldo de; SILVA FILHO, José Carlos Moreira da; PAIXÃO, Cristiano, FONSECA, Lívia Gimenes Dias da; RAMPIN Talita Tatiana Dias (orgs). O direito achado na rua, vol. 7. Introdução Crítica à Justiça de Transição na América Latina.1.ed.-Brasília, DF: UnB, 2015

QUINALHA, Renan Honório. Justiça de Transição: contornos do conceito. (2012) 174f. Dissertação (Mestrado) Universidade de São Paulo, Faculdade de Direito, São Paulo.

SADER, Eder. Quando Novos personagens entram em cena. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

SELIGMANN-SILVA, Marcio. (org.). 2003. História, Memória, Literatura. O testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

__________________, Marcio. Narrar o trauma – a questão dos Testemunhos de catástrofes históricas. PSIC. CLIN., Rio de Janeiro, Vol .20, N.1, pp.65–82, 2008. Disponível em Acesso em 12/12/2019

SHARE, Donald. & MAINWARING, Scott. Transição pela transação: a democratização no Brasil e na Espanha. Revista Dados, Rio de Janeiro, V. 29, N 2, pp. 207-236, 1986.

SOUZA, Jonatas Xavier de. Que bom te ver viva: memórias e história de mulheres que sobreviveram a ditadura. 2013. 169f. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal da Paraíba, História, João Pessoa.

ZAVERUCHA, Jorge. Prerrogativas militares nas transições brasileiras, argentinas e espanholas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, N. 19, pp. 56-65, 1992.

Filme Analisado:

Que bom te ver viva. Brasil, 1989, 1:37:32. Dirigido por Lúcia Murat.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.