Ensino de Sociologia nos países da CPLP

Celeste Silvia Vuap Mmede, Joana Elisa Röwer

Resumo


O presente artigo está voltado ao tema do ensino de Sociologia na educação básica. Tem por objetivo compreender a disciplina Sociologia como componente curricular no ensino secundário de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe. A escolha pela CPLP deve-se ao contexto histórico, político e social de independência e democratização dos países africanos e a crescente aproximação do Brasil no domínio da educação superior, atuando na formação de professores de Sociologia, sobretudo na UNILAB. A pesquisa justifica-se pela necessidade de aprofundamento dos conhecimentos sobre os sistemas educacionais, a estrutura curricular, o ensino de Sociologia nos contextos dos países da CPLP, considerando a inserção em processos de formação profissional, de ensino, pesquisa e extensão de licenciados em Sociologia. Têm-se como base de análise as Leis de Bases de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, bem como os Planos Curriculares que dão suporte a educação dos países. A análise desses documentos contribuiu para identificar a estrutura curricular do sistema de ensino desses países e a disciplina de Sociologia no ensino secundário. Os procedimentos metodológicos combinaram a pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados demostram que a Sociologia é ofertada em Angola em todas as áreas do ensino secundário como optativa; em Cabo-Verde, na área de Humanidades no 12º; em Guiné-Bissau a Sociologia aparece na área das Ciências Sociais e Humanas, no 12º ano de escolaridade; no ensino secundário de São Tomé e Príncipe, a Sociologia está presente nos três últimos anos. O ensino de Sociologia, apesar da sua variabilidade na estrutura curricular, pode representar um papel fundamental nas sociedades democráticas na formação da cidadania e na atuação social. 

 

Palavras-chave:Ensino de Sociologia. Escola Secundária. CPLP.

 

Abstract

 

The present paper focuses on the teaching of sociology in basic education. It aims at understanding sociology as a curricular component of high schools in Angola, Cape Verde, Guinea Bissau and Sao Tome and Principe. The Community of Portuguese Language Countries (CPLP) were chosen as case studies, due to their role for the independence and democratization of the African countries within a historical, political and social context. It was also taken into account the strengthening of the relations between those countries and Brazilian higher education, since some institutions in Brazil, for instance, UNILAB, have been working on training CPLP sociology teachers. Within this context, the study explores CPLP countries’ educational system, their curricular structure and the teaching of sociology, focusing on including Sociology alumni in terms of processes of professional training, teaching, research and extension. The methodological procedures used in the study combined bibliographical and documentary research, considering an analysis of the Education Laws as well as the curricular plans in Angola, Cape Verde, Guinea Bissau and Sao Tome and Principe. The document analysis contributed to identify the educational curricular of those countries and to understand how Sociology is included in the High School system. Results show that in Angola sociology is an optional discipline offered for all areas of secondary education, whereas in Cape Verde sociology is offered for the students of Humanities in the 12thgrade, similarly to Guinea Bissau, where it is part of the Social and Human Sciences curriculum. Yet, in São Tomé and Príncipe sociology is included in the final three years of high school cycle. Furthermore, the results unveil that although there is variability in curricular structure, sociology can play a crucial role in democratic societies, especially in the formation of citizenship and social action.

 

Keywords:Sociology Teaching. High school. CPLP.


Palavras-chave


Educação. Ensino Secundário. Ensino de Sociologia. CPLP

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Maria Manuela; ROBALO, Maria João; RIBEIRO, Mário; MONTEIRO, Huco. O sistema educativo da Guiné-Bissau. Avaliação de três intervenções no sector da educação na Guiné-Bissau (2000-2007). Guiné-Bissau: IPAD, 2008. Disponível em: Acesso em: 05 mar. 2018.

ANGOLA. Assembleia Nacional. Lei de Bases do Sistema de Educação. Luanda: Autor. 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Para que serve a Sociologia? Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2015.

BARRETO, Antónia. A reforma do ensino secundário em são Tomé e Príncipe. Apresentação do projeto Escola+. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NUMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR, DIACRÓNICA E

SINCRÓNICA, 2012, Lisboa. Anais eletrônicos... Lisboa: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL), Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), 2012a. p. 505-517. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2018.

______. Reformas recentes no sistema educativo da Guiné-Bissau: compromisso entre a identidade e a dependência. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL CABO VERDE E GUINÉ-BISSAU: PERCURSOS DO SABER E DA CIÊNCIA, 2012, Lisboa. Anais eletrônicos... Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, 2012b. Disponível em: https://coloquiocvgb.files.wordpress.com/2013/06/p04c04-antc3b3nia-barreto.pdf Acesso em: 05 mar. 2018.

