FORMAÇÃO DE PROFESSORES: aspectos motivacionais pela escolha da licenciatura em Sociologia

Joana Elisa Röwer, Felizberto Alberto Mango, Sabino Tobana Intanquê

Resumo


Este artigo temático sobre a formação de professores de Sociologia para a educação básica objetiva compreender os aspectos motivacionais pela escolha da Licenciatura nessa disciplina. Tem como contexto de análise a Universidade Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – Unilab/CE, que atua com discentes provenientes dos países que compõem a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP. A diversidade de atores que constitui o corpo acadêmico do curso de Licenciatura em Sociologia, seus contextos de origem e trajetórias biográficas são postas em relação com a estrutura curricular e os sentidos da disciplina sociologia na escola secundária. Metodologicamente a pesquisa se caracteriza como básica; exploratória e descritiva; no que se refere aos procedimentos técnicos como de levantamento, documental e bibliográfica; e, em relação à abordagem do problema como quantitativa. Como instrumento de coleta de dados foram utilizados questionários com perguntas de múltipla escolha. Os resultados demostram variabilidade da disciplina sociologia na estrutura curricular dos países da CPLP e indicam com preponderância a realização pessoal e o comprometimento social como fatores de influência pela escolha por essa formação. Por fim, defende-se a ampliação da compreensão do exercício do licenciado em Sociologia em espaços formais e não formais educacionais como docente, pesquisador e como gestor escolar e educacional.

 

This article has as its theme the formation of Sociology teachers for basic education and as an objective to understand the motivational aspects by choosing the Degree in Sociology. Its background is the International University of Lusofonia Afro-Brasileira - Unilab / CE, which works with students from the countries that make up the Community of Portuguese Speaking Countries (CPLP). The diversity of actors that constitutes the academic body of the degree course in Sociology, its contexts of origin and biographical trajectories are put in relation with the curricular structure and the senses of the discipline sociology in secondary school. Methodologically the research is characterized as basic; exploratory and descriptive; with regard to technical procedures such as survey, documentary and bibliographical procedures; and in relation to approach the problem as quantitative. As a data collection instrument, questionnaires with multiple choice questions were used. The results show the variability of the sociology discipline in the curricular structure of the CPLP countries and indicate with preponderance the personal fulfillment and the social commitment as factors of influence by the formation in Sociology. Finally, it is defended the extension of the understanding of the exercise of the degree in Sociology in formal and non-formal educational spaces as teacher, researcher and as school and educational manager.


Palavras-chave


Ensino de Sociologia. Formação de professores. CPLP

Texto completo:

PDF

Referências


ANGOLA. Assembléia Nacional. (2001). Lei de Bases do Sistema de Educação. Luanda: Autor.

APPLE, Michael W. A educação pode mudar a sociedade? Petrópolis: Vozes, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Aprendendo a pensar com a sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

BERGER, Peter. Perspectivas Sociológicas: uma visão humanística. 31 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BODART, Cristiano das Neves; CIGALES, Marcelo P. Ensino de Sociologia no Brasil (1993-2015): um Estado da Arte na Pós-Graduação. Revista de Ciências Sociais. Fortaleza, v.48, n. 2, p.256-281, jul./dez., 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. (2008). Lei nº 11.684. Brasília: Autor.

_______. Ministério da Educação. (2017). Lei nº 13.415. Brasília: Autor.

CABO VERDE. Ministério da Educação. (2010). Lei de Bases do Sistema Educativo. Praia: Autor.

CARVALHO FILHO, Juarez Lopes de. O ensino de sociologia como problema epistemológico e sociológico. Educação e Realidade. v. 39, n. 1. p. 59-80. jan.mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2017.

CIGALES, Marcelo P.; ARRIADA, Eduardo. O ensino de Sociologia na educação brasileira entre 1882 e 1942: algumas considerações. In: HANDFAS, Anita; MAÇAIRA, Julia P.; FRAGA, Alexandre Barbosa. (Orgs.). Conhecimento escolar e ensino de Sociologia: instituições, práticas e percepções. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015. p. 211-225.

DECESARE, Michael. 95 Anos de Ensino de Sociologia no Ensino Médio. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 1, jan./mar. 2014. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso em: 02 jun. 2014. p. 113-137.

GENTILI, Pablo. Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo na educação. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

GUINÉ-BISSAU. Ministério da Educação Nacional. (2011). Lei de Bases do Sistema Educativo. Bissau: Autor.

