Expressões das culturas juvenis por meio de fanzines: Análise da culminância de atividade de Sociologia no Ensino Médio

Suélen Pinheiro Freire Acosta

Resumo


Resumo

O presente trabalho foi apresentado no VI ENESEB, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no GT Culturas Juvenis na Escola, de modo que se pretende ampliar o debate considerando os retornos do citado GT. Procuro descrever uma experiência de aula de Sociologia com estudantes de primeiro ano do Ensino Médio, em cidade da região metropolitana de Porto Alegre. Em tal atividade, os estudantes foram apresentados aos fanzines enquanto ferramenta de comunicação utilizada por movimentos sociais e culturais de vanguarda, e convidados a expressar suas opiniões e posicionamentos políticos a partir de provocação suscitada pelo filme Edukators, qual seja, se a juventude contemporânea pode ser revolucionária. A partir de tal questão os estudantes apresentaram diferentes preocupações com a sociedade em que vivem, com seu futuro, apresentando diversas questões do cenário político atual, como feminismo e saúde mental dos adolescentes. Pode-se observar que há, nas culturas juvenis contemporâneas, diversas ligações com pautas políticas, em especial as chamadas pautas identitárias. 

Palavras-chave:Ensino de Sociologia; Culturas juvenis; Fanzine; Ensino Médio; 

 

Abstract

The present work was presented at the VI ENESEB, at the Federal University of Santa Catarina (UFSC), at the WG Youth Cultures at School, in order to broaden the debate considering the returns of the aforementioned WG. I try to describe a Sociology class experience with first year high school students in a city in the metropolitan region of Porto Alegre. In this activity, the students were introduced to the fanzines as a communication tool used by cutting-edge social and cultural movements, and invited to express their opinions and political positions from the provocation raised by the Edukators film, that is, if contemporary youth can be revolutionary. From this question the students presented different concerns with the society in which they live, with its future, presenting several issues of the current political scenario, such as feminism and adolescent mental health. It can be observed that there are, in contemporary youth cultures, several links with political guidelines, especially the so-called identity guidelines.

Key-words: Sociology teaching; Youth Cultures; Fanzine; High school.


Palavras-chave


Ensino de Sociologia; Culturas juvenis; Fanzine; Ensino Médio

Texto completo:

PDF

Referências


DAYRELL, Juarez. Por uma Sociologia da Juventude. In: OLIVEIRA, Luis Fernandes de (org.) Ensino de Sociologia: desafios teóricos e pedagógicos para as ciências sociais. 1 ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRRJ, 2012. Disponível em:https://www.academia.edu/9682974/Ensino_de_Sociologia_desafios_te%C3%B3ricos_e_pedag%C3%B3gicos_para_as_Ci%C3%AAncias_Sociais

GADEA, Carlos A. Realidade Juvenil e violência intersubjetiva em bairros de

Porto Alegre – contextos, situações e perspectivas. Porto Alegre: Cirkula,2015

GADEA, Carlos A. Os jovens e a linguagem da violência (ou a escola como Metáfora do confinamento. Educere et educere Revista de Educação. Vol.9 nº 17 jan./jun.2014 p. 257-267

MAFFESOLI, Michel. O Tempo das Tribos – O declínio do individualismo nas

sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000

PEREIRA, Luiza Elena. Sociologia: a arte da ruptura, da construção e da explicação.

Ciências Sociais Unisinos 51(3):244-250, setembro/dezembro, 2015

REGUILLO, Rosana. Emergencia de culturas juveniles – Estrategias del desencanto.

Bogotá: Grupo editorial Norma, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.