BIDETA, G. B. Políticas Educativas na Guiné-Bissau. 2013. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Letras, Universidade de Porto, 2013. p. 34-44. Disponível em: Acesso em: 15 jun. 2018.

BOURDIEU, Pierre; CHARTIER, Roger. O sociólogo e o historiador. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

CABO AAVERDE. Ministério da educação Lei de Base do sistema Educativo. Praia: Ministério da Educação, 2010.

______. Ministério da Educação. Plano de Estudos do Ensino Secundário. Praia: Ministério da Educação, 1996.

COSTA, , LOPES, LUCAS, et al. Relatório Final do Estudo de Avaliação Externa à Reforma do Ensino Secundário de São Tomé Príncipe (2009-2016). São Tomé e Príncipe, 2017. Disponível em: https://www.instituto-camoes.pt/images/cooperacao2/refens_stp0916_070218.pdf Acesso em: 05 set. 2018.

DELGADO, Graça Sérgio Paulo; MELO Ribeiro Mól Marilândes. Reforma Educacional em Cabo Verde e a Internacionalização das Políticas Educacionais. Mediações, Londrina, v. 21, n. 2, p. 26-48, jul./dez. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/viewFile/26997/pdf. Acesso em: 11 mai. 2017.

GUINÉ-BISSAU. Certificado do ensino secundário Liceu Nacional Samora Machel. Bissau: Ministério da Educação Nacional, Cultura, Ciência, Juventude e Desporto, 2010.

______ Certificado do secundário Liceu Nacional Kuame N´krumak. Bissau: Ministério da Educação Nacional, Cultura, Ciência, Juventude e Desporto, 2011.

LEMBE, Horácio. A Reforma Educativa e seus impactos na disciplina de Sociologia a nível do ensino secundário em Luanda. Horácio Lembe em Análise..., 28 set. 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

LIMA, Miura. O Sector Privado em São Tomé e Príncipe: A Qualificação da Mão-de-obra e as Condições de Trabalho no Sector do Turismo. 2011. 80f. Dissertação (Mestrado em Estudos Africanos) - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2011. Disponível em: Acesso em: 15 out. 2018.

LOPES, Luisa da Silva Lopes e. A Lei de Bases do Sistema da Educação na Guiné-Bissau: uma análise do processo de construção política. 2014. 133f. Dissertação (Mestrado em Administração e Política Educativa) - Departamento de Educação, Universidade de Aveiro, Aveiro, 2014. Disponível em: https://ria.ua.pt/.../a%20lei%20de%20bases%20do%20sistema%20educativ. Acesso em: 20 mar. 2018.

Manuel. Adérito O pensamento sociológico no ISCED de Luanda: um estudo dos trabalhos de fim de curso de licenciatura defendidos entre 2003 e 2013. In SOCIOLOGIA, ENSINO E PRÁTICA. Livro online. 2016. Disponível em : http://isced.ed.ao/assets/739/Sociologia__Ensino_e_Pr%C3%A1tica(livro_online).pdf. Acessado em: 11 Maios 2017.

MORAIS, Filipe Calunga. Sociologia, Ensino e Prática. Para um funcionamento da sociedade sociológica angolana: rumo a promoção e desenvolvimento da ciência [online]. Luanda: [s.n.], In SOCIOLOGIA, ENSINO E PRÁTICA. Livro online.2016. Disponivel em: http://isced.ed.ao/assets/739/Sociologia__Ensino_e_Pr%C3%A1tica(livro_online).pdf. Acessado em: 11 Maios 2017.

MORGADO, José Carlos; SANTOS, Júlio; SILVA, Rui da. Currículo, memória e fragilidades: contributos para (re)pensar a educação na Guiné-Bissau. Configurações, v. 17, p. 57-77, 2016. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2018.

______. Lei nº 2/2003, Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República. São Tomé, 2003. Disponível em:

https://www.ilo.org/dyn/natlex/docs/SERIAL/95145/111918/F1094550940/STP95145.pdf Acesso em: 25 jul. 2018.

UNESCO. Melhoria da Qualificação de Professores e Implementação de Gestão de Resultados de Aprendizagem na Guiné-Bissau , 2009-2015.Bissau, 2015. Disponível:http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/FIELD/Dakar/pdf/brochurerealizacoesprojectorecomendcoes.pdfAcesso em 20 de jun.2018.

UNICEF. Documento De Base do Programa de Formação dos Educadores do Ensino Básico da Guiné Bissau. Disponível em : ps://www.unicef.org/wcaro/WCARO_Bissau_Pub_RptTrainingProgTeachers-pt.pdf.pdf. Acesso em 20 de jun.2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.