O PCdoB e a Guerrilha do Araguaia: a memória dos desaparecidos políticos

César Alessandro Sagrillo Figueiredo, Mauro Meirelles

Resumo


O Brasil, entre os anos 60 e 80, viveu um período de ditadura militar com severos arbítrios por parte deste regime, com assassinatos e desaparecimentos de presos políticos. Podemos dizer que entre os vários arbítrios cometidos um dos mais graves é o fato da ocultação de cadáveres dos opositores políticos, sendo este um crime de lesa-humanidade e que ainda não foi solucionado. Desaparecidos e mortos que ainda vivem nas lembranças e nas memórias dos familiares que aqui deixaram e que buscam, junto ao Estado, um desfecho para tais óbitos, em tese presumidos; mas que não fora, de fato, reconhecido pelo Estado. O presente texto possui como objetivo principal o modo como os familiares dos desaparecidos políticos lidaram com a morte destes, uma vez que estes não puderam realizar a passagem fúnebre tradicional. Portanto,  este texto se ocupa deste contínuo estado de luto dos familiares destes desaparecidos e o modo como estes lidam com a morte, buscando reparações e justiça junto ao Estado. Para isso, apoiamos nossa análise em trabalho de campo realizado junto a estes familiares, de relatos e histórias de vida ligadas a estes militantes políticos comunistas. Nosso lócus privilegiado de estudo reside, especialmente, nos desaparecidos políticos da Guerrilha do Araguaia, palco de luta efetivado pelo PCdoB no norte do Brasil (Tocantins) e que possuem familiares na região Sul e Sudeste.

Palavras-Chaves: PCdoB. Guerrilha do Araguaia. Ditadura Militar. Desaparecidos políticos. Reparações do Estado.

 

Abstract

Brazil between the 60s and 80s lived a period of military dictatorship with severe arbitrariness on the part of this regime, with murders and disappearances of political prisoners. We can say that among the various arbitrations committed one of the most serious is the fact of the hiding of corpses of political opponents, this being a crime of lese-humanity and that has not yet been solved. Disappeared and dead who still live in the memories and memories of relatives who left here and who seek, together with the State, an outcome for such deaths, in presumed thesis; but which was not, in fact, recognized by the State. The main objective of this text is the way in which the relatives of the disappeared politicians dealt with their death, since they could not carry out the traditional funeral procession. Therefore, the present text deals with this continuous state of mourning of the relatives of these disappeared people and the way in which they deal with the death, seeking reparations and justice next to the State. To this end, we support our analysis of field work carried out with these relatives, of stories and life stories linked to these communist political militants. Our privileged locus of study resides, in particular, in the political disappears of the Guerrilha do Araguaia, a stage of struggle carried out by PCdoB in the north of Brazil (Tocantins) and with relatives in the South and Southeast.

 Keywords: PCdoB, Araguaia Guerrilla. Military dictatorship. Disappeared politicians. State reparations


 


Palavras-chave


PCdoB, Guerrilha do Araguaia; Ditadura Militar; Desaparecidos políticos, Reparações do Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


AUTRAN, Margarida. Ofício de mãe. A saga de mulher. Rio de Janeiro: Ed. Marco, s/d.

AYDOS, Valéria & Figueiredo, César Alessandro S. A construção social das vítimas da ditadura militar e a sua ressignificação política. Revista Interseções. Rio de Janeiro, V. 15, n2, Dez/2013.

BOSI, Ecléia. Memória e sociedade: lembranças dos velhos. São Paulo: Cia das Letras, 1994.

BRASIL. Lei nº 9.140, de 4 de dezembro, 1995. Reconhece como mortas desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação, em atividades políticas no período de 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979 e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/. Acesso em 30 de maio de 2013.

BRASIL. Crimes da ditadura. Brasília: Ministério Público Federal, 2017.

BUARQUE, Chico. Angélica. In.: Chico Buarque. Almanaque. Rio de Janeiro: Ariola/Philips, 1981. faixa 3 lado B.

CARONE, Edgar. O P.C.B (1922-1943) Volume II. São Paulo: Ed. Difel, 1982a

CHILCOTE, Ronald H. O Partido Comunista Brasileiro: conflito e integração. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1982.

CARVALHO. Luiz Maklouf. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998.

CYTRYNOWICZ, Roney. O silêncio do sobrevivente: diálogo e rupturas entre memória e história do holocausto. In. SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org). História, memória e literatura. O testemunho na era das catástrofes. São Paulo: Ed. Unicamp, 2003.

DAHL, Robert. Poliarquia: participação e oposição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

GASPARI, Élio. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GOMES, Ângela Castro. Escrita de si, escrita da história: A título de prólogo. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2004.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Ed. Centauro, 1990.

JUNQUEIRA, Eduardo. Cansei de chorar: Peritos identificam a primeira ossada e revela-se o drma da mãe que perder três filhos na luta no Araguaia. Revista Veja. 22 de maio, 1996

MONTEIRO, Adalberto Et All. Guerrilha do Araguaia. São Paulo: Anita Garibaldi, 2005.

NORA, Pierre. Entre memórie et historie. La probelmatique dês lieux. In.: NORA, Pierer (org) Les lieux de memórie. Paris: Gallimard, 1997.

PAIVA, Maurício Vieira. Companheira Carmela: A história de luta de Carmela Pezzuti e seus dois filhos na resistência ao regime militar e no exílio. Rio de Janeiro: Ed. Maud, 1996.

PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL. Documentos Históricos. Resoluções da VI Conferência do PCdoB. In.: Em defesa dos trabalhadores e do povo brasileiro. São Paulo: Ed. Anita Garibaldi, 2000.

POLLAK. Michel. Memória, esquecimento, silêncio. In.: Estudos Históricos. Vol2. N.3. Rio de Janeiro. Vértice. 1989.

PORTELA, Fernando. Guerra de guerrilhas no Brasil. São Paulo: Global, 1980.

SILVA, Antonio Ozaí da. História das tendências no Brasil: origens, cisões e propostas. 2 Edição ( revisada e ampliada). São Paulo: Proposta Editorial, s/d.

SOUSA, Deusa Maria. Lágrimas e lutas: a reconstrução do mundo de familiares de desaparecidos políticos do Araguaia. Tese de doutorado em História. Universidade federal de Sana Catarina, 2011.

ZAVERUCHA, Jorge. Prerrogativas militares nas transições brasileiras, argentinas e espanholas. Revista Brasileira de Ciências Sociais. N. 19, 1992


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.