Determinações contemporâneas e as condições éticas e técnicas do Assistente Social

Fabrício Rodrigues da Silva, Cynthia Studart Albuquerque, Raí Vieira Soares

Resumo


Na contemporaneidade, o mundo do trabalho tem sido marcado pela precarização e pelo desemprego estrutural, como consequência imediata da ofensiva do capital em crise. No Brasil, tal contexto reflete no aprofundamento da precarização e do desemprego estrutural, repercutindo também nas condições éticas e técnicas do exercício profissional dos/as Assistentes Sociais. O objetivo deste trabalho é analisar e discutir as condições éticas e técnicas do exercício profissional do/a Assistente Social na contemporaneidade, observando os limites e possibilidades que se materializam no presente. Recorre-se a uma revisão de literatura em produções clássicas e contemporâneas acerca do tema. Recorre-se também ao materialismo histórico dialético como método para a análise da realidade.

Palavras-chave: Trabalho. Precarização. Serviço Social.

 

Abstract

In contemporary, the world of work has been marked by precariousness and structural unemployment as an immediate consequence of the offensive of the capital in crisis. In Brazil, this context reflects on the deepening of precariousness and structural unemployment, also reflecting on the ethical and technical conditions of professional exercise of social workers. The objective of this work is to analyze and discuss the ethical and technical conditions of professional exercise of the Social Worker in contemporaneity, observing the limits and possibilities that materialize in the present. A literature review is used in classical and contemporary productions on the subject. Dialectical historical materialism is also used as a method for reality analysis.

Keywords: Work. Precariousness. Social Work.


Palavras-chave


Trabalho. Precarização. Serviço Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2 ed. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.

AMARAL, M. S; CARCANHOLO, M. D. superexploração da força de trabalho e transferência de valor: fundamentos da reprodução do capitalismo dependente. In: FERREIRA, C; OSORIO, J; MATHIAS, L. (ORGS.) Padrão de reprodução do capital: contribuições da teoria marxista da dependência. São Paulo: Boitempo, 2012.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In. SADER, E; GENTIL, P. (ORGS.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 16 ed. São Paulo: Cortez, 2015.

BARROCO, M. L. S. Barbárie e neoconservadorismo: os desafios do projeto ético-político. Serviço Social e Sociedade. n. 106, p. 205-218, São Paulo, abr./jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010166282011000200002&lng=pt&nrm=is&tlng=pt . Acesso em: 05 abr. 2020.

BEHRING, E. Brasil em contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Resolução N.º 493/2006: dispõe sobre as condições éticas e técnicas do exercício profissional do Assistente Social. Brasília, 2006. Disponível em . Acesso em 05 abr. 2020.

CHAUÍ, M. Mito fundador e sociedade autoritária. 1 ed. Fundação Perseu Abramo, 2000.

CHESNAIS, F. Doze teses sobre a mundialização do capital. In: FERREIRA, C; SCHERER, A. F. O Brasil frente à ditadura do capital financeiro: reflexões e alternativas. Lajeado: UNIVATS, 2005.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociologia. 5 ed. São Paulo: Globo, 2005.

FONTES, V. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010.

GUERRA, Y. Nas pegadas dos 80 anos de história do Serviço Social: o debate da instrumentalidade com marco. In: SILVA, M. L. O. (ORG.). Serviço Social no Brasil: histórias de resistência e de ruptura com o conservadorismo. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2016.

HARVEY, D. Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 26 ed. São Paulo: Cortez, 2015.

MANDEL, E. A crise do capital: os fatos e sua interpretação marxista. São Paulo: Ensaio, 1990.

MATOS, M. C. Considerações sobre atribuições e competências profissionais de assistentes sociais na atualidade. Serviço Social e Sociedade. n. 124, p. 678-698, out./dez. São Paulo, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282015000400678&lng=pt&nrm=is&tlng=pt . Acesso em: 05 abr. 2020.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

MOTA, A. E. Espaços ocupacionais e dimensões políticas da prática do assistente social. Serviço Social e Sociedade, n. 120, p. 694-705, São Paulo, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010166282014000400006&lng=pt&nrm=is&tlng=pt . Acesso em: 05 abr. 2020.

NETTO, J. P. Crise do capital e consequências societárias. Serviço Social e Sociedade, n. 111, p. 413-429, jul./set. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010166282012000300002&lng=pt&nrm=is&tlng=pt . Acesso em: 05 abr. 2020.

PEREIRA, L. D. A expansão dos cursos de Serviço Social em tempos de contrarreforma do ensino superior brasileiro: impactos na formação profissional em Serviço Social. Revista de Políticas Públicas, v. 14, p. 323-331, São Luís, ago. 2010. Disponível em http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/426. Acesso em: 05 abr. 2020.

RAICHELES, R; VICENTE, D; ALBUQUERQUE, V. A nova morfologia do trabalho no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2018.

RAICHELIS, R. O assistente social como trabalhador assalariado: desafios frente às violações de seus direitos. Serviço Social e Sociedade, n. 107, p. 420-437, São Paulo, jul./set. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282011000300003&lng=pt&nrm=is&tlng=pt. Acesso em: 05 abr. 2020.

SALVADOR, E. Fundo Público e Seguridade Social no Brasil. São Paulo, Cortez, 2010.

SAMPAIO JR, P. A. Crônica de uma crise anunciada: à crítica a economia política de Lula e Dilma. São Paulo: Amarante Editorial, 2017.

SANTOS, J. S. “Questão Social”: particularidades no Brasil. São Paulo: Cortez, 2012.

SANTOS, M. T; MANFROI, V. M. Condições de trabalho das/os assistentes sociais: precarização ética e técnica do exercício profissional. Em pauta, n. 36, p. 178-196, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/article/view/21057 . Acesso em: 05 abr. 2020.

Recebido em: 02 de mar. 2020.

Aprovado em: 20 de abr. 2020

Forma de citar este texto (ABNT):

SILVA, Fabrício Rodrigues da; ALBUQUERQUE, Cynthia Studart; SOARES, Raí Vieira. Determinações contemporâneas e as condições éticas e técnicas do Assistente Social. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.9, n. 1, p. 141-154, jan./jul. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Café com Sociologia

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.