HANDFAS, Anita. O Estado da Arte do Ensino de Sociologia na Educação Básica: um levantamento preliminar da produção acadêmica. Inter-Legere. n. 9. p. 386-400.jul-dez. 2011. Disponível em: < https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/4403>.Acesso em: 20 jun. 2017.

_______________; MAÇAIRA, Julia P. O estado da arte da produção científica sobre o ensino de sociologia na educação básica. Encontro Anual da ANPOCS, 2012. Anais.Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

_______________. As pesquisas sobre o ensino de sociologia na Educação Básica. In: SILVA, Ileizi Fiorelli. GONÇALVES, Danyelle Nilin. (Orgs.) A Sociologia na Educação Básica. Annablume: São Paulo, 2017.

_______________; MAÇAIRA, Julia P. O estado da arte da produção científica sobre o ensino de sociologia na educação básica. In: HANDFAS, Anita; MAÇAIRA, Julia P.; FRAGA, Alexandre Barbosa. (Orgs.). Conhecimento escolar e ensino de Sociologia: instituições, práticas e percepções. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015. p. 20-43.

LAHIRE, Bernard. Viver e interpretar o mundo social: para que serve o ensino da Sociologia? Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 45, n. 1, jan/jun, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2014.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo, SP: Cortez, 2006.

_____________. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2014.

MEUCCI, Simone. Sociologia na educação básica no Brasil: um balanço da experiência remota e recente. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 51, N. 3, p. 251-260, setembro/dezembro 2015. Disponível em: < http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/csu.2015.51.3.02>. Acesso em: 12 jan. 2018.

MANUEL, Adérito. Sociologia, Ensino e Prática (livro online). Luanda, setembro de 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2001.

MENDES, Aminata; GOMES, Bruno; MANGO, Felizberto A.; SIGA, Fernando; RÖWER, Joana E. Colóquio Luso-Afro-Brasileiro de questões curriculares. 3º, 2017. Anais do 3º Colóquio Luso-Afro-Brasileiro de questões curriculares. Cidade de Praia- Cabo Verde, 2017. Disponível em: < http://www.coloquiocurriculo.com/2017/K/3.pdf>. Acesso em: 05 dez. 2017.

MOÇAMBIQUE. Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano. (2003). Plano Curricular do Ensino Básico. Maputo: Autor.

NÓVOA, António. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OLIVEIRA, Amurabi. O ensino de Sociologia na Educação Básica Brasileira: uma análise da produção do GT Ensino de Sociologia na SBS. Teoria e Crítica, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – UFJF, v. 11 n. 1 jan/junh. 2016. Disponível em: https://teoriaecultura.ufjf.emnuvens.com.br/TeoriaeCultura/article/view/2902. Acesso em: 22 jun. 2017.

_______________; PEREYRA, Diego; SABATOVICH, Daniela; FICCARDI, Ana Marcela. Congresso ALAS. 31, 2017. Anais do 31 Congresso ALAS. Montevideo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

PARO, Vitor. Educação como exercício do poder: crítica ao senso comum em educação. São Paulo: Cortez, 2013.

RÖWER, Joana Elisa. Dez anos de Grupos de Trabalho (GTs) sobre ensino de Sociologia no Congresso Brasileiro de Sociologia (2005-2015). Civitas, Porto Alegre, v. 16, n. 3, 126-147, jul.-set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2017.

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. Ministério da Educação, Cultura e Formação da República Democrática de São Tomé e Príncipe. (2003). Lei de Bases para o Sistema Educativo Santomense. São Tomé: Autor.

SIMÃO, Ana Margarida Veiga. Narrativas de formação: potenciar experiências críticas e autorregulatórias. In: MONTEIRO, Filomena de Arruda. NACARATO, Adair Mendes. FONTOURA, Helena Amaral da. (Orgs.) Narrativas docentes, memórias e formação. Curitiba: CRV, 2016. P.69-80.

TIMOR LESTE. Ministério da Educação. (2008). Lei de Bases da Educação. Díli: Autor.

TORINI, Danilo Martins. Formação e identidade profissional: a trajetória de egressos das Ciências Sociais. 2012. 137f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo.

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA. Projeto Pedagógico Curricular do Curso de Sociologia (2016). Redenção, 2016, 101p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.