A dominação masculina e a igreja católica: um estudo do filme A papisa Joana

Virginia Arlinda da Silva Cardoso, Rita de Cássia Pereira Farias

Resumo


Na história da humanidade, os homens buscam estratégias diversas para subjugar e inferiorizar as mulheres, enquanto elas buscam superar essa condição. Dessa forma, o presente estudo objetiva, por meio da análise fílmica da obra A papisa Joana, problematizar a dominação masculina e as estratégias femininas de superação no interior desse conflito. Utilizou-se como recurso metodológico uma análise crítico-reflexiva de cunho interpretativo. Concluiu-se que o discurso androcêntrico e/ou misógino presente no filme utiliza narrativas míticas para justificar uma suposta submissão das mulheres. Por outro lado, a resistência da protagonista possibilita a desconstrução gradativa das representações produzidas pelas mentalidades patriarcais.

Palavras-chaves: gênero, corporalidade feminina, dominação masculina.

 

Abstract

In the history of mankind, men seek different strategies to subdue and lower women, while they seek to overcome this condition. Thus, the present study aims, through the film analysis of the work The pope Joan Joana, to problematize male domination and female strategies of overcoming within this conflict. As a methodological resource, a critical-reflexive analysis of an interpretative nature was used. It was concluded that the androcentric and / or misogynistic discourse present in the film uses mythical narratives to justify the supposed submission of women. On the other hand, the protagonist's resistenc resistance allows the gradual deconstruction of the representations produced by the patriarchal mentalities. possible to understand how the spirit of resistance of women fostered the rise of feminist discourse and the gradual deconstruction of representations produced by patriarchal mentalities.

Keywords: gender, female corporeality, male domination.


Palavras-chave


gênero, corporalidade feminina, dominação masculina

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de janeiro: Graal, v. 2, 1985.

BARROS, José D'Assunção. Cinema e história: considerações sobre os usos historiográficos das fontes fílmicas. Comunicação & Sociedade, v. 32, n. 55, p. 175-202, 2011.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 2005.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 7ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CHARTIER, Roger. A força das representações: história e ficção. Chapecó: Argos, 2011.

CROSS, Donna Woolfolk. Pope Joan: a novel paperback. New York: Three Rivers Press, 1996.

DEERE, Carmem Diana; LEÓN, Magdalena. Diferenças de gênero em relação a bens: a propriedade fundiária na América Latina. Sociologias, a. 5, n. 10, p. 100-153, jul./dez. 2003.

DUBY, Georges. Idade média, idade dos homens. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

FELICIO, Gisele Montoza; RODRIGUES, Sheila Darcy Antônio. Uma proposta de análise semiótica da canção A história de Lily Braun. Revista Brasileira de Estudos da Canção, v. 2238, p. 163-172, 2013.

FRANÇA, André Ramos. Das teorias do cinema à análise fílmica. 2002. 157 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

FOUCAULT, Michel. Michel Foucault, uma entrevista: sexo, poder e a política da identidade. Revista Semestral Autogestionária do Nu-Sol, n. 5, p. 260-277. 2004.

HARDY, Ellen; JIMÉNEZ, Ana Luisa. Políticas y estrategias en salud pública: masculinidad y género. Revista Cubana Salud Pública. v.2, n. 27, p. 77-88, 2001.

KIYAN, Ana Maria Mezzarana. A identidade do sacerdote católico: um estudo sobre o celibato e a política de identidade da Igreja Católica. 2005. 189 f. Tese (doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

LOURO, Lopes Guacira. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

LUCIO, Aline Marcelina Resende. Relações de gênero e dominação masculina na cozinha profissional: um estudo com chefs. Belo Horizonte: FNH, 2017.

MACHADO, Brena; SILVA, Tamires. Mulheres da paz: um estudo de caso sobre as noções de empoderamento no contexto do investimento social. Habitus. v.12, n.1, p. 7-19, 2014.

MARQUES, Tanize Cristina; RAMIRES, Denilson; CAMPOS, Candida; GODOY, Gabriela; MASTELLA, Veronice. O cinema como uma prática de ensino-aprendizagem. Revista Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão. v. 4, n. 1, p. 94-102, 2017.

NADER, Maria Beatriz; CAMINOTI, Jacqueline Medeiros. Gênero e poder: a construção da masculinidade e o exercício do poder masculino na esfera doméstica. Anais do 16° Encontro Regional de História da ANPUH-RIO. Rio de Janeiro, 2014.

NEIVA, Luciano Santos; DO SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira. Mito e representação feminina em "O Forte" de Adonias Filho. Anuário de Literatura, v. 17, n. 1, p. 221-240, 2012.

OLIVEIRA, Alexandre Barbosa de. Uso de fontes fílmicas em pesquisas sócio históricas da área da saúde. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 26, n. 4, 2017.

PENAFRIA, Manuela. Análise de Filmes-conceitos e metodologia (s). In: VI Congresso Sopcom. p. 6-7, 2009.

PERROT, Michelle. Os silêncios do corpo da mulher. In: MATOS, Maria Izilda S. de; SOIHET, Rachel. O corpo feminino em debate. São Paulo: UNESP, 2003. pp. 13-27.

RAINONE, Francilene; FROEMMING, Liliane Seide. As potencialidades das imagens cinematográficas para o campo da atenção em saúde mental. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology. v. 5, n. 1, p. 69-83, 2008.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a economia política dos sexos. SOS Corpo, p. 157-210, 1993.

SAFFIOTI, Heleieth. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, n. 16, p. 115-136, 2001.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O local do testemunho. Revista Tempo e Argumento, v. 2, n. 1, p. 3-20, 2010.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Da violência simbólica de gênero à violência sexual contra mulheres: a Lei anti-baixaria e o caso da banda New Hit. 2018. Disponível em: . Acesso em: mai. 2019.

SAYÃO, Deborah Thomé. Corpo, poder e dominação: um diálogo com Michelle Perrot e Pierre Bourdieu. Perspectiva. v.21, n.1, p. 121-149, jan./jun. 2003.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SILVA, Glauce Cerqueira Corrêa da; SANTOS, Luciana Mateus; TEIXEIRA, Luciane Alves. A mulher e sua posição na sociedade: da antiguidade aos dias atuais. Revista SBPH. v.8, n.2. p. 65-76, dez., 2005.

STOLLER, Robert. Recherches sur l’Identité Sexuelle. Paris: Gallimard, 1978.

VANOYE, Francis; GOLLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. 7ª ed. Campinas: Papirus, 2016.

WEBBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. São Paulo: Editora UnB, 2004.

ZINANI, Cecil Jeanine Albert. Literatura e gênero: a construção da identidade feminina. Caxias do Sul: Educs, 2006.

Recebido em: 21 de nov. 2019.

Aprovado em: 19 de jun. 2020

Forma de citar este texto (ABNT):

CARDOSO, Virginia Arlinda da Silva; FARIAS, Rita de Cássia Pereira. A dominação masculina e a Igreja Católica: um estudo do filme a papisa joana. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.9, n. 1, p. 14-26, jan./jul. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Café com Sociologia

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.