CULTURA, IDENTIDADE E CORPORALIDADE NA IDADE MÉDIA: uma análise do filme "O Físico"

Virginia Arlinda da Silva Cardoso, Flavia Helena de Faria, Rita De Cássia Pereira Farias

Resumo


As concepções sobre o corpo e a religião na Idade Média trazem uma inquietação no ser humano, que repercute decisivamente nas atitudes e decisões do povo daquela época, pois a cultura expressava unidade entre corpo e alma e as doenças do corpo eram vistas como castigo para a alma. O presente artigo traz uma análise do filme "O Físico" sob a perspectiva sociológica, tratando de temas referentes à cultura, identidade e corporalidade na Idade Média. O objetivo é mostrar como esses temas podem interferir na maneira como as pessoas veem a si mesmas e aos outros. Os temas abordados ao longo deste estudo refletem o que diversos autores destacam como a socialização do corpo, carregado de significados e funções que se materializam conforme a época e os costumes de um povo.

PALAVRAS-CHAVE: Corpo. Identidade. Cultura.

ABSTRACT

The conception of the body and religion brings a concern to the human being, which has a decisive impact on the attitudes and decisions of a people and of an era, in which culture was a unity between body and soul and the body diseases were seen as punishment for the soul. This article presents an analysis of the movie "The Physician" from a sociological perspective, dealing with themes related to culture, identity and corporality in the Middle Ages. The purpose is to show how these themes can interfere with the way people see themselves and others. The themes approached along this research reflect what many authors point out as the socialization of the body, imbricated with meanings and functions that materialize according to the time period and customs of a people.

KEYWORDS: Body. Identity. Culture.


Palavras-chave


Sociologia, filmes, cultura

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIM, Mikhail Mikhailovitch. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Hucitec: São Paulo, 1987.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2001.

DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. São Paulo Martins Fontes, 2007.

ECO, Umberto. Idade Média: bárbaros, cristãos e muçulmanos. Dom Quijote: Lisboa, 2010.

FREITAS, Eduardo de. "Identidade cultural (língua e religião)"; Brasil Escola. Disponível em < http://brasilescola.uol.com.br/geografia/identidade-cultural-lingua-religiao.htm> . Acesso em 24 de novembro de 2016.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Tradução Fábio Rodrigues Ribeiro da Silva. Petrópolis: Vozes, 2011.

GOFFMAN, Erving. Representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes. 2009.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

LE BRETON, David. A síndrome de Frankenstein. In: SANT'ANNA, D. B. (Org.). Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995.

LE GOFF, Jacques; TRUONG, Nicolas. Uma história do corpo na Idade Média. Rio de Janeiro: Record, 2006.

MAUSS, Marcel. As técnicas corporais. In: . Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU/Edusp.1974.

RODRIGUES, José Carlos. Tabu do Corpo. Rio de Janeiro: Achiamé. 1975.

RODRIGUES, José Carlos. O corpo na história. